História Moonlight - Lua nova - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Fantasia, Original, Romance, Yaoi
Visualizações 4
Palavras 1.984
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que alguém leia!

Capítulo 1 - Voz


O sol dava seus primeiros sinais quando um carro preto estacionou na rua , fora o recém chegado não avia mais ninguém no local, o verão estava nos seus últimos dias e com isso o clima abafado e seco estava menos intensos que as semanas anteriores, o visitante desceu de seu carro e olhou para a casa a frente, o lugar pertence a sua família a seculos e como ultimo descendente direto dos que a construíram a mesma lhe pertencia, fazia um bom tempo que o garoto não voltava aquele lugar, muito tempo na verdade, o mesmo não tinha boas lembranças na quela casa, foi la que tudo começou, mas as vezes temos que fazer coisas que não gostamos para o nosso bem, certo? Era isso que William tentava se convencer fitando a casa, com tédio o jovem caminhou ate o lugar que durante algum tempo seria sua casa, ao entrar viu que tudo tinha mudado, o lugar estava totalmente reformado, uma grande TV plana estava na sala junto com um sofá que acomodaria facilmente 7 pessoas, a cozinha parecia ter saído de um filme de Hollywood, tudo era branco e dourado, ficou claro que sua tia avia mandado fazer uma reforma, e que como sempre tinha se empolgado, desnecessário foi oque o garoto de olhos castanhos claros pensou, não estava a passeio porem não queria se acomodar, seriam só dois anos e com sorte ele poderia conseguir uma vaga em alguma faculdade em Hawaii ou qualquer outro lugar que passe a maior parte do ano ensolarado, William odiava chuva, neve ou qualquer outro clima que fizesse o sol se esconder. Carregando a unica mochila que trouxe consigo de sua antiga casa subiu para o primeiro andar curioso para saber se sua tia avia mudado também os quartos, William admitia que muita pouca coisa poderia lhe impressionar nesse ponto da vida mas Tia Magie conseguiu se superar, o quarto estava bem maior que da ultima vez que ele esteve la, provavelmente a tia fundiu com o quarto ao lado, a cama era 3X maior que uma de casal, duas portas se encontravam na parede ao lado esquerdo da cama, a primeira o garoto viu que era o banheiro, todo em branco e vários espelhos com uma banheiro que caberia facilmente dois Williams, oque não era pouca coisa, o garoto abriu a sua mochila pegou os produtos de higiene pessoal e jogou em cima da pia, não parou para observar mais o lugar, como dito pouca coisa o impressionava, decidiu vê oque tinha na outra porta e assim que entrou fechou os olhos e apertou as têmporas.

 


—Magie!- sussurrou com irritação na voz, era um close tão grande quanto o banheiro, abastecido com todos os tipos de roupa, porem nada chamava mais atenção que o espelho que ia do teto ao chão e de uma parede a outra, mesmo com todo o dinheiro que tinha William a muito deixou o estilo extravagante, se contentava com um jeans e alguma camisa exatamente como se encontra, com o passar dos anos tudo perde a graça.

 


Ainda irritado o garoto desceu as escadas e foi para o sótão, a parte mais importante na casa, havia duas portas para o lugar uma de madeira que dava para as escadas e ao final dela se encontrava um portão de prata de de grande resistência, o garoto colocou uma luva para abrir a grossa porta, não queria marcas na pele mesmo que fosse por alguns dias sem falar a dor que sentiria apos o contato com a prata, ao entrar no lugar William com satisfação viu que a tia tinha feito um excelente trabalho. Não possou ia janelas, as quatro paredes, o teto e o chão eram banhados em prata, a unica parte do lugar que era cerâmica ficava no canto da parede dentro de uma jaula com grossas barras igualmente de prata, dentro avia grossas correntes, com um leve sorriso nos lábios e um tom sarcartisco William falou:

 


—Bem vindo ao lar.

 

 

 

\Alguns dias depois

 

 

 

Henri estava terminando de calçar o tênis quando sua mãe apareceu em seu quarto com um avental xadrez segurado em uma das mãos uma frigideira que contia ovos e na outra uma grande colher de madeira.
— Graças a Deus você esta pronto, Mel esta naqueles dias- e sem demora voltou para a cozinha, o garoto rapidamente foi ao banheiro e fez o melhor que pode com o cabelo, não importa quantas vezes ele penteasse, as pontas de algum jeito sempre ficavam em direções diferentes, Gustavo um de seus melhores amigos disse que isso lhe dava certo charme mas Henri não levava muito a serio, achava que Gustavo tinha um gosto muito peculiar do que é ou não atraente- HENRI!- sua mãe gritou mais uma vez.


Ao chegar na pequena cozinha o garoto viu o porque do desespero da mãe, as toradas estavam queimando na torradeira, o bule estava apitando fazendo aquele barulho detestável e mel sua irmão de 3 anos tinha jogado toda sua papa no chão, rapidamente o garoto desligou o forno, colocou as torradas em um prato e colocou o cafe para coar enquanto sua mãe limpava a bagunça o chão.
Henri vinha de uma família humilde, o pai passava a maior parte do tempo fora. Trabalhava em uma grande transportadora de cargas marinhas, dos 12 meses do ano só ficava 3 com a família, a mãe era diarista durante a tarde visto que não tinham dinheiro para pagar uma baba para a Mel essa tarefa ficava por conto do Henri.

 


—Queimei mais uma vez! Desculpe- falou a mãe

 


—É só a gente clocar bastante geleia mãe- falou bondosamente o filho mais velho. Mel assim que notou a presença do irmão fez sinal para que ele a pegasse no colo e assim ele fez, era incrível a conexão que ambos tinham, nem seus pais conseguiam acalmar Melissa como Henri.

 


— Então esta pronto para um novo semestre ? - perguntou a mãe entusiasmada.

 


— Não muito, queria mais uns dias em casa - admitiu o garoto- estou ansioso para voltar a ver os meninos.

 


—Hupf! Como se vocês passassem mais de 3 dias sem se ver. Lembre-se que tenho que estar na casa dos Meison as 14:00 então não fique de bobeira depois da escola- falou a mãe, Henri estava ocupado comendo e alimentando a irmã por isso apenas concordou com a cabeça mal terminou de comer e ouviu a campainha ser tocada, já sabia quem era por isso apenas jogou a mochila nas costas, despediu e foi em direção a porta, ao abrir encontrou o ser humano mais espalhafatoso da terra, Gustavo, que hoje estava usando nada menos que uma calça vermelha extremamente apertada, um casaco azul marinho e uma regata com estampa da Lady Gaga, os cabelos estavam mais loiros que a dois dias.

 


—Da pra acreditar que hoje começa o nosso penúltimo ano ?- Perguntou Gabi fazendo bico.

 


—Finalmente!- exclamou Henri.

 


—Credo, ate parece que você não vai sentir falta de tudo!- Henri apenas revirou os olhos. Seguiram o caminho para a escola que não ficava muito distante - Só queria desencalhar esse ano ! Serio, os garotos só pensam em sexo, sexo, eles acham que só por que sou afeminado não mereço algo serio!

 


—É só você dizer não.

 


—Eu ate tento! Juro! Mas quando sinto aquel...

 


—Chega!- cortou Henri- você não vai me fazer imaginar isso Gabi!

 


O amigo apenas sorriu, ao chegar no colégio encontraram Santiago sentado em um dos bancos do patio, Santiago era o tipo galã de televisão, alto, moreno e forte sempre era rodeado por admiradoras na qual ele dispensava quando estava na presença dos amigo, apesar de Henri não ser exatamente feio ele não se enquadrava no grupo dos populares, acredita ele que seja por ser um dos nerds da escola e andar com Gabriel que é praticamente uma libélula saltitante, Santiago era a exceção do grupo, o mesmo fazia parte do time de futebol da escola e o fato de seu avô ter sido um ator muito famoso contava bastante, apesar de isso ser bem antes dele nascer, grandes fatos ficam marcados por muito tempo em cidade pequena.

 


—Aiiiii Sam, cada vez que te vejo fico mais apaixonado!- Exclamou Gabi se jogando nos braços do grandão.

 


—Juro que se você não fosse meu amigo te pegava Gabriel- Santiago entrou na brincadeira.

 


—Então a partir de hoje não somos mais amigos!!! Agora vem !!- Gabi tentou outra vez se jogar nos braços de Santiago porem o moreno se escondeu atras de Henri agarrando ele por trás- HENRI SEU FURA OLHO! SOLTA MEU SANTIAGO!

 


—Pelo amor de Deus parem de escândalo! Esta todo mundo olhando! - Pediu Henri virando um tomate de tão vermelho, Santiago soltou uma sonora gargalhada- E me solta Santiago!- Henri ficou de frente para grandão dando as costas a Gabi.

 


—Pelo visto alguém acordou de mal humor, de novo- disse Sam enquanto apertava a bochecha de Henri e lhe puxava para um abraço de urso, um costume que o grandão tem desde mais novo.

 


Com o rosto esmagado contra o peito do amigo Henri ouviu o barulho de carro se aproximando, ainda de costas ouviu quando aquela voz falou, era diferente, meio rouca, grave mas ao mesmo tempo suave.

 


—Com licencia, você sabe me dizer a entrada para o estacionamento?- perguntou a voz, Henri por algum motivo não conseguiu se virar.

 


—Hã.. por trás.. você pega a próxima a direita...- quem respondeu foi Gabriel, porem não era o ''jeito Gabriel'' de responder, não avia humor na voz.

 


—obrigado.

 


—Quem é esse ?- Perguntou Henri finalmente se virando, não conseguiu ver o rosto do motorista o carro já tinha seguido caminho.

 


—M-E-U-D-E-U-S-E-S-T-O-U-A-P-A-I-X-O-N-A-D-O!-o velho Gabi voltou.- Não serio gente! Vocês viram?! Não?! Ótimo por que ele é meu ! Sam você viu os olhos dele ?! e a voz?! M-E-U-D-E-U-S

 

 

—Afff Gabi deixa de escândalo e vamos logo pra sala! Vamos chegar atrasados! - Sam disse nos puxando pelo braço, mas Gabi não parava de falar, já Henri continuava inquieto, não sabia o porque mas tinha algo de muito estranho naquela voz, e o mais inquietante era a reação que teve, como assim travar por causa de uma voz?! Isso era um absurdo, apos se despedir dos amigos o loiro foi em direção a primeira aula do dia, física, que por azar não compartilhava de turma com os colegas

 


Henri odeia essa matéria, e odeia mais ainda por ser obrigado a passar o ano com um parceiro de turma, por sorte esse ano ele vai passar sem ninguém já que seu antigo parceiro o Diego foi transferido de escola, quem sabe agora ele aprende algo já que não vai ter um encosto como o ex colega, o professor senhor Fernandez já era um homem de idade, tinha os dentes amarelados pelo excesso de cigarro e cafeina e o péssimo habito de falar muito próximo aos alunos causando desconforto pelo mal cheiro, Henri não sabia mas naquele dia tudo iria mudar.

 


Foi ali, naquela sala apertada fingindo prestar atenção no que o professor dizia que ele o viu pela primeira vez, Henri não sabia oque mas chamava atenção no recém chegado, talvez os olhos, tinham uma tonalidade diferente seria verde ou castanho claro? ou o cabelo que caia sobre o rosto? O loiro não percebeu mas tinha um grande O formado na boca, o garoto entrou com passos firmes na sala chamando a atenção de todos, o professor rapidamente foi a seu encontro conversaram por não mais que 30 segundos então anunciou:

 


—Senhores e senhoritas, a sua atenção por favor! Temos aluno novo essa ano. Vamos pode se apresentar! - Acredito que o professor tentou ser simpático deixando que o outro se apesentasse mas bastava um olhar atencioso para perceber que ele não estava nada feliz com a situação.


—Meu nome é William Jones- Foi apenas isso que o garoto falou, mas foi o suficiente.

 


Notas Finais


Sera que alguém chegou ate aqui ?? Se sim muito obrigado por terem lido e oque acharam??? Alguma opinião algo que eu deva melhorar ?? etc... Falem comigo !!! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...