História Minhas cicatrizes - escolhas - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto, The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Arthur Pendragon, Ban, Diane, Elaine, Elizabeth Liones, King, Meliodas, Merlin, Personagens Originais, Zeldris
Tags Arthur, Baine, Ban, Diane, elaine, Elizabeth, Kiane, King, Meliodas, Melizabeth, Mistério, Romance
Visualizações 148
Palavras 4.069
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoas 🐍🐍🐍

*Eu vos trago a notícia de que Arthur reinou nessa bagaça (pq ele é Arthur, simples e direto 😏👌). Obgda a todos que votaram usando as #s (adorei srss foi engraçado 😄😍)

*Só queria dizer bem aqui que odeio criar títulos e que sou péssima nisso 😏👌 pronto falei

*Me perdoem os erros
Boa leitura 💖💖

Capítulo 33 - O perigo de um elogio


POV Elizabeth

-Então... quando terei alta? - perguntei pra Stephen (pra quem não lembra ele é o pai da Elaine e do Harle). O sr King pareceu um pouco incomodado com a pergunta.

-Logo, logo querida - sorriu checando a minha pulsação. Estou cansada desse lugar! O barulho desses beeps está me enlouquecendo!

-Sei... - brinquei com a pontinha do meu cabelo - hãn... como estão as coisas lá fora? Está tudo bem?

-Perfeitamente - respondeu calmo. Kings... eles não sabem mentir (com excessão da Elaine, meu amigo... aquela ali é profissional).

-Eu e a Elaine somos bem próximas, sabe?

-Fico feliz por isso - disse anotando alguma coisa em sua prancheta.

-Pois é... ela me disse que essas coisas aqui indicam uma saúde perfeita - apontei pra qualquer coisa na prancheta que nem tentei ler. Na boa, o cara mudou de cor.

-É mesmo? - ergueu uma sobrancelha tentando parecer confiante.

-Eu vou perguntar de novo - suspirei - O que está acontecendo lá fora?

-Elizabeth - a porta se abriu e meu pai entrou por ela - vejo que já acordou. Já tomou o café da manhã hoje?

-Pai...

-Eu me demito - Stephen jogou a prancheta no chão de forma teatral - ela fez tortura psicológica comigo! - apontou pra mim.

-Elizabeth! - meu pai brigou.

-É mentira pai! - cruzei os braços e fiz um biquinho - eu nem estava tentando fazer nada! Só estou cansada desse lugar enfadonho e apontei pra alguma coisa que ele estava fazendo e disse que eu estava bem! É culpa dele! - meu pai me encarou por um tempo e depois olhou pra Stephen.

-Sou isento de culpa - o sr King se defendeu.

-Você foi desequilibrado por uma adolescente? - meu pai perguntou incrédulo -  qual é, King!

-Não foi minha culpa! Além do mais ela não é uma adolescente qualquer! - jogou as mãos pra cima - a culpa é sempre do King! Ninguém, repito: NINGUÉM mesminho se importa com a minha solidão. Eu estou aqui tentando fazer o meu trabalho mas nããão! Os Liones nunca podem colaborar! Tão sempre aqui e ali impondo suas vontades e...

-Tá bom cara, sai dessa - meu pai bateu a mão nas costas dele.

-Pai... - disse séria - o que está acontecendo lá fora? 

-Agora não Elizabeth!

-Eu já esperei tempo demais! Ban está em uma missão que não faço ideia do que seja com cabelo loiro! Loiro, pai! Além do mais, ele levou Meliodas, Estarossa e Sunny com ele e vocês estão me mantendo cativa nessa droga de quarto por dias. O que está acontecendo? - meu pai calmamente suspirou e olhou no fundo dos meus olhos.

-Primeiramente se acalme - pediu e eu respirei fundo - e Stephen suma da minha vista.

-Porqueeeeee? - perguntou magoado.

-Você é a raiz dos meus problemas seu animal!

-Beleza! - disse pegando a prancheta no chão -  é aí que a gente vê os amigos que tem. Quando precisar você chama viu Ba-chan? - disse irônico - até mais Elizabeth - acenou pra mim - tente trabalhar nessa coisa de pressão psicológica, certo? até mais.

-Tchau tio King - acenei e ele saiu fechando a porta - desembucha - disse séria.

-Bom, - se sentou na beirada da cama - se lembra de Konoha? - perguntou e eu assenti - eles meio que tentaram diversas coisas ultimamente como sabotar o último exame no bosque Lionessyano e atropelar você.

-Eles tentaram me atropelar? - perguntei chocada.

-Sim - manteve o tom de voz. O controle emocional dele é uma coisa admirável - aposto que sabe porque fizeram isso...

-Querem uma guerra? - chutei.

-Eles querem você - suspirou - Konoha não sabe que temos o Ban então eles pensam que você é a última na linha de sucessão já que suas irmãs estão praticamente casadas. Daí eles tentaram marcar território.

-E o que a cor do cabelo do Ban tem a ver com isso? - perguntei sentindo a bile voltar.

-Nós faremos uma espécie de acordo com eles e outra pessoa se casará no seu lugar. Nesse caso...

-Ban... - meu coração falhou uma batida - espera! você não entregaria o Ban, tipo em nenhuma hipotése, então isso significa que... - senti meu corpo inteiro se revoltar com a ideia e meus olhos ameaçarem o desabamento de uma catarata. Não Elizabeth! Mantenha a postura - Estarossa...

-Sim, meu amor. Estarossa - confirmou seco e impassível. Por favor lágrimas! Agora não! 

-Por que Estarossa? 


Não chore... reis e rainhas não se deixam levar...


-Ele é Alexis, linhagem respeitosamente nobre de defesa dos Liones. Além do mais Konoha têm uma princesa.


... essa é a regra básica de todo Liones...


-Por que o Ban foi com eles?


...sentimentos não importam... defender o nosso povo é a nossa missão...


-Você conhece o Ban, ele acha que pode mudar algo - a expressão se manteve firme.

-Ele é um tolo - respondi seca e ele franziu as sobrancelhas - um rei precisa tomar as decisões que forem melhores pra todos e não colocar a vida de uma nação em perigo por sentimentalismo.

-Você está bem? - colocou a mão na minha testa. Ele provavelmente pensava que isso nunca sairia da minha boca.

-Nunca estive melhor - continuei firme - porque não me enviou?

-Porque não posso ceder à Lionessy dessa forma.

-Mas enviou o Estarossa - retruquei.

-Eu sei o que estou fazendo - sua carranca se agravou mas eu não me intimidei.

-Eu sou a terceira princesa de Liones! É meu dever defender o meu povo não importa o que aconteça e se meu destino é ser enviada para um lugar estrangeiro para proteger os meus suditos eu farei com prazer - saiu mais sério do que eu gostaria...

-Você é igualzinha ao Ban 

-Adivinha só pai! Você também é! - me alterei. Ele respirou fundo antes de responder.

-Eu sou o senhor Liones, Elizabeth. E você é a terceira princesa. O que eu faço está além da sua compreensão mesmo que você pense que sabe tantas coisas. Um dia você vai entender o equilíbrio das coisas, entre odiar o seu inimigo e amar a sua família, que também faz parte dos seus súditos. Eu precisei fazer uma escolha porque eu tenho o peso de uma nação inteira sobre mim e teria que sacrificar algo. Infelizmente você ainda não tem idade pra fazer o mesmo e precisa aprender muito antes de tomar decisões preciptadas. Aparentemente o Ban está aprendendo algo, porque não tenta fazer o mesmo ou simplesmente acreditar um pouco nele?

-Não acredito que está me dando sermão - disse incrédula.

-Se quiser voltar pra academia amanhã avise para o Steph - disse se levantando - eu vou te deixar a sós pra refletir um pouco. Até mais, Elizabeth. Eu te amo.

Ele disse e em seguida saiu do quarto. AAAARGHHHHHHHHH EU NÃO QUERO REFLETIR SOBRE NADA! EU SÓ QUERO MATAR TODO MUNDO! AAAARGHHHHHHH! Ok... respira... qual é o caminho mais rápido pra chegar em Konoha? 

Puleu da cama em busca do meu celular. Droga! Foi confiscado.


"Imaginei que você tentaria fugir então peguei algumas coisinhas suas. Um dia você entenderá que foi para o seu bem. Com amor, papai"


Drogaaaaaa! Quando foi que ele fez isso?

Talvez o meu pai tenha razão e talvez eu precise confiar um pouco no Ban. Meu pai deve ter um motivo enorme pra não entrar em guerra com Konoha e isso com certeza vai além de importações econômicas. Tem algo grande por trás disso... tipo, porque deixar o Ban ir? se algo acontecer com ele... Lionessy vai entrar em pane! 

Suspirei frustrada, de que adianta ser a princesa Liones se minha palavra não tem poder? Certo, diante do Senhor Liones mesmo que eu fosse o Grande Senhor Alexis as minhas palavras não teriam efeito. Estou cansada disso tudo, talvez seja melhor eu ir pra Academia e tentar me distrair um pouco.

Quando dei por mim estava na recepção do hospital.

-Hãn... com licença, uma pessoa chamada Baltra Liones deixou uma permissão de saída aqui?

-Senhorita Elizabeth, certo? - a moça simpática sorriu conferindo o nome em um cartão e me entregando em seguida - esse é o número do telefone do motorista. Por favor ligue pra ele quando estiver pronta. Tem um telefone público no fim do corredor.

-Obrigada - agradeci e saí o mais rápido dali porque ainda estava de pijama. 

Entrei no quarto do hospital e guardei minhas poucas coisas numa mochila pequena, troquei de roupa e prendi meus cabelos em um coque. Fui até o telefone e depois de falar com o "motorista" eu fui para a porta esperar tentando não surtar. Meu queixo caiu quando um carro preto parou na minha frente e o vidro fumê blindado abaixou, revelando um carinha estiloso de terno e óculos de sol.

-Bom dia princesa - sorriu - lembra de mim?

-Viktor Pendragon? - mas o quê? só pode ser brincadeira! O que o pai da Diane está fazendo aqui?

-O próprio -  sorriu encantadoramente. A família Pendragon é uma coisa viu?

Entrei no carro sem muita cerimônia e coloquei o cinto de segurança.

-Hãn... desculpe a indiscrepância mas o que você está fazendo aqui?

-Seu pai pediu pra eu te levar pra Academia ué - respondeu inocente.

-Deixa eu ver se eu entendi... o meu pai basicamente está colocando um dos seus sete pecados em cada lugar que eu ponho os pés pra garantir que não vou fugir, é isso? - ergui uma sobrancelha.

-Você é boa - riu - Steph-Ki-irritante já viu você? - deixei escapar um sorriso com o apelido bobo.

-Ele era meu médico mas aparentemente eu o traumatizei - respondi envergonhada e ele soltou uma gargalhada. 

-Posso imaginar a cena...

O que falta aparecer agora? vejamos, só hoje já vi a ganância, a preguiça e a inveja. O que mais falta? a luxúria, a gula, a ira e o orgul...

-Oi princesa...

-ARGHHHHHH! - gritei assustada.

-Sua potência vocal é impressionante - Viktor fez uma careta.

-Obrigada - respondi sentindo meu rosto esquentar.

-Estanor, você assustou ela! - Viktor ralhou.

-Eu sei, sou lindo - deu de ombros 

-Não, ela... quer saber? esquece! - bateu a mão na própria testa.

-O-Oi Estanor Sollarium-san - gaguejei.

-Olá - sorriu amigável. 

Espero muito chegar inteira na Academia, eles são loucos. Eu me sinto uma delinquente! Obrigada pai! Você realmente se superou dessa vez! Vai ser uma viagem muuuuito longa.



POV Ban

-Por que essa criança está aqui mesmo? - perguntei sentindo os pelos do meu corpo se arrepiarem em desconfiança.

-Meu pai pediu que eu fosse com vocês -  Naruto sorriu largamente - também quero salvar o Sasuke, ele é meu amigo! Além disso eu serei útil! Dattebayo! - acho que não tinha parado pra reparar todos esses "Dattebayos" que ele usa nas frases mas agora está me irritando. Deve ser TPM, só pode! Tentação Para Matar.

-Em quê você pode ser útil? - perguntei.

-Eu vi o Sasuke na noite em que desapareceu andando na rua sozinho. Era bem tarde - disse.

-E eu posso confiar na sua palavra? - perguntei franzindo uma sobrancelha. 

-Eu nunca volto atrás com a minha palavra! Dattebayo! - bateu a mão no peito. Cara... do nada me bateu uma vontade de morrer.

-Onde exatamente você o viu? - perguntei casualmente sem dar muito crédito.

-Na rua da prefeitura - respondeu.

-E onde pindarolas você está nos levando?

-Na casa da Sakura-chan - disse todo empolgado - ela é nossa principal testemunha.

-Pensei que não teríamos ajuda do serviço especial - disse desconfiado. Esse lugar está bugando meu cérebro,  é a primeira vez na minha vida que desconfio até da minha sombra.

-Eu não sou do serviço especial, dã! - disse como se fosse óbvio - além disso, Sasuke é meu amigo e está em perigo. É necessário quebrar algumas regras de vez em quando pra proteger as pessoas importantes pra nós... a política não vai nos amar quando estivermos sozinhos - ele é menos idiota do que eu pensei que fosse. Entendendo perfeitamente o que ele quis dizer.

-Hm - respondi como se estivesse ignorando seu discurso. Eu hein! Vai que ele descobre minha identidade secreta... ele até que parece bem instruído.

-A casa da Sakura-chan! - deu dois pulos de felicidade e saiu correndo, batendo a cara numa árvore e caindo logo em seguida. Retiro o que eu disse, ele é um completo idiota.

Uma senhora loira nos atendeu e indicou para que seguissemos até o quarto onde Sakura estava. Tenho uma longa lista de quartos femininos que já estive: Elizabeth, Diane, Elaine/vulgo:Mãe do meu futuro exército de mini-Bans, Mei (certo, não dá pra dizer que a Mei é uma garota...)...

O cômodo era largo e diferente de quase tudo que eu já tinha visto. Me lembrava um pouco o quarto da Elaine, porém as paredes eram rosa-pink, cheias de pôsteres de boy-bands e fotos (algumas rabiscados com canetinha vermelha) dela mesma, das amigas e do... emo sequestrado?! Os móveis eram de madeira clara e uma porção de coisas estava espalhada por cima deles: maquiagens, espelhos e coisas esquisitas que não faço ideia de pra quê servem. O chão estava igualmente lotado de sapatos, porta-retratos quebrados e roupas espalhadas. No centro do quarto havia uma cama larga, com uma Sakura em cima usando roupão rosa-bebê de tecido fino e segurando uma xícara de porcelana com os olhos desfocados. Tudo é bem rosa por aqui...

-Está mais bagunçado que o meu quarto - murmurei e só depois percebi que tinha sido indelicado. Quer saber? caguei.

-Sakura-chan... - Naruto disse quase inaudivelmente e a abraçou. Ela não teve reação imediata, parecia completamente morta.

-Oi Naruto - sorriu fraca, colocando a xícara em uma cômoda.

-Sakura... eu detesto ser indelicado mas preciso que você me responda algumas perguntas - eu disse me aproximando.

-Tudo bem - fungou e me deu um espaço pra que eu sentasse com ela e Naruto. Meliodas estava ocupado futicando roupas intimas caídas no chão - É pra ajudar, não é? O que vocês precisam saber?

-O que aconteceu ontem? - perguntei calmo.

-Bom, antes da festa terminar ele me chamou pra me trazer em casa. Quando estávamos chegando nós começamos a brigar por algo bobo e... - sua voz vacilou - era Karin! O jeito como ela estava bonita e que ele falava dela - disse começando a chorar - eu... eu... eu fiquei com ciúmes e acabamos brigando... eu disse pra ele que sairia com o Rock Lee e ele ficou muito puto - franzi as sobrancelhas ao ouvir o nome desconhecido e Naruto fez um sinal avisando que depois me explicava. Sakura parece evitar o nome do namorado o tempo todo e chama Sasuke de "ele" - brigamos feio na porta da minha casa e ele disse que se fosse pra ser assim era melhor a gente terminar - disse entre soluços, era um pouco difícil entender o que ela estava dizendo - eu fiquei com muita raiva e comecei a quebrar tudo no meu quarto, eu risquei nossas fotos e joguei tudo no chão e pareceu que nada ia aliviar o que eu estava sentindo - ok... isso tá parecendo uma confissão de uma pré-adolescente maluca e stalker. Por acaso tenho cara de psicólogo? - eu chorei a noite toda! - a coisa só melhora... só que não -  quando acordei de manhã a raiva tinha passado um pouco e eu decidi que tudo aquilo tinha sido infantilidade. Daí recebi a notícia de que ele sumiu - disse entrando em crise de choro - eu nem consegui dizer o quanto eu o amava! - depois disso, tudo que ela tentou dizer foi pouco intendível.

Naruto a abraçou para que ela chorasse mais à vontade e eu fui dar umas voltas no quarto, tentando ocupar meu tempo. Parei diante de uma foto toda rabiscada que mostrava Sasuke e Sakura ainda crianças com um parque ao fundo.

-Hãn... essa foto... - apontei com medo de Sakura começar a chorar outra vez.

-Esse é lugar favorito dele desde que éramos crianças - limpou os olhos - fica no centro da cidade... quando tiramos essa foto ele estava bravo porque compramos sorvete e ele odeia doces - tentou sorrir.

-Sakura... - Naruto a encarou preocupado. 

-Obrigada por sempre cuidar de mim Naruto - sorriu.

-Você sempre será minha irmãzinha preciosa - acariciou o rosto dela.

-Me desculpem por chorar assim na frente de vocês todos - sorriu limpando as lágrimas - e me perdoem pela bagunça no quarto. Eu devo estar horrível - tentou pentear os cabelos com os dedos - tem algo mais que eu possa fazer pra ajudar?

-Você já fez o bastante - sorri - e não se preocupe com esse tipo de coisa, já passei pela mesma situação e sei como você se sente - tentei confortá-la.

-Iremos sair agora... - Naruto disse meio que pra ver qual seria a reação dela.

-Tudo bem - suspirou - preciso arrumar esse quarto de qualquer forma e tomar um banho. Muito obrigada por virem - sorriu - É muito importante pra mim... se precisarem de algo mais eu estarei aqui.

-Obrigado Sakura - eu disse já me levantando e querendo vazar dali.

-Então eu posso ficar com isso? - Meliodas disse inocentemente pegando um sutiã no chão - é meio pequeno mas até que tem seu charme - analisou.

-Meliodas, seu... - comecei a dizer mas fui interrompido por uma Sakura liberando ondas negras de fúria.

-SHANAROOOO!!! - e foi assim que Meliodas foi arremessado pra fora do quarto com um soco destruidor. E morreu. Fim.



POV Roger

Elizabeth ainda não voltou para a Academia e eu tenho certeza de que é só questão de tempo até ela descobrir o que está realmente acontecendo.  Se ela descobrir provavelmente as coisas ficarão mais interessantes e... meu raciocínio se incompletou por uma luva voadora que bateu nos meus cabelos hidratados.

-Desculpa! - uma garota de cabelo rosa veio correndo na minha direção - acho que te acertei sem querer.

-Acertou sim - respondi seco - Não deixe acontecer de novo.

-Roger Hanabi, certo? - sorriu - se lembra de mim?

-Eu acho que não - franzi as sobrancelhas.

-Liz Bumburush - se apresentou com um sorriso amigável.

-Então, Liz - disse pra ela e apontei pra estrutura da luva - está vendo isso? é pra amarrar no seu braço. É útil porque protege sua mão de se cortar nos treinos de espada e também evita que luvas voadoras atinjam as pessoas - ela riu de leve.

-Me desculpa de novo - coçou a nuca. Os braços dela estavam cheios de rabiscos.

-O que é isso? - perguntei.

-Isso? Bom, são os exercícios que preciso dominar - respondeu indiferente e mostrou o braço pra mim.

-Método 143.21? - ergui a sobrancelha.

-Tenho alguns problemas com esse - admitiu envergonhada - Você... tipo, talvez poderia fazer uma demonstração, por favor? Ouvi dizer que a família Hanabi é muito boa com espadas - eu nem ia mas ela aumentou o meu ego e elogiou meu bonde então eu até vou.

-Me empresta - pedi a luva.

-Com luva?

-É um treino - ri - alguém pode se machucar - coloquei a peça profissionalmente e peguei uma das espadas da sala de treino. Apesar do nome extenso o treino era bem simples e consistia basicamente em dar três piruetas no ar enquanto desvia de um inimigo (lê-se boneco robô assassino que eu chamo de Jerry) e tenta golpeá-lo. Coisa fácil!

-Nossa - disse baixo quando terminei você é incrível! Pode me ajudar, por favor? - seus grandes olhos azuis me pressionavam psicologicamente.

-Ok! Ok! - sorri - mas só um pouco! 

Olhei pra porta de relance e tive a impressão de ter visto a Jenna... Não! Deve ser coisa da minha cabeça!


~Quebra tempo~


POV Diane

-Sim, Jenna meu amor, eu sei que a Liz não presta - disse enquanto a loira repetia pela milésima vez o quanto a rosada era escorpionica e repleta de moléculas de maldade em seu corpo cheio de curvas.

-Isso aí é recalque - Zanelli disse sem medo da morte - sem dúvidas tem a ver com o R.... - ela não consiguiu terminar. Ganhou uma voadora antes disso.

-Calada maninha - rosnou.

-Você tá coberta de razão Jeninha - os olhos de Merlin brilharam - vamos matá-la e enterrar seu corpo no quintal da casa da Gelda!

-Porque na minha casa? - perguntou.

-Bom, seu namorado é emo e... -começou a se explicar.

-Ele não é emo! - defendeu - e não é meu namorado! - gaguejou.

-Geldinha, para que tá feio - brinquei.

-Ele é meu noivo... - sussurrou inaudívelmente.

-Ei galera, olha lá! Aquele não é o Roger? - Elaine apontou. Do corredor em que estávamos dava pra ver a sala de treinos de espadas com as janelas abertas. Aparentemente Roger estava treinando com a... LIZ?!

-Já vi tudo - ri - agora tudo se explica!

-Sim... tudo está claro - Matrona ressurgiu.

-Eles não estão se encostando demais? - Elaine se compadeceu de Jenna - tipo... estão bem juntos mesmo... tipo quase como se ele estivesse sustentando ela nos braços e girando como um casamento!

-Quis dizer catavento, né gata? - provoquei. 

-Isso aí -  fez o sinal do Ronaldinho.

-É exatamente isso que eles estão fazendo - uma gota escorreu na testa de Guelda.

-Aquilo é uma técnica chamada de Método 143.21 - Matrona explicou - ele está ensinando a ela como faz.

-Matrona Pendragon também é cultura amores - brinquei.

-Realmente... - Merlin coçou o queixo - acho que nunca vi o Roger sendo tão próximo assim de uma pessoa com essa facilidade...

-Merlin... Você não está ajudando - Elaine disse nervosa. Fomos interrompidas pelo sinal da escola.

-Hora de tirar o pâncreas da miséria moçada - dei um pulo.

-Hãn... é estômago - Gueldinha corrigiu.

-Pois é - dei de ombros enquanto íamos lindas e serenas para o refeitório. 

Nos sentamos na mesa de costume e aos poucos os garotos foram chegando. Zeldris se sentou do lado da Guelda e King se sentou de frente pra mim. Arthur se infiltrou entre King e Merlin e por fim Escanor se sentou do outro lado da Guelda, deixando uma cadeira vazia entre ele e a Jenna. Isso vai dar merda.

Quando todos já estavam lindos e devidamente instalados chega Roger Hanabi todo inocente e peralta, sentando do ladinho da nossa amada Jenna.

-Hei galera - sorriu.

-Parece alegre hoje - Arthur comentou inocente e eu o chutei por baixo da mesa - ai!

-Hoje o treino rendeu - deu de ombros e pelo cantinho dos olhos eu vi Jenna esmagar a caixinha de suco com uma discrepância louvável.

As conversas renderam normalmente... quero dizer, menos para o Roger que foi lindamente ignorado em todas as 765 vezes que tentou estabelecer contato com nossa loira ciumenta. Hm.... nesse mato tem cabrito.


POV Autora

-Jenna, Jenninha, Jennão - Roger provocava balançando um garfo com um morango espetado na direção da loira - olha o aviãozinho!

Sim, ele foi ignorado.

-Poxa Jenna! O avião ficou triste - fez um biquinho e mastigou o morango - porque você está assim? Eu te fiz alguma coisa? - pôs a mão sobre a dela e ela respondeu com um olhar fuzilante.

-Não encoste em mim, seu parasita - rosnou e ele revirou os olhos. 

-Que ótimo - resmungou.

-Estou indo meninas - sorriu pra elas - até mais pessoal! - acenou para os garotos sem olhar para Roger e saiu do refeitório.

-Jeeeeen - ele foi atrás dela resmungando e sendo ignorado - fala comigo!

-Me deixa em paz e não me chama de Jen. Pronto, falei - resmungou e se sentou na grama baixa do jardim.

-Jen, o que eu fiz com você? - perguntou apoiando a cabeça nas mãos e se sentando na grama do lado dela - isso me lembra... Você foi na sala de treino hoje? tinha a impressão de ter te visto e... - antes que ele terminasse ela já tinha virado o rosto. Um dos maiores defeitos de Jenna: entregar a si mesma - aaaa.... - sorriu maldosamente - agora entendi tudo.

-Tudo o quê? - o encarou com desdém e desviou o olhar. 

-Jenna, você está com ciúmes? - vácuo -  você viu eu ajudando a Liz, não foi? - silêncio -  sabe que eu só tenho olhos pra você, não sabe? - gelo -  Jeeeninhaaaaa - cantarolou se aproximando dela.

-Desinfeta Hanabi - disse dando uma gargalhada sinistra - por que eu teria ciúmes de você? - disse a última palavra como se estivesse se referindo a um animal asqueroso. 

-Eu posso sentir... - disse com o rosto contorcido em uma careta. 

-Sentir o que? - perguntou com expressão de nojo.

-O cheiro do ciúmes - riu da própria piada enquanto Jenna ficava vermelha de raiva.

-Eu odeio você - sibilou.

-Jenna... - tentou abraçå-la. 

-Não encosta em mim seu verme! - disse se levantando. 

-Desculpa Jenna! - choramingou - eu só estava ajudando ela! 

-Sai da minha cola seu parasita - resmungou.

Bem perto dali:

-Ele ainda está seguindo ela? - Merlin perguntou com uma expressão cansada.

-Pois é - Diane deu de ombros brincando com a pontinha dos cabelos.

-Quem dera... - Matrona murmurou solitariamente.

-Pois é... - Elaine suspirou com um sorriso bobo no rosto - será quando ele vai voltar?


Notas Finais


E foi assim que Roger tomou na jabiraca kkkkkjkkkkk

Esse capítulo ficou meio grande mas é isso aí. Quem gostou bate palma quem não gostou, paciência heuhuehue

Pra quem ficou confuso: a Elizabeth ainda não chegou na AL porque a viagem até lá não demora apenas algumas horas, mas dias (minha noção de geografia é bem pequena mas eu estou tentando seguir uma lógica 😅)

Talvez os capítulos a partir de agora fiquem maiores porque diversas pessoas pediram pra que os personagens que não foram pra Konoha tivessem mais presença na fic. Não vou ignorar isso pessoas, a opinião de todos vocês é importante (já mudei a história original três vezes desde o início desse "arco" só lendo comentários rsrsr). Enfim, se o tamanho dos capítulos incomodar vocês por favor me digam.

Obrigada por lerem 😍😄
Beijokasssss 💖💖💖💖💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...