História Mistérios da Meia Noite - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias A Colina Escarlate, Tom Hiddleston
Personagens Personagens Originais, Tom Hiddleston
Tags A Colina Escarlate, Crimison Peak, Romance, Thomas Sharpe, Tom Hiddleston
Visualizações 81
Palavras 1.514
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Mistério, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Fanfic criada por: Tarcila Hiddles
Capa por: Thai Hiddles

Capítulo 1 - Sr. Thomas Hiddleston - Capítulo único


Fanfic / Fanfiction Mistérios da Meia Noite - Capítulo 1 - Sr. Thomas Hiddleston - Capítulo único

Eu estava na biblioteca da cidade, pesquisando sobre lobisomens, fantasmas, vampiros e outros seres sobrenaturais, pois sou obcecada nesse assunto, não percebi a hora passar, e o caminho para a minha casa era longo e a estrada era ruim, ouvi um estrondo lá fora e vi que era hora de voltar pra casa.
Chovia muito naquela noite, relâmpagos cortavam o céu e o seu estrondo era ensurdecedor, a estrada estava um breu, o vento uivava e eu ali sozinha naquela estrada deserta, quando o pneu do carro resolve furar, parei e comecei a olhar em volta para ver se encontrava alguma casa por perto, até que avistei uma luz acesa, não muito longe, pensei em ficar no carro até amanhecer, mas estava muito frio e com medo dos trovões, tomei coragem e corri até a casa, estava toda encharcada, bati na porta pedindo ajuda e vi um vulto se aproximar e a porta se abriu, e de repente um raio clareou tudo a nossa volta e pude notar que era um homem, que me puxou rapidamente para dentro e fechou a porta atrás de nós e disse:
- A moça está doida em andar por essa estrada, a essa hora e nessa tempestade.-  Me olhou espantado.
- É que o pneu do carro furou e eu vi sua casa e resolvi pedir ajuda.
- Fez bem, não é seguro ficar lá fora essa hora. - Falou olhando para a estrada pela janela.- Me chamo Thomas e você?
- Me chamo Tarcila.- Disse tremendo de frio.
 Ele pegou uma toalha e meu deu um blusão e me mostrou o banheiro, me troquei e sentei em frente a lareira, enquanto ele preparava uma bebida quente, não pude deixar de reparar nele, ele era alto, pele clara, cabelos pretos, olhos verdes como esmeraldas e estava vestindo apenas uma calça jeans preta, ele se aproximou e me deu a bebida, dizendo que a bebida me aqueceria, agradeci e ele sentou ao meu lado em frente a lareira, ficamos em silêncio, até que ouvimos um uivo lá fora, ele se levantou e olhou pelo vidro dá janela e me disse que havia lobos naquela redondeza, senti um arrepio invadir meu corpo, fiquei imaginando o perigo se eu estivesse lá fora, ele se aproximou colocou sua mão em meu ombro e disse:
- Aqui você está segura, amanhã troco o pneu do carro e você volta para a sua casa.
Assenti com a cabeça e agradeci a hospitalidade, ele me disse para eu dormir em sua cama, que ele iria dormir no sofá. A claridade da lareira deixava meu blusão transparente, deixando em evidência o formato dos meus seios e o bico que estava enrijecido pelo frio, percebi que ele me olhava meio perdido, automaticamente cruzei os braços cobrindo meus seios, ele percebeu o meu ato e ficou meio sem graça, seu rosto ficou vermelho e ele desviou o olhar, então disse que iria deitar, estava um frio de congelar e eu pensando em como ele conseguia ficar sem camisa nesse frio, deitei, me enrolei toda no cobertor e tentei dormir, mas não conseguia, o frio não deixava eu estava tremendo e meu queixo batia de frio, então ele se aproximou e me perguntou se podia deitar ali do meu lado, pois o calor do seu corpo me aqueceria.
Assenti que sim com a cabeça e ele deitou, encostou o seu peito em minhas costas e sua cabeça perto do meu pescoço, puxei sua mão e coloquei sobre a minha barriga, ele era quente e em pouco tempo meu corpo estava voltando ao normal, sentir sua respiração perto do meu pescoço estava deixando o meu corpo arrepiado, me encolhi em seu abraço e minha bunda encostou em sua calça e pude sentir o seu volume, sua mão que estava em minha barriga subiu um pouco quase tocando meu seio, me virei de frente para ele e olhei em seus olhos, ele era perfeito, desci meu olhar para a sua boca, que estava um pouco aberta, como se fosse um convite para um beijo, deslizei a minha mão pelo seu rosto em direção a nuca e puxei-o colando os meus lábios nos seus, num beijo de tirar o fôlego, nossas línguas se entrelaçavam, ele segura forte a minha nuca, Thomas parecia faminto pelos meus beijos, sua mão foi descendo devagar pela minha cintura e parou em minha coxa a puxando em direção a sua cintura e eu pude sentir sua ereção pela calça, Thomas tirou sua calça ficando só de cueca em pé ao lado da cama, e foi lentamente tirando o meu blusão deixando os meus seios livres para ele acariciar, me aproximei e tirei sua cueca, fazendo o seu pênis pular na minha frente, ele era enorme, grosso, cheio de veias, fazendo a minha boca salivar, segurei e comecei a deslizar minha língua em sua glande e chupar o máximo que eu conseguia e deslizava minha mão num movimento de vai e vem onde minha boca não alcançava, Thomas gemia rouco e se contorcia de prazer e ele arfava e puxava meu cabelo e eu olhava em seus olhos, o deixando louco de tesão, ele começou a mover o quadril com força, como se estivesse fodendo a minha boca, senti seu pênis pulsar e ele logo encheu minha boca com o seu gozo, engoli o máximo que pude e deixei escorrer um pouco no canto da boca, ele arfava e seus olhos brilhavam, Thomas me puxou e me beijou sentindo o seu gosto em minha boca e suavemente me deitou na cama e deitou sobre o meu corpo, beijava o meu pescoço deixando marcas vermelhas, foi descendo e abocanhou meu seio, me fazendo gemer alto, ele era forte, ele chupava o meu seio me deixando extasiada, Thomas desceu sua mão e acariciou o meu sexo por cima dá calcinha, eu estava molhada, ele puxou a calcinha para o lado e introduziu um dedo, minha vagina estava quente e apertada sedenta por ele, Thomas acariciava o meu clitóris com o polegar e introduzia o dedo num movimento de vai e vem que me levava a arfar, contorcer e levantar o meu quadril, ele então tirou a minha calcinha e começou a chupar meu clitóris e introduziu agora dois dedos , eu já estava sentindo as contrações do orgasmo,  ele percebeu e enfiou os dedos com mais força, minha vagina apertava os seus dedos e eu ergui as costas e gozei em sua boca e ele veio subindo devagar e me beijou para eu sentir o meu gosto em sua boca, Thomas estava duro novamente e roçava sua glande na entrada da minha vagina, eu gemia e implorava pare ele me penetrar, então ele me perguntou o que eu queria.
- Eu quero sentir você dentro de mim, quero que me foda com força. - Respondi meio que choramingando, implorando para ele me foder
Thomas atendeu meu pedido e sem aviso me penetrou de uma vez só,  fazendo gemer em sua boca, ele contornou os seus braços por baixo dos meus e segurou o meu ombro e estocava com força o mais fundo que ele podia, beijava e mordia o meu pescoço, meus olhos reviravam de prazer, desci minhas unhas arranhando suas costas e Thomas gemeu perto do meu ouvido, cravei minhas unhas em sua bunda dura e deliciosa e ele me penetrou com mais força chegando ao limite, senti minha vagina apertar o seu pênis e mordi o seu ombro, ele gemeu rouco me deixando louca, gozei em seu pau e logo depois Thomas gozou, senti seu jato quente inundar o meu sexo e ele caiu ofegante sobre mim, nossa respiração  se misturavam uma na outra, Thomas olhou em meus olhos e me beijou, senti seu pênis escorregar de dentro de mim e seu esperma escorrer dá minha vagina, ele deitou do meu lado e me virei de frente para ele, alisei seus cabelos e retirei uma mecha que caia sobre o seu rosto suado e sorri admirando sua face perfeita, seus olhos verdes me olhavam com tanto desejo, ele sorriu e colou sua testa na minha, passando o polegar em meu rosto, demos um selinho e eu me aconcheguei em seu peito, Thomas alisava as minhas costas, acabamos dormindo abraçados e completamente satisfeitos.
Nos primeiros raios de sol acordei, Thomas não estava ao meu lado, levantei e olhei em volta e nenhum sinal dele, troquei de roupa e fui em direção a estrada, que para minha surpresa encontrei meu irmão parado em frente ao meu carro, ele me olhou preocupado e me abraçou e então trocou o pneu para mim, me perguntou aonde eu havia passado a noite, apontei para a casa e ele então me falou que eu fui muito corajosa, pois aquela casa está abandonada faz tempo e que pertencia a um homem chamado Thomas, mas que ele sumiu misteriosamente a algum tempo, meu corpo foi invadido por um arrepio e antes de entrar no meu carro, olhei mais uma vez para a casa e pude ver a silhueta de Thomas na janela olhando em minha direção.


Notas Finais


Obrigada por lerem, espero que gostem :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...