História Minha vida em Tokyo - Armin - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Professor Faraize, Rosalya, Violette
Visualizações 45
Palavras 1.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - " Consegue sentir o quanto meu coração bate rápido agora? "


Fanfic / Fanfiction Minha vida em Tokyo - Armin - Capítulo 9 - " Consegue sentir o quanto meu coração bate rápido agora? "

Ouço uma batida na porta e em seguida os longos cabelos castanhos se revelam.

- Oi Bibis, bom ver como você está. 

- Miaa!! Estou bem, mas e você? Como está na escola? - Ela abaixou sua cabeça e em seguida me deu um sorriso que qualquer um acreditaria que ela está ótima, mas sou sua irmã e a conheço melhor que ninguém. 

- Está tudo ótimo na escola, Nathaniel parece se preocupar bastante com você e ele é super atencioso.

- É verdade que ele é um ótimo menino.

- Vocês estão juntos, Bibis?

- Quê? Não Mia, de onde você tirou essa idéia? - Ela se sentou na beira da cama onde eu me encontrava.

- Sabe Bianca, todo mundo percebe que ele gosta de você, tá na cara.

- O Nathaniel? Por mim? Não mesmo. E você ligou para nossos pais?

- Ainda não, se o papai souber que você se machucou e estar no hospital, vai estar aqui em 3 horas.

- Não precisa se preocupar comigo, além do mais, foram só arranhões. - Ela assentiu e em seguida veio um silêncio horrível que insistia em ficar, mas eu logo o quebrei - Você está mesmo bem Mia? Tenho visto você mais na sua, fica no quarto o dia todo, some na escola, e seus olhos cor de mel ( como diz a mãe de Mia e Bianca) vagam por aí sem brilho. Estou preocupada com você. - Ela suspirou longamente e parece ter desistido de fingir para mim. 

- Então você percebeu foi? - Ela olhou para mim. - Nem todo mundo tem a vida perfeita como você Bianca, mas não te culpo por ser tão mimada pelo nosso pai ou mãe, afinal é você, eu sou diferente Bianca, você não entende o quanto alguém pode sofrer em silêncio. Mas eu não te culpo. - Ela se levantou e virou as costas para mim. - Apenas se recupere desse acidente, não quero levar bronca por sua causa. - Por fim ela sorriu para mim, mas era seu sorriso de verdade, então saiu.

Mas o quê foi isso? O que ela quis dizer com " eu sou diferente ". Foram tantas coisas se passando pela minha cabeça que nem percebi que Alexy entrou no quarto.

- Meninaaaa, que saudade de você naquela escola sem graça. - Ele me abraçou tão forte que pensei que ia ter que ficar no hospital por mais tempo .

- Que bom que veio me ver, como está a Violette? Por quê ela não veio com você?

- Ela foi para o curso de desenho ou era design, sei lá, mas você tá de bom humor hoje em - Ele sorriu malicioso e me cutucou, não pude evitar uma vergonha repentina. - Armin me disse que fizeram as pazes e tals....

- O que mais ele disse Alexy? O que aquele idiota falou? - Ele gargalhou 

- Não digo, é segredo de irmãos- Ele riu novamente.

- Alexy!! Isso não se faz! - Eu fiz cara de brava. 

- Não fica brava pequena Bibi, eu como seu cunhado, te aconselho ter paciência. 

- Ei! Você não é meu cunhado .

- Ainda, por que se dependesse do Armin... - Algo o interrompeu, era a mão de Armin que bateu na cabeça de Alexy.

- Não saia falando besteiras por aí seu babaca. - Armin disse com cara de bravo.

- Mas você disse... -De novo o Armin deu um tapa na cabeça de Alexy. - Tá bom, já entendi. - Não pude evitar uma risada baixa. 

- Ei gente, virou festa agora? Armin, você deveria estar no seu quarto e não no meu.

- Acontece baixinha, que eu já tive alta, só vim conferir se o Alexy não estava falando demais e fiz bem, não é mesmo? - Ele olhou para Alexy que só fez dar de ombros.

- Eu volto depois para te ver Bibizinha, agora vamos Armin. - Alexy saiu puxando o Armin e enfim fiquei só, mas isso só durou dez minutos porque Armin entrou no quarto novamente (com sua roupa normal).

- Para o tempo passar mais rápido, não deixe o médico ver- Ele sorriu e deixou seu PSP comigo, nem deu tempo de agradecer porque ele saiu correndo.

Nos dois dias em que fiquei no hospital só o Nathaniel vinha me ver à tarde, ficávamos conversando um pouco ele deixava roupas para mim ( que Mia pedia para ele entregar porque ela não podia vir ) e então ele ia embora, ninguém me ligava ou mandava mensagem. No final acabei ficando super entediada, e hoje é o dia em que sairei disso, finalmente.

- Continue a tomar seus remédios em casa, caso não tome pode agravar seu quadro de p... - O interrompi. 

- Entendi doutor, obrigada, mas sei cuidar de meus problemas de saúde. 

- Ao menos seus pais sabem?

- Meus pais e minha irmã, só eles. Agora se me der licença. - Ele se virou e saiu, eu não gosto que toquem nesse assunto. Quando abri a mochila para me trocar quando me deparo com um vestido rosa florido meio curto que ganhei da minha tia que não vejo as uns dois anos, me pergunto quem escolheu isso, ele tava no fundo do meu armário então não poderia ser Mia que escolheu porque ela é preguiçosa. Como não tinha opção eu o vesti e saí, quando cheguei na recepção o Nath estava lá me esperando com um sorriso lindo no rosto. Ele veio até mim e me abraçou, eu retribui.

- Quê bom que está melhor, eu estava sentindo sua falta na escola. E você está linda com esse vestido, vamos?

- Vamos pra onde?

- Vou te levar em casa ue. - Ele pegou a mochila com uma mão e puxou meu braço com a outra. Entramos no carro ( Nathaniel já tinha 18 então ele tb tinha carteira de motorista ), não trocamos muitas palavras durante o caminho, quando chegamos no elevador eu pedi a mochila.

- Pode me dar a mochila agora Nath. 

- Eu levo pra você Bibi, já estamos chegando . - Eu assenti, levei minha mão até o botão do elevador e Nathaniel também, então sua mão tocou a minha. Apertei o botão e tirei minha mão.

- Desculpa, eu fui levar a... - Ele tomou minha mão e então a levou até seu peito do lado esquerdo.

- Consegue sentir o quanto meu coração bate rápido agora? - Eu assenti sem entender onde ele queria chegar com aquilo, estava um pouco nervosa, fiquei torcendo para que chegasse logo no meu andar. - Sempre que... - A porta do elevador se abre e então vejo Armin que quando viu a cena desfez o sorriso que carregava.




Notas Finais


Ok, não me matem por ficar sem postar por muito tempo. Mas vou tentar postar com mais frequência.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...