1. Spirit Fanfics >
  2. Mistérios do amanhecer >
  3. Não consegui "matar" meu colega de dormitório.

História Mistérios do amanhecer - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Eae leitores tudo ok? Espero que sim. Bom fico feliz de colocar o segundo capítulo, é realmente muito divertido. Hoje espero que esteja melhor e mais engraçado que o de ontem. Então... boa leitura! ( sorry pela timidez amiguinhos, talvez me abra mais, aos poucos. ).

Capítulo 2 - Não consegui "matar" meu colega de dormitório.


 Acordo todo suado com meu coração palpitando, bom essa última parte deveria acontecer então ignorem. Então começo a observar aonde eu estou e, é um tipo uma sala com cama, se é que vocês me entendem, sou péssimo explicando claramente as coisas. Vou tentar me esforçar agora, só para agradar vocês: “Eu me encontrava agora em um quarto branco e luxuoso, tinha lustres até. Só de olhar pensei que até mesmo o Capeta ficaria feliz de se acomodar aqui, mas como ele não estava presente, fiz minha própria honra de me acomodar aqui" Melhorou? Acho que com essa minha delicadeza sim. 

        Depois desse longo pensamento minhas pálpebras começaram a se fechar, infelizmente como minha vida é um poço de merda alguém acabará de abrir a porta. “Que merda” não deixei de pensar, logo quebrando uma das regras da lista de coisas que eu iria fazer quando acordar. 

       A pessoa que entrará, é um garoto de cabelos brancos, roupas brancas, tudo branco -Parece que todo mundo que eu esbarro tem problema mental de só usar uma única cor nas roupas, misericórdia. -, tirando seus olhos azuis que encaravam o livro que ele tinha em mão.Ele resmungava alguma coisa ou algo assim. Quando ele foi entrando foi percebendo a minha presença, criando um belo do silêncio. 

 Ele começou a falar: 

         - Oi, é prazer me chamo Allan Bonnes e nós vamos ser colegas de quarto, espero que não seja um incomodo. Podemos até ser amigos né? -  O seu tom era típico de uma pessoa falsa. 

      - Não. - Respondi imediatamente - Não podemos ser amigos, nem colegas de quarto, Ok? Cada um no seu quadrado. -  Seria péssimo ter que aturar alguém, qualquer pessoa, todos os dias. 

    Sei que parece que eu fui super grosso, mas costumo falar isso para as pessoas que tentam se aproximar de mim na escola. Odeio ter uma vida escolar agitada. Mas ele me olhava como se tudo que eu tivesse falado algo legal ou até maravilhoso, o que era muito ridículo por sinal. 

        Ele olhou para o chão e falou: 

     - Vamos falar com a diretora. 

      - Ahn?  

      Olhei para ele confuso. 

      - Você não quer ficar sozinho, coisa? Vamos falar com a diretora para conseguirmos um dormitório individual. – Retrucou. – Eu também quero. – Ele suspirou – Tenho meus motivos e você tem os seus. - Deu de ombros. 

      -  Eu nunca tinha dito que queria ficar só. Você que supôs isso. Eu falei “cada um no seu quadrado” não cada um no seu dormitório. 

           Ele parecia surpreso, mas mesmo assim se recompôs e falou: 

          - Ah é... foi mal. Mas tem certeza de que não prefere um dormitório só para você? 

        - É claro que eu quero. 

          - Então por que diabos o negócio de cada um no seu quadrado caramba, era só falar sim! 

          - Tanto faz CIS. Vamos agora? - Falei dando de ombros. 

          - Não, só depois das aulas. 

                Levantei da cama e perguntei a ele aonde era o banheiro, que era dentro do nosso quarto e assim segui para o banheiro.                                Me lembrando que nem sequer me apresentei para ele. Mas não importava, não teria que me apresentar, mas para ninguém. Só para os professores, afinal de contas um quarto só meu......parece sonho. 

     O banheiro era melhor do que eu imaginava: branco e chique, com lustres, uma enorme banheira, uma TV de quarenta polegada, só faltava o PS4 para completar, para que tanta mordomia para adolescentes que só pensam em namorar? (menos eu).                                                             Depois disso fiz a minha higiene matinal. Vestindo o uniforme escolar (graças a Deus ele não era todo marrom ou branco): Uma calça preta, blusa branca que cobre todo o meu braço e sapatos sociais. O uniforme mais ridículo que eu vi na vida. Normalmente na escola usamos roupas normais, mas eu me esqueci que essa escola era o mais próximo de filme de terror. 

   Saindo do banheiro vejo CIS sentado na minha cama, a dele era ao lado. 

    - Vamos? - Ele falou. O mesmo já estava com o mesmo uniforme que o meu. 

 Ambos nós retiramos para o primeiro dia de aula com um silêncio critico amigável, pois ambos queriam o mesmo objetivo.                                                 Cortando a parte chata das aulas, quando nós chegamos na frente da sala da diretora, sua assistente, com um grande cabelão ruivo e pele cheia de sardas, mandará que nós esperássemos um minuto.                                                                                                                  Nós dois sentamos nas fileiras de bancos na frente da sala da diretora. Um silêncio perfurante, bem pior do que todos os momentos de tensão que eu já presenciei num filme de terror, isso é bom, odeio conversar com estranhos que entram no seu quarto enquanto você dorme. 

          - Senhores, a diretora espera vocês na sala dela. 

  A assistente falou saindo de perto. Eu e Bonnes entramos.  

    A sala era a coisa mais pobre e feia comparado os nossos quartos, eu não deixei de resmungar: 

    - Nossa, que horror. 

        CIS me olhou como se eu tivesse dito a palavra mais feia do dia, e olha que eu nem falei palavrão hoje. A velhinha não escutou deve ser pelo fato da morte dela estar pro.... Deixamos essa questão para lá. 

     Bonnes suspirou, aliviado. A velhinha se remexeu na sua cadeira. 

      - Podem sentar, senhores Bonnes e Duncan. 

      Eu iria recusar, mas senti que era uma má ideia. Nós dois sentamos, eu olhei para ele tipo dizendo: “Fala ai cara! Foi você que deu essa ideia ridícula.” ele apenas ignorou, ainda bem que não vamos ficar no mesmo dormitório, ele é esquisito.Falou o cara que tentou se suicidar com macarrão, péssima hora para chamar alguém de esquisito. 

 A velhinha se posicionou pronta para falar: 

     - Ah, Charles eu sinto muito pelo o que ocorreu ontem, sinto muitíssimo mesmo, sua mãe já foi em bora esperou você acordar, mas...... 

  - Tudo bem velhin.... senhora diretora! 

    Falei olhando para baixo envergonhado, graças a idade dela talvez ela nem tenha percebido que eu ia chamar ela de velhinha, ufa. 

   - Nós queríamos um dormitório individual, – Se meteu  Bonnes – Caso não tenha problema. 

  A velhinha sorriu. 

  - Infelizmente só temos dois dormitórios individuais. 

    - Então diretora – Falei – Nós precisamos de dois dormitórios individuais. É assim que a matemática funciona. - Grosso não, Charles Duncan. 

   Ela me olhou horrorizada.  Mas a velhinha piscou duas vezes e continuou a sorrir alegremente, como se nada tivesse acontecido, resumindo esses sintomas ela é doida, doida de pedra ou sonsa, tanto faz dá no mesmo. 

      Ela ignorou meu antigo comentário ridículo e, falou: 

     - Bom, como a matemática diz, os senhores terão um dormitóri..... 

            A vovó foi interrompida por uma batida bem forte na porta dela, quase fazendo cair todos os quadros da sua sala.  A velhinha gritou bem alto e depois voltou a sua posição normal, feito uma estátua.Quando eu disse que ela já estava numa idade muito avançada eu não estava brincando, perai eu não disso, bom falei agora. Anotando na minha lista mental para levar ela pra um possível hospício.  

       Ela se posicionou e começou a falar: 

      - P-pode entrar. - A vovó falou com um sorriso torto. 

          Se lembram da garota doida que deu um murro no garoto e quase me deixou em coma/inconsciente? Aposto que sim, ela entrou agora na sala usando seu casual uniforme de gente de colegial: saia e blablabla.                                                    

                         Ela falou: 

       - Ouvi boatos de que tem dormitórios individuais, eu quero um A-G-O-R-A.  

   A garota nem parecia ter percebido nossa presença, só olhava diretamente para a diretora. A menina apontou o dedo para a velhinha e falou: 

    - Resumindo eu quero um quarto só para mim velha! - Ótimo modo de se falar com uma velhinha doida que vai para o hospício, perfeito. 

    - Oh! – A vovó falou com a mão na boca. – Desculpe, Alex, mas acabei de dar a vaga dos últimos dormitórios para esses garotinhos. - Sorriu falsamente. 

   Alex remexeu seus cabelos ondulados, como se tivesse algo a contrapor. Já falei que odeio ela? 

   - Mas senhora Sasha.... -  Alex falou. Eu me conti para não rir desse nome, até CIS deu um sorriso de leve, esses nomes fazem milagres. - A senhora anotou os nomes deles? 

    - Não Al- 

     - A senhora anotou ou não? 

      - Ela já falou que não. - Respondeu CIS se levantando. - Porém pedimos primeiro. - Opa! A treta já já vai começar. 


Notas Finais


Arigatou por terem conseguido chegar ao final. Me pergunto se gostaram do Allan, acho que não. Logo eu amo esse carinha. Allan e Charles quase não se dão bem, o que será que acontecerá com eles? Uuu fico animada só de pensar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...