História Mitologia Exo - Capítulo 25


Escrita por:

Visualizações 42
Palavras 3.962
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal, estava sumido agora estou de volta. Espero que gostem.

Capítulo 25 - Lua cheia de sangue


Fanfic / Fanfiction Mitologia Exo - Capítulo 25 - Lua cheia de sangue

Aquele lugar não era mais uma prisão de um mostro perigoso, estava mais para aqueles bloco de montar, jogado por toda a sala por uma criança de quatro anos. O rei dos caçadores estava comendo, parecia uma fera que não comia a dias. Casper esperou o Takuya acabar com a lasanha que o Tao tinha levado e começou a falar sobre tudo o que aconteceu para o rei deles. Takuya ouvia atentamente, ele me parecia um bom ouvinte. Enquanto isso me afastei um pouco dele e liguei para o SuHo.

- Alô, SuHo?

- Kris. Cadê vocês? estamos no campo de Mitra. - Uma explosão a aconteceu. - Caçadores idiotas. Precisamos de vocês.

- O que aconteceu? 

- O que aconteceu? Os caçadores estão atacando, a guerra começou mais cedo para nós meu amigo. Eu e os meninos estamos aqui para impedir, mas presicsa.os de reforços.

- Estamos chegando, com alguns reforços não convencionais.

- Venham rápido. Estamos tentando não mata-los. Mais esta sendo difícil. - disse ele.

- Estamos chegando. E, SuHo, preciso da ajuda da SeHun.

- Tá, mais por que? - perguntou ele.

Expliquei meu plano para ele o mais rápido, vez ou outra ele atacava alguns caçadores. Assim que acabo de falar, sua voz me passa uma incerteza.

- Tomare que funcione. - disse ele.

- Vai funcionar. Aguente mais um pouco. Estamos chegando.

Quando ia desligar, ouço um rugido de Leão ao longe, e o campo ficou em silêncio.

- Si... Sifiano. - gaguejou SuHo - Chegue depressa então.

Desliguei o telefone trêmulo, sabia que não iria esquecer aquele mostro nem ao menos seu grito de guerra. Cheguei no centro da caverna e os três caçadores estavam de joelhos, por via das dúvidas o Verno criou algumas algemas improvisadas de aço. O rei dos caçadores estava de pé na frente deles.

- Como estão as coisas? - perguntou a Hoshi.

- Ruins. Eles estão impedindo, mas... Sifiano chegou...

- Iram morre de qualquer jeito. - provocou YongSeok.

- Eles lhe mataram. E nos seremos recompensando. - se vangloriou Shin.

- Vocês vão morre. - rosnou SangMin.

- Não temos muito tempo. - disse Takuya. - Minha querida, sabe o que fazer. - completou ele, olhando para Hoshi.

Takuya explicou que Hoshi poderia quebra esse feitiço, se ele se concentrasse botando toda a persuasão em sua voz, só assim poderíamos tira esse feitiço deles. Mas não podia dar nada errado.

- Olhei para mim. - disse ele.

Tive que me controla para não olhar também para ela. TaKuya estava do lado dela, sentia a aura dele também sendo emanada, ele disse que seu dom principal, é de poder neutralizar os poderes se seus oponentes. Mais não poderia fazer isso muitas vezes que esgotava ele. Para não dar nada errado ele estava o usando agora e mirado diretamente nos seus três generais. Eles tentaram resistir.

- Olhem para mim. - insistiu ele. Ele rinha a atenção deles agora - Sei que os verdadeiros generais estão ai. Quero que eles sejam libertos agora.

Eles estavam se contorcendo, como se estivesse lutando contra a ordem dela. Até que eles param de lutar e então Casper ergue a cabeça.

- Meu querido. Acha mesmo que ira me impedir com esse seu poder patético? - sua voz não era a do Casper, era mais confiante, mais grave.

- Quem... quem é você? - perguntou ele trêmulo

Ele mostrou um sorriso perverso no rosto do Casper. Estava começando a odiar meu plano. Senti um frio na espinha, e comecei a odiar mais meu plano quando vi no rosto do TaKuya, o medo estampado.

- Você, você não deveria ter todo esse poder. - dizia ele trêmulo. - Esta a quilômetros de distancia. E estou impedido os poderes deles.

Os três caçadores riram.

- Acha mesmo que seu poder é comparável com o meu? - perguntou agora SeungYoung.

- O que é isso, quem é ele, Takuya? - perguntei.

- Você saberá, Kris. - disse YongSeok agora olhando com os olhos frios e sem reação alguma - Meu senhor deveria ter matado você quando criança, mais o poupou por que será o Curinga dele.

Que senhor? quem era ele, minha cabeça começou a pensar em varias coisas. Quando ia pegar YongSeok pela gola da camisa, para força-lo a dizem quem era o mestre, o Zitao me para.

- Não sou e nem serei Curinga de ninguém. - rosnei para ele.

- Mais será. – disse Shin, dando uma risada profunda - Vocês morreram. Mama dominaram o mundo la de fora, e acabara com essa três cidades nojentas. E com todo esse multiversos e suas linhas temporais 

Os três riram novamente, suas risadas eram frias e pareciam que estavam vindo de um lugar bem ao longe.

- Esse é um dos novos "protetores" da cidade da Babilônia. HeeChul. - disse Takuya

Eles olharam para Hoshi.

- Você não tem poderes para me vencer. - disse SeungYoung. - Desista garoto. E se rendam.

Hoshi deveria esta perdendo toda sua coragem e confiança. Estava paralisado de medo, insegurança.

- Veja o que aconteceu com O Grande Rei dos Caçadores. Nem ele com seus poderes neutralizantes poderão ser capaz de me vencer. - disse Casoer. - Não será você a conseguir. Desista e lhe pouparemos.

- HoShi, você consegue. Sei disso. - falei para ele.

- Você sabe que não consegue. Olha para você. Nem ao menos consegui salva seus irmãos direito, Um ser inútil faz coisas inuteis. - debochou SangMin

- Não fale de meus irmãos. - rosnou ele.

- Hoshi, ele esta querendo que você duvide de si mesmo. - retruquei.

- Mais você confia em seu potencial, KRIS? - disse SeungYoung. - Confia em si mesmo, para lidera esse grupo. Sabe que pode esta levando eles para a morte. - ele estava se divertindo a cada palavra. - Varias vidas inocentes. Uma banho de sangue inevitável, e tudo será culpa sua.

Eu já estava quase para avançar sobre ele, mais algo me parou. Era Hoshi, seus olhos passavam ódio, raiva, e mais determinação do que nunca.

- Você não me conhece. E confio de olhos fechados na liderança do Kris. - disse ele que não tirava os olhos deles - Estou ordenando, deixei os livres. - ordenou.

Eles começaram a se debater, a se contorcendo todo. Gritavam e se batiam entre eles e as vezes até no chão. Eu sentia todo o seu poder naquela frase, eles gritavam e brotava gotas de suor na testa de cada um.

- Não irei sair assim tão fácil, garotinho. – disse Casper, gotas de suor brotavam da testa deles.

- Você vai sim. – disse Hoshi. – Vocês vão se arrepender de ter duvidado de mim. – sentia a força da garoto sendo a maior de todo aquele lugar. – Eu ordeno que saia, agora! – gritou ele

- Você vai... me pagar. - ofegava Casper.

Eles desabaram no chão, desacordados. Depois de alguns dois minutos eles olharam começaram a se mexer. Olharam para gente e depois para o Takuya.

- Senhor. - disse SeungYoung. - Eu, nós não...

- Eu sei disso meus determinados generais. Sei que foram Eles.

Olhei para Hoshi que estava um pouco suado. Ele olhou para mim e me disse sem emitir voz alguma "Estou bem". Zitao tomou a iniciativa.

- Sei que estão nesse momento reconciliação, mais temos uma guerra para acabar ainda hoje. - nos lembrou ele.

- Claro. Faremos o que for preciso para nos redimir. - disse SeungYoung.

Zitao abriu um portal transferindo para o local da guerra. O portal que Zitao nos levou era um portal entre linhas temporais, nos permitindo sobrevoar o céu e ver o que estava acontecendo. Partíamos para a batalha no campo de Mitra. A cidade Baixa, e virmos o rastro de destruição que aquele mostro deixou elo caminho, casas destruídas, pessoas feridas, enquanto voamos falei sobre meu plano para acabar com Sifiano e liberta os caçadores. Eles ficaram duvidosos mais esse era o melhor plano que tínhamos. Mais não poderia duvidar, o que o HeeChul falou usando Os generais, martelava na minha cabeça, e se estava levando todos para um banho de sague?, afugentei aquele pensamento de minha cabeça. Daria certo, teria que dar.

Ao ver o que estava acontecendo me revoltei mais. Meus amigos estavam batalhando e atraindo o máximo de caçadores possíveis. Sifiano tentava acerta alguns e outros estavam mortos no chãos. Todos os caçadores estavam lá, acho que eram quase cem caçadores, contando com os mortos. Aquilo estava sendo uma carnificina.

- Temos que aterrissa agora. - disse alto para minha voz sair mais alta do que os gritos lá em baixo. - Vocês sabem do plano.

Aterrissamos e ouvimos um grito de aprovação quando avistaram os três caçadores, mais logo mudaram seu grito de aprovação quando viram que os três caçadores estavam conosco. Começamos a lutar, passei por um caçador, golpeei outro, me esquivei de um, e comecei a corre velozmente. Cheguei aonde a SeHun estava, usando suas bolas de ar, pegava os caçadores e os faziam rodopiar muito rapidamente e criando um mini tornado, os fazendo desmaiar sem ar.

- Belo truque. - disse a ele, então chutei um caçador que estava querendo a feri-la.

- Belo chute. - respondeu ele.

- O SuHo lhe explicou o meu plano? - perguntei a ele

- Sim. Acho suicida. Mais eu topo.

- Eu sei que é suicida, mais ele é o nosso maior problema... e você topa?

- Foi isso que eu disse, eu topo, coitado, esta perdendo a audição, tão novo e já amostrando sinais de velho - respondeu ele, fazendo uma caçadora voar.

Só ele para fazer aquele comentário em uma guerra, e me fazer ri.

- Então não temos mais tempo. Voe para aquele jardim e nós espere la. - falei.

Ela assentiu e voou em direção ao jardim. Bati mais em alguns caçadores, e corri para o Sifiano. Ele estava lançando acido em varias partes do campo, não mirava, então para ele não importava se estava acertando seus aliados ou não. Ele brandava sua lança e acertou um caçador em cheio. Voei e consegui ver a batalha inteira, mais alguns metros e eles chegariam a cidade. Que droga, não podíamos deixa isso acontecer.

Vi que estávamos lutando bravamente. SuHo estava fazendo seus truques com a terra, e fazendo com que a terra se elevasse e chegasse até os ombros dos caçadores os prendendo. Chen estava feito um louco lutando, ele e Casper estavam eletrocutando vários caçadores e os levando para a uma parte longe da batalha. SangMin e Shin estavam brando espada contra espada, LuHan tentava de o alto desfazer o feitiço dos caçadores. Xiumin e Hoshi batalhavam juntos, congelando e tentando libertar os caçadores. Kai de vez ou outra machucava alguns caçadores, e o rei dos caçadores estavam enfrentando seis de seus caçadores. Kyungsoo estava na luta, usando seus poderes da terra, ele conseguia fazer desmaia os caçadores mostrando terremotos e etc com a terra. Todos estavam bradando para a vitoria. 

Fui para o mostro. Ao me ver, ele fez o mesmo que fez na prisão dele. Rugiu, deu um grito sônico e um si biliar de cobra ao mesmo tempo. Ele então jogou acido até mim, mais estava preparado para aquilo. Desvio usando a pedra filosofal.

O ácido ao tocar na pedra, se transformou em vapor. Olhei para ele, e tinha que atrair toda sua atenção. Voei para cima dele e comecei a ataca-lo.

Criei com minha alquimia, um arco e frlcha. As flechas estavam pegando no seu corpo humanoide e ele berrava de dor. Seus olhos reptilianos estavam em mim, tentava usar sua lança para me decepar. Mais nada adiantava.

- Vem me pegar seu bicho feio. - gritei para ele.

Sai voando para o sul do campo de Mitra. Ele veio voando atrás de mim, se meus reflexos não estivesse ficando apurados estaria morto, usei minha velocidade no meu voou, para poder esta na frente dele, ele poderia ser um mostro bem pesado, mais deslizava levemente e rápido no ar. 

 Acertei seu peito, o deixando enfurecido. Ele berrava em protesto. Tinha que dar certo o meu plano. Vez ou outra falava um insulto para ele.

- Sua mãe e tão feia, que não te visita mais no natal. - disse eu. - Você é tão feio, mais tão feio, que meu avô, o General, teve pena de te matar.

As provocações estava dando certo, ele vinha agora mais rápido, jorrava ácido e tentava me atacar com a lança. O que nada estava fazendo efeito. Ele estava deixando um rastro de destruição aonde passava. Casas e mais casas estavam sendo destruídas, ouvia gritos das pessoas la em baixo.

- Venha se vingar. Mais ainda acho que vou te matar, como meu avó deveria ter feito. - o provoquei.

Estava orando para que meu avô não vinhesse ter ouvindo do outro mundo, tava torcendo para que ele não aparece na minha frente e ao invés de me ajudar, me daria um castigo sobrenatural. Estava chegado na floresta, poderia ver a grande mansão branca no estilo grego perto.

- Vamos bicho feio. Muito mansinho, para um mostro que se diz ser o Terror. - provoquei.

Ele jogou ácido, desviei, até que por um descuido meu de não olhar para trás, sua lança corta minha perna, o corte vinha da panturrilha até meu calcanhar. Sentia a dor, o sangue saia como se fosse uma nascente de água. Minha visão estava escurecendo, via pontos amarelos, estava ficando tonto, mas tinha que aguenta. Sentia que o poder de cura do cordão estava entrando em ação.

Passamos pela floresta. Se não estivesse sendo perseguido por um grande mostro que deveria pesar 10 toneladas, poderia aprecia a paisagem. Varias árvores que deveriam chegar a uns dez metros, criavam uma espécie de construção abilolada. Não sabia se estava ouvindo coisas, mais ouvia um córrego de água passando por ali perto. Até que aviste a grande estatua de gelo que estava ao oeste da mansão. Fui muito mais rápido, o vento não ajudava muito, me fazendo lembra da dor que estava sentido na minha perna esquerda.

Cheguei no grande circulo de flores, sabia que poderíamos morrer se algo desse errado, mais não tínhamos outra escolha, também não colocaria outras pessoas em perigo. Sabia o que tinha que fazer. Quando pousei, sentia que o ar daquele lugar poderia infecionar a minha perna ferida, que por sinal estava se cicatrizando. Quase vacilo quando tento por meu peso em cima dela.

- SeHun, onde você esta? - gritei ao perguntar.

Meu olhar percorreu o jardim inteiro e não a visitava. O chão tremeu quando o grande mostro pousou no jardim. Estava orando para que ele não vinhesse perceber aonde estava, por que foi aqui que meu avô o fez dormi para enfim ser preso. Ele rugiu. Sua cauda estava derrubado as árvores atrás dele. Ao luar as escamas de sua parte lagarto estavam brilhando, uma coisa nele era lindo. Ela deveria esta aqui, então ouço o vento fazendo com que as folhas dançasse. Ela sai das arvores e fica ao meu lado, ombro a ombro.

- Pensava que tinha desistido da minha ideia. - admiti para ele.

- Não. Não mesmo. Agora vamos matar esse mostro. - disse ele olhando para Sifiano.

Quando íamos atacar, uma coisa aconteceu. As asas do mostro se abriram, sombras enormes nos cobriram, dessas sombras, começaram a criar forma. Elas estavam se dividindo em varias pequenas, então se formaram e meia dúzia de Manticoria, sabia que eram apenas ilusões, mais era tão real que duvidei se eram mesmo ilusões. Quando procurei Sifiano, ele não estava mais no nosso campo de visão. Parecia que tinha sumido.

Olhei para SeHun e vi que ele estava aterrorizado. Não sabia o que ela estava vendo mais sabia que estava sendo o seu pior pesadelo. A Manticoria do meio amostrou suas presas e riu.

- Acha mesmo que você, vai conseguir me matar. - disse a Manticoria. - Sou Sifiano o terro de todos os monstros. Precisam de quatros  para me para num sono.

Senti um arrepiou subindo até chega no pescoço. Lembrei da história que me falaram. Precisaram de quatro e um deles ainda teve que se sacrificar para poder prender esse mostro ainda vivo naquela prisão.

- Esperei ansiosamente minha liberdade. - disse ainda a Manticoria do meio. - Quando eles e os outros vinheram até mim, me propondo que teria minha vingança, não recusei. Irei tortura todos os vocês, como fui torturado naquela prisão a mais de Cinquenta anos.

Não sabia o que a SeHun estava ouvindo ou vendo, mais parecia que ele estava tendo a mesma conversa que eu estava tendo com as Manticoria. Me lembrei de como foi difícil matar uma só da espécie deles, mais agora que eles eram ilusões, será que sua força estava mais forte, ou apenas estaria a mesma da ultima. Coloquei minha mão no meu braço que parecia que estava sentido a dor do ferrão novamente.

- Você ira cair como todos os outros que enfrentamos até agora. - disse tentando soar corajoso.

- Espera mesmo que serei derrota por um verme magricela e um meninosque tem medo de uma Alcaparia. - debochou a Manticoria líder.

Uma Alcaparia? que diabos é isso?, quando ia perguntar da SeHun o que era aquilo as Manticorias me cercaram.

- Kris, o que foi isso que senti? - pergunto a Sehun se afastando das Manticorias.

- São meia dúzia de Manticorias. - respondi para ele - Temos que achar Sifiano. Essas ilusões não são reais.

Ao disser isso, todas riram. Eles fizeram um circulo perfeito em volta de mim. Até que um mini míssil rasga meu braço. Droga, ele estava queimando, eu sentia a dor do veneno estava ficando insuportável. As Manticoria estavam agora rindo de mim.

- Isso é um ilusão, Guardião? - perguntou a Manticoria. - Para poderem me achar, terão que enfrentar meu desafio. E elas são muito mais forte do que as originais.

Eu estava sendo a prova, não consegui acompanha quando atacaram o mini míssil, eram muito mais rápidas que os originais. O veneno estava tomando conta do meu corpo muito mais rápido, cai de joelhos. Tinha que haver outro jeito. Então pensei em algo. Se não poderia com elas, faria elas mesmo se matassem.

Me forcei a fica em pé, então comecei o meu plano suicida. Me joguei nas costa da Manticoria líder, sua cauda estava tentando me pegar, mas tinha que ser mais rápido do que ela.

- Sai dai e lute, ou se não se renda. - rosnou ele.

- Oferta tentadora. Mais terei que recursa. - retruquei

Quando ela atirou, só tive tempo suficiente para pode pular para o gramado. A Manticoria líder tinha sumido. As outras caíram na armadilha, começando a dispara seus misseis. Corria e aparecia em algumas parte aonde uma Manticoria não me via. Nessa brincadeira matei mais duas dela. Me lembrei da luta do campo de Mitra. Não teria todo o tempo do mundo. Olhei para Iety que estava tendo dificuldade em vencer o sei la o que.

Fiz a coisa mais louca de toda a minha vida. Agarrei a cauda de um delas, era peluda e seu fedor não ajudava muito. Então forcei ela a dispara contra duas de suas aliadas, em defesa elas disparam misseis, os misseis que minha Manticoria lanço, cortaram os espinhos dos outros no ar, assim acertando a parte humano dos mostos, bem no peito. A Manticoria movia a cauda querendo me derruba, mas me segurava firme. Ela virou seu corpo humano até ele atingi 180 graus.

- Você vai morre agora. - rosnou ele.

- Vamos ver quem vai morre. - Soltei a cauda dele e me joguei para tras. Disparando flechas com fogo.

Ele atirou vários misseis de uma vez, um atrás do outro. Me concentrei e fiz com que uma única flecha se dividisse me varias, ao chega nos mísseis os cortaram em dois e foram perdendo velocidade até cair no chão. Minhas fechas acertaram o mostos que pareceu um porco espinho. Todas as Manticorias agora estavam mortas.

- Vou te ajudar, Sehun. - disse chegando perto dele.

- Não. - disse ele. - Estou cansado de ter pesadelos com você. Vou fazer isso sozinho.

A observei elevado sua aura. Procurei em volta Sifiano que ainda estava escondido em algum lugar. Ele estava se saindo bem. Bloqueava e atacava. Então acho que o mostro deu uma brecha e ele aproveitou.

- Nunca mais terei medo de você. - gritou ele revoltado.

Um ciclone crsceu rapidamente e envolveu alguma coisa. Ele não tirava os olhos a sua frente. Assim que - eu acho - que o mostro foi dissipado pelo ataque dele, Sifiano ainda não tinha aparecido.

- Cadê Sifiano? - perguntou ele.

- Ainda não sei. Mais você foi incrível. - disse eu.

Senti algo na frente dele, então empurrei ele para o lado e só tive tempo de bloquear o ataque com meu escudo. Era a ponta da lança de Sifiano. O ar em volta dele trêmulo o fazendo aparecer. Seus olhos estavam fervendo de ódio. Sabia que tínhamos que ser rápidos. Olhei para SeHun que entendeu meu chamado.

"Não serei derrotado por vocês" Disse uma voz reptiliana em minha cabeça. "Não serei".

Era a voz dele, sua voz tinha um tom de uma cascavel que batia seu chocalho para dizer que estava preste e a matar sua presa.

- Você vai. Agora Sehun - gritei para ele.

- Sai do caminho, Kris. - gritou de volta.

Ele dominou o ar que sai de cada flor que estava naquele jardim. O ar agora estava cristalizado, parecia que tinham esmagado um diamante e jogado no ar. Não conseguira sair dali sem me machucar. Num movimento rápido, desativei meu escudo e corri para minha direita. Os olhos de cobra do mostro se arregalaram. Ele entendeu o que faríamos com ele. Tentou abri sua asas e fazer um grande vendaval para impedir.

- Você consegue, SeHun. - disse eu, - Vou lhe ajudar.

Dessa vez ele não discordou. Voei e cheguei ao lado dele e comecei a atacar ele.

Fiz a mesma coisa que fiz com as Manticorias, a fecha que era de fogo, começou a se dividir em varias outras, acertando as asas deles, o fazendo para. As cobras que eram os cabelos dele estavam sibilando e agitadas.

Joguei uma bomba para o grandão.

Acertei bem no peito humanoide dele. Ele tombou para o lado e seria agora. Sehun estava com seu poder ao máximo. Sentia sua aura aumentando. O mostro agora estava em pé novamente, semiconsciente, o ar em volta dele estava começando a brilhar. Ele tentou não inalar e abanar as asas novamente mais sem sucesso algum. SeHun mexia as mãos freneticamente fazendo sua corrente de ar sobrepujar a de Sifiano.

- Morra mostro. - gritou ele.

"Eu me vinga..." Sua voz morreu quando ele caio de cara no chão. Eu e a SeHun desabamos no chão também, poderia esta curado, mas me sentia esgotado. Olhei para ele e sabia o que deveria fazer.

- Veremos se terá sua vingança mesmo. - disse eu, estalei os meus dedos e uma chama verde apareceu nas corais dele. 

O fogo foi se espalhando rapidamente, ao chega na ponta de sua cauda, não tinha mais nada. As flores que estava debaixo dele, estavam intactas. Olhei para a Lua cheia e tive que sorri.

- Me diz uma coisa o que é Alcaparia? - perguntei para SeHun

Ele deveria esta cansado, mais mesmo assim estava emanado sua aura ao máximo. Estava lindo, bastante poderoso e intimidador.

- Um conjunção de cavalo, com cauda de serpente, assas de morcego, e no lugar o seu rosto brota um rosto de morcego. - respondeu-me ele, calmamente.

Me lembrei da batalha no campo de Mitra. Olhei para ele, que murmurou alguma coisa, me deu um sorriso e voamos de volta para ajudar os caçadores.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...