História Moon Child - Imagine Jungkook - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 233
Palavras 3.809
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heslow sakuras! Tudo bem?? Eu voltei hoje de novo pra atormentar mais um pouquinho vocês, estou postando bastante para recompensar o tempo que fiquei fora! O cap de hoje foi muito gostoso de escrever e eu realmente espero que vocês gostem!

Capítulo 7 - Police


Fanfic / Fanfiction Moon Child - Imagine Jungkook - Capítulo 7 - Police

—Eu acho que você já bebeu de mais por hoje não?? - Pergunto um tanto indignada, que menino ousado.

—O assunto da nossa conversa não é esse (s/n) e você sabe bem disso, não tente fugir do assunto! - Disse dando um sorriso cínico.

—Até parece que eu estou tentando fugir do assunto, só tô indignada com a sua afirmação - Digo tentando me defender, o fato de eu estar desconfortável era evidente.

—Indignada sério?? Pra mim parece mais que você está um tanto nervosa com esse assunto. - Cada palavra saia calmante por sua boca levemente rosada.

—Eu não estou nervosa! - Digo olhando em seus olhos.

—Então por que está balançando sua perna freneticamente?? - Paro assim que ouço sua pergunta - Cada palavra dita por mim é uma reação diferente sua - Jeon pronunciou em meu ouvido me fazendo arrepiar. - Não haja como se não soubesse. - Então em um ato repentino, Jungkook se levantou me deixando aí sozinha pensando no que o mesmo disse.

Eu até poderia entrar nesse jogo de provocações do Jungkook, porém será que ele ficaria do meu lado depois de saber a verdade? Ele continuaria se soubesse que quem ele tanto provoca é a serial killer que tanto teme? Essas e diversas outras perguntas rodeavam a minha cabeça, quando dou por mim já havia acabado minha bebida, levanto em direção a cozinha a procura de algo mais forte, soltei um largo sorriso ao ver que na casa havia minha bebida favorita Whisky, pego a garrafa mesmo e vou em direção ao jardim já que lá não havia ninguém, sento na grama pela segunda vez aquela noite, parei para refletir o na montanha russa de sentimentos que meu dia foi, eu quero me afastar de Jungkook, não por orgulho ou só pela segurança dele, mas algo me impede, e não é meu “dono”, é o simples fato de eu não conseguir mais ficar longe dele, algo nele me passa segurança, e eu nunca senti isso com ninguém, minha vida sempre foi uma bagunça, sempre tive que fugir, e aprendi a me defender na marra, e afasto as pessoas de mim para protegê-las, mas com Jeon é diferente quero ele pra perto de mim, um pouco egoísta da minha parte, porém nada além da verdade, tomo mais um gole da bebida que desce queimando pela minha garganta, fecho meus olhos pensando no próximo passo que devia dar, mas nada vinha na minha mente, apenas um terrível breu, o que é assustador pra mim, em qualquer situação que acontece na minha vida eu sabia a ação que deveria fazer mas agora... Nada, era tudo imprevisível, a escuridão finalmente depois de anos voltou a assombrar meus pensamentos.

Abro lentamente meus olhos e percebo que há alguém do meu lado, Jungkook, o mais novo sorriu pra mim e eu apenas retribui, ficamos em um silêncio absoluto, apenas observando as estrelas, não era um silêncio incômodo e sim algo que em mim trazia uma imensa paz em meu coração.

—Jeon Jungkook - Falo baixinho e vejo o mesmo olhar pra mim - Não sabe no que está se metendo, é melhor sair antes que seja tarde. - Pronuncio lentamente.

—Tarde de mais Noona! Sua teia de mistérios me enlaçaram de um jeito que não posso sair e mesmo se quisesse não faria. - Diz olhando no fundo de meus olhos, percebi que era tarde de mais, estava completamente perdida de amores por Jungkook, e pela primeira vez na montanha russa que é minha vida podia afirmar que estava verdadeiramente apaixonada pelo meu vizinho, o espaço entre nós estava sendo quebrado por Jeon que se aproximava lentamente. - Não sabe o quanto eu quero te beijar agora (s/n), o que você tem garota? Seu mistério atiça minha curiosidade de um jeito que você não faz ideia! - Diz esfregando carinhosamente seu nariz em minha bochecha.

—Se quer tanto então faça. - Disse calmamente, não poderia negar queria aquilo tanto quanto ele, eu sabia que era um erro mas eu estava disposta a arriscar.

Sutilmente sinto Jungkook encostar seus macios lábios nos meus, suas mãos em meus cabelos me envolviam ainda mais, o mais novo pede passagem com a língua e eu cedo, uma explosão de sentimentos preenche meu interior, a boca de Jungkook era tão viciante que me fez querer mais, o beijo durou o tempo que o fôlego aguentou, Jeon depositou vários selinhos em mim após se o término do tão viciante beijo.

—Tem tanta coisa que você não sabe...

—Então me conta - A nossa distância era mínima e nosso tom baixo.

—É mais difícil do que parece. - Digo olhando pra baixo claramente triste pois sei como vai ser a reação dele.

Você não consegue perceber o quão eu estou fodidamente louco por você? - Sussurra em meu ouvido - Eu vou para céu e pro inferno se isso significa que terei você por pelo menos uma noite.

Jeon olhava no fundo de meus olhos, como se quisesse olhar o fundo de minha alma, não nos aguentamos e juntos iniciamos outro beijo, porém ainda mais intenso, ambos estávamos deitados na grama e Jungkook estava em cima de mim, a sensação de seus lábios tendo uma bela sincronia com os meus era maravilhosa, estava ocorrendo tudo bem até que :

—Com licença - Tae coçou a garganta, interrompemos o nosso beijo, estávamos um tanto vermelhos por termos sido pegos - Sem querer atrapalhar o casalzinho mas acho que vocês vão querer saber disso.

Jungkook sai de cima de mim com mais dúvidas na cabeça do que eu, antes de começarmos a andar em direção a grande casa nos olhamos e soltamos uma breve risada, seguimos rumo aonde todos estavam, ao chegar na sala vejo a televisão ligada no noticiário, algo que é bem estranho se for para pra pensar que já passa da meia noite, se as pessoas repararem bem a minha cara e a dos meninos não era nada boa, a notícia dada pelo jornal local era que a partir de agora a polícia irá fazer vistorias nas casas dos moradores da cidade, a ação havia sido tomada pela prefeitura pois 7 pessoas já estavam desaparecidas, eram medidas para “precaução” da população, agora é que eu literalmente não sei o que devo fazer, se a polícia passar pela minha casa e ver meu “quartinho da diversão”o que eu vou dizer?? Que faço faculdade de medicina e que tenho um mini hospital na minha casa? Eu seria presa de qualquer jeito, enquanto raciocinava uma ótima desculpa que queria dar aos policiais ao chegar em casa podia sentir os olhos de Jeon sobre mim.

—Tá tudo bem Noona?? - Perguntou meio preocupado.

—Tá sim, não se preocupe! - Falei tentando esconder o meu incômodo, minha tentativa de desfarçar não foi muito boa, já que o mesmo aparentava não acreditar.

O clima estava meio pesado na sala, todo mundo menos eu e Jimin e o Tae estavam nervosos, no fundo eu queria rir e sei que os meninos também, os policiais em rua não são competentes o que daria facilmente pra continuar com as minhas saídas, o problema mesmo é a vistoria, Jimin em um ato repentino desligou a TV.

—Nada que ninguém já não saiba! - Disse calmo. - Essa festa tá meio parada não acha?? Que tal um tradicional verdade ou desafio para animar essa festa?? - Disse sorrindo malicioso pra mim.

Sentamos todo juntos em uma roda Taehyung fez questão de ficar na minha frente, sabia que algo viria por aí, ao meu lado estavam os meninos que eu e Jungkook estavamos conversando mais cedo, um de cada lado e Lisa sentada ao lado de Jungkook, nojo? Talvez.

A garrafa foi girada várias vezes, estava até ficando mais tranquila, mas não durou muito, as extremidades da garrafas estavam direcionadas um lado a mim, outro lado a Taehyung, lentamente ele fala:

—Verdade ou desafio (s/n)? - Paro pra refletir um pouco, eu sei bem que tipo de desafio ele tem em mente. - Não seja medrosa! Escolha logo!

—Desafio! - Um sorriso maldoso se forma na face do Kim.

—Você dona (s/n) terá que entrar no banheiro junto com o Jungkook, eu vou passar um cinto envolta da cintura dos dois e só vão sair de lá quando desafivelarem o cinto. - Disse logo em seguida dando um sorriso vitorioso.

Olha um beijo eu até daria, até porque já rolou, mas isso é um pouco demais, nego freneticamente com a cabeça, logo em seguida olho pra Jungkook que está com os olhos arregalados.

—Não, quero outro!

—A primeira é a que conta, é isso e pronto!

Olho pra Jungkook meio desesperada, o mesmo suspira fundo e levanta, se aproxima e me estende a mão.

—Só vamo acabar com isso logo.

Suspiro pesado e desisto de tentar outra coisa, Taehyung levanta com um sorriso cínico em nossa direção, a última coisa que vejo daquela aconchegante sala é a cara de raiva que vinha de Lisa para a minha pessoa, não vou mentir gostei disso, adoro provocar uma puta.

Kim indica o banheiro e devemos entrar, e assim fazemos, em momento algum nos olhamos, o constrangimento era evidente em ambos, Taehyung voltou com o sinto e me enlaçou a Jeon, o problema é que diferente do que eu pensei ele me prendeu de costas pra Jungkook, ou seja minha bunda estava encostando no membro do meu dongsaeng, a sensação era um tanto estranha confesso, Kim nos deixou bem colados, grudados seria a palavra que nos definiria no momento.

—Só me chamem para destrancar a porta depois de terem se soltado, caso contrário irei apertar ainda mais o cinto.

E assim ele saiu sem mais nem menos, nos deixando naquele estado dentro do banheiro, fico em silêncio por um tempo tentando raciocinar no que a gente poderia fazer pra se soltar.

—Alguma ideia?? - Pronuncio baixo.

—O único jeito de tirar isso é você se virar, pra ficar de frente pra mim e depois nos soltar, hyung foi esperto e prendeu meu braço.

Dou um suspiro fundo, durante as minhas tentativas falhas de sair eu acabava que indiretamente rebolava sobre o membro do Jeon, o fazendo ficar bem “animado” pra não falar outra coisa.

—Tá de brincadeira com a minha cara né?? - Pergunto me referindo ao seu volume aparente, não vou negar que não estava gostando de o provocar mas a sensação ainda era constrangedora pra mim.

—Se você está se referindo a minha ereção a culpa é completamente sua! - Tento virar minha cabeça num ato quase que automático de frustração. - Que foi? Você tá rebolando em mim a acha que meu corpo não vai reagir?? Lembra do tema do nosso trabalho Noona? Isso sem dúvidas está me dando um prazer imenso.

Fico abismada com a declaração do mais novo, o menino curioso que conheci se tornou um verdadeiro abusado, claro que eu sabia que tudo isso era um jogo de provocações que até então eu brincava sozinha, mas se é assim que meu dongsaeng quer jogar é assim que vai ser, enquanto tento me virar para ficar de frente pro mesmo movo minha cintura lentamente na tentativa de provocá-lo, estava funcionando já que podia sentir facilmente o volume em sua calça, Jeon respirava fundo e lentamente, quando finalmente consigo ficar de frente pra ele, fico na ponta do pé e sussurro em seu ouvido:

—É vejo que realmente causo a sensação do prazer em você e mais outras coisas também - Num ato repentino assim que concluo a minha frase desafivelo o cinto que nos prendia, não foi difícil tirá-lo, difícil mesmo foi o processo.

Vou até a porta e grito por Taehyung que logo vem destrancando a porta.

—Finalmente!! Achei que nunca iam sair daí, faz 30m que a gent... Opa Jungkookie pelo visto ela deu trabalho - Tae fala olhando para o volume de Jeon recebendo um olhar sério de volta.

—Acho q já deu por hoje, vamos pra casa Jeon? - Olho pro mesmo e o vejo concordar calmamente com a cabeça, esse menino é mais bipolar do que eu.

Descemos lentamente as escadas, e quando chegamos na sala recebemos olhares maliciosos de todos, menos da Lisa e de sua amiguinhas, nos despedimos e fomos para casa, o caminho todo foi em silêncio, porém assim como no jardim dos meninos um silêncio confortável, Jeon estaciona o carro de frente a sua casa mas me leva de mãos dadas gentilmente até a porta da minha.

—Chegamos. - O mesmo se pronuncia após um longo tempo de silêncio.

—Pois é - Era a única coisa que eu conseguia falar no momento, novamente o sentimento de incerteza do que viria me afeta de novo.

—Será que um dia você ainda vai me contar o que esconde? - Perguntou olhando para os meu olhos, nos breve segundos que fiquei pensando em sua resposta pude notar o quanto suas orbes eram pretas, até parece que refletia o momento atual do meu pensamento, a incerteza reflete como o breu dos seus olhos em minha mente.

—Não sei, depende de tudo, o mundo não é como você pensa Jungkook. - falei dando ênfase no final da frase.

—Então por que não me conta?? - Questionou virando-se completamente para mim - Porque desde que eu recebi aquilo de manhã eu não consigo tirar isso da minha cabeça. - O olho com dúvida.

—Aquilo o que? - Questionei intrigada.

Jeon põe e mão em seu bolso e de lá tira o maldito envelope vermelho, peguei e abri lista ver o bilhete que nele havia.

É melhor prestar ainda mais atenção na sua nova vizinha Jungkook, se continuar assim você nunca saberá quem ela realmente é por trás da máscara.

Fico estática ao ler o bilhete, Jungkook não tinha nada haver com isso! Ele não tinha o direito de pôr ele nessa situação!

—Por conta disso e outras coisas que acho melhor pararmos kookie - Volto a olhá-lo.

—Eu não tenho medo disso!

—Deveria, aviso e repito que o mundo não é como você pensa!

Por que vizinho? Por que você é tão insistente? Não sabe que assim irei ceder apenas por egoísmo de querer ficar em seus braços??

—Eu já fui pro céu aí sentir seus lábios nos meus, uma visitinha no inferno não me faria mal algum! - Falou se aproximando. - Digo e repito que não irei desistir de você tão fácil assim! - Jeon põe sua mãos em meu cabelo me dando um beijo, um beijo que não queria autorizar, mas quando se trata de Jungkook cedo facilmente, seu beijo era envolvente e todo meu medo havia sumido durante os instantes que ao passei o sentindo de um jeito que nunca imaginaria, nos separamos lentamente do beijo, recebo um selar em minha testa e um sorriso de despedida.

Kookie volta pra sua casa e eu fico ali parada, o breu novamente surge em minha mente, decido apenas tomar um banho e dormir, assim amanhã acordaria com a cabeça 6 bem melhor para a aula.

*****QUEBRA DE TEMPO*****

Chego da escola arrasada, mal tinha dormindo pensando em tudo que me aconteceu ontem, Jungkook e eu nos falamos normalmente, até preferimos terminar o trabalho na escola, aproveitar que lá havia os livros necessários para nos aprofundar no assunto, porém nada de mais aconteceu entre a gente, nem mesmo beijos, acho que Jeon estava realmente bêbado e não lembra do que fez ou falou ontem, fiquei um tanto chateada mas para a proteção do mesmo não toquei no assunto, havia voltado para casa sozinha, precisava pensar, precisava de um ar, foi uma longa manhã, resolvo ir dormir e mais tarde quem sabe saio de casa para aliviar meu stress, assim que chego em meu quarto e jogo a mochila em qualquer canto olho para a janela e lá vejo meu vizinho Jungkook só com a toalha amarrada na cintura, abro a minha boca sutilmente ao ver seu abdômen levemente malhado, Jeon se vira e olha bem na minha direção, fico vermelha ao ver que fui pega o olhando, e ele apenas solta uma gostosa gargalhada que pode ser escutada do meu quarto, vejo ele se mover em direção a sua mochila e voltar com um caderno e uma caneta, escreve algo no papel e quando vira eu consigo ler.

Fecha a boca Noona! Pode entrar mosca!

Olho seria pra ele e o mesmo solta outra gargalhada, escreve novamente no papel, dessa vez dizia o seguinte:

Ansioso para a próxima social

Quando retorno meu olhar para o mesmo apenas recebo como resposta uma piscada e logo sua cortina foi fechada. No momento eu estava em mix de sentimentos, feliz pois Jeon lembra da noite passada e parece não se arrepender, porém receosa, se ele realmente lembra de tudo que aconteceu ele lembra da nossa conversa ao chegar em casa, ou seja, ele continuará insistindo para descobrir mais sobre mim, mal sabe ele que está caindo em um abismo no qual não há nada nem ninguém que possa o salvar, decido para de pensar nisso e apenas dormir, o sono que não me veio de madrugada chegou logo que me deitei, não dando nem tempo de pensar apenas caio em um sono profundo.

****QUEBRA DE TEMPO*****

Acordo e já está escuro, por quanto tempo eu dormir?? Tateio meu criado-mudo a procura do meu celular, ao ligá-lo vejo que já são 8h!! Eu literalmente não sabia que estava com tanto sono assim, sou interrompida de meus pensamentos ao escutar minha barriga roncar, e não é pra menos, não como desde o recreio da escola, desço as escadas rapidamente, abro e paro pra analisar minha geladeira a única coisa rápida é boa que havia para saciar minha fome era uma lasanha de micro-ondas, decido fazer isso mesmo pego a embalagem e sigo todas as instruções colocando-a no tempo certo no micro-ondas, enquanto a lasanha não fica pronta paro para analisar o que poderia fazer ao acabar de comer, nada me veio a cabeça além de sair em uma bela caçada, mataria minha vítima na rua mesmo já que infelizmente não poderia tortura-lá por conta das medidas tomadas pela polícia, o alarme estridente do aparelho soa em meus ouvidos, me alertando que a minha refeição já havia ficado pronta, como com calma, quando termino apenas lavo o que eu sujei e vou direto ao meu maravilhoso quarto pegar as minhas armas, vou com a roupa que estou mesmo, ela é composta por uma legging e um moletom completamente pretos e uma bota coturno, pego um punhal e uma arma, escondo a máscara no bolso do moletom e assim saio de casa, vou em direção ao ponto de ônibus que fica a duas quadras da minha casa, pego o primeiro transporte que vem sem nem me importar com o destino, queria apenas um lugar aleatório para matar uma pessoa, percebo que estou em uma parte escura da cidade e perto da floresta, decido ficar por ali mesmo desço do ônibus, ponho minha máscara e não demora muito para que eu aviste pessoas rodando por ali, me escondo atrás da caçamba de lixo a espera da próxima pessoa que passaria de frente a mesma, lentamente uma moça vem andando em minha direção, me escondo na parte totalmente escura da caçamba, espero a moça se aproximar mais e assim que ela fica praticamente ao meu lado, cravei meu punhal no seu pé e rapidamente levantei tapando sua boca com minha mão para que abafasse o som de seu grito.

—Se você ficar quietinha vai ser melhor pra você! - Vejo a mesma concordar com a cabeça já chorando.

Levo-a para dentro da floresta que ficava do outro lado da rua, esse é um ótimo lugar para cometer assassinatos, ao adentrar o suficiente na floresta a mando retirar o casaco, assim que ela faz uso o mesmo a prendê-la em uma árvore, prendi forte o suficiente para que a mesma não escapasse, cortei partes de seu corpo bem devagar mas a mesma não gritava nem se quer me pedia para parar, provávelmente já sabia o seu destino, decido acabar com isso de uma vez por todas e atiro em sua cabeça fazendo a mesma morrer na hora, limpo meu punhal em sua roupa, guardo tudo de novo e volto para o ponto de ônibus esperando o veículo que me levaria de volta para casa.

*****QUEBRA DE TEMPO*****

Assim que cheguei em casa fui direto para o banheiro tomar um banho, me permito relaxar na banheira mas sou interrompida do meu momento de paz ao escutar minha campainha tocando freneticamente, me enrolo em um roupão e me surpreendo aí ver que a pessoa que tocava minha campainha era um policial!! Me assusto e o mesmo parece perceber.

—Boa noite senhorita! Desculpa a hora mas é que estamos fazendo a vistoria de casa em casa, será que podemos entrar?? - Perguntou gentilmente, ele não podia entrar, as minhas roupas de hoje não foram lavadas e estão sujas de sangue!! O que eu faço agora?? Fico estática encarando o esbelto policial que estava a espera de minha resposta, saio de meus devaneios ao sentir braços envolvendo a minha cintura, olho pra trás e me assusto ao ver Jungkook, e o principal ele estava sem camisa.

—Algum problema amor? - Disse me olhando com um sorriso. - Ela fez alguma coisa, pm... - Para pra olhar o uniforme que havia seu nome bordado - Jihoon??

—Problema nenhum senhor, apenas estava pedindo a autorização dela para entrar em sua casa, sabe como é né??

—Ah justo hoje?? Logo hoje que eu voltei de viagem e queria matar a saudade da minha namorada! - Falou olhando pra mim - Sabe como é né?? Estou a um mês sem ver minha baixinha! - Disse dando um leve beijo no topo da minha cabeça e me envolvendo mais em seus braços, naquele instante eu já não estava entendendo mais nada.

—Ah sim claro, entendo perfeitamente. - O policial denominado Jihoon disse constrangido - Bom aproveitem! - Falou se distanciando.

—Pode deixar! - Jeon gritou quando o policial já estava na viatura.

Assim que a viatura se distância o suficiente Jungkook me puxa para dentro de casa, entro e fecho a porta sem entender nada, aponto para ele e pora a ponta com cara de dúvida.

—É simples, eu vi que tinha uma viatura aqui e que você estava visivelmente nervosa, então sai de casa, entrei aqui pela sua porta dos fundos que convenientemente estava aberta e salvei a sua pele fingindo ser seu namorado. - Disse como ser fosse a coisa mais normal do mundo, eu ainda estava tentando processar tudo. - O importante aqui é o fato de que você está me devendo uma, e o único jeito de quitar isso é você me contando toda a verdade sobre você e o que você é!

     Continua


Notas Finais


Bom foi isso aí, eu espero que vocês tenham gostado! Não se esqueça do feedback que é muito importante!
Até a próxima Sakuras!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...