História Minha vida como se fosse um livro - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance
Visualizações 5
Palavras 1.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 5 - Capítulo 5


Nós colocamos as roupas de cama na máquina e fomos para o quarto.

(Júnior): quer dormir um pouco.

(S/n): claro.

(Júnior):vem cá então. - diz se deitando na cama e tirando a camisa.

(S/n): tá. - digo tirando a camisa dele que eu estava usando.

Me deito na cama ao seu lado e ele me abraça e dormimos.

6 dias depois

Estávamos na sala assistindo filmes, Júnior ao meu lado deita a cabeça pra trás e vira para mim.

(Júnior): vida.

(S/n): eu.

(Júnior): eu já falei que eu te amo!?

(S/n): sim, mas pode falar de novo

(Júnior):eu te amo te amo te amo muitão mesmo. - diz me beijando

(S/n): eu também minha vida, mas porque isso de repente?

(Júnior): eu não sei só sei vontade de te falar isso, pra te lembrar que pode contar comigo pro que for.

(S/n): aí assim eu choro não faz isso.

A gente pensou que estávamos sozinhos em casa pois o Daniel tinha acabado de sair.

(Glória): aí mais que casal mais fofo.

(Fernando): e verdade você é a melhor pessoa que o Júnior poderia escolher pra ser a namorada dele.

(S/n): obrigada.

(Júnior): Júnior eu sei, mas pera vocês disseram que iriam ficar 1 mês fora.

(Glória): e vamos, vinhemos pegar mais roupas

(Júnior): tá já podem ir tchau.

(Glória): eu preciso que você me faça um favor.

(Júnior): ah não.

(S/n): deixa de ser chato é vai lá.

(Glória): gente cada dia eu gosto mais dela.

(Júnior): eu também mais não por isso.

(Glória): tá mas você, vai ou não vai?

(Júnior): tá vai fala, qual é o favor?

(Glória): vai lá no banco e deposita esse dinheiro na minha conta.

(Júnior): pra que?

(Glória): por que sim.

(Júnior): eu só vou ir ali no meu quarto e já vou.

Júnior vai para seu quarto.

(Glória): pede pra ele não demorar.

(S/n): tá.

Vou até o quarto de Júnior e ele não me vê na porta e eu fico vendo oque ele está fazendo e ele estava conversando com ele mesmo no espelho e penteado o cabelo.

(Júnior): eu sou muito lindo eu sei, se eu casaria com você? É claro, se eu trocaria minha namorada por você? É claro, que não.

Bati na porta como se estivesse chegando agora.

(S/n): sua mãe pediu pra você não demorar.

(Júnior): tá. - diz fingindo que não estava fazendo nada.

Júnior sai e eu vou falar com sua mãe.

(S/n): licença, a senhora tem um lápis borracha e papel para me emprestar?

(Glória): senhora está lá no céu, me chama de glória.

(S/n): desculpa Glória.

(Glória): mas tenho sim toma.

Vou para a mesa e começo a desenhar Júnior falando com ele mesmo no espelho.

(Glória): nossa você desenhar muito bem.

(S/n): obrigada.

(Glória só não entendi porque você está desenhado ele!?

(S/n): eu ainda não terminei, mas é porque quando você me pediu para avisar para o Júnior não demorar, ele estava falando com ele mesmo no espelho e ele não me viu e quando eu entrei no quarto ele fingiu que nada havia acontecido

(Glória): depois eu falo esse garoto veio do manicômio só pode, mas você desenha muito bem.

(S/n): obrigada.

(Glória): mas você consegue desenhar qualquer coisa?

(S/n): não sei, mas eu posso tentar.

(Glória): se eu te entregar uma foto você consegue desenhar?

(S/n): claro.

10 minutos depois

É assim faço assim que termino chamo a glória.

(S/n): Glóriaaa.

(Glória): mas já?

(S/n): já.

(Glória): ficou de mais.

(S/n): obrigado.

O desenho de Júnior voa para a porta e ele chega e vê.

(Júnior): quem desenho isso?

(S/n): eu.

(Júnior): nossa eu não sabia que você desenhava tão bem.

(S/n): valeu.

(Júnior): e eu tô muito bonito aqui.

(Glória): só no desenho mesmo.

(Júnior): nossa, pera isso foi quando. - eu o interrompo

(S/n): você tava falando com você mesmo no quarto.

(Júnior): nossa não posso nem mais me elogiar.

(S/n): você tava quase beijando o espelho.

(Júnior): e porque eu lindo e maravilhoso.

(Glória): aonde?

(S/n): cada dia mais eu gosto dela.

(Júnior): hehehe.

(Glória): tá agora temos que ir.

(Júnior): mas já?

(Glória): é meu filho está tudo muito corrido lá.

(Júnior): tchau. - e seus pais vão embora.

(S/n): graças a Deus um tempo a sós.

(Júnior): se eu te der uma folha, você consegue desenhar meu pau em tamanho real?

(S/n); preciso só de uma folha de bloquinho.

(Júnior): nossa. - diz se levantando puto e indo para o quarto.

(S/n): vida eu tô brincando.

(Júnior): então diz e você ia precisar de uma cartolina.

(S/n): porra ao é anormal.

(Júnior): diz.

(S/n): tá, eu iria precisar de uma cartolina.

(Júnior): doeu?

(S/n): ain muito. - digo em outro sentido para o perturbar.

(Júnior): idiota. - diz rindo e eu vou deitando para no seu colo.

(S/n): eu acho que é impossível alguem ter o pau do tamanho da cartolina.

(Júnior): não é não eu tenho.

coloco a mão por dentro do shorts dele é falo.

(S/n): não tem não. - o beijo e saio.

(Júnior): espera faz isso de novo. - diz se levantando da cama indo até a sala e me puxando para o quarto.

(S/n): gostou né.

(Júnior): claro. - diz me jogando na cama.

(S/n): cadê a.- Júnior me enterrompeu.

(Júnior): tá aqui. - diz me beijando e abrindo a camisinha.

Daniel chega com alguns amigos.

(S/n): a não.

(Júnior): eu não acredito.- Júnior colocamos nossas roupas e fomos na na ver quem era.

(Daniel): o meu irmão vocês já conhecem e aquela é a mina que ele tá comendo.

(S/n): babaca. - digo e volto para o quarto mas fico ouvindo toda a conversa.

(Júnior): você é um idiota mesmo, e ela é a minha namorada.

(Daniel): mas você tá comendo ela.

(S/n):pelo menos ele come alguém não fica só batendo igual a você. - digo saindo do quarto.

(Júnior): nossa.

(S/n): vem. - digo o puxa para o quarto.

(Júnior): não liga pra ele, você quer ir ao cinema?

(S/n): claro.

Fomos ao hotel pegar outra roupa Júnior fica lá em baixo e eu subo pra pegar a roupa.

(Felipe): s/n?

(S/n): oque você quer?

(Felipe): o que é isso? - diz tirando o cabelo do meu pescoço

(S/n): o que?

(Felipe): isso roxo no seu pescoço.

(S/n): não te interessa.

(Felipe): é um chupão não é!?

(S/n): não é da sua conta):

(Felipe): foi aquele idiota não foi.

(S/n): olha como fala dele.

(Felipe): oque houve com a gente?

(S/n): a gente? Como assim?

(Felipe): nós dois.

(S/n): nunca houve a gente.

(Felipe): vai falar que você não gostava de mim.

(S/n): gostei a muito tempo atrás.

(Felipe): não tem como você deixar ele pra trás e a gente tentar.

(S/n): claro. - e Felipe tenta me beijar.

Júnior estava vendo tudo escondido.

(S/n): que não. - digo dando um tapa na sua cara antes que me beija-se.

(Felipe): aii, mas me explica por que você gosta tanto dele!?

(S/n): o Júnior é a melhor coisa que já me aconteceu, eu confio, gosto, amo ele de coração ele é simplesmente perfeito do jeito que é eu não mudaria nada nele.

Júnior chega se fazendo de sonso fingindo que não viu nada.

(Júnior): oque tá acontecendo aqui?

(S/n): nada esquece. - diz com um olhar de desprezo para Felipe.

(Felipe): vai fala a verdade pra ele.

(S/n): que verdade?

(Felipe): a s/n disse que me ama e me beijou.

(S/n): você tá maluco? Júnior eu juro não foi nada disso que aconteceu. - digo desesperada.

(Júnior): então é isso!?

(Felipe): é.

(S/n): Júnior, é mentira eu juro.

(Júnior): eu sei que é.

(Felipe): você sabe?

(Júnior): sei eu vi tudo e ouvi, eu também te amo vida. - diz me beijando. - agora vamos. - diz Júnior me puxando para o quarto do hotel para pegar a roupa.

Me troco e saio do quarto com Júnior.

(Júnior): tá pronta?

(S/n): tô.

(Júnior): então vamos.

Fomos para o cinema no shopping mas antes fomos em uma loja no shopping de besteiras tipo, doces, biscoitos e bebidas e a loja era muita grande e Júnior teve uma ideia.

(Júnior): vamos pegar um carrinho e você vai entrar dentro.

(S/n): pra que?

(Júnior): só vai na minha.

(S/n): tá.

Pegamos o carrinho e ele pegou um negócio líquido lá vermelho de comer e colocou no meu rosto.

(Júnior): pronto.

(S/n): você tá maluco?

(Júnior): não, finge que tá morta e eu vou te empurrar no carrinho pra perto daquele pessoal alí.

(S/n): Júnior.

(Júnior): aaa vai por favor.

(S/n): tá. É assim ele fez e o pessoal saiu correndo compramos nossas coisas e tiramos várias fotos e fomos para o cinema, a gente nem assistiu direito o filme a gente ficou se pegando dentro do cinema.


Notas Finais


Continua?
O que vocês estão achando?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...