1. Spirit Fanfics >
  2. Mortentis Viventia - O Herdeiro da Vida e da Morte. >
  3. O Verdadeiro Dumbledore.

História Mortentis Viventia - O Herdeiro da Vida e da Morte. - Capítulo 6



Notas do Autor


Olá guys, aqui quem fala é a @Nikki_Venom trazendo o capítulo cinco da história para vocês. Como bem sabem, a Milly tá começando as aulas e logo, pra ela, ficará difícil atualizar a história.
MAS É PRA ISSO QUE EXISTEM OS CO-AUTORES! ^U^
Então, vamos atualizar a história a cada uma semana com os capítulos que a Milly já deixou pronto, até ela voltar tudo bem? Então, eu vou postar o capítulo hoje e na semana que vem, outro co-autor vem e a posta, só para a história não ficar em um hiatus longo e chato, ok?
Era só isso mesmo,
Boa leitura ai, guys!

Capítulo 6 - O Verdadeiro Dumbledore.


Mortentis Viventia – O Herdeiro da Vida e da Morte.

Capítulo Cinco: O Verdadeiro Dumbledore.

{...}

Ódio. Raiva. Fúria. Era tudo isso que o homem de cabelos e barba grisalha sentia no momento, enquanto os quadros em seu escritório gargalhavam alto de sua situação atual. Definitivamente, aquilo era um tremendo absurdo! Como aquele menino miserável, aquele menino tão idiota, atrevia-se a atrapalhar seus planos?! Ele bufou em exaustão, massageando as têmporas e logo levou uma bala de limão a boca, para acalmar-se.

– Isto é o que você ganha, Dumbledore, por tentar fazer a vida de uma criança inocente um inferno. – Disse um dos quadros com acidez na voz, sendo este do diretor anterior, melhor dizendo, antecessor a Dumbledore, ninguém mais do que Armando Dippet, que dirigira Hogwarts na época de estudos de Tom Riddle. – O menino Riddle tem todas as razões para odiá-lo por todos estes longos anos. Ele definitivamente é o mocinho da história, e você o verdadeiro vilão. Você me enoja, Albus. – Disse com fúria na voz ao ver que Dumbledore somente revirava os olhos perante suas declarações.

– Tudo o que eu fiz foi por uma boa causa! Por um bem maior, Dippet! E este menino idiota está pondo tudo a perder! – Exclamou Dumbledore, enraivecido e com o nariz avermelhado. Os olhos escurecendo, à medida que sua fúria aumentava. – Tudo tem que seguir como eu planejei! Tem de ser assim e ponto final! – Exclamou quase como uma criança birrenta, e quase que de imediato utilizou de sua máscara de “vovozinho bondoso” ao ouvir alguém se aproximando. – Fique calado Dippet, ou incinero este quadro aqui e agora. – Ameaçou, vendo Dippet suspirar e se calar.

– Com sua licença, Albus. – Disse Minerva McGonagall ao entrar, sengo seguida por Severus Snape. Seu olhar estava cansado e abatido, deixando seu estado emocional muito visível para todos a seu redor, diferente de Snape. Este mantinha uma expressão neutra e rígida, sem aparentar nenhum sinal de desconforto perante a situação que se encontravam. Entretanto, apesar de sua aparência neutra, havia ali preocupação e desespero ocultados muito bem. – Potter está desaparecido há nove dias. Seus tios trouxas estão detidos em prisões trouxas, e seu primo foi enviado para um orfanato. E não há ninguém que saiba o que houve exatamente no dia de seu desaparecimento. Albus, eu... Eu temo que, a julgar pelo tempo que ele está desaparecido... Eu temo que... Temo que ele esteja morto. – McGonagall abafou um soluço ao pensar em tal possibilidade e contar tal absurda teoria.

– Harry não está morto, Minerva. – Disse em um falso tom gentil, afagando as costas da professora. – Para tudo há solução. Talvez entrar na mente dos tios de Harry ajude a esclarecer o que houve. O que me diz Severus? – Olhou para Snape com um sorriso falsamente fraternal. Este, por sua vez, suspirou passando a mão pelo rosto.

– Sinto muito, diretor. – Falou Snape, em tom exausto. – Antes que me sugerisse isto, eu já o havia feito. Tudo que as lembranças que eles possuem sobre o dia em questão sugerem, é que eles foram presos e o Potter e seu primo foram levados por oficiais trouxas. – Suspirou, massageando as têmporas. Aquilo era uma grande mentira, ele havia visto o que realmente houve, e simplesmente destruíra a memoria em questão, para manter o mais novo em segurança, visto que conhecia os loiros e as serpentes que o levaram. Dumbledore o olhou desconfiado, e tentou usar suas habilidades llegimentes em Snape, que estava protegido por seu anel de senhorio da família Prince, uma herança de sua mãe. – Entretanto, farei meu melhor para acharmos Potter. – Declarou Snape, não transparecendo o alivio que sentia por estar usando seu anel de senhorio, que o protegeria de qualquer tentativa de Dumbledore de entrar em sua mente.

– Pelo visto não nos resta muito a fazer. – Disse Dumbledore, usando de seu melhor tom simpático enquanto fervia de fúria por dentro. – Nossa única opção na situação atual, é esperar até que ele atinja a idade adequada para ingressar em nossa escola. Deste modo, veremos através dos envios de cartas se ele está vivo, ou está mesmo... Bom... Morto. – Suspirou, vendo a professora de transfiguração e o professor de poções assentirem. – Até lá serão quatro longos anos. Vamos ficar todos atentos, e não deixem que o desaparecimento de Harry se espalhe. Poderia causar um grande alarde. – Advertiu.

– Se isto é tudo, irei me retirar para meus aposentos e trabalhar nos conteúdos de minhas aulas até estas começarem daqui dois meses. Com licença. – Disse Snape, se retirando, e logo atrás de si ia McGonagall, voltando para seus aposentos também.

Dumbledore esperou até não poder ouvi-los mais. E soltou um grunhido alto de raiva, enquanto com um feitiço rasgava um quadro – por sorte, não bruxo – com um feitiço. Dippet observava tudo de seu quadro, com divertimento.

– Para a segurança do menino, eu espero que a carta nunca chegue a ele. – Declarou Dippet, com seus braços cruzados. – Por outro lado, espero muito poder ver você ter o que merece Dumbledore. Você nunca deveria ter se tornado diretor. Talvez nem mesmo a Morte seja equivalente ao que você está merecendo. – Afirmou.

– Cale-se, Dippet. Cale-se. – Disse Dumbledore entre dentes, apontando a varinha para o quadro. – A não ser que queira ser destruído aqui e agora, quadro estúpido. – Sorriu ao ver Dippet se calar com um suspiro, e finalmente pode relaxar um pouco. – De um jeito ou de outro, este menino virá a Hogwarts. Eu sou seu Guardião Mágico, no fim de tudo. E ele me obedecerá, isso eu garanto. Eu não me chamo Albus Percival Wulfric Brian Dumbledore!

 

C. O. N. T. I. N. U. A.

 


Notas Finais


@Nikki_Venom aqui! Então, pessoal, na próxima semana, é provável que o @Danny_Miller atualize o novo capítulo. Bom, vamos torcer pra Milly sobreviver ao inferno e voltar logo para nós, assim tem capítulo novo quase todo dia :v
Bye bye, guys!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...