História Mr e Mr Kristao - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Amor, Brigas, Comedia, Drama, Fluffly, Gay, Intrigas, Jongin, Junmeyon, Kai, Kaisoo, Kris, Kristao, Kyungsoo, Lay, Suho, Sulay, Taoris, Yaio, Yifan, Zhang Yixing, Zitao
Visualizações 111
Palavras 3.213
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Penúltimo capítulo minha gente. Daqui para meia noite posto o último capítulo e o casamento dos dois.

Capítulo 5 - Revenger - Parte 1


Fanfic / Fanfiction Mr e Mr Kristao - Capítulo 5 - Revenger - Parte 1

Acordar e não ter Kris ao seu lado foi um choque, Já que a noite foi mais que perfeita. Tao acordou se espreguiçando, ainda aos bocejos e coçando os olhos, tateou a cama a procura de Kris e o banque de ter sido abandonado pelo garoto dos seus sonhos foi bem pior.

- Calma. Estou aqui, Apenas estou lhe observando já faz quase uma hora. - Kris disse encostado na parede.

Aquele poste de quase dois metros de altura estava apenas de samba canção, enquanto Tao tinha dormido nu. Ao ver o garoto abriu um sorriso gentil. Seus olhos abriram por completo e despertou com um beijo dado pelo outro.

- Bom dia.

- Bom dia.

Kris trouxe uma bandeja bem sortida. Duas xícaras de café, vários sanduiches, pedaços de frutas cortados e bolos.

- Você nao fez isso sozinho. - Tao pegou um sanduíche e deu uma mordida.

- Claro que sim. Sou bem prendado Taozi. Nao Se esqueça que fiz vários pratos para você comer. - Kris revidou e deu uma mordida no sanduíches do garoto.

O vento que entrava pela grande janela aberta, trazia o cheiro de ar puro que vinha das árvores pelo lado de fora. Se eles não tivessem sido jurados de morte e nem estarem com uma bomba nas maos. Estar ali seria realmente um sonho.

- Entao. Depois dessa noite estamos de volta? Quer dizer, namorando de novo?

A pergunta que Kris soltou fez os olhos de Tao o observarem, por ser treinado para ser um mercenário/assassino profisional, o fazia conhecer bem o ser humano é saber das maneiras mais complidas em descobri até mesmo se ele estava mentido.

Porém ele não sabia ao certo se Kris mentia bem ou se deixou levar pelo amor que o arrebatou e trouxe todos os problemas que estava passando agora.

Mesmo não admitindo isso, ele pensava lá no fundo de sua cachola, que era mais culpa dele do que o próprio Kris. Se ele fosse mais cauteloso, nada disso teria acontecido.

- Vamos ver. Você tentou me matar e quase fico morto mesmo. Mantive minha vingança porque temos agora sua agência contra mim e eu transei com você a noite passada.

- Nao. Você não transou Taozi, você fez amor comigo. - disse Kris passando confiança.

Huang revirou os lábios e deu mais uma mordida em seu sanduíches passando a língua pelo seus lábios, provocando o Wu.

- Ainda não respondeu minha pergunta. - soltou Kris tentando manter seu nervosismo discreto.

- Não sei. Fiquei observando desde de que chegamos ontem. A casa abarrotada de comida, quase não tendo poeira e tudo em ordem. Quem você traria para cá? - Uma sobrancelha de Tao se arqueou, dependo da resposta ele diria se sim ou nao.

Kris ficou em silenciou, observando Taozi a sua frente o esperando para dar a resposta. Ele ficou tentado em mentir, seria fácil dizer que não levaria ninguém para sua casa para passar o final de semana, mas isso poderia o matar lá na frente, e deixar escapar a única oportunidade que O universo estava dando para ele fazer a coisa certa.

- Na ouviu falar da família Lu? - Tão balançou a cabeça de uma forma positiva.

Quem não conhecia a grande família Lu eles eram conhecidos como os grandes e maiorais da China, e seu lado negro era bem rigoroso, ja que eles também tinham uma agência de assassinos para comandar as noites de Pequim. Só não sabia o que Isso interligava ao caso de Kris e a familia Lu.

- Sim. E o que Isso tem haver com voce?

- Meus pais antes de morrerem eram sócios da família Lu em tudo e até mesmo no narcotráfico e em vários contrabando que faziam. Eles têm um filho, o nome do garoto chamado LuHan. - Kris pegou o celular e mostrou uma foto do garoto. Ele sorria acenando para a câmera enquanto seu cabelo loiro voava ao vento, com uma camisa roxa e bermuda, Como se fossem para a praia. - LuHan assumiu a presidência a quase um ano da agência de assassinos onde trabalho e depois do acidente, eu comecei a sair com ele também.

Tao nao se surpreendeu. Kris era um homem lindo e que não demoraria a ter vários aos seus pés, já que ele era um magnata e assassino nas horas vagas, qual garoto ou garota não queria ter uma vida de loucuras? E se sim, Wu Yifan era a pessoa perfeita.

- Então é esse que vou matar depois de descobrirmos como vamos sobreviver a esse inferno. - O jeito sombrio que Tao falou, fez Kris se arrepender em falar alguma coisa.

- Não faça isso. Apenas deixa que eu termino com ele. Sabe que não te esqueci e é você que eu quero. - Kris estava sendo sincero, coisa rara para nós que somos homens.

Tao respirou fundo, o restante do café foi silencioso. Até que Kris o beijou.

- Ainda não me respondeu. - Sussurou ao pé do seu ouvido.

- Kris, eu te amo. Eu queria tanto me vingar pelo que fez, mas não consigo, não dar, essa droga de amor me faz querer te bater e te beijar ao mesmo tempo. Eu odeio tanto te amar, Wu Yifan.

Kris sorriu e pegou o garoto ao rodopio. Ele se ajoelhou e pegou a mão esquerda de Tao.

- Não tenho anel, mas aceitar seu meu esposo?

Tao gaguejou e se tremeu. Nunca em sua vida pensou em receber um pedido desses, Já que traria mais problemas. Mas se o destino está dando uma nova oportunidade, não seria ele que falaria alguma coisa.

-Acordar e não ter Kris ao seu lado foi um choque, Já que a noite foi mais que perfeita. Tao acordou se espreguiçando, ainda aos bocejos e coçando os olhos, tateou a cama a procura de Kris e o banque de ter sido abandonado pelo garoto dos seus sonhos foi bem pior.

- Calma. Estou aqui, Apenas estou lhe observando já faz quase uma hora. - Kris disse encostado na parede.

Aquele poste de quase dois metros de altura estava apenas de samba canção, enquanto Tao tinha dormido nu. Ao ver o garoto abriu um sorriso gentil. Seus olhos abriram por completo e despertou com um beijo dado pelo outro.

- Bom dia.

- Bom dia.

Kris trouxe uma bandeja bem sortida. Duas xícaras de café, vários sanduiches, pedaços de frutas cortados e bolos.

- Você nao fez isso sozinho. - Tao pegou um sanduíche e deu uma mordida.

- Claro que sim. Sou bem prendado Taozi. Nao Se esqueça que fiz vários pratos para você comer. - Kris revidou e deu uma mordida no sanduíches do garoto.

O vento que entrava pela grande janela aberta, trazia o cheiro de ar puro que vinha das árvores pelo lado de fora. Se eles não tivessem sido jurados de morte e nem estarem com uma bomba nas maos. Estar ali seria realmente um sonho.

- Entao. Depois dessa noite estamos de volta? Quer dizer, namorando de novo?

A pergunta que Kris soltou fez os olhos de Tao o observarem, por ser treinado para ser um mercenário/assassino profisional, o fazia conhecer bem o ser humano é saber das maneiras mais complidas em descobri até mesmo se ele estava mentido.

Porém ele não sabia ao certo se Kris mentia bem ou se deixou levar pelo amor que o arrebatou e trouxe todos os problemas que estava passando agora.

Mesmo não admitindo isso, ele pensava lá no fundo de sua cachola, que era mais culpa dele do que o próprio Kris. Se ele fosse mais cauteloso, nada disso teria acontecido.

- Vamos ver. Você tentou me matar e quase fico morto mesmo. Mantive minha vingança porque temos agora sua agência contra mim e eu transei com você a noite passada.

- Nao. Você não transou Taozi, você fez amor comigo. - disse Kris passando confiança.

Huang revirou os lábios e deu mais uma mordida em seu sanduíches passando a língua pelo seus lábios, provocando o Wu.

- Ainda não respondeu minha pergunta. - soltou Kris tentando manter seu nervosismo discreto.

- Não sei. Fiquei observando desde de que chegamos ontem. A casa abarrotada de comida, quase não tendo poeira e tudo em ordem. Quem você traria para cá? - Uma sobrancelha de Tao se arqueou, dependo da resposta ele diria se sim ou nao.

Kris ficou em silenciou, observando Taozi a sua frente o esperando para dar a resposta. Ele ficou tentado em mentir, seria fácil dizer que não levaria ninguém para sua casa para passar o final de semana, mas isso poderia o matar lá na frente, e deixar escapar a única oportunidade que O universo estava dando para ele fazer a coisa certa.

- Na ouviu falar da família Lu? - Tão balançou a cabeça de uma forma positiva.

Quem não conhecia a grande família Lu eles eram conhecidos como os grandes e maiorais da China, e seu lado negro era bem rigoroso, ja que eles também tinham uma agência de assassinos para comandar as noites de Pequim. Só não sabia o que Isso interligava ao caso de Kris e a familia Lu.

- Sim. E o que Isso tem haver com voce?

- Meus pais antes de morrerem eram sócios da família Lu em tudo e até mesmo no narcotráfico e em vários contrabando que faziam. Eles têm um filho, o nome do garoto chamado LuHan. - Kris pegou o celular e mostrou uma foto do garoto. Ele sorria acenando para a câmera enquanto seu cabelo loiro voava ao vento, com uma camisa roxa e bermuda, Como se fossem para a praia. - LuHan assumiu a presidência a quase um ano, já que os pais dele morreram, e assumiu também da agência de assassinos onde trabalho e depois do acidente, eu comecei a sair com ele também.

Tao nao se surpreendeu. Kris era um homem lindo e que não demoraria a ter vários aos seus pés, já que ele era um magnata e assassino nas horas vagas, qual garoto ou garota não queria ter uma vida de loucuras? E se sim, Wu Yifan era a pessoa perfeita.

- Então é esse que vou matar depois de descobrirmos como vamos sobreviver a esse inferno. - O jeito sombrio que Tao falou, fez Kris se arrepender em falar alguma coisa.

- Não faça isso. Apenas deixa que eu termino com ele. Sabe que não te esqueci e é você que eu quero. - Kris estava sendo sincero, coisa rara para nós que somos homens.

Tao respirou fundo, o restante do café foi silencioso. Até que Kris o beijou.

- Ainda não me respondeu. - Sussurou ao pé do seu ouvido.

- Kris, eu te amo. Eu queria tanto me vingar pelo que fez, mas não consigo, não dar, essa droga de amor me faz querer te bater e te beijar ao mesmo tempo. Eu odeio tanto te amar, Wu Yifan.

Kris sorriu e pegou o garoto ao rodopio. Ele se ajoelhou e pegou a mão esquerda de Tao.

- Não tenho anel, mas aceitar seu meu esposo?

Tao gaguejou e se tremeu. Nunca em sua vida pensou em receber um pedido desses, Já que traria mais problemas. Mas se o destino está dando uma nova oportunidade, não seria ele que falaria alguma coisa.

- É claro que aceito. 

Kris o pegou e beijou. Até tudo ser terminado com uma notícia na tv. 

Esse é o jornal de Seul. Bom dia a todos. Nossa primeira manchete de hoje é a explosão na casa dos empresários D.O.

As imagens mostram a mansão de lazer da família em pedaços e temos notícia que Isso foi um atentando terrorista de uma facção chamada ZT. Atacando moradores ricos e importantes da nossa sociedade como formar de protestos. 

O repórter mostrava as imagens enquanto falava de Tao e Kris. Huang sendo o líder de uma facção criminosa que queria punir todos os benfeitores e ricos da cidade, junto ao projeto de criar assassinos e uma carnificina em vários locais pobres da cidade. 

- ELES não podem está fazendo isso. - esbravejou Kris com raiva. 

- Já que eu não estou morto. Eles vai fazer uma rebelião para não terem motivos para mim não ter uma redenção ou provar algo. O que eu fiz? 

- Não pergunta. - A voz vinha da porta. E lá estava o garoto loiro da foto, com um terno e óculos escuros. LuHan era até mais baixo do que o normal. - olá Kris. 

- LuHan o que está fazendo aqui? - Kris observou que ele estava sozinho e que seu sexto sentido gritava para que os dois corresem. 

- Primeiro, o bastardos aí vista algo. Você por outro lado Kris, pode ficar assim mesmo. - LuHan se sentou na cadeira perto da porta e observou os dois. 

- Você não me respondeu luHan. Porque está aqui? - Kris trocava os dentes enquanto soltava a pergunta, deixando LuHan mais animado. 

- Claro que por vocês dois. Porque mais estaria aqui? Eu quero a morte de Huang Zitao. 

Os dois chineses se entre olharam. 

- Porque, você não me conhece e ainda mais não fiz nada a voce. - Tao tentava manter a calma. Mas ele observava tudo ao seu redor numa tentativa de querer fugir dali. 

Não seria complicado já que aparentemente LuHan tinha vindo so. 

- Nada disso Tao. Estou vendo que os dois estão querendo fugir. Se tentarem iram morrer aqui mesmo. Trouxe uns amiguinhos para me ajudarem. Então, que tal sentarmos e conversarmos? - LuHan apontou para as poltronas que estava perto da Janela. 

- Deixa eu te refrescar sua memória, bastardo. A muito tempo atras. Sua Mãe foi morta, não foi? Enfim, você nunca viu o seu pai, pena, só que apareceu um testamento, dizendo que meu pai tinha mais um filho. Um bastardo. Chamado Huang Zitao. Que coincidência não acha? 

- Como sabe que é ele? Tem tantos Huang Zitao na china, Já que é um nome bem popular. - Kris comentou olhando para LuHan que p observava de uma forma peculiar. 

- Porque a droga do meu pai, depois de anos fazendo matanças e outras altrucidades, queria em sua morte fazer o politicamente correto, acredita nisso? Nem eu. Mas ele deixou uma foto recente e o testamento dizendo que por direto ele ficaria com 50 por cento de tudo que era dele. - LuHan se mantinha calmo e centrado, mesmo as vezes querendo se alterar por milésimos de segundo se retraia. - Só juntei o útil ao agradavel.

Kris olhou de relance para Tao e com a mão bateu na cadeiras, mandando uma mensagem em código Morse.

Manteha-se calmo. Vamos fugir ao Abrir uma brecha. 

Tao respirou fundo ao ouvir isso e se Kris tinha um plano, deveria ser melhor do que o dele, de querer avançar e assim podendo até morrer. 

- Mas se tem os outros 50 por cento, porque está ainda atrás de mim? Poderia muito bem alegar que estava morto ou outras coisas. - Tao estava querendo ganhar tempo e fazia perguntar, para distrair o garoto. 

- Poderia, Mas isso abriria inquéritos e mais investigações sobre também o meu passado. O meu plano era simples, mobilizar a empresa sobre você e fazer você pagar por todos os meus crimes. Seria facil. Se não tivesse o meu Wu Yifan no meio. - LuHan chegou perto de Yifan e pegou o queixo do garoto. - Porque me traiu? Porque está com ele, agora tenho que matar você tambem. 

Kris sorriu vitorioso. 

- Porque eu sabia quem era você é precisava manter você junto comigo. LuHan, Eu já sabia de muita coisa. Agora obrigado por facilitar meu trabalho. 

A rapidez de Kris fez Tao quase perder o braço. Ele pegou LuHan pelo braço e o girou, o fazendo ficar de cara no chão. 

Tao contou até 3 e balas perfuravam todo o quarto.
       Kris pegou LuHan e correram para o outro cômodo da casa, onde ficaria seguros. Tao sentou uma risada no braço direito, seu braço estava sangrando, uma bala tinha o acertado de raspão e por pouco ele nao perderia o braço. O sangue escorria, a sorte era que ele sabia destacar o sangramento. Pegou um uma fronha do outro quarto onde estavam e amarrou, apertando o sangramento.
            - Vai dizer para seus homens pararem de atirar. - Kris colocou o joelho em cima da Costa de LuHan que se debatia para sair. - Agora
        A muito contra gosto, LuHan parou os tiros. Algumas balas atravessaram o quarto vizinho para onde eles estavam.
      - Não vão sair dessas vivos. - LuHan comentou olhando para Kris. - Você poderia ser meu. Mas não quis. Agora vai morrer.
       - Temos que sair daqui. - Kris olhava e pensava num plano.
        - Desde de quando sabia disso? O que está me escondendo Yifan? - a pergunta agora era de um Tao enfurecido.
         - Desde de que comecei a namora voce. Descobri vários segredos e quando LuHan mandou extermina-lo, eu sabia que terianque ser eu. Então precisavam ser convicente. Eu joguei a bomba no meu apartamento, porque sabia que iria sobreviver. Eu estava a dois passos a frente dele.
       - Eu não vou te bater agora, ou surtar. Espero que tenha um plano.
           - Eu tenho.
      LuHan olhava para aquele pedaço de aborta e pensava no quão trabalho que seu pai deixou para ele resolver. Ele não dividiria a fortuna com ele. Não, isso nao. Já não bastava ele ter roubado Kris dele, agora tinha o dinheiro.
      - Você não deveria confiar em seus amigos Huang. Não achou estranho de um cara batendo na sua porta oferecendo seus trabalhos como T.I.?
         - O que você fez? - a raiva começou a brotar no rosto de Tao.
        LuHan riu, ele precisava desse tempo para poder sair daquela casa.
           - Xiumin, esse nome te lembra algo? Ou como conhecido como Kim Minseok. Ele foi o meu espião a muito tempo no seu grupinho. Porque achas que soube de Kris e porque achas que sei que tem um plano para me desmascara? Nesse exato momento, Minseok deve ter matado o seu amigo bastardo e queimado o esconderijo com ele lá dentro. - LuHan riu, de um jeito macabro e bem feliz com sua teoria. - Espero que ele esteja bem no inferno agora.
              - Voce...
        Só da ideia de perder Lay, fez ele cometer o maior erro de sua vida, Se distrair. Ao chegar próximo de LuHan, o garoto disparou bombas de gás venenoso. Ele levantou e correu para saído do quarto. Enquanto Huang quase desmaia se não fosse Kris com lençol molhado no rosto o pegar.
         - Vamos sair daqui. Eu já tenho o que queria. - Disse Kris pegando no colo o seu novo esposo.
        LuHan saiu correndo dando a ordem para disparar na casa. Kris desceu as escadas aos tropeços por causa de Tao ficando zonzo. 
Ao ouvir os tiros e mais tiros. Uma bala acertou a perna direita de Kris, que o fez fraquejar e cair rolando com Tao da escada.            Tao tinha batido a cabeça e desmaiado enquanto Kris estava sangrando. As balas pararam e Kris contou até 20 onde LuHan estava em sua frente.
           - Adeus Bastardo.
        Ele apenas ouviu o gatilho da arma e a bala sair do revolver. Uma bala acertou Tao, seu corpo nem ao menos se mexeu, para defender o namorado.
       - Tao. Nao, Tao... - A voz fraca e cansanda, as balas que pegou de raspão fazia filetes de sangue e a dor na perna devido a queda estava o matando.
         - Adeus Yifan.
    Yifan apenas ouviu o Tiro e tudo ficou escuro. 


Notas Finais


Penúltimo capítulo minha gente. Já já posto o ultimo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...