História Minha tentação ( Imagine Park Jimin) - Capítulo 58


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 215
Palavras 1.960
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente esse capítulo tá escrito todo em terceira pessoa. Caso vocês gostem assim,eu continuo escrevendo assim. Se não, eu escrevo da forma que estava escrevendo antes. Eu quero fazer de uma forma que torne a leitura mais agradável pra vocês. Então, me digam... como vocês gostam da forma de escrita? É importante pra mim as sugestões e opiniões de vocês.
Desculpem a demora, meus amores. Senti saudades de vocês, de verdade. Obrigada por todo apoio que vocês tem me dado ,me fazem sentir mais confiante. Obrigada pelos favoritos, pelos comentários. Vocês são uns amores.
Vocês querem que eu crie um grupo no Zapp? Vamos ser amiguinhos?

Boa leitura!! Espero que gostem...

Capítulo 58 - Fifty eight


 

A vitória de Baek estava tão próxima que ele conseguia sentir seu gosto. Sabia que S/n não era forte e estava acostumado a usar suas fraquezas em beneficio próprio. Quando ela olhou dentro dos seus olhos e implorou que ele acreditasse que ela não estava com foto alguma, ele acreditou. Era muito mais provável que Sunny estivesse tentando armar uma cilada para ela, tentando distrair a atenção de seu próprio jogo de vingança. Quando voltou a segurar S/n nos braços, ele desistiu de procurar as fotos. Agora, sua missão era bem diferente. 

Sem se deixar se intimidar pelo celular que tocava na cozinha, alternando-se com alguns compassos de " My likey ". Baek começou a beijá-la, puxando-a  de modo que ela montasse sobre ele no sofá de seu appa. 

Ela ainda era frígida. Mal conseguia tolerar as investidas de Baek, os braços e corpo sem vida. Nunca havia gostado da língua dele em sua boca. Na verdade, nunca havia gostado de nada ali e mesmo agora se contorcia nos braços dele. Mas o desconforto dela o excitava e, quando ele deslizou a língua pela dela, sentiu sua excitação crescer, fazendo pressão contra o zíper da calça jeans. 

Ele a beijou até ela criar coragem para empurrar seu peitou com os punhos. Foi então que Baek soube que estava na hora de partir para outras atividades. Quando começou a desabotoar a blusa de S/n, ela se debateu. 

- Por favor, não faça isso  - protestou, chorosa. - Me solte, por favor. 

- Você vai gostar. -  Ele deu uma risadinha, inclinando para apertar a bunda dela, apalpando-a, enquanto ela tentava escapar do seu colo. - Vou me  assegurar disso. Só então irei soltá-la. 

Ele arrastou a boca pelo queixo de S/n, descendo pelo lado esquerdo do seu pescoço, chupando um pedaço de pele. 

- Imagino que você não vá querer repetir nossa última briga, não é mesmo, S/n? 

Ela estremeceu.

- S/n? 

- Não, Baek. 

- Ótimo. 

Como estava de olhos fechados, ele não viu o chupão evidente no lado direito do pescoço de S/n. Mas não faria tanta diferença.  Baekhyun já estava decidido a marcá-la. Uma bela mordida para que seu namorado de Seul visse o que sua namoradinha andava aprontando. Ele sugou seu sangue até a superfície da pele e, para completar, cravou os dentes ali. 

Ela gritou de dor. 

Ele lambeu sua pele de leve, saboreando seu gosto -  uma mistura de salgado, doce, sangue e S/n. Quando terminou, recuou para admirar seu trabalho. Ela precisaria usar gola rulê para cobrir a mordida. Ele sabia que S/n não gostava de gola rulê. A  marca era monstruosa, feroz e vermelha. Era perfeita. 

S/n ergueu os olhos para ele através de seus cílios incrivelmente longos e Baek notou uma mudança em seus olhos. Ele se inclinou para a frente e lambeu os lábios. De repente, a palma da mão dela atingiu seu rosto num tapa violento. Num piscar de olhos, S/n correu em direção às escadas para fugir para o segundo andar. 

- Sua piranha desgraçada!  - berrou Baek, disparando atrás dela e alcançando-a com facilidade. 

Logo antes de ela chegar ao topo da escada, ele agarrou seu tornozelo com as duas mãos e torceu. Ela caiu de joelhos, gritando de dor. 

- Vou lhe dar uma lição que você nunca vai esquecer  - disse ele, movendo-se para agarrar os cabelos dela. 

S/n urrou e Baek puxou sua cabeça para trás. 

Debatendo-se alucinadamente, ela o chutou com força com o pé ileso e, por milagre, conseguiu acertar a virilha de Baek, fazendo-o  soltar seus cabelos e cambalear escada abaixo. Então foi mancando até seu quarto e trancou a porta enquanto ele se encolhia de dor. 

- Espere só até eu pegar você, sua piranha! - gritou ele,com as duas mãos na virilha. 

S/n travou a porta do quarto com uma cadeira e começou a puxar uma cômoda. Velhos porta-retratos chacoalharam uns contra os outros em cima do móvel antigo e uma boneca de porcelana caiu no chão, se despedaçando.  Ignorando a dor no tornozelo,ela mancou até o outro lado da cômoda, empurrando-a freneticamente com impulsos curtos e desesperados. Baek gritava palavrões, lutando com a maçaneta. 

Por fim, ela conseguiu pôr a cômoda na frente da porta. Queria apenas ganhar tempo para dar um telefonema antes de Baek invadir o quarto. Ela mancou até o telefone na mesa de cabeceira, mas, na pressa, acabou derrubando-o no chão. 

- Merda! 

Pegou o aparelho e, com os dedos trêmulos, começou a discar o número do celular de Jimin. Caiu direto na caixa postal. Enquanto ela esperava o bipe, Baek atirou seu corpo contra a porta. S/n observou, horrorizada, a velha porta ceder e começar a se soltar das dobradiças. 

- Jimin, venha para casa do meu appa agora mesmo.  Baekhyun está aqui tentando arrombar a porta do meu quarto! 

Baek xingou e rosnou, jogando-se de forma incansável contra a porta. Assim que conseguisse arrombá-la, viraria a cômoda para pegar S/n. 

Acabou. Estou morta, pensou ela. 

Não conseguia imaginar um desfecho em que escapasse sem ficar gravemente ferida ou coisa pior. Percebendo que não poderia esperar nem mais um segundo, ela largou o telefone e abriu a janela, preparando-se para subir no telhado e talvez pular. No instante em que tentava passar por cima do peitoril, viu o jipe de Jimin chegar cantando pneus. Ele saiu correndo do carro e atravessou o quintal em disparada. 

Jimin gritou o nome dela e Baek o xingou.  Passos leves e rápidos ecoaram nas escadas, seguidos pelo som de corpos se chocando e de uma enxurrada de palavrões. Algo muito pesado desabou no chão. Alguém saiu rolando pelos degraus. 

S/n se aproximou devagar da porta quase destruída, esforçando -se para ouvir o que estava acontecendo.  Os barulhos pareciam vir do lado de fora.

Quando mancou de volta para a janela, viu Baek caído na grama do quintal . Ele xingava e segurava o nariz. Sem fôlego, ela o observou se levantar, cambaleante e com sangue escorrendo pelo rosto. Num piscar de olhos, o sangue do nariz de Baek se misturou ao da sua boca quando um gancho de direita de Jimin correu seu lábio e arrancou alguns dentes. 

- Filho da puta!  -  Baek cuspiu os dentes e se lançou para cima de Jimin. Apesar da óbvia desvantagem, ele conseguiu acertar um soco no peito do seu oponente. 

Jimin cambaleou para trás, sem ar. Baek deu outro passo à frente, disposto a aproveitar a fragilidade do adversário. Park se recuperou depressa, esmurrando a barriga do outro com as duas mãos. Baek se encolheu de dor e caiu de joelhos. 

Jimin ajeitou os ombros sem pressa e virou a cabeça de lado, estalando o pescoço. Parecia extraordinariamente relaxado em seu paletó e sua camisa social. Era como se estivesse a caminho de uma reunião de professores na universidade, em vez de dando uma surra no filho do senador. 

- Levanta daí  - ordenou Park com uma voz que fez o sangue de S/n gelar. Baek gemeu. 

- Eu falei pra você levantar daí!  - Jimin se agigantou sobre ele como um anjo vingador: lindo, terrível e sem nenhuma misericórdia. 

Como Baekhyun não se moveu, Jimin pegou-o pelos cabelos e jogou sua cabeça para trás. 

- Se pensar em chegar perto dela outra vez, vou matar você.  O  único motivo para ainda estar vivo é porque S/n ficaria triste em me ver ir para a cadeia.  E não vou largá-la depois do que você fez, seu filho da puta doente.  Se uma foto ou um vídeo de alguém minimamente parecida com ela for parar na internet ou num jornal, irei atrás de você.  Não pense que vou hesitar em esmagar sua cabeça da próxima vez. 

Jimin recuou e arrebentou o queixo de Baek com um direito de esquerda. Ele desabou no chão e ficou totalmente imóvel.  Tirando um lenço do bolso de trás da calça, Park limpou o sangue das mãos como se não fosse nada. Neste exato momento, S/n surgiu na porta da frente e foi mancando na sua direção. 

- S/n!   - Ele a pegou em seus braços quando ela quase caiu dos degraus de entrada. -  Você está bem ? 

Ele a pousou no chão com cuidado, puxando-a contra o peito. 

- S/n ? - Ele afastou os cabelos dela para trás para poder vê-la. 

 Seus lábios estavam vermelhos e inchados, havia arranhões em seu pescoço, seus olhos estavam alucinados e... o que era aquilo ? Uma enorme marca de mordida ? 

Aquele animal desgraçado a mordeu!! 

- Você está bem ?  Ele...? 

Jimin baixou os olhos até suas roupas, com medo do que pudesse ver. Mas não, as roupas dela não estavam rasgadas e S/n continuava vestida, embora sua blusa estivesse desabotoada. 

Ele fechou os olhos e agradeceu por não ter chegado tão tarde. Quem sabe o que poderia ter encontrado ?

- Venha comigo - falou com voz firme, tirando o paletó e colocando-o em volta dos ombros dela. Ele se apressou em abotoar sua blusa e então a carregou até o banco do carona do jipe, fechando a porta em seguida. 

- O que aconteceu ? - perguntou ele, entrando no carro. 

S/n segurava seu tornozelo machucado e murmurava para si mesma. 

- S/n ? 

Como ela não respondeu, ele estendeu a mão para afastar os cabelos de cima dos seus olhos. 

Ela se encolheu em direção a porta. 

Ele parou no ato. 

- S/n, sou eu. Jimin. Vou levá-la para o hospital. Está bem ? 

 Ela não deu sinal de ter ouvido. Tampouco tremia ou chorava. Está em estado de choque, pensou ele.  Jimin sacou seu celular e digitou um número. 

- Taewoo ? Aconteceu algo com S/n. -  Ele se interrompeu e olhou para ela. - O ex-namorado dela apareceu e a atacou. Estou levando-a para o hospital em Sunbury. Sim, você pode nos encontrar lá, se quiser. Até já. 

Jimin tornou a olhar para S/n, na esperança de que ela fizesse algum contato visual. 

- Taewoo está indo nos encontrar em Sunbury. Vai ligar para um amigo dele que é médico. 

Como S/n não reagiu, ele ligou para o auxílio à lista para descobrir o número do Posto de Bombeiros de Busan. Deixou uma mensagem urgente para Jihoon, explicando o que tinha acontecido e que estava levando S/n para o hospital. 

Por que ele a deixou sozinha, porra ? 

- Eu dei um tapa nele.  -  A voz de S/n, aguda e estranha, invadiu meus pensamentos. 

- Você o quê ? 

 - Ele me beijou.... eu dei um tapa nele. Sinto muito. Sinto muito.  Eu não queria beijá-lo. 

Naquele instante, Jimin ficou grato por ter que levá-la ao hospital. Se não precisasse cuidar dela, teria voltado e acabado com a raça de Baekhyun. Sem dúvida. 

Ela começou a falar coisas sem sentido. primeiro murmurou algo sobre ele tê-la beijado e sobre Sunny; depois algo sobre como ele, Jimin, não iria querê-la mais porque ela estava marcada e seria péssima na cama... 

O que aquele desgraçado fez com ela ? 

- Sssshhh, Beatriz. Olhe para mim. Beatriz. 

S/n levou algos instantes para perceber que Jimin a estava chamando pelo seu antigo apelido, mas então olhou para ele, os olhos frenéticos se focando lentamente em seu rosto. 

-  A culpa não foi sua, está bem ? Não foi culpa sua que ele a tenha beijado. 

- Eu sinto muito,  sinto muito - sussurrou ela. 

O tom da sua voz, o pânico em seus olhos...    Park engoliu a bile que lhe subiu à garganta. 

- S/n, não foi culpa sua, está bem ? Estou feliz que tenha batido nele. Ele mereceu. Ele merecia coisa pior,  muito pior. 

Jimin balançou a cabeça, perguntando-se, horrorizado, o que teria de fato acontecido antes de ele chegar. 

                                                                                                  ...

 

 

 


Notas Finais


Isso foi tenso, gente, Muito tenso! Coitada da S/n.... ela foi bem valente.
Ainda bem que Park chegou a tempo e quebrou a cara de Baek.
Jimin...nosso anjo vingador S2
Vocês gostaram dessa forma de escrita ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...