História M.O.N - Operações de neutralização de monstros. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Monster Musume, Naruto
Personagens Kimihito Kurusu, Miia, Naruto Uzumaki, Papi, Suu
Tags Luta, Narutoserio, Romance, Suspense
Visualizações 487
Palavras 4.826
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


demorou né ?

Boa leitura a todos \o/

Capítulo 2 - II - Verdades


Fanfic / Fanfiction M.O.N - Operações de neutralização de monstros. - Capítulo 2 - II - Verdades

- Naruto, andei investigando a Senogaraha, parece que eles têm aumentado e muito os lucros em exportação e importação de remédios, parece que eles estão planejando abrir novas filiais no resto do mundo, isso alavancada ainda mais o que eles andam fazendo - Avisou Satsuki, enquanto que Naruto parecia ficar pensativo, então os desgraçados queriam dinheiro a troco de experimentos com monstros aprisionados ?

  - Eu vou impedi-la enquanto ainda estão no Japão, vou atrás do desgraçado e arrancar a cabeça dele, com a coluna junto - Ele pareceu sério, eles estavam passando pelos campos de treinamento, mais precisamente pelas plataformas de tiro, onde as receitas aprendi a usar armas de fogo, viu a equipe inicial da M.O.N ali, atirando, mas o, não era importante no momento.
  Assim que se separaram, ele foi em direção aos dormitórios, precisamos ver como Drachik estava instalada, se estava bem, ao chegar em sua porta, o dormitório cinquenta e sete, bateu três vezes, logo ele ouviu o som de passos, e, logo em seguida, a porta sendo destrancada.
   
  - N-naruto-dono ? - Estava surpresa por ele estar ali, ele sorriu minimamente pra ela, pedindo permissão para entrar, logo ela foi concedida à ele, que já estava dentro do local, com a porta fechando logo atrás de si.

  - Fico feliz que tenha aprendido japonês tão bem, mas comigo só Naruto, tudo bem ? - Ele a viu avermelharem e assentir, sabia que simplesmente dizer o nome, sem nenhum adjetivo ou honorífico era considerado algo que somente pessoas íntimas faziam.
  O local onde ela estava instalada se assemelhava à um apartamento pequeno, sala, cozinha, banheiro e quarto, simples assim, não havia do que reclamar ali, era silencioso, quieto, nada a incomodava, tinha comida, água, banho, roupas.

  - Vim te ver - Ele, com graça, vou o rosto, já vermelho da Oni, se avermelhar, ela colocou os braços para trás, tentando controlar o nervosismo, percebendo isso, por dentro, Naruto ficou triste, Onis geralmente eram muito, muito energéticos, às vezes impulsivos, gostavam muito de bagunça, de alegria, de energia, mas ela ? Ela não, o que fizeram com ela ? A torturaram ? A humilharam ? A estupraram ? independente do que tivessem feito com ela, eles iriam pagar.

  - E-Estou bem, esse lugar não é ruim, tenho comida, cama e banho quentes, roupas secas, não posso reclamar de nada - Ela passou por ele, a passos pequenos e tímidos, sentando-se na mesa, convidando-o para se sentar ao lado dela, o loiro aceitou o convite, sentando-se a frente da vermelhinha.

  - Se houver algo te incomodando, se te tratarem mal, ou houver algum problema,.por favor, fale comigo, você pode pegar o meu contato com a Satsuki ou o Keitarou, não se deixe intimidar, eles são bons, e de minha confiança - Ele sorriu pra ela, Naruto não é ataca acostumado a dizer coisas assim, nem admitia de peito aberto, mas eles eram os mais próximos que ele tinha de amigos com quem pode contar.
  Ele a viu assentir timidamente, ele olhava nos olhos dela, olhos amarelos da cor do ouro, em contraste com os cabelos brancos, e os pequenos chifres vermelhos saindo ao redor deles lhe dava uma aparência melhor, ela vestia uma camisa branca, saia preta e sandálias da mesma cor.

  - Eu vim aqui te convidar pra sair - Ela avermelhou, ficando nervosa e se "embananando" com as próprias palavras,  mal havia um dia que eles se conhecia-o e ele já a queria levar para sair ?

  - Você precisa esquecer o que aconteceu, por enquanto, precisa se distrair, se pensar muito nisso vai acabar ficando com medo toda a vida - Ele tinha razão, mais cedo ou mais tarde a teria que enfrentar o que aconteceu, e se perdesse, isso a atormentaria a vida inteira.

  - Venho te pegar meio dia em ponto, esteja pronta - Ele lhe fez um leve cafuné na cabeça, evitando tocar os chifres, eles ficavam sensíveis quando estavam crescendo de novo, logo em seguida se despediu da Oni e saiu.
  Ele iria perambular por ai, procurando pistas, sua boa memória ainda se lembrava, detalhadamente, do cheiro do charuto e das cinzas deles, se houvesse algum lugar com aquele cheiro, iria investigar, a fundo.

  Ele queria pegar o bastardo que comandava aquilo e arrancar sua coluna e seu crânio, com ele ainda vivo.
  
  [...]

  Andando pelo meio da rua, Naruto via várias espécies de garotas, há cerca de um ano atrás isso não era normal, agora era realidade, e uma bem comum, vez ou outra de encontrava com uma lâmia ruiva,  que agora estava acompanhada de uma harpia de cabelo azul.
  Perambulando pela cidade terminou em uma floresta, dentro de um parque, olhando para o céu, parecia ser por volta das dez horas, o céu estava limpo, ensolarado, era o tempo perfeito para ser aproveitado fora de casa, rapidamente seus instintos lhe alertaram de uma presença alheia, logo ele viu um grande javali, correndo em sua direção, furioso.
  Com apenas um olhar, ele o fez parar imediatamente, a pressão foi tão grande ali que fez várias árvores racharem, para, logo em seguida, o porco sair correndo dali, apavorado.
  Ele estava pensativo, se fosse mesmo essa empresa que estava monopolizando os monstros e seus recursos, como ele iria destruir isso ? Não era questão de matar apenas um homem, mas a empresa inteira, e haviam muitas pessoas inocentes ali ?
  Ele teria que ver um velho companheiro seu em busca de informações, a floresta tinha um cheiro familiarizado bem semelhante ao do charuto que ele tinha descoberto mais cedo, aquilo não estava cheirando bem.
  Andando mais por ali, usando o seu faro apurado, ele descobriu uma trilha, tratou de observar ao seu redor para ver se não estava sendo observados, ou seguido, logo depois saltou para as árvores, pulando de galho em galho para evitar ao máximo ser visto, segundo a trilha, percebeu que ela, misteriosamente, havia desaparecido no meio da floresta.
  Saltou para o chão, observando uma certa, e curiosa, mancha negra no chão, tocou-a, ainda estava fresca, era uma pequena poça de um líquido negro arroxeado e viscoso, tinha um cheiro púdrido, como algo venenoso, um aroma que ardia as narinas, não haviam dúvidas, era sangue de arachne, era muito difícil acertar uma, já que seus reflexos eram tão absurdos que conseguiam desviar de balas.

  A não ser que fosse uma crianças ou uma prisioneira.

 Escutou um ruído que não fazia sentido, usando seu tato desenvolvido tocou a terra, sentindo vibrações, de baixo dela.

  Havia algo escondido ali.

  Tratou de olhar ao seu redor, procurando algo que não fizesse sentido ali, sentiu o cheiro de menta, várias ervas produziam esse cheiro ali.

   Mas não nessa época do ano.

  Ele foi até um local, recheado de folhas, apenas para descobrir que havia uma porta secreta ali, deixa de madeira, camuflada, levou o dedo até sua orelha, onde havia um comunicador.

   - Keitarou, código laranja na minha posição, possível instalação criminosa, com possíveis reféns, entrarei sem ser detectado, faça todos ficarem prontos e isolarem a área sem chamar a atenção -

  - Entendido Naruto, estou enviando a equipe um como suporte - Ele se referia à equipe de Zombina, aquilo podia dar muito errado, mas não tinha tempo.
   Sem fazer barulho, ele abriu a porta, revelando uma escada, com paredes cavadas e escuras, ouvindo tudo com sua audição, e usando também seu tato sensível, ele formou um sonar, usando-o para sonar a instalação, ela era extensa, muito grande, e ela ia até uma das filiais da empresa Senogaraha no Japão.

  - Keitarou, preciso que mobilize uma tropa até a filial da Senogaraha que fica a sul do parque, arme uma desculpa, diga que descobriram planos de roubo, mas lá tem aquele lugar, ninguém entra nem sai -

  - Entendido Naruto, imediatamente - Keitarou era um excelente estrategista, ótimo mobilizador de tropas, poucas vezes haviam brechas em uma operação feita por ele, ao entrar, ouviu um ruído,  havia alguém vindo, saltou para a paredes literalmente deitando nela, logo depois que a porta foi fechada tudo ficou escuro, sua pele mudou de corpo, ficando semelhante a cor da terra, e, lentamente, foi se movendo.
  Indo até o final da escada, ele viu um corredor estreito, moveu-se pelo teto, observando tudo, haviam dois homens conversando algo, estavam armados com armas tranquilizantes, seja o que quer que guardassem, se fugisse, eles iriam querer de volta, com o mínimo de danos possíveis.
  Passou por eles devagar, sem ser percebido, viu uma trilha, e, a cada avanço dele, via mais daquela peça anteriormente encontrada, mas não apenas ela, viu poças de outras cores e texturas, e, curiosamente, encontrou uma escama, uma escama considerada bonita, e beleza assim, em escamas, somente sereias tinham.

  Eles transportavam monstros por aqui ?

  Seguiu por algum tempo, nesse tempo ele recebeu a mensagem de Keitarou, notificando-o que tudo estava preparado e ao estava esperando seu sinal.
  Seguindo mais a gente, viu o túnel de terra se tornar rocha, e logo depois comento, ele estava temeroso em relação ao que ele podia encontrar a frente, escutou um guinchado de dor, apressou o passo, vendo uma porta a frente, sua cor, já normal, como um humano deveria ser, mudou novamente, em sua pele, nasceram escamas, essa que tinham a função de distorcer a luz ao redor dele.

  Tornando-se invisível.

  Cautelosamente ele abriu a porta, sem fazer barulho, ao entrar, ele viu várias jaulas, com vários tipos de monstros, ciclopes, licantropos, lâminas, tanques com água tendo sereias dentro deles, encolhida no fundo, algumas cheias de teias, obviamente contendo Arachnes, Slimes presas em vidros, Wyverns, ogros sem chifres, aquilo fez o sangue dele ferver.

  - Me larguem seus filhos da puta ! -

  Ouviu uma voz feminina gritar, e, correndo, ele viu uma arachne, com a parte aracnídea peluda de cor laranja com listras negras, conhecia-o como aranha-tigresa, era agressiva, e muito isolada com raras exceções, ruiva, com grandes seios tampados com várias faixas, ela era levada por diversos homens vestidos de branco, provavelmente fariam a extração cirúrgica da teia dela.

  - Keitarou, ataque agora, imediatamente -

  Avisou em seu interfone, recebendo a confirmação do mesmo em resposta, logo ele sentiu vários e vários passos adentrando a instalação, ele estava em uma área secreção, acessada por fora apenas por um único elevados, provavelmente bem escondido.

  - Fique quieta, sabe que nós podemos matá-la não é ? -

  Ela começou a se debater ainda mais, mas fraca, provavelmente havia sido drogada, mas, então, sem qualquer tipos e aviso, a arachne sentiu algo respingar em sua pelagem, algo vermelho escarlate, era sangue.
   Ouviu gritos, horrorizados e medrosos, olhando para cima, ela viu aquele mesmo homem que a havia ameaçado, só que morto, e uma mão, quase transparente ( por causa do sangue ) segurando o coração dele, parando de bater aos poucos.
  A mão soltou o órgão, que caiu no chão, levantando o corpo do homem, e, com força, o partiu em dois, manchando o lugar de sangue.

  - Divisão especial Black Ops da M.O.N,  vocês estão muito fodidos - um deles sacou uma pistola em sua direção, atirando um dardo tranquilizante, e, em um giro, Naruto, agora visível completamente, segurou o dardo e o lançou de volta, acertando seu pescoço, fazendo-o cair logo em seguida, e, antes que os outros dois pudessem fazer o mesmo, ambos já estavam sem seus braços, um sem o esquerdo e o outro sem o direito, a gritaria acordou todos os outros monstros, que ficaram assustado, curiosamente todos eram mulheres.
  Pensando um pouco, decidiu deixar aquele homem inconsciente ali, para interrogatório, não demoraria muito para as forças de Keitarou, provavelmente comandados por Satsuki, chegarem até ali, e, por trás, a equipe de Zombina iria encurralar quem tentasse fugir.
    Ele olhou para a aranha-tigresa, no canto da sala, encolhida, com medo dele, ele olhou para a garota, olhando em seus diversos olhos.

  - Atenção, estou aqui pra libertar vocês, a polícia chegará logo em seguida, até lá, peço que se acalmem - Ele foi até o local onde queriam levar a garota, lá ele se deparou com diversos aparelhos cirúrgicos, uma sala completamente branca com apenas uma cortina do outro lado, era realmente tão ruim quanto ele achava que era.

  - O inferno de vocês acabou, o deles está apenas começando -

  E, com isso, ele percebeu a chegada da equipe de Zombina, ele pediu para checarem o perímetro e levarem todas os monstros mantidos em cativeiro para um lugar seguro sem falhas, todas assentiram e começaram a libertar as garotas, ele iria em frente,
  Seguindo, ele viu um elevador, que não estava operando no momento, deveria ser por causa da subida invasão da polícia, eles desabilitaram o elevador para tentar encobrir tudo quilo.
  Ele saltou para o teto, abrindo a escotilha, indo até os cabos, saltando em uma parede e, como se estivesse no chão, começou a correr, como se a gravidade não existisse para o loiro.
  Alguns minutos de corrida depois ele chegou até a porta, a única porta, como se fossem feitas de papel, ele as abriu, forçando-a para o lado, entrou logo em seguida, vendo alguns policiais adentrando o local, que moraram suas armas de choque em sua direção
  Porém, elas logo foram a abaixadas com a mostra do distintivo, repararam nas marcas de sangue, mas não ousariam questioná-lo, Naruto inspirava medo, o medo mais profundo neles.
  Todos os trabalhadores foram "capturados", e seriam interrogados, mas onde estava o diretor ?

  [...]

  - Onde ele está !? - Tudo o que era possível ouvir era o grito ensurdecedor dele, e ninguém ousava entrar lá, não com ele, a atmosfera era tão densa que a porta se rachou em suas beiradas, logo Satsuki chegou, e assim que ela chegou Naruto saiu.

  - O diretor daqui não esta, ele sumiu, algo não me cheira bem, posso sentir nos meus ossos - A voz dele estava séria, muito séria, ela sentiu um arrepio, a licantropo ruiva viu os seus logos, frios, sem vida, algo que ela chamava de "modo automático", uma parte dele que ela realmente não gostava de ver, aquele era ao lado dele que era completamente monstro, era a que não tinha remorso em matar, em se banhar em sangue, ossos, tripas e peles sem se queixar, adorando, amando.
  Era a parte dele que faziam os monstros terem medo dele.

  A encarnação do medo.

  - N-Naruto... As buscas foram iniciadas, um mandato foi emitido, ele não vai sair impune - Ela viu o olhar dele, frio, desaparecer em uma piscada, afagou sua cabeça, fazendo um leve carinho nela, em uma piscada, toda a sede de sangue dele desapareceu, e, mesmo que eles não gostassem muito um do outro, mas, às vezes, só às vezes, eles tinham momentos assim, nada deixava Naruto mais feliz do que fazer um trabalho bem feito, ter um resultado perfeito e absoluto.
  Mais tarde ele falaria com cada uma das garotas, mas, por enquanto, elas ficariam no quartel general da M.O.N, pela própria segurança, ele mesmo supervisionaria a segurança delas.

  Ele os fariam se arrepender.

  [...]

  Naruto havia chegado, acabado de tomar um banho para tirar o máximo possível o cheiro de sangue do seu corpo, Onis não podiam sentir o cheiro de sangue, ele se tivessem entraram em frenesi, atacando tudo o que viam pela frente junto com uma invocação de um ogro em suas costas, apenas com sua parte superior, com mãos separadas dos ombros, vestindo uma camisa de cor cinza, calças escuras e tênis da mesma cor, ele não gostava de chamar a atenção, apesar de sempre o fazer por causa das marcas em seu rosto, três riscos em cada bochecha.
  Ele foi até o quarto da Oni, batendo na porta, pare logo depois ele ser aberto pela vermelhinha, vestindo uma camisa branca, sem mangas, saia preta que chegava até seu joelho, sandálias brancas também, o cabelo preso em um pequeno e curto rabo de cavalo, os chifres, levemente maiores, eram rodeados por uma pequena bandana preta em sua testa.   

  Ele sorriu, não era um encontro, nem perto disso, mas, nos olhos dela, viu certa alegria, euforia, olhos específicos de um Oni, e ficou feliz por ver que, pelo menos um pouco do que ela era antes ainda estava ali.
  Saíram logo em seguida, claro, depois de Naruto ter elogiado o visual da mesma, o complexo da M.O.N era localizado no centro movimentado, ao ver tantos humanos juntos, Drachik se agarrou ao braço do mesmo, com medo, porém, ele rodeou a mão da mesma com a sua, dando-lhe segurança, com os olhares se encontrando ela sorriu, puxando-a para junto de si.

  - Quer ir para algum lugar ? - Perguntou para ela, que não sabia o que responder, ela não conhecia a cidade como ele, os lugares bons, lugares ruins, divertidos, chatos, mas não tinha que se preocupar com isso, ele ia aconselhá-la.

  - Vamos para o fliperama então - Disse animadamente para ela, sorrindo, tentando, sempre, lhe passar uma imagem de segurança, ela lhe sorriu, assentindo, e partiram para o fliperama.

  [...]

  Era por volta das nove da noite, estava escuro, a garota vermelha ria, nunca havia se divertido tanto, Naruto tinha conseguido trazer, pelo menos um pouco, da felicidade que ela outrora teve, após se despedirem, o loiro pressentia problemas, então fez questão de deixá-la em seu quarto pessoalmente, logo após isso foi ver Smith e Keitarou, junto de Satsuki, que deveriam estar atualizando suas informações.

  - Libertamos mais de trinta inter-espécies que eram usados em experimentos, algumas ficaram com leves sequelas mas ficarão bem, aqueles fragilizados psicologicamente passarão por terapia, todas ficarão aqui no complexo da M.O.N por tempo indeterminado até se recuperarem - Quem dizia isso era Keitarou, o minotauro era sensível ao sofrimento alheio, e não gostava do que estava acontecendo.

  - Saber que algo assim acontece me entristece, e é por isso que falei o possível para que isso aconteça novamente -

 A conversa parou ao ouvirem a porta se abrir, dando espaço para Naruto passar, já com suas habituais roupas, trajes escuros com um sobretudo negro, parecia pensativo.

  - E eu farei o impossível para arrancar o intestino inteiro deles pela boca - Disse com um tom frio, Naruto sabia colocar medo até nos mais corajosos e experientes.

   - Eu vou ter que investigar mais a fundo, conseguiram algum documento que ligue os proprietários e empresários da empresa ? - Ele viu Smith suspirar levemente, parecia decepcionada.

  - Não, nada, nenhum documento ou dado, eles se escondem bem, mas alguma hora irão escorregar, aí pegamos eles - Ela Sorveu mais um gole do copo de café ( que parecia ser parte dela de tanto que o usava para tomar café ), Naruto estava pensativo

  - Eles são muito bem organizados, não vamos conseguir pegá-los de qualquer jeito, talvez devêssemos armar uma armadilha, mas não posso pedir para ninguém se fazer de isca, é muito arriscado, não quero comprometer a segurança de ninguém - Este era um lado que poucas vezes eles viam do loiro, um lado protetor, ele se importava com os monstros, principalmente aqueles que eram abusados, pessoas assim não deveriam viver.

  - Por enquanto vamos descartar essa ideia, precisamos reunir mais pistas, e se possível, provas, vamos deixar eles pensarem que não sabemos que são eles, que foi tudo "ao acaso", isso vai deixa-los alerta por algum tempo, mas depois vão baixar a guarda - Keitarou tinha uma mente brilhante em questão de estratégia, e sabia muito bem montar uma armadilha.
  
  - Já que estamos conversados eu irei voltar para casa, darei uma olhada em como as garotas estão, só pra prevenir - Disse, já se preparando para sair da sala, sentindo o olhar dos três sobre ele, não o conheciam muito bem, mas sabiam quando ele estava agitado, era possível ver nos olhos dele o quão quebrado ele era.
  Apesar de tudo, ele era gentil, às vezes até amoroso, talvez atrás de um pouco da própria "humanidade" dentro dele, talvez querendo expurgar um pouco de seus "pecados", ou querendo ser alguém melhorzinha ninguém sabia, ninguém perguntava, ninguém ousava, Naruto tem um passado tão violento que poucos tem estômago para escutar, ninguém tem lágrimas o suficiente para chorar por ele, por seus sacrifícios, esforços, lutas e cicatrizes.

   A visão dele de um mundo melhor, era um mundo sem humanos.

  [...]

   Ele passou pelos dormitórios, pensativos olhando o céu através de uma janela, em uma noite sem nuvens, sem ventania, sem lua, apenas a escuridão, ele gostava disso, porque não se enxergava o céu como ele realmente tá, por baixo de sua "máscara", logo ele escutou um som atrás de si, ao virar seu olhar viu aquela mesma Arachne-tigresa, dessa vez usando uma camisa negra em seu busto e um pano longo cobrindo sua cintura, ela o olhava, com aqueles oito olhos negros, e ele a encarava de volta.

  - Não consegue dormir ? - Perguntou ele, com o tom mais gentil que tinha, vendo-a assentir levemente, se virou para a janela, olhando-a.

  - Um zumbi, chamado Gael, uma vez me disse, "o mundo começou sem conhecimento, e sem conhecimento terminará" - Ele parecia pensativo, enquanto ela o escutava, sua voz carregava um tom triste, fazia muito tempo desde que se viram pela última vez.

  - Não é sábio misturar monstros e humanos em uma sociedade - Ela olhou-o, surpresa, ele era o único que pensava assim, e isso surpreendia as pessoas, pelo menos, a maioria.

  - Se dois mundos foram criados separados, então separados devem permanecer, os humanos são criaturas deploráveis, e, apesar de haver certa graça em seus erros, eles estão condenados, ao fracasso, à ilusão, a fome de poder os consome, os transforma... - Algumas lembranças ruins vieram naquele instante, gerando certa raiva dentro dele, porém sua mente disciplinada logo tratou de se recompor.

  - Eles são os verdadeiros monstros - No momento seguinte ele segurou a mão da Arachne, que sentiu seu rosto avermelhar, e, assim que ele a olhou, seus olhos, azuis como safiras, olharam para ela, sondando-o, estudando-a, encarando cada um de seus olhos, e penetrando fundo em sua mente com oito vezes mais força.

  - Não você -

  Dito isso ele a soltou, para logo depois voltar a andar, calmamente, enquanto colocava suas mãos nos bolsos, deixando a garota para trás, pensativa, além dele não ter tido medo dela, lhe olhou de forma gentil.
   Talvez não fosse tão ruim assim ficar por lá.

 

[...]


 - Afinal de contas, o que é o Naruto ? - Keitarou parou de fazer o que fazia, Satsuki olhou para ele, com dúvidas, será que ela falava ? Será que não ? Smith era confiável, sem dúvidas, sem de, na maioria das vezes, competente.

  - O Naruto é um doppelgänger, mas não qualquer doppelgänger, ele é o primeiro experimento do governo, alguém capaz de não copiar apenas a aparência de outras criaturas, mas sim suas habilidades - Smith estava chocada, descrente, mas chocada, algo assim realmente existia ? Algo assim podia ser criada ?

  - Arachnes, sereias, vampiros, zumbis, todas as suas habilidades básica estão em seu corpo, suas velocidade se equipara à de um centauro, a força à de um minotauro dos mais fortes, os reflexos são mais finos do que os de uma Arachne, respira de baixo da água, não respira se necessário, pode realizar fotossíntese para diminuir o cansaço - Satsuki carregava uma pasta, com uma pequena foto dele, com um carimbo vermelho, "sigiloso", Smith a abriu.
  Ali haviam fotos, não dele, mas de um feto em um tanque de água, ligado à vários aparelhos diferentes, exames de sangue, de tecido, cabelo, as células dele tinham a capacidade de se moldar em qualquer outra, ele podia criar patas de arachne em suas costas, chifres de minotauros em sua cabeça, instituto tos de licantropos, olhos de vampiro para enxergar no escuro, sua pele se adaptava à luz do ambiente, ficando semi-invisível.
  Até mesmo seus ossos não podíamos ser quebrados pela maioria das criaturas, seu poder de regeneração era absurdo, fazendo uso da fotossíntese para acelerar a cura de qualquer ferimento, imune à doenças, qualquer doenças, alemã e ser doador e receptor universal, podendo alterar seu sangue para fazer transplantes e transfusões.
  Era assombroso, algo assim podia ser feito ?

  - Naruto não conheceu os pais, não tem elo algum com a sociedade, mas ele entende propósito dele, ele nasceu no caos, em uma revolta dentro do laboratório, onde alguns monstros invadiram o local - Keitarou parecia triste ao falar aquilo, tocar em um assunto tão antigo e delicado, na presença de Naruto, não seria saias ele para ninguém, principalmente para ele.
 
   - Naruto nasceu em meio à morte, sua primeira experiência de vida foi uma luta para mantê-la, assim que saiu do tanque ele matou, fugiu, e o governo o acolheu, ele trabalha para eles agora, por algum tempo, atuando aqui, como "último recurso" - Os olhos de Smith estavam arregalados, algo assim era insano, ele era algo como um "super soldado?" Não podia ser verdade...

  - Naruto é enviado para resolver casos de uma vez por todas, sem vestígios, sem pistas, e sem testemunhas de que fez o que tinha que fazer - A voz do minotauro soou mais fria do que ela jamais poderia imaginar, imaginava o que ele poderia ter visto para ficar assim.

  - Eu e Satsuki tivemos acesso às gravações do dia, o que eu vi foi.... - Keitarou parou de falar naquele momento, respirando fundo saindo da sala de ágar, precisava de ar, Smith não entendeu, Satsuki sim, a bela loba escarlate tomou o lugar dele à mesa.

  - Quando ele saiu do tanque e percebeu que era um ataque, ele... Eu explodiu, pernas, braços, cabeças, espinhas dorsais, intestinos inteiros foram arrancados das criaturas ainda vivas, e, no final, ele ainda devorou algumas delas, de uma forma que é impossível descrever - Satsuki respirou fundo, segurando a vontade de vomitar ao se lembrar das cenas em alta resolução que as câmeras possuíam, as quais ela não aguentou vês cinco minutos sequer, até hoje ela duvidava que houvesse alguém que viu essa gravação inteira.

  E Smith ? Ela não sabia o que dizer.

  O que leva alguém a criar alguém como Naruto ?

  - O Naruto é diferente de nós, ele não é preso a nada, nem ninguém, mas ele busca algo mais, um propósito, algo além da liberdade que suas habilidades dão, ele não liga de nunca ter conhecido os pais, ou de não ter familiares, ele apenas quer um motivo a mais para viver - Satsuki parecia falar mais com ela mesma do que com Smith, que havia até mesmo perdido o gosto do café em sua língua, boca e garganta, palavra senão definiam o que ela estava se sentindo naquele momento.

  [...]

  Naruto estava pensativo, andando calmamente pelas ruas escuras que a noite trouxe para lá, andando de forma tranquila pela ruas, logo foi abordado por dois homens, mal encarados, um deles segurava uma faca, o outro tinha uma arma.
  O portador da faca era grande, musculoso, careca e sem barba, vestindo uma camisa negra, calças escuras, calçados vermelhos e uma jaqueta surrada, o que estava com uma arma de fogo era baixinho, magrelo, cabeludo e com barba mal feita, vestido como seu colega.

  - Passa a carteira garoto, se não vai se machucar - Disse apontando a faca para eles enquanto o outro apontava a arma, Naruto suspirou.

  - Vocês tem família ? -

  Eles estranharam a pergunta, mas se olharam, fazendo contato visual, como se eles se perguntassem "que merda esse cara tem na cabeça? -

  - Não ? -

  - Acha que eu tô brincando ? Dá a carteira e o celular, senão eu... - Ele foi interrompido pelo loiro, que esticou sua não direto na lâmina, atravessando-a, segurando a mão do homem através dela, de maneira forte, fazendo os ossos dele estralarem, e, tão surpresos pela reação do loiro, que não expressou dor, foi ver o sorriso dele se formar, um sorriso intimidador, cruel e macabro.

  - Então ninguém irá sentir falta de vocês dois, inúteis - Logo em seguida a riu sua boca, criando presas longas, puxando o homem até ele e mordendo seu pescoço, vendo-o ficar pálido rapidamente, o outro homem disparou e Naruto colocou o outro homem na frente para servir de escudo, isso durou até a munição da arma acabar, ao acontecer, o livro jogou o corpo do homem de lado, como se fosse lixo.

  - Últimas palavras ? -

  Seus olhos, antes azuis, agora eram completamente negros como os de uma aranha, enxergando excepcionalmente bem o terror boa olhos do homem, que largou a arma, com as pernas tremendo tanto que ele se ajoelhou.

  - P-Por Fa-favor... P-Piedade -

  Naruto parou, pensando um pouco sobre o que havia acabado de ouvir do homem, que estava à lágrimas de desespero, chorando.

  - Palavras estranhas para escolher -
  
  Logo em seguida a cabeça do homem foi arrancada, junto com sua coluna vertebral.


Notas Finais


Bem, é isso, comentem, opinem, critiquem (positivamente) e compartilhem, isso sempre motiva o autor a melhorar

posto o próximo assim que acabar ok ?

Até a próxima \o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...