História Minha Heroína - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Personagens Originais
Tags Bts, Jungkook
Visualizações 38
Palavras 2.243
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie Gente
Aqui estou eu, com uma One Shot do nosso querido Kookie ^-^

É apenas um pequeno capítulo que escrevi com muito carinho para vcs.

Tentei deixar fofinho e romântico, não sei se consegui. Me digam vocês nos comentários.

Espero que gostem
Boa leitura
Até as notas finais =)

Ps: Se quiserem, leiam ouvindo Lost Stars, cover do Kookie.
Eu acho que pode combinar, rsrs.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Minha Heroína - Capítulo 1 - Capítulo Único

Abri meus olhos,  e pude ver que não estava em meu quarto. Ao meu lado , haviam máquinas que pareciam cronometrar os meus batimentos cardíacos.

Me levantei assustado daquela cama, percebendo que estava na verdade, em um hospital. Eu não conseguia me lembrar de nada, apenas de ter sido trazido para cá por uma ambulância e de ter apagado.  

Olhei para o lado com um pouco de dificuldade, e vi uma silhueta se aproximando. O homem era alto, usava um jaleco branco e segurava uma prancheta. Ele sorria para mim.

- Vejo que acordou Sr. Jungkook. - mais um sorriso. - Está com alguma dor ?

- Por que estou aqui, doutor... Jay ? - ignorei sua pergunta. Senti uma forte e dolorosa pontada em minha cabeça.

- Você foi atropelado Jungkook. - respondeu, olhando alguns papéis. - Teve apenas uma perna quebrada, e por pouco não bateu sua cabeça.

- Você pode me dizer quem estava comigo ? - perguntei. Eu realmente não me lembrava de nada antes de ter desmaiado.

- Uma menina ligou para a ambulância. - ditou, sorrindo ladino. - Ela também foi atropelada, mas saiu apenas com um braço quebrado.

- Espera, como ela foi atropelada ?

- Ela tentou lhe salvar, mas ao te puxar, acabou sendo atropelada também. - suspirou. Parecia realmente frustrante para ele.

- E onde ela está ? - perguntei, curioso. Afinal, queria saber quem era a menina que havia tentado me salvar.

- Está colocando o gesso agora mesmo. - deu mais um sorriso. - Agora preciso ver outro paciente. Se precisar de algo, chame uma enfermeira, e ela lhe ajudará.

- Doutor. - ele se virou novamente para mim. - Posso ligar para minha mãe, por favor ?

- Nós já contatamos sua mãe, Jungkook. Ela disse que virá amanhã para visitá-lo. - suspirei. Minha omma era realmente impressionante. Nem quando seu próprio filho foi atropelado, ela larga o seu emprego.

- Obrigado, doutor. - tentei uma reverência. Senti meu quadril doer. Graças ao gesso, eu não conseguia me mexer da cintura para baixo. Isso é muito frustrante!

Me deitei novamente na cama, e comecei a pensar na menina que havia tentado me salvar. O quê ela pensou que estava fazendo ?, isso era muito perigoso.

-.-

Alguns minutos depois, eu não aguentava mais ficar deitado apenas pensando na vida. Pedi a uma enfermeira para me ajudar com a cadeira de rodas. Me sentei na mesma, e comecei a perambular pelo hospital.

Várias pessoas passavam pelos corredores. Médicos e enfermeiras correndo desesperados, outros já andavam mais calmos enquanto liam alguns papéis.

Pais desesperados, e grávidas gritantes passavam ao meu lado. Depois de muito observar, me cansei de andar com aquela cadeira. Era cansativo. Meus braços doíam, e minha cabeça também.

Fui até a cantina do hospital, onde não havia muitas pessoas. Olhei atentamente para as mesas. Médicos se alimentando e conversando em seu intervalo. Peguei um suco de laranja da máquina de bebidas, e fui rodando pelo lugar.

Eu odiava hospitais. Eram lugares sem graça, e sem cor. Há alguns anos, passei uma boa parte da minha vida em um hospital. Minha avó sofria de câncer, e eu ia todos os dias visitá-la. Mesmo que fosse um lugar triste, onde eu passava a maior parte do tempo chorando, eu ia. Deveria ser forte, por minha avó, e ficar com ela.

Olhando mais um pouco pelo enorme lugar, prendi minha atenção em uma garota. Ela tinha os cabelos castanhos, com as pontas azul claro. Seus olhos eram verdes, sua pele branquinha, e seus lábios rosados. Ela era linda. Mas algo a mais chamou a minha atenção. Em seu braço, estava o gesso.

Continuei olhando para aquela linda garota, mas sem que eu percebesse, ela colocou seus olhos verdes em mim. Seu rosto de frente era ainda mais lindo. Suas bochechas ganharam um rubor vermelho, e eu engoli em seco.

- Jungkook... - pude vê-la sussurrar. Ela rapidamente se levantou, correndo para fora da cantina.

Em rápidos passos, a segui. Ou melhor, tentei. Aquela cadeira de roda era incrivelmente devagar. Mas ainda não tinha a perdido de vista. Enquanto tentava segui-la, a vi entrar em um quarto.

- Por que ela está correndo de mim... ? - indaguei, confuso. Ao entrar no quarto, pude vê-la se escondendo atrás da cama. Soltei uma risadinha, enquanto ouvia sua respiração acelerada.

- Acha mesmo que não estou te vendo, garota ? - perguntei, sorrindo. Ela suspirou cansada, e se levantou. A camisola que a menina usava me proporcionava a perfeita visão de suas grandes e volumosas pernas.

- Por que correu de mim ? - perguntei, e ela não me olhava. Comecei a me sentir desconfortável, naquele silêncio que reinou profudamente pelo quarto.

- Você é a menina que tentou me salvar ? - perguntei, e ela me olhou suspresa. 

- Quem lhe contou isso ? - perguntou, timidamente. Quase não pude ouvir a sua voz.

- Ninguém. - me aproximei. - O médico apenas me disse que uma menina havia tentado me salvar.

- Aquele... - resmungou, parecia nervosa. - Eu não tentei, eu te salvei!

- Okay, okay... não precisa gritar. - ditei, e ela encolheu os ombros, constrangida.

- Está tudo bem com você ? - perguntou. Ela tinha uma feição preocupada, ao tocar o meu rosto.

- E..estou. - guaguejei, sentindo minha bochecha esquentar com o toque da menina. - O médico disse que por pouco não bati minha cabeça.

- Que bom. - sorriu alegremente. Ela tinha um belo sorriso.

- Então... você ainda não me disse o seu nome. - falei. Ela me olhou timidamente, enquanto pensava se devia ou não falar o seu nome. Ela era realmente muito fofa.

- Meu nome é Youra. Kim Youra. - dei um sorriso fraco.

- Nome bonito. - respondi, me ajeitando na cadeira de rodas. - O meu é-

- Jeon Jungkook. - ela me interrompeu. Olhei para a menina surpreso. Nós nos conhecíamos ? Éramos amigos, e eu não me lembrava ?

- C..como sabe o meu nome, Youra ?

- Nós estudamos na mesma escola Jungkook. - disse, como se fosse óbvio.

- Entendi. - sorri forçado, coçando minha nuca. Eu estava envergonhado. Nunca havia notado aquela garota tão linda em meados aquelas pessoas na nossa escola.

- Jungkook. - chamou-me baixinho. - Você não devia estar no seu quarto ?

- Isso é uma maneira de se livrar de mim, mocinha ? - ouvi ela dando uma risadinha, assentindo.

- O médico irá brigar com você. - se aproximou de mim. - Ele detesta quando seus pacientes vão dar uma voltinha pelo hospital.

- Mas o que eu posso fazer se estava morrendo no tédio ? - fiz um biquinho. Ela parecia querer apertar minhas bochechas. Eu sei que sou externamente fofo.

- Você deveria ir Jungkook. - sugeriu manhosa. - Não quero que o doutor Jay lhe dê um sermão.

- Tudo bem... eu já estou indo. - levantei as mãos, em rendição. - Youra.

- O que foi ? - perguntou, se sentando em sua cama.

- Obrigado. Sem você, acho que poderia ter me acontecido alto bem pior do que apenas quebrar uma perna. - sorri, e ela corou.

- Só fiz o que devia ser feito, Jungkook. - respondeu simplista.

- Pode me chamar de Kook, ou do que você quiser. - me olhou alegre, seus olhinhos verdes brilhavam.

- Vou lhe chamar de Coelhinho. - exclamou animada. Ela era uma garota extremamente animada!

- Então, eu irei te chamar de You. Pode ser ? - ela assentiu. Me virei e fui até a porta do quarto.

- Tchau coelhinho! - a ouvi dizer.

- Tchau You! - respondi de volta.

-.-

Já faz exatamente três meses desde que fui atropelado, e salvo pela minha mais nova amiga Youra.

Ela é realmente uma maravilhosa garota! Nos últimos dias, descobrimos que temos muito em comum. Gostamos de quase todas as mesmas músicas, temos várias manias parecidas, e pensamos igual sobre vários assuntos.

Já saímos juntos tantas vezes para passear, que nem me lembro mais. Nossos dias juntos são os melhores.

Poder conversar com alguém que me entende, e passa pelas mesmas coisas que eu, é realmente incrível!

You é uma menina muito legal. Ela é animada, educada, e muito, muito carinhosa. Sempre está dando carinho em meu cabelo e abraços apertados. Ela realmente sabe me fazer sentir bem.

Nesses últimos meses, passei diversas aventuras ao seu lado. You me fez muito feliz desde que nos conhecemos no hospital.

Hoje, nós iremos ao parque, e depois tomaremos sorvete. Aos sábados, eu vou até sua casa e ficamos o resto do dia assistindo filmes e séries. Comemos besteiras e fazemos brincadeiras um com o outro. É realmente muito divertido!

Depois de tomar um banho, visto minha roupa e penteio o meu cabelo. Passo perfume, e pego minha carteira.

Ao chegar no parque em que marcamos de nos encontrar, vejo minha menina sentada em um banco, perto do jardim.

Chego perto o bastante, e tapo os seus olhos com minhas mãos. Ela dá uma risadinha gostosa e segura em meu pulso. Fofa!

- Advinhe quem é! - falei manhoso.

- Com essas mãos e braços enormes, só pode ser o meu Oppa! - respondeu, dando um belo sorriso.

- Acertou! - parei em sua frente, para ver de perto aquele sorriso que tanto amo.

- Meu Oppa. - rodeou seus braços em volta do meu pescoço, me dando um forte abraço. Coloquei minhas mãos em sua cintura e retribui o contato. Eu realmente amava abraçá-la.

- Vamos andar ? - perguntei, rente ao seu ouvido. Ela assentiu sorridente, e segurou em minha mão.

- Vão achar que somos um casal, Kookie! - sorriu sapeca, mordendo seu lábio inferior. Senti um desconforto. Aquela menina realmente mexia comigo de uma forma muito intensa.

- Mas nós somos um, princesa. - sorri malicioso, e ela beijou a minha bochecha. Eu amava os seus beijinhos. Seus lábios eram tão macios.

- Está muito enganado, senhor Jeon. - ditou autoritária, mas logo não se segurou e soltou uma risadinha.

- Você é mesmo muito fofa, minha princesa! - apertei sua bochecha, dando um beijinho em seu nariz. Ela corou, e desviou seu olhar.

- Vamos ? - se referiu a sorveteria, umedecendo seus lábios rosados. Ela segurou novamente em minha mão, e fomos até o outro lado da rua.

Pedimos nossos sorvetes. O meu sabor biscoito com calda de chocolate, e o dela de leite ninho com calda de caramelo.

- Você é canibal sabia, meu biscoito ? - falou, rindo escandalosamente. Nós atraíamos alguns olhares de reprovação, mas uma coisa que You me ensinou foi que não devo ligar para o quê os outros pensam ou falam de mim.

- Por que, minha linda ? - perguntei, e acabei sendo contagiado pela sua risada.

- Você é um kookie, esqueceu ? - ditou um pouco alto. - E pediu sorvete de biscoito!

- Mas o que eu posso fazer se biscoito é meu sabor preferido de sorvete !? - a moça que havia anotado os nossos pedidos veio, colocando as duas taças de sorvete em cima da mesa.

- Canibal! - xingou-me de uma maneira fofa, o que me fez apertar sua perna por debaixo da mesa.

- Chata! - lhe respondi.

- Feioso! - sorriu animada, pensando que havia ganhado.

- Namorada do Júnior! - falei, e ela tampou a boca, enquanto me fuzilava com o olhar furioso.

- Jungkook! - repreendeu-me, e eu sorri vitorioso. - Isso não vale!

- Mas é claro que vale, You. - cruzei meus braços, fazendo uma careta. Mesmo ela estando com raiva, riu da minha cara engraçada.

- Você estava trapaceando. - fez um biquinho fofo com os lábios.

- E você me chamou de feio. - fingi estar triste. Ela me olhou sorridnte, e se aproximou.

- Era mentira, Oppa. - falou baixinho. - Você é muito, muito, muito bonito.

- Obrigado. - sorri, envergonhado. - Você também é linda, minha princesa.

- Agora, vamos comer nosso sorvete! - exclamou animada. Enquanto ela comia rapidamente o seu doce, eu a observava. Pensava em o quão sortudo eu era por ter uma menina tão perfeita como ela.

-.-

Hoje, era sábado. E como combinado, eu estava na casa de minha amiga, assistindo filme. Seu colo era o meu abrigo, e seu carinho era a minha salvação.

Ultimamente, eu não conseguia mais prestar atenção nos filmes em que assistíamos juntos.

Eu só conseguia olhar para a minha pequena, e agradecer mentalmente a Deus por ter a colocado em minha vida.

Eu agredecia todos os dias por ter sido salva pela pessoa com quem mais amo no mundo. Foi ela quem me salvou, e que está cuidando de mim nos últimos três meses. Estou feliz, e muito, muito agradecido por tê-la perto de mim, sempre.

Sei que meu sentimento pode não ser correspondido, mas só de saber que tenho esta menina tão maravilhosa em minha vida, já me sinto mais feliz do que sou.

Youra entrou na minha vida sem motivo algum para ficar, mas agora, ela tem muitos para continuar ao meu lado, pelo tempo que pudermos ter.

Vejo minha menina dando um sorriso, e sinto seus lábios serem pressionados aos meus em um demorado selinho. Ela sorri timidamente, e sem entender muito bem, a ouço dizer baixinho:

- Eu te amo, meu coelhinho.

- Eu também te amo, minha heroína.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Até o próximo =)

PS: Não esqueçam de me dizer o quê acharam em! Rsrs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...