História Motorcycle - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Personagens Originais
Tags Candice Swanepoel, Ian Somerhalder, Stephen Amell, Zayn Malik
Visualizações 17
Palavras 2.176
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


IMPORTANTE!!!
Eu decidi mudar o nome da nossa protagonista, a querida Escarlet agora se tornou Sophie. Mas para não ficar tão esquisito, Escarlet será seu segundo nome sendo ainda utilizado em alguns diálogos.
Segundo: Espero que gostem de flashbacks e se ficar confuso eu tiro dúvidas nos comentários, podem falar comigo!!!

Capítulo 4 - III. Third Malik


Fanfic / Fanfiction Motorcycle - Capítulo 4 - III. Third Malik

Flashback On

— Vamos Stephanie, apenas pule. — O irmão encorajou.

— Mas e se eu acabar quebrando algum osso, Jason? 

— É só uma janela, babe.

— Não sei não... São quase três metros de altura. 

— Stephanie, vou contar até três. — A menina revirou os olhos, apreensiva e com medo. — Um...

— Tudo bem, espere um pouco. — Stephanie respirou fundo e fechou os olhos, jogando-se da janela mais alta da casa contra o gramado. Os dois fugiram até a casa da namorada de Jason onde encontraram refúgio.

— Diana? Chegamos. — Jason anunciou ao entrar na casa da garota, acompanhado pela irmã que limpava ao máximo seu vestido vermelho.

— Oi amor! — Deu-lhe um selinho. — Você vem comigo no carro, a Stephanie pode ir com o meu irmão. 

— Seu irmão? 

— Sim, Jason. Ele pode chegar lá mais rápido que se for de moto e você sabe que ela precisa chegar na festa primeiro que nós porque...

— Ela faz parte do comitê de boas-vindas. — Jason completou, insatisfeito. Afinal, fugir de casa com sua irmã de quinze anos e deixá-la andar de moto com um desconhecido não era o maior ato de responsabilidade que ele já teve. 

— Não se preocupe, Jay. Zayn vai cuidar dela como se fosse você. — Isso eu duvido, pensou Jason. 

Flashback Off

Narrador Observador 

Sophie repetia o pedido de desculpas milhares de vezes em sua cabeça, por mais que por fora estivesse em silêncio e estado de - modo figurativo - hipnose.

Passaram-se pelo menos quarenta segundos até que alguém se pronunciasse novamente, e fora Zayn respondendo a clemência do amigo.

— Você conhece o trânsito de Los Angeles nesse horário, Tomlinson. — Rebateu, passando direto por Sophie e ignorando que havia esbarrado nela minutos atrás. A garota piscou algumas vezes e preferiu não insistir, bateu a porta da casa e suspirou antes de encarar o frio daquela rua novamente, para depois entrar em sua casa. Mais fria o dobro.

E enquanto caminhava apenas uma pergunta ganhava seus pensamentos: Por que todos sempre parecem saber muito mais do que ela? E lembrava de Zayn Malik a encarando quando havia esbarrado no seu peitoral que parecia bem malhado. Queria aquele olhar crítico lhe dizer algo? Cogitou. O par de íris âmbar do Malik subjugavam o par de olhos azuis de Seymour como se conhecessem a loura há seculos.

Ambos olhares eram realmente um screenshot marcante. 

Quando abriu a porta de casa, a menina estranhou o silêncio dominante, era algo que não acontecia há tanto tempo que não podia determinar uma data específica. Sua mãe, Katherine escolhia quadros novos para colocar na parede da sala enquanto Jason opinava em qual era menos horroroso. Era estranho, mas se tornava bom. 

— Mãe estou morrendo de fome. — Era a única coisa que podia exclamar para que não atrapalhasse a boa harmonia dos Seymour. 

— Você pode se servir, está tudo pronto. Eu e Jason já comemos. — Mais uma vez, estranho. Sophie caminhou até a cozinha e mesmo que não quisesse quebrar o clima, chamou Jason para conversar. 

Eles sentaram na mesa e o garoto observava a irmã comendo, ridiculamente pouco. 

— Podemos conversar sobre a sua reação? 

Jason franziu o cenho — Reação?

— Diana não é uma pessoa tão ruim, não entendi o por quê de todo esse ódio por ela.

— O que estava fazendo na casa dos Malik? 

— Não mude de assunto — A loira repousou o garfo no prato. — Eu quis conhecê-la e agora posso dizer que ela não merece o jeito que você a tratou. 

— Stephanie a odiava, Escarlet. Sempre me alertou que Diana era uma pessoa ruim e eu nunca escutei, agora preciso valorizar isso. — Jason estava entediado em precisar voltar nesse assunto e sua irmã ignorava isso. Escarlet sempre fora a segunda mais teimosa da família, perdendo apenas para ele.

— Você não é a Stephanie! Sabe o quanto ela fazia birra para ganhar atenção... Jason, eu a amo e sinto muita falta de sua presença mas não pode transformar a imagem dela em um anjo perfeito porque se foi, não tome os sentimentos negativos dela, Diana gosta de você, precisa dar uma chance para conhecê-la melhor como você mesmo e não como sua irmã mais nova que manda nas suas decisões.

— É exatamente isso que você está tentando fazer. — O garoto percebeu que as palavras da irmã haviam o impactado demais, por isso estava exausto e decidido a encerrar o assunto

— Não. Estou sugerindo que não seja a imagem que ela criou por todos esses anos. Olha... — Sophie receosa tocou a mão do irmão em cima da mesa, o mesmo retribuiu com um olhar calmo e sensato. — Eu não entendo o que acontecia entre vocês no passado porque eu sempre fui a mais nova e também sei que você não vai me contar tão cedo, mas o que eu posso dizer é que é um cara maravilhoso e gentil por baixo dessa fantasia que você criou baseada na dor da perda. Apenas deixe de ser tão ranzinza e tudo ao seu redor ficará mais fácil. — Disse por fim e respirou fundo. 

Sophie não costumava dar conselhos e Jason não costumava ouvir, e se aquelas palavras tivessem saído da boca de qualquer outra pessoa ele não teria sequer começado a ouvi-las, mas colocaria a mão no fogo pela caçula e jamais a magoaria novamente.

— Então é assim que você suporta a falta dela? Sendo boazinha com os outros? — Perguntou. 

— Mais especificamente, comigo mesma.

[...]

Quando amanheceu, Katherine foi ao banco checar o valor de sua poupança como fazia toda semana, possuía um objetivo em mente e seria comprar um apartamento no centro da cidade para ficar mais próxima das empresas que poderiam contratá-la. Mas também havia outro motivo, Katherine não conseguia sequer olhar para os dois filhos todas as manhãs e lembrar da filha que perdeu, e mesmo que fosse o pensamento mais covarde que já tivera na vida era seu jeito próprio de lidar com o luto. Sozinha.

Que consumia a todos cada dia mais.

Sorriu com o número na telinha digital do caixa eletrônico, mais uma semana fazendo serviços e seria o suficiente para comprar qualquer espaço de Los Angeles. Katherine deixou o banco sentindo-se um pouco melhor por estar conseguindo o que queria.

Do outro lado da cidade Sophie escolhia sua melhor roupa para sair com Diana, ela prometeu que a levaria para conhecer os melhores lugares da cidade, de boates às praias e lanchonetes. Decidiram também que Louis - com muito suborno - seria o motorista. Ela escolheu uma blusa preta de mangas três quarto e uma saia de cintura alta cor vinho, com um par de botas zattini. Optou pelo cabelo solto, um batom clarinho e curvou os cílios.

— Mãe! — Chamou no fim das escadas, não obteve resposta. — Droga.

— Tá reclamando de que? — Jason surgiu da cozinha, sem camiseta com uma garafa de suco na mão. 

— Eu vou sair mas Katherine reclama que não avisei... Pode falar pra ela que eu saí? 

— Depende.

— Vou com Diana dar uma volta.

— Escarlet... — Sophie revirou os olhos com a pronúncia de seu segundo nome.

— Jason, nem vem. Você pode ter seus motivos contra ela, mas eu deixei meus amigos na nossa antiga cidade e agora eu preciso recomeçar com novos. 

Jason suspirou contragosto, porém assentiu. 

— Não chegue tão tarde.— Escarlet poderia objetar que não era mais uma criança que tinha horário para dormir, mas preferiu não piorar o clima. 

— Tenha um bom dia, Jay. — Fechou a porta. Quando saiu, avistou Diana na rua vindo.

— Bom dia, Sophie. Eu estava pensando... quantos anos você tem? Não está mais no High School, certo?

— Eu faço dezessete em duas semanas, mas terminei os estudos na Itália. 

— Ah, que ótimo! Mesmo não sabendo como isso é possível de acordo com a sua idade — Diana parecia mais feliz do que de costume e não parava de falar — Enfim, vamos a um lugar bastante especial... e clichê. 

— Onde? 

— Se eu te contar deixa de ser surpresa. Bom, só tem um pequeno detalhe — A morena desanimou o tom de voz e apontou para o corpo de Sophie de cima a baixo. — Não da pra subir em uma moto de saia. 

— Moto? Mas você disse que

— Eu sei, "Louis nos levaria de carro" — Repetiu sua fala — Porém, eu escolhi outro lugar e nesse precisamos ir de motocicleta. 

— Tá de brincadeira... 

— Você pode ficar aí reclamando e perdendo tempo, ou pode ir logo colocar algo que feche suas lindas pernas — Diana rebateu, sarcástica. Sophie subiu e voltou com um short escuro e uma expressão neutra, o moreno do dia anterior também havia chegado. 

— Anime-se, vai gostar.

— Ou não verá nada demais.

Louis falou pela primeira vez. Ele estava sentado na moto e Diana ao seu lado, em pé. 

— Tudo bem, o que estamos esperando? 

Diana soltou um risinho e respondeu com obviedade — Não podemos ir os três em uma motocicleta só. 

Sophie cruzou os braços e analisou o transporte. 

— Para mim cabe muito bem. 

— Mas é contra a lei, gatinha. — Rebateu o moreno. Ela bufou, mais alguns minutos se passarem até uma nova pessoa chegar em uma moto mais feroz e atraente, Zayn parou ao lado de Louis e fez sinal para dar partida.

— Eu vou com o Zayn, você com o Louis. Certo? — Sophie assentiu sem questionar, passou a perna direita pelo assento e apoiou a esquerda. Louis olhou pelo retrovisor passando um olhar confiante, como se dissesse a garota que deveria, entrelaçar os braços em seu corpo. 

— Não seja tímida comigo. — O moreno fechou o capacete e acelerou, acompanhando Zayn que levava a irmã, até então sem proferir uma frase sequer. 

Enquanto tinha seus cabelos bagunçados pelo vento, Sophie perguntava a si mesma por quê todos estavam se dando ao trabalho de gastar gasolina pela cidade apenas para que ela conhecesse um lugar específico, e também questionava se Zayn ou Louis estavam feliz com isso. 

Percebeu que estavam há muito tempo  subindo uma espécie de serra desértica com várias plantas em volta. Ambos estacionaram, Sophie desceu livrando-se da poeira, Diana tirou o capacete ansiosa e sorriu como se estivesse no seu lugar favorito. 

Mas Sophie estava ali e não entendia, havia se arrumado para ficar no meio do nada? Zayn e Louis permaneciam quietos como se estivessem simplesmente no quintal de casa.

— Olhe com mais atenção — Diana advertiu, erguendo levemente os braços para o leste.

— Isso é...

— Sim. — Disse Louis. 

— Estamos mesmo aqui? — Sophie levara a mão na boca, realmente surpresa 

— Bem-vinda ao letreiro de Hollywood — Louis exclamou. 

— Mas como chegamos aqui? É proibido, tem patrulhamento e alarmes...

— Ah Sophie — Diana exclamou decepcionada — Pare de tantas perguntas e aproveite a vista, dá pra ver Los Angeles inteira daqui, você disse que queria conhecer a cidade e não há jeito melhor do lque esse.

— Uau. — A garota passou um bom tempo admirada com a visão espetacular dos prédios, luzes e a praia de Venice. — É incrível, obrigada por isso. 

Poderia continuar admirando a paisagem pois ninguém ali estava com pressa, eles desceram das motos e também exploravam a visão, mas Sophie passou a imaginar o quanto seria bom ter Stephanie ali. 

Ela adoraria toda aquela adrenalina e sensação de liberdade, estava começando a se sentir mal por estar se divertindo tanto sem a irmã do lado. Sophie sabia que quando ficava feliz, acordava o vazio que repousava dentro dela e clamava pela presença de Stephanie. Uma mistura de saudades e culpa estava se embaralhando em seu estômago.

— Você está bem? Não tem medo de altura, né? — Diana percebeu o incômodo da amiga, falando mais baixo para os outros dois não ouvirem. Zayn e Louis conversavam entre si. 

— Não é nada demais.

— Está pensando nela? 

Sophie riu sem humor abaixando a cabeça. 

— Você não tem ideia do quanto isso aqui é a cara da Stephanie. 

Na verdade, tenho. Pensou Diana. 

— Sabia que estamos no primeiro L da palavra Hollywood? —  Sophie sorriu com a informação da morena. 

— Isso está cada vez mais surreal.

Muitos minutos haviam se passando e o quarteto conversava, mais precisamente dividos em duplas. Na volta Sophie realmente achou que iria para casa, mas desviaram do caminho. As plantas e os penhascos do letreiro sumiram e deram lugar a ruas iluminadas e populosas.

Sophie Seymour On

Eles estacionaram em uma enorme casa com letreiros grandes e chamativos. A expressão no rosto de Zayn que acompanhava Louis, não parecia mais feliz do que antes, e eu gostaria de entender porque ele era tão antisocial e rabugento. Ou aparentemente eu não era interessante o suficiente. 

Diana me apresentou toda a boate por dentro e levou-me até o bar. Perdi os meninos de vista quando eles pedidam bebidas com vodca, e eu tequila. Se antes eu já me sentia culpada por estar me divertindo, amanhã eu estaria em um confessionário. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...