História Monster (Vmin) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Anjos, Bts, Centric!taehyung, Sobrenatural, Taehyung!botton, Vampire!au, Vmin, Yaoi
Visualizações 142
Palavras 2.668
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia amores.

Novamente aqui para mais uma reportagem. Decidi repostar essa porque é uma das minhas one shots favoritas. Amo demais a escrita dela, o enredo é maravilhoso e saiu de um rpg que joguei numa época (foi um dos melhores da minha vida)

Então, espero que gostem 💖💖💖

Capítulo 1 - Monster!


O monstro que habitava em mim, fazia com que a minha existência na terra fosse a pior coisa para alguém como eu. Tentava me manter longe de humanos para que não os machucasse, esse era o meu instinto, machucar pessoas e eu fazia isso com destreza. Cheguei a ponto de machucar várias vezes Jimin, aquele que me protegia de mim mesmo, o amor da minha vida. Existia algo dentro de mim que eu era incapaz de destruir, pois destruiria a mim também e Jimin estava tão empenhado em me ajudar a tirar aquilo que me destruía que eu só me mantinha vivo por ele. Nada mais me importava, fui capaz de tirar a vida do meu irmão com um golpe em sua jugular, arrancando – a fora quando o meu pequeno tinha apenas 12 anos de idade.

Por esse surto e outros que meu pai me expulsou da minha própria casa e da sua vida, onde Jimin me acolheu quando ninguém mais queria ouvir falar sequer o meu nome.

Kim Taehyung, esse nome que causa medo, revolta pelas vidas que tiro para saciar minha fome, para os humanos sou um monstro que vive escondido na casa de um nephilim, talvez Jimin tivesse feito algum acordo com Deus para me abrigar em sua casa, mas eu sabia que ele tinha o desejo de voltar para o céu. Meu martírio, mais um, a possibilidade de viver longe dele.

Para Jimin, sou apenas um menino assustado, com cicatrizes tão profundas que nem o tempo poderia curar, um menino sem muita noção das coisas quando apareceu em sua vida após deixar a fúria tomar conta da sua alma.

Para Jimin eu era esse menino com medo de si mesmo, que precisava de cuidados e do amor que só ele poderia oferecer.

Meu anjo se tornou o ar que eu precisava para me manter vivo, o meu porto seguro, a luz que me guiava na escuridão da minha vida. Tantas vezes tentei tirar minha própria vida por conta do mau que existia em mim e eu não sabia como lidar ou até mesmo me controlar. Numa dessas tentavas, pulei na piscina me deixando afogar, porém o meu anjo me salvou me tirando da água na mesma hora antes que o pior acontecesse.

Subi involuntariamente até o telhado da nossa casa, falava coisas totalmente aleatórias, até que pulei...

Mais uma vez, o meu anjo protetor chamado Park Jimin estava a postos para me salvar mais uma vez, mas a cada dia minha situação só piorava.

A cada dia eu ficava insaciável, a fome pelo sangue humano se tornava incontrolável, inúmeras vezes, Jimin ofereceu seu sangue para que eu não saísse por aí feito um maluco matando as pessoas, mas aquilo já não me bastava mais. Eu precisava de mais. Precisava de sangue humano e o monstro que habitava em mim, passava a ser cada vez mais real.

Certa noite, após Jimin chegar do seu “trabalho fictício”, havia acabado de arrumar seu jantar, do jeito que ele gostava. Tentávamos nos acostumar com a vida humana, a ele porque queria estar aqui nessa terra para viver entre os homens e a mim porque não tive escolha. Talvez ele também não pudesse escolher, talvez cuidar de mim seria seu martírio eterno por ter desafiado a Deus, seu pai era um anjo o qual não me lembro o nome agora, sua mãe, humana, a pessoa mais doce que um dia eu pude conhecer.

Fui até a porta recebe-lo, que estava com a aparência serena como sempre, lhe dei um selar longo cheio de saudades, o conduzi até a cozinha e falei:

- Como foi o trabalho querido? - Falava enquanto lhe servia uma taça de vinho do Porto.

- Um pouco cansativo mas foi produtivo. – Ele sorriu levando a taça em seus lindos lábios rosados, agora avermelhados por causa da coloração da bebida. Sorri caminhando até ele, o afastei junto a cadeira da mesa e me sentei em seu colo tomando para mim seus lábios carnudos. Suas mãos dançavam em meu corpo com delicadeza, senti então um leve aperto em minha cintura e mordi seu lábio, fazendo uma ferida pequena porém, sangrou e ele resmungou.

- Ai amor, isso dói...

Sorri ladino como se gostasse de vê-lo sentir dor, ele levou o dedo indicador no lábio logo depois passou a língua no local tomando o pouco do sangue ali, então voltei a beija-lo com intensidade. Eu o queria ali, em nossa cozinha da forma mais intensa que fazíamos amor. Eu tinha a minha plena consciência que estava errado mesmo que ele fosse um nephilim, ainda assim era errado o nosso relacionamento. Ele foi designado para me proteger e não pra transar comigo, mas quando nasce o amor fica impossível controlar e era o que sentíamos um pelo outro.

Fui desabotoando cada botão de sua camisa enquanto roçava meus caninos em seu pescoço intercalando com selares por onde meus dentes pontudos passavam.

Ele então se levantou me colocando sentado sobre a mesa, se posicionou entre minhas pernas tirando minha camisa, passando a ponta da língua em meus mamilos fazendo meu corpo quase explodir de prazer.

- Eu te amo tanto Tae...

Não respondi, apenas arfava baixo pelo arrepio causado pelo toque tão delicado e tão macio de seus lábios em meu corpo.

- Me fode gostoso Jimin. – Sussurrei rouco puxando seus lábios para os meus sedentos pelo seu beijo. Ele me olhou confuso pois meus olhos haviam mudado a coloração, meus caninos estavam expostos e minha voz mais áspera. Eu sabia o que estava acontecendo ali, aquilo que eu desconhecia aflorava cada vez que Jimin me tocava com intensidade mas segui em frente, precisava dele de qualquer forma. Jimin tirou minha camisa e a bermuda junto a box branca que eu estava usando, deslizou meu corpo até que eu deitasse na mesa. Me puxou pelas pernas até que o seu corpo se encaixasse no meu, sorri mordendo o meu lábio inferior o observando desabotoar sua calça.

Ele levou dois de seus dedos em minha boca para ter a minha saliva e levou esses mesmos dedos em minha intimidade, massageando suavemente até introduzir, arrancando de meus lábios o gemido mais sensual que havia escutado, enquanto ele segurava o meu membro com a outra mão, masturbando lentamente. Meus gemidos eram descontrolados, minha respiração ofegante, rebolava em seus dedos querendo mais e Jimin atendia perfeitamente a minha súplica.

Após algumas estocadas com os dedos, ele ergueu o corpo tirando seu membro para fora da calça e começou a introduzir lentamente em minha intimidade, me fazendo gemer arrastado enquanto levantava o meu corpo. Segurei em seu pescoço, mordendo o mesmo e ele passou a estocar rápido me fazendo gemer alto, ele adorava causar isso em mim, quanto mais alto eu gemia mais rápido e forte ele me fodia.

Então, por impulso, o mesmo de sempre, cravei meus caninos em seu pescoço sugando seu sangue o fazendo gemer sentindo dor, eu não conseguia me controlar quando fazia amor com ele e acabava o machucando por isso.

- Calma... Tae... está me... Me machucando.... – Jimin gemeu reclamando mas continuei sugando seu sangue, deslizei as mãos em suas costas perfurando a mesma arranhando em seguida, seus gemidos de dor se tornaram mais intensos e mais fundo ele estocava já tendo seu ápice no auge.

Meu corpo estremeceu quando gozei em sua mão, logo em seguida ele se desfez dentro de mim. Nos encaramos ofegante, meus olhos voltavam ao normal, minha boca estava lambuzada com o seu sangue e ele me olhava com tristeza e dor. Engoli a saliva com dificuldade, ele saiu de dentro de mim com delicadeza levantando sua calça e se afastou em silêncio virando o corpo para ver as feridas em sua cintura onde minhas unhas passaram.

- Me... Me desculpe Jimin...

Ele apenas assentiu com a cabeça saindo dali direto para o banheiro para se lavar, mesmo que as feridas fossem curadas imediatamente, ele sentia dor. Sai da mesa vestindo minha roupa, preferindo não ir atrás dele para não brigarmos pelo que fiz, fui para a sala e o esperei tomar banho para depois tomar o meu.

Após o que aconteceu, não tínhamos mais clima para jantar nem conversar, eu não sabia como justificar mais uma vez meus motivos por machuca-lo, nunca sabia como justificar.

Depois do banho, nos deitamos em silêncio e tentamos dormir.

Acordei na madrugada gritando feito um louco puxando algo do meu corpo fazendo com que onde minhas unhas expostas passavam, arrancassem sangue e deixarem feridas abertas. Jimin, assustado com o que via, tentava me conter segurando meus braços e mesmo com toda força que colocava em suas mãos, eu conseguia me soltar.

- Tae! Acorda amor! Acorda! - Jimin gritava desesperado enquanto eu ainda me debatendo gritava chorando:

- Me solta! Eu não quero morrer! Me solta!

Jimin então tocou meu rosto com as duas mãos, deixando o seu poder emanar para o meu corpo, me fazendo acalmar no mesmo instante. Abri os olhos e ele estava ali quase em cima do meu corpo segurando meu rosto, a luz que transpassava do seu corpo para o meu era evidente.

Me acalmando aos poucos daquele pesadelo que a cada dia se tornava mais real, minha respiração era descontrolada, Jimin deslizou uma das suas mãos em meu peito fazendo com que meu coração batesse devagar. – Calma meu amor... estou aqui.

- Eu vou morrer Jimin. Eu vou morrer. – Falava entre soluços que eram quase contidos.

- Não vai Tae, eu não irei permitir. Se você morrer minha missão aqui acaba e eu não terei mais motivos para continuar a existir.

Puxei então seu corpo para o meu, o abraçando forte, sentindo o seu perfume no pescoço, passei a respirar mais devagar e controlado.

- Eu te amo Jimin. Mais do que a mim mesmo.

- Eu também te amo Tae.

Me aproximei de seus lábios macios e o beijei intensamente. Nos separamos após alguns segundos quando a falta de ar se fez presente e ele acariciava meu rosto com delicadeza.

- Vamos dormir amor. Amanhã quero te levar num lugar.

- Onde? - Falei junto a um sorriso fofo.

- Um lugar onde podemos descobrir o que está acontecendo com você.

Mordi meu lábio inferior, o olhando com a curiosidade aguçada, pensando onde seria o lugar que ele poderia descobrir o que eu tinha entro de mim que me matava aos poucos.

Apenas assenti com a cabeça, virei meu corpo de costas para si, puxei seus braços entrelaçando os mesmos em minha cintura, então adormecemos.

No dia seguinte, levantamos cedo para irmos ao tal lugar que Jimin havia mencionado na madrugada. Eu estava apreensivo com o que poderia acontecer, eu poderia morrer de fato mas confiava minha vida nas mãos dele.

Chegamos ao local que era afastado de onde morávamos, uma velha caminhou em nossa direção com um olhar mau que me causou arrepios, Jimin se colocou em minha frente pois a velha me olhava como se quisesse me devorar.

- O que quer nephilim? - Sua voz era estranhamente rouca para uma senhora com a idade bastante avançada, eu poderia dizer que ela aparentava ter mil anos, a velha se aproximou de mim como se buscasse o meu cheiro e sorriu mostrando uma boca com poucos dentes. – Filho de drácula! - Ela sussurrou quando eu senti um frio na espinha e Jimin tomou a palavra.

- Você sabe o que existe dentro dele. O que quer para tirar?

A velha sorriu maléfico virando-se de costas, caminhou até sua velha poltrona sentando em seguida. – Você sabe do que preciso nephilim.

Jimin suspirou soltando minha mão indo até ela. – Tire dele e eu te dou.

- Sabia resposta garoto.

Ela se levantou novamente indo até uma mesa de mármore negro no centro daquilo que parecia ser uma sala porém sem tantos móveis, esticou a mão para que eu a segurasse. – Deite-se filho do mau.

Não entendia porque ela se referia a mim daquela forma mas fiz o que ela havia dito. Me deitei na mesa, ela colocou a mão sobre meus olhos abrindo minha boca em seguida, olhou para Jimin que acariciava minha mão para que eu não tivesse medo.

- Está pronto para me dar o que quero nephilim?

- Sabe que cumpro o que falo.

Ela sorriu ladino se aproximando da minha boca, me deixando completamente confuso e assustado, eu olhava para ela se aproximando e para Jimin que não se movia, apenas nos encarava. – Já está terminando amor. Não se mexa... – Ele sussurrou e eu fechei os olhos até que a velha com os dentes podres colou sua boca na minha me fazendo ter ânsia pelo cheiro que exalava dali, precisei me conter para não regurgitar e senti ela aspirando algo pela minha boca. Não pude ver o que saía mas senti algo gelado e fétido passando por minha garganta e entrando em sua boca.

Meu corpo todo estremecia dando arrancos involuntários até que acabou, ela ergueu o corpo se afastando e eu estava tonto. Jimin me olhava acariciando meu rosto com delicadeza preocupado.

- Como está se sentindo amor? Você está bem?

- Estou um pouco tonto mas estou bem.

A velha nos encarou séria e falou:

- Agora me dê o que prometeu nephilim.

Jimin virou -se para mim, dando um selar em minha testa e sorriu. – Me espere lá fora amor.

- O que vai dar a ela?

- Em casa iremos conversar com calma. Agora me espere lá fora.

Assenti com a cabeça e sai o esperando do lado de fora. Haviam se passado uns vinte minutos e eu estava impaciente com a sua demora, quando eu ia entrar naquele lugar novamente, vi Jimin sair apoiando -se na porta. Corri até ele o segurando pela cintura, coloquei seu braço em torno do meu pescoço e o levei até o nosso carro que estava estacionado perto.

Dali fomos pra casa, ao chegarmos o deitei na cama e ele respirava com certa dificuldade me deixando cada vez mais preocupado. – O que aconteceu amor? O que aquela mulher fez com você?

- Eu vou ficar bem amor. Não se preocupe demais.

- Jimin não minta pra mim. Porque você está desse jeito? Diga o que ela fez?

Ele então se sentou na cama com certa dificuldade e começou a falar o que havia acontecido na casa depois que eu saí.

- Eu dei a ela parte do meu poder. Ela se sente viva e eu tenho menos tempo aqui na terra.

Escutei aquilo incrédulo, meus olhos marejaram no mesmo instante, segurei sua mão e levantei seu rosto que estava abaixado. – Porque fez isso? De onde conhece essa mulher?

- Eu não podia mais te ver sofrendo. Ela disse que, o que existia dentro de você era pior que a sua linhagem, de todos os seus ancestrais. Um pacto do seu pai com o diabo transferiu pra o primogênito dele todo o mau que existe no inferno e ela tomou para si. Você está livre agora amor.

- Mas você vai morrer... – Falei com a voz embargada e os olhos marejados de lágrimas quando ele me abraçou apertado e sussurrou em meus ouvidos.

- Mas você vai estar bem, sem tentar tirar sua vida ou a minha. Vamos aproveitar cada momento que temos um com o outro para quando chegar o dia que eu terei que me apresentar ao Pai, não exista arrependimentos da nossa parte.

Sem perceber, as lágrimas começaram a escorrer dos meus olhos e ele me abraçou acariciando meus cabelos. – Eu te amo Jimin.

- Eu também meu amor. Te amo mais do que a minha própria vida e se for preciso dar ela a você, eu farei.

Ficamos ali um tempo abraçados, não sabia quanto nos restava, mas queria estar com ele a todo instante das nossas vidas até que o tempo dele terminasse pois ele foi o anjo que tirou o monstro que me dominava e me consumia. Ele foi o amor da minha vida e eu o amaria toda a minha eternidade.


Notas Finais


Desculpem os erros que passaram. Como acho que sabem, eu não passo para uma beta corrigir pois não vejo muita necessidade mas se tiver algum erro, me avisem por favor para que eu possa corrigir 💖💖💖

Vou tentar repostar algumas one shots que eu mais gostei de escrever e espero que vocês também gostem 💖💖💖💖💖💕💕💕💕💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...