1. Spirit Fanfics >
  2. Mistakes - Seongjoong >
  3. Situações

História Mistakes - Seongjoong - Capítulo 20


Escrita por: ByeolOfHong

Notas do Autor


Esse capítulo tá-

Boa leitura🌻


🦋

Capítulo 20 - Situações


Fanfic / Fanfiction Mistakes - Seongjoong - Capítulo 20 - Situações

Narradora in the Zone

Ninguém estava entendendo o que havia acabado de acontecer ali, Seonghwa após ficar desacordado por alguns minutos de repente acorda e corre para abraçar Hongjoong lhe pedindo perdão.

Wooyoung encarava toda aquela cena reprimindo a vontade de afastar Seonghwa de seu amigo, sabia o quanto que Hongjoong havia sofrido nas mãos do Park e como aquelas ações causavam estrago até hoje na vida de seu amigo.

San — Point of View

Havia acordado bem cedo, teria de ajudar Seonghwa à investigar os remédios que estavam tomando. Iria ajudar o Park à investigar aquilo já que também fui envolvido na história à pedido da mãe de Seonghwa. Por isso acordei cedinho, antes mesmo de Wooyoung, iria falar com Taeyong, e queria evitar perguntas do menor dos motivos de eu estar indo ver meu sogro sem ele.

Me sinto tão distante de Wooyoung esses últimos dias, sinto que estou falhando em não lhe dar mais atenção, carinho, amor, ou apenas compartilhar minha companhia com ele. Wooyoung quando não estava ocupado com os trabalhos da faculdade, estava com Yeosang. Esses dois embarcaram em uma amizade tão rápido que o Woo passa mais tempo com ele do que comigo. Não estava com ciúmes, eu também gostava muito de Yeosang e compreendia que a companhia do loiro também era muito agradável.

Antes de me levantar virei-me na procura do Jung que dormia encolhido no lado oposto ao meu, me perdoe meu amor, eu prometo que assim que isso acabar eu irei te recompensar. Me aproximem com cautela beijando sua bochecha evitando ao máximo fazer barulho. O menor se remexeu um pouco resmungando, virou seu rosto em minha direção. Me perdi pensando em como eu era uma pessoa de sorte por tê-lo ao meu lado e por termos apoio de nossos pais em nossa relação. Reprimi minha vontade de beijar seu biquinho adorável e balancei a cabeça tentando tirar a ideia de continuar ao lado do Jung e o mimar o resto do dia.

Me afastei com cuidado até sair completamente da cama, me virei verificando Wooyoung novamente sorrindo bobo para meu namorado.

.。゚ ..。 🌻 ゚ ..。*゚

Escrevi um bilhete para Woo avisando que eu chegaria tarde e caso algo aconteça ele deveria me ligar que eu iria na mesma hora até ele. Toquei meus bolsos procurando ver se estava com meu celular, carteira e chaves.

Peguei meu casaco e calcei meus sapatos saindo do dormitório. Desci até o estacionamento indo até um ponto de táxi próximo.

Estava bastante frio, principalmente pelo clima da nova estação, entreguei o papel com o endereço do escritório de Taeyong, meu sogro era advogado e ele estava a par do que estava acontecendo. Odiava pedir ajuda à ele, minha relação com meus sogros era maravilhosa, mas eu não gostava de incomodá-los.

Paguei o motorista saindo do carro, antes de entrar olhei para cima fitando o enorme prédio, respirei fundo vendo a fumaça quente sair de minha boca devido ao frio. Ganhei coragem e avancei para dentro do edifício, passei na recepção conversando brevemente com Yeji, a recepcionista me conhecia através de Wooyoung, sempre viemos aqui juntos visitar o pai do mais novo. 

— O senhor Lee está? — Perguntei abrindo meu casaco para pegar meu celular em um dos bolsos internos, era seis de cinquenta da manhã.

— Sabe que ele não gosta que o senhor o chame assim. — Riu digitando algo no computador.

— Eu também não gosto que a senhorita me chame de senhor, mas o que posso fazer? — A mais velha sorriu balançando a cabeça e retribuí o sorriso por educação.

— Ele está, quer fazer surpresa ou devo avisá-lo que irá subir? — Perguntou me entregando o adesivo que eu deveria grudar em minhas vestes para identificação.

— Pode avisá-lo, já será surpresa pois não avisei que viria.

— O filho do senhor Lee está bem? — Perguntou preocupada.

— Sim, o que vim resolver com o senhor Lee não tem nada a ver com o Wooyoung, não se preocupe. Já posso subir?

— Ah, sim. Fico mais tranquila em saber que está tudo bem. E pode sim, irei avisar a ele. — Sorriu pegando o telefone em mãos, me curvei por educação e me retirei indo em direção ao elevador.

Caminhei por aquela enorme sede de Horizon, estava tão frio que parecia que eu ainda estava do lado de fora, vou perguntar a Taeyong se não ligam o aquecedor, como é possível trabalhar em um lugar com esse gelo?

Parei em frente a porta da sala do Lee cumprimentando a secretária antes de entrar, bati na porta antes de abri-la, digamos que eu tenha certos traumas de abrir portas sem bater – principalmente quando envolvia Taeyong e Jaehyun no mesmo espaço, eu e Wooyoung vimos muitas coisas indesejáveis.

— O senhor Jaehyun não está, pode entrar. — Miyeon me avisa sorrindo, abri a boca em um A agradecendo o aviso. Peguei na maçaneta de metal a girando para abri-la.

Taeyong olhou na minha direção e sorriu de forma amável se levantando enquanto eu fechava a porta entrando na sala. Me curvei sorrindo, fazia muito tempo que eu não vinha o ver, assim como Wooyoung.

— San, quanto tempo não o vejo. O que devo a honra da sua visita? — Indicou para que eu sentasse na cadeira à sua frente e obedeci.

— Adoraria dizer que apenas para vê-lo, mas infelizmente trouxe problemas para tratar. — Fiquei mais sério apoiando minhas mãos em meu colo.

— Aigoo, há uns dias o Woo foi ver Jaehyun porque o ameaçaram de morte e agora você vem me procurar por estar com problemas. Quando vão almoçar com a gente sem ninguém perseguindo vocês? — Arregalei os olhos com suas palavras e fiquei assustado, foi por isso que ele tinha ido na delegacia naquele dia?? Por que não me contou?

— Ele foi ameaçado?

— Você não sabia, né? — Neguei. — Talvez ele não quisesse te preocupar.

— É... — Afirmei contragosto, teria de conversar com o mais novo quando eu chegasse no dormitório.

— Bom, do que precisa? — Retirou seus óculos olhando novamente para mim.

— É sobre o caso Park. — Seu sorriso murchou e respirou fundo.

— O que andam aprontando novamente?

— Se lembra que Seonghwa havia perdido a memória naquele acidente há anos atrás. — Assentiu atento em todas as minhas palavras. — Ele sempre fez o uso destes medicamentos. — Retirei dois frascos de um mesmo remédio os deixando sobre a mesa chamando a atenção de Taeyong. — Mas nos últimos dias ele veio conversar comigo e me disse que estavam substituindo os comprimidos. Ele suspeita do médico, mas conhecendo a índole do pai dele imagino que ele seja quem esteja por trás disso.

Taeyong pegou os dois frascos abrindo ambos os analizando.

— Sabe que o tribunal não irá aceitar provas circunstanciais.

— Por isso que vim aqui, vim pedir ajuda para investigar isso.

— Mas precisaríamos entrar com um processo para termos direito de fazer isso, mas sabendo dos truques da família Park a promotora Hong facilmente iria cobrir a notícia e manipular o tribunal.

— Mas então, o que deveríamos fazer? Investigar por conta própria?

— Até poderíamos, mas se formos pegos será um problema. O que tem em mente?

Eu tenho que ajudar esses meninos, caso contrário chegará um momento que acabaremos nos afogaremos nesse problema gigantesco. E eu não poderia permitir isso.

Depois de ter uma conversa séria com Taeyong o mesmo me convidou para o almoço – pode-se ver o quanto que demorou aquela conversa. E no final decimos que eu iria ajudar como infiltrado entre os Park, por ter a total confiança de Gahyeon seria muito mais fácil chegar até o problema principal. Park JungSu.

.。゚ ..。 🌻 ゚ ..。*゚

Hongjoong — Point of View

— Me perdoe ter te esquecido. — Sussurrou em meu ouvido, pude sentir suas lágrimas molhando minha camisa.

Suas palavras continuaram ecoando em minha mente, ele... se lembrou de mim? Engoli seco aceitando seu abraço, Seonghwa parecia assustado, seu peito subia e descia de forma frenética, mesmo que eu não entendesse eu me sentia na obrigação de ajudá-lo.

Não importa o que aconteça, eu não consigo guardar mais rancor de Seonghwa, mesmo que eu quisesse, algo maior me impede e diz que devo ajudá-lo, apesar de quando eu precisei ele fez o completo oposto.

— Me perdoe por não ter feito nada para evitar que ele te machucasse. — Arregalei os olhos me afastando no mesmo instante.

— Ele? Quem Seonghwa? — Segurei seus ombros olhando fixamente em seus olhos cheios de água.

— JungSu.

Não é possível! Do que diabos ele tá falando? Por que JungSu iria querer me machucar?

— O que..? — Murmurei sem entender.

— Não é melhor vocês sentarem e conversarem? — Mingi perguntou e assenti.

Me sentei no sofá ao lado de Mingi e Seonghwa foi obrigado por Yeosang à se sentar na cama. Eu estava com um péssimo pressentimento, aquela conversa não iria começar hoje e o término dela ainda nem tinha previsão.

— Antes de vocês conversarem, Seonghwa, tome seu remédio. — Yeosang entregou duas pílulas para Seonghwa junto com um copo d'água, mas o Park apenas encarou aqueles remédios.

— Não posso tomar esse, mas muito obrigado pela preocupação. — Pegou o comprimido menor ingerindo rapidamente.

— Vocês podem começar a explicar as coisas do zero? — Yeosang pediu. — Por favor.

— Tá, por onde começamos? — Wooyoung começou a falar, talvez tivesse percebido meu estado.

— Por que eu levei um tiro seria uma boa escolha. — Yeosang parecia estar tirando a paciência de algum lugar desconhecido, Wooyoung olhou para mim uma última vez e começou a falar.

— O que acontece é que- — Seu telefone começou a tocar. — AISH! Quem é o vagabundo me ligando?! — Pegou seu celular sobre as mãos irritado e respirou fundo antes de atender. — Fala logo que eu tô com pressa. Não, no hospital. Tá gritando comigo por quê? O que tem ele?

Wooyoung parecia uma bombinha perto de explodir, suas orelhas estavam vermelhas e seu pé batia freneticamente no chão.

Olhei para os meninos, e todos esperavam Wooyoung terminar sua ligação para começar o diálogo. Assim que desligou se virou e pôs se a falar.

— San pediu para conversar com todos nós.

— Olha, estou cansado disso! Você me disse que quando ele chegasse a gente iria conversar e até agora nada, eu tenho o direito de saber o porquê de ter levado um tiro! — Yeosang reclamou se exaltando.

— Porque meu pai quer me matar e matar o Wooyoung! — Respondi tudo de uma vez assustando todos os ali presentes. — Agora entende o porquê da gente ainda não ter contado? Se fosse algo mais simples nós já teríamos dito!

— Heeseung?! Por que ele quer te matar? — Seonghwa perguntou atordoado.

— Em 2018 ele foi preso por agressão, eu o denunciei por ter agredido o Hongjoong. Ele não aceitou e agora que está solto quer vingança. — Wooyoung completou.

Nós dois sabíamos que aquilo era somente a ponta do ice berg, cortando completamente as partes de tortura psicológica e abuso sexual que sofri durante aqueles anos. Se não fosse pelo mais novo eu provavelmente teria morrido naquela época por causa daquele desgraçado.

— E agora talvez ele queira ir atrás do Yeosang por ter defendido o Wooyoung. — Falei passando minhas mãos por meu rosto, que situação horrível. — E de praxe queira ir atrás de Mingi por ser testemunha.

— Ele fez isso por quê? — Mingi perguntou tentando entender a situação.

— Por eu ser gay Min, meu pai é super intolerânte, outro motivo dele odiar Wooyoung é esse. — Respondi me encolhendo no sofá.

Um silêncio absurdo ficou entre nós cinco, o clima estava super pesado, era como se uma névoa densa estivesse presente naquele quarto, mas tudo pareceu ser quebrado por uma risada nervosa de Yeosang.

— Vocês dois combinam, nunca vi tal coisa parecida. — Seu olhar alternou entre eu e Seonghwa.

— Ãn? — Perguntei confuso.

— Eu vou esganar o San por ficar espalhando isso. — Seonghwa falou baixinho com uma carranca no rosto.

— Esgana ele que você nunca mais verá a luz do Sol. — Wooyoung o ameaçou.

— A intenção não era nos manter juntos e protegidos? Por que querem matar uns aos outros? — Mingi perguntou confuso.

Concordei com Mingi, mas permaneci em silêncio, eu precisava reorganizar meus pensamentos e pensar sobre o que deveríamos fazer à respeito disso.

Ninguém disse mais nada e nem seria mais possível já que o médico entrou dentro do quarto se assustando com a quantidade de pessoas que tinha ali. Ele nos avisou que eram apenas duas pessoas que poderiam entrar, mas como Yeosang seria liberado hoje mesmo não iria reportar para a diretoria. Depois de um check up, o médico passou todas as recomendações ao loiro que ouviu tudo atentamente, lhe deu sua alta antes de sair.

Antes de sair do hospital paguei pela estadia de Yeosang, a culpa dele estar ali era minha e iria pagar o quanto fosse necessário.

.。゚ ..。 🌻 ゚ ..。*゚

Pedi à todos para irmos até algum lugar que pudéssemos conversar, San queria nos encontrar também então acabamos marcando de ir em uma cafeteria, Mist não ficava tão longe de onde estávamos. Como os meninos haviam vindo de uber não tivemos problemas em ir para Mist apenas no meu carro.

Quando chegamos nos sentamos em uma mesa afastada de todas, o lugar vivia cheia, e como o assunto seria algo bem sério não podíamos ficar em uma mesa no centro do estabelecimento. Iria me sentar ao lado de Wooyoung, mas ele se afastou se sentando entre Mingi e Yeosang, entendi que ele ainda deveria estar magoado pela história entre eu e Yunho. Não questionei e me sentei ao lado de Mingi me encolhendo na cadeira, verifiquei minha caixa de mensagens enquanto San não chegava e vi uma mensagem de Wooyoung. Estranhei, levantei meu olhar e ele fez questão de cortar contato.

Chat On

Woo — Vai me contar logo o que aconteceu entre você e o Yunho?

Me — Por mensagem?? Jura Woo?

Woo — Se quiser contar pra todos eu não vou reclamar — Arregalei os olhos olhando para Wooyoung que fingia que nada estava acontecendo. Voltei minha atenção para o aparelho digitando um breve resumo.

Me — No primeiro ano, eu e o Yunho ficamos, várias vezes, mas nada sério, até que no meio do ano fizemos um acordo, ficaríamos sempre que tivéssemos vontade ou quando o outro precisasse de companhia. E como ele e Mingi haviam brigado, Yunho pediu a minha companhia e acabei ficando no apartamento dele nesse tempo.

Wooyoung me olhou indignado, jurei por poucos segundos que em algum momento ele iria voar no meu pescoço, mas descontou sua raiva digitando em seu celular.

Woo — E nunca pensou em me contar?! Sabe o quão preocupado eu ficava quando você sumia do nada e o bonito tava ficando com o bonitão do Yunho?! — Segurei a risada ao ler "bonitão" , se eu risse talvez acabasse irritando mais o mais novo.

Me — Era, mas eu acabei com o trato hoje de manhã, nós não temos mais nada. Além de que eu não podia te contar nada por causa do trato.

Woo — Mas... por quê?

Me — O trato era mutual, da mesma forma que eu não podia falar nada, ele também não.

Woo — Eu tô perguntando por que acabou?

Me — Porque eu quis.

Woo — Agora que eu entendi, me promete não sumir mais do nada? — Sorri pra tela levantando meu olhar para Wooyoung que tinha um bico adorável no rosto.

Me — Prometo. — Levantei meu mindinho e ele sorriu.

Chat off

Rimos ao mesmo tempo causando estranheza nos meninos que estavam conversando antes das risadas. Não demorou nem dois segundos e San apareceu, estava com uma roupa toda formal, pelo jeito teve coisas sérias a se resolver hoje.

— Atrasado dois minutos. — O Jung reclamou e San deixou um selar no topo de sua cabeça.

— Também te amo. — Deu a volta na mesa indo se sentar no único lugar restante, entre Seonghwa e eu. — E vocês dois só me dão dor de cabeça. — Puxou minha orelha e a do Park me fazendo resmungar.

— Eu continuo sendo mais velho que você, me solte! — Seonghwa choramingou e o Choi nos soltou.

— Está bem, por que o Yeosang está com o braço enfaixado? — Perguntou confuso e Mingi tratou de lhe responder.

— Tentaram matar o Wooyoung hoje, mas o Yeosang levou o tiro por ele. — Mingi falou com uma calma tão grande que nem eu que sou acostumado com certas coisas consegui acreditar. San arregalou os olhos, por estar próximo vi seus punhos se fecharem até a ponta de seus dedos ficarem esbranquiçadas.

— Isso não vem ao caso, o que queria conversar com a gente? — Wooyoung apoiou sua mão na coxa de Yeosang esperando uma resposta do namorado.

— Fui ver seu pai hoje. — Wooyoung arregalou os olhos. — E amanhã eu peço para que todos vão até a delegacia e entrem com o processo de pedir proteção a vítima, seja o que for, todos vocês precisam de algum regime protetivo. Com Heeseung solto e com o risco de JungSu querer mover algumas peças para eliminar vocês temos que ter um cuidado extremo.

Eu ainda não estou entendendo o motivo de envolverem o nome do pai de Seonghwa na história, me lembro de quando mais novo Ganhyeon nos avisar para ficarmos longe e tomar cuidado com ele, mas não compreendo o que ele poderia querer comigo após tantos anos que me afastei do filho dele.

Olhei para San este que apenas me entregou um pedaço de papel por baixo da mesa e abri para ler.

" Você e Seonghwa precisam conversar o quanto antes "

Sinto que estou começando a me emaranhar novamente em fios e irei ter muita dificuldade de sair deles, era como se todos os problemas que eu fechei os olhos e ignorei a existência por tanto tempo começasse a me cobrar agora e me exigisse uma ação ou decisão. Mas agora, a vida iria me cobrar uma resposta, mesmo que eu não tivesse.

Narradora in the Zone

Sim, realmente era um problema, Mingi não sabia nem metade da história, Yeosang conhecia apenas o lado de Seonghwa da mesma forma como Wooyoung conhecia apenas o lado de Hongjoong, a única pessoa que tinha uma visão ampla do que estava acontecendo era San.

Bem longe dali estava Yunho, este que andava tranquilamente pela rua, trajava um conjunto moletom preto e um grosso casaco. Com fones de ouvido seguia em direção à uma farmácia, iria comprar máscaras faciais, algumas vitaminas e remédio para o estômago.

Estava tão absorto em sua música que acabou esbarrando em uma pessoa desconhecida, de trajes escuros com apenas um broche de borboleta em seu bolso do casaco.

— Me desculpe. — Retirou um de seus fones se curvando ao pedir perdão ao ser misterioso.

— Está tudo bem hyung, só preste mais atenção por onde anda. — A voz doce ia completamente contra a aparência do rapaz misterioso de vestes pretas.

Yunho concordou virando-se para continuar andando, mas sentiu suas pernas falharem no processo, estava escuro, ninguém havia visto, e ninguém iria salvá-lo.

Dream Talk

Durante toda a minha vida
Eu estive procurando por isso
Mas eu não consigo ver isso
O tesouro
Escondido nas nuvens
Não é um sonho, mas um lugar para nós

Utopia — Ateez


Notas Finais


INFO — NÃO REVISADO

Primeiramente, FELIZ PÁSCOA!!

Queria ter feito uma brincadeira de 1° de abril com vocês, mas quando eu fui ver a data já tinha passado ksksk

Sobre o capítulo:
O que acharam? Teorias? 👀👀

Capítulo passado e por mensagem vocês me pediram mais cenas Seongjoong então, PROMETO, que nos próximos capítulos terão cenas Seongjoong!

Anyways meus amores, amo muito vocês, tenham uma boa semana, não esqueçam de se cuidarem.

Até mais — Byeol💚🌻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...