1. Spirit Fanfics >
  2. Miraculous Nightmare >
  3. Parceiros - Final

História Miraculous Nightmare - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Sinto muito pela demora, eu tinha pedido ajuda pra fazer esse final, mas minha amiga acabou ficando doente e foi direto pro hospital.(Ela já está melhor agora)

Espero que gostem.

Capítulo 7 - Parceiros - Final


Suas lembranças estavam um tanto quanto embaralhadas com uma grande sensação de Déjà vu martelava suas cabeças em busca de uma explicação plausível suficiente para poder explicar o que havia acontecido. Se lembravam de cada um ter estado em sua casa a tarde e tudo em seguida até o momento que chegaram no parque, depois disso tudo fica confuso, como se uma neblina densa estivesse ocultando a verdade. Quando perceberam o parque estava todo destruído, brinquedos quebrados, barracas destruídas e algumas delas estavam pagando fogo, olharam ao redor tentando entender quem teria sido o responsável por tamanha destruição, mas o que viram a sua frente fez menos sentido ainda.

Duas pessoas, uma estranha usando uma fantasia de coelho rosa e um estranho usando sabe-se lá o que era aquilo. Mas a surpresa foi ao ouvir aquele som tão familiar que os Miraculous faziam quando estavam para descarregar, Ladybug abriu a boca para falar, mas foi interrompida pelo garoto desconhecido.

— Não temos muito tempo, nos encontrem aqui amanhã, as dez horas em ponto. ‐ E correu pra longe.

— Também preciso ir, foi legal conhecer vocês.

A garota coelho se despediu e saltou para longe deixando os dois heróis mais confusos do que já estavam.

(###)

— Foi muito estranho, uma hora eu estava no parque com Alya e os rapazes, no outro estava transformada e encarava duas pessoas – possíveis portadores, talvez – que pediram para encontra-los hoje a noite. E eu não lembro de nada durante esse intervalo de tempo entre chegar no parque e vê-los, isso faz algum sentido?

Tikki escutava tudo atentamente para ajudar sua portadora e a si mesma a entenderem o que aconteceu, ela sabia que algo havia acontecido pois conseguiu sentir uma pequena distorção no seu tempo. Suas lembranças estavam enevoadas assim como de Marinette e se esforçava para lembrar de algo significativo.

— Entendo. - Ela disse pensativa. — Acredito que esse portadores misteriosos podem ter algo a ver com isso, ir a esse encontro é nossa melhor chance de entender o que ouve conosco e sobre as criaturas que vem atacando.

— Penso da mesma forma, Chat também deve ir. Vamos ambos resolver esse mistério.

Falando do gato, ele também se encontrava com nesse dilema de uma forma bem mais simples.

— Concorda comigo que devo ir nesse encontro com esses caras?

— Claro que sim! Quero saber o que eles fizeram com minha cabeça, e se tiverem bagunçado minha memórias?

— Você pode ficar tranquilo sobre isso, afinal vaso ruim não quebra.

— O que disse garoto?

Plagg começou a dar pequenos soquinhos no braço do loiro que ria divertido, ouve uma batida na porta indicando que alguém queria entrar, o Kwami parou sua fofa agressão contra seu portador para se esconder e Adrien deu permissão para entrada.

— Oi maninho, tudo bem?

— Sim. O que foi Anton, você parece acabado.

Anton não estava na sua melhor forma em vista das olheiras.

— É nisso que da ficar até tarde revisando a nova coleção em busca de erros, que fique de lição.

— Puxa e conseguiu resolver?

— Eu estudei pra tomar conta das finanças da empresa e não pra ser Design, isso acaba comigo. Papai poderia chamar outra pessoa que saiba sobre o assunto melhor do que eu.

Enquanto falava se apoiava na mesa do irmão para não cair devido ao sono.

— Tenho uma amiga que pode resolver seu dilema.

— Jura?! - Perguntou demostrando interesse.

— Sim, ela quer ser Design e tem bastante talento pra isso. Ela tem um espaço no quarto onde faz algumas roupas.

— Então me faz esse favor Adrien, manda para ela esses arquivos e pede pra mandar de volta com as opiniões e observações, obrigado.

Passou pelo celular o arquivo e assim que agradeceu saiu pela porta, provavelmente para tentar dormir pensou Adrien antes de mandar para Marinette explicando a situação.

A mensagem chegou no celular rapidamente, Marinette viu o ícone de pata de gato ao lado do nome Adrien, achou que pata combinava. Recebeu um link seguido de uma mensagem:

"Oi Marinette, lembra do meu irmão Anton? Ele tá sobrecarregado com as tarefas que meu pai tá dando pra ele, poderia dar uma olhada no arquivo e mandar sua opinião? Seria de grande ajuda."

Ela achou estranho e resolveu abrir o arquivo revelando o novo projeto de Gabriel Agrest, uma linha de roupas inspirada no Verão e Primavera, em suas mãos estava um projeto feito pelo Design que mais admirava e teria a chance de dar sua opinião. Foi um choque tremendo que a fez cair na cama, imediatamente começou a olhar as roupas e percebendo alguns pequenos detalhes que poderia mudar, se levantou para procurar um lápis e pedaço de papel para anotar. Tinha muita coisa para fazer antes do encontro com os portadores.

(###)

Anton já havia perdido a conta de quantas vezes havia relido as observações feitas pela amiga do irmão, aquilo só confirmava que não entendia nada de moda. Piscou os olhos antes de respirar fundo e entrar na sala onde seu pai estava, novamente enfurnado por horas trabalhando sem parar, se perguntava se aquele homem era o mesmo que estava saindo com Nathalie.

— Terminou o relatório? - Perguntou sem tirar os olhos da tela.

— De certa forma, sim.

— O que quer dizer com isso?

Colocou a pasta sobre a mesa juntamente com uma folha de papel anexada.

— Fiquei sobrecarregado com a gestão das finanças, há algumas coisas que preciso acertar com o financeiro do banco e mais esse adicional da nova coleção... é só olhar pra mim e verá. Por isso não consegui terminar.

— E o que seria isso na minha frente. - Olhou rapidamente para a folha antes de voltar para tela. — Se não foi você quem fez, então quem?

— A mesma garota que venceu concurso do chapéu no Françoise Dupont, Marinette.

O Agreste mais velho finalmente largou o teclado para ver o resultado, estava incerto de que uma garota da idade de seu filho tenha feito algo realmente relevante, mesmo ela já tendo mostrado seu potência. Isso é uma boa oportunidade de avaliar o quanto ela progrediu. Ele pensou ao ler as observações dela:

Bem... Vocês estão usando bastante o sintético na coleção, eu sei que amassa menos dependendo do tipo do tecido e que é muito prático no dia a dia. Mas é verão e vai fazer calor, os sintéticos são quentes e mesmo os tecidos mais leves mantem muito a temperatura. Talvez seja mais interessante usar os tecidos de fibras mescladas.

As cores são vibrantes, lindas! Mas os decotes pouco ousados de mais nos vestidos e as vestimentas (trajes) masculinos, formais demais! Poxa já passou da hora de fazer alguma coisa mais leve para os homens usarem no verão, já basta da conduta de vestimenta das empresas que nem permitem bermudas! Faria mais mangas curtas e calças de tecido puro algodão, para ficar menos quente.”

Gabriel achou o texto um pouco infantil e simples nas descrições, entretanto indo direto ao ponto e sem enrolar com conversa fiada, ele mesmo detestava ter que usar aquele roupa em certas ocasiões durante o verão. Deu a tarefa para Anton pois queira inseri-lo em outro ramo da empresa, mas aparentemente cometeu um erro, um erro que poderia utilizar a seu favor.

— Está certo, vou avaliar isto mais tarde. Tenho que terminar essa pesquisa, está livre por hoje.

— Obrigado pai. ‐ Não disse mais nada antes de sair, estava atrasado.

Gabriel sentou na cadeira começando a reler uma das paginas que baixou do Livro dos Miraculous, está falava sobre os poderes do Miraculous da borboleta e sua função de mensageiro, além de qual era seu poder especial.

(###)

— Eles não vem.

— Como você tem tanta certeza?

— Eu tenho uso um relógio, como arma. Serve muito mais do que apenas como aparato de herói.

— E a garota joaninha usa um iôiô, um brinquedo. Diria que as duas tem muito em comum.

— Pense o que quiser, não muda o fato de que eles estão atrasados.

Anton ainda estava se acostumando com sua parceira e a estranha obsessão com a hora, tirou esse momento para pensar no que diria aos heróis levando em consideração o que Fu disse a ele depois que avisou sobre esse encontro. De primeira foi repreendido por ter se revelado, segundamente deixou apontado que se eles precisavam ter noção do que estavam enfrentando e após cada lada explicar seu ponto de vista Fu permitiu o encontro.

— Pensando no que Greyhound?

— Me chame de Hound, o nome é muito comprido.

— Ok, Hound. No que está pensando?

— Que está na hora de dar explicações. ‐ Disse percebendo que os heróis de Paris chegaram.

Hound e Bunny se aproximaram de Chat e Lady observando um ao outro.

— Nós estavam aqui como pediram, o que querem falar? ‐ Ladybug não perdeu tempo e foi direto ao ponto.

— Já devem ter percebido que vem enfrentado algo diferente do que estão acostumados.

Greyhound começou a explicação.

— Diga uma coisa que não sabemos, começando por seus nomes. ‐ Chat entrou na conversa.

— Tudo bem. Eu já me apresentei na noite passada, mas devido ao poder da Bunny vocês esqueceram, me chamo Greyhound.

— White Rabbit, é um prazer trabalhar com vocês.

— White? ‐ Ladybug perguntou. — Por que se seu traje é rosa.

Bunny pegou o relógio e apontou para colete como se fossem pistas óbvias. — Alguém por aqui não lê? O coelho branco de Alice no País das Maravilhas.

— Mas, ele é branco... e sua roupa, é rosa.

— O Miraculous é meu, o traje e meu, me chamo do que quiser. ‐ Cruzou os braços e virou para Chat.

— Vamos direto ao ponto? Tenho que voltar pra casa urgente.

Greyhound disse seguido de Chat que faria o mesmo.

— O que estamos enfrentando ou melhor no caso quem Greyhound? - Chat foi direto ao ponto com a pergunta principal

— Ainda não sabemos, apenas que essas criaturas que chamamos de Kondu. Aqueles seres de sombra.

— Um Miraculous pode mesmo fazer algo de tipo?

— Nosso palpite Ladybug é que o Miraculous possa estar corrompido.

A conversa perdurou por bastante tempo, as informações eram bem escassas para ter algo solido no qual poderiam confiar verdadeiramente, teriam que fazer isso baseados nas palavras dos novos heróis. Ficou então decidido que Greyhound e White Rabbit ficariam responsáveis por cuidar dos Kondus durante a noite e caso encontrassem o responsável por tal chamariam imediatamente Ladybug e Chat Noir para por um fim.

Agora eles tinham novos aliados e uma nova luta.


Notas Finais


Semana que vem não terá capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...