História Mr. Problem - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Super Junior
Personagens Choi Siwon, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk"
Tags Super Junior
Visualizações 56
Palavras 1.982
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura! ♡

Capítulo 3 - Solicitude


O sol, de maneira tímida, ia pedindo passagem para a noite, que cedia de bom grado.
 

 Agradecia com todas as minhas forças poder assistir o sol nascer durante meus plantões no hospital, era como se todas as minhas energias voltassem, e parecia que eu poderia fazer plantões consecutivos, e como eu disse, parecia, porque meu corpo começava a dar sinais fortes de cansaço e de que queria - com grande urgência - deitar na cama que já lhe era familiar, me espreguicei e fui em direção a minha sala organizar minhas coisas, já que havia dado a minha hora.

Mesmo com o sol se fazendo - agora - completamente presente no céu, o frio não dava trégua alguma, fui em direção ao meu carro e assim que me sentei no banco do motorista, já ajustei o ar-condicionado para o mais quente possível, já estava com o carro em movimento quando meu corpo começou a relaxar em contato com o ar quente, o hospital psiquiátrico ficava há uns 20 minutos, de carro, do meu apartamento.

 Não demorou muito para eu enxergar a entrada da garagem que eu conhecia muito bem, depois que eu estacionei o carro, peguei minhas coisas e fui em direção ao elevador, eu estava começando a ficar totalmente esgotado, adoro o meu trabalho, mas fazer plantões é realmente difícil, ainda mais para alguém que não se permite dormir - sim, eu não tiro nem um cochilo de 5 minutos -  e não pense que é porque eu acho errado, mas para mim, cochilar é literalmente uma cilada, assim que eu acordo, meu humor está péssimo, - o que não ocorre quando eu tenho horas, ao invés de minutos, para dormir -, eu fico totalmente sem paciência, e a minha única e exclusiva vontade, é voltar a dormir.

Entrei em meu apartamento e tirei meus sapatos, pendurei meu casaco, tirei meu jaleco da mochila e fiz o mesmo com ele. Fui em direção ao quarto, já estava fodido de sono, mas precisava de um banho, peguei a calça de moletom que eu usava como pijama e uma blusa qualquer, tomei uma banho rápido e me permiti desfrutar daquele paraíso conhecido como: minha cama.
                                                                      [...]

 Comecei a acordar as poucos, meu corpo dando indícios de que havia descansado o suficiente, peguei meu celular e notei que já passava das 14h, haviam algumas mensagens para mim, mas em um primeiro momento eu só queria relaxar, então resolvi não responder de imediato, fui em direção a cozinha preparar algo para comer. Depois de estar devidamente alimentado, me sentei no sofá, liguei a tv, e resolvi ler as mensagens, tinham algumas aleatórias de alguns grupos, e a única que me chamou atenção a ponto de responder foi a do meu melhor amigo.


 

Heechul: Preciso sair, vamos em uma festa hoje.

Eu: Sem festas.

Heechul: Como assim “sem festas” Lee Donghae?!

Eu: Eu não estou no clima, ok?

Heechul: Amanhã você não trabalha, já dormiu quase o dia todo e vem com essa para cima de mim?

Eu: Que tal eu jantar com você? Depois você vai para uma festa.

Heechul: Você já foi um amigo melhor, mas aceito o jantar, e se prepara, eu vou escolher o lugar e quem vai pagar é você.

Eu: Alguma novidade?!

Heechul: Depois te mando o endereço e o horário, beijos.

 

Poucos minutos depois eu recebi a mensagem com a resposta do lugar e horário que iriam assaltar o meu bolso, certo Donghae, porque você continua sendo amigo desse cara mesmo? Por mais que eu me perguntasse sobre isso, Heechul era uma das melhores partes da minha vida, ele era literalmente aquele amigo que faria qualquer coisa por uma amizade e era uma das poucas pessoas pela qual eu iria contra a minha própria vontade para ver feliz, mas não quer dizer que ele seja perfeito, ele adorava sair e fazer eu pagar a conta. Enviei só um “ok”, bater boca não adiantaria em nada.

Decidi ir fazer uma caminhada seguida de alguns picos de corrida, não quero ficar sedentário e adoro manter algum contato com a natureza, coloquei uma roupa confortável para tal atividade, peguei uma garrafinha com água, coloquei os fones e fui em direção a porta para colocar um calçado e sair.

O tempo não estava muito mais quente do que pela manhã, mas estava levemente mais suportável, ainda bem que daqui a pouco eu iria estar passando calor, se não fosse por isso, eu abandonaria a ideia de fazer uma caminhada e correria para o quentinho do meu apartamento. Durante o trajeto lembrei que precisava de algumas coisas para dentro de casa, decidi passar no mercado depois que havia terminado a caminhada, eram poucas coisas que eu tinha que comprar, me apressei em pegar o necessário, paguei tudo e fiz o caminho até em casa.

Já passava das 18h, eu ainda tinha um tempinho sobrando antes de ter que me arrumar para ir encontrar o Heechul, organizei as coisas que eu havia comprado e coloquei tudo em seu devido lugar, fui tomar um banho porque não aguentava mais estar suado daquele jeito, só coloquei uma roupa de ficar em casa - por enquanto - , fiquei no celular olhando as redes sociais e jogando conversa a fora.


 

Eu: Você escolheu o restaurante mais caro, não é? Que tipo de melhor amigo você é?!

Heechul: Olha, eu realmente fiquei tentado a escolher o mais caro, mas fica muito longe da festa que eu quero ir. E eu sou o melhor amigo do mundo.


 

Óbvio que ele pensou em ir no mais caro, se tem uma coisa que o meu melhor amigo gosta, é de ir em lugares caros, e a justificativa dele é: “O melhor para o melhor”.


 

Eu: Você é péssimo, isso sim.

Heechul: Ah, cala a boca! Você me ama. Outra coisa, você tem que passar aqui em casa para me buscar e irmos para o restaurante.

Eu: Eu virei motorista particular? Ei, eu não sou esses caras que você pega vez ou outra, que te buscam em casa e levam para lugares caros.

Heechul: Você anda com um péssimo humor, é falta de foda? Posso te ajudar, é só pedir.

Eu: Prefiro morrer seco.

 

Heechul nunca perde a chance de me infernizar, não, nós nunca sequer ficamos, meu único sentimento por ele é exclusivamente o amor que eu tenho por um irmão, nada além disso. Ele nunca tentou algo e nem eu, acredito que quando uma relação começa com o intuito de ser amizade, é isso e ponto. Mas isso não quer dizer que ele perderia a chance de brincar com isso. Lembro de uma vez em que eu estava ficando com um cara e ele cismou com o mesmo e simplesmente começou a me tratar como se nós estivéssemos namorando, ele fez um escândalo, começou a me xingar e gritar dizendo que eu era dele e o escambau.


 

Heechul: Olha só, eu sou muito gostoso para você, e estou tentando fazer uma caridade aqui.

Eu: Agradeço a boa vontade, óh pessoa mais gostosa do mundo, mas recuso a boa ação. 

Heechul: Bom, é você quem perde. Esteja aqui às 21h e em ponto, você sabe que não suporto ficar esperando.

Eu: Estou aqui pensando quando foi que eu aceitei ir te buscar.

Heechul: Ai de você se não vier, Lee Donghae.

 

 Achava muito engraçado quando ele falava todo o meu nome, geralmente isso era para expressar o quão sério estava falando, e mesmo rindo da cara dele, eu sabia que era realmente sério, e se tem uma coisa que eu evito com todas as minhas forças, é um Heechul bravo, é péssimo mesmo, as vezes me pergunto se ele seria capaz de matar naquele estado.

 Não tinha notado em como as horas haviam passado rápido, já era quase 20h, resolvi ir me arrumar, optei por uma roupa mais versátil, algo não muito extravagante e nem muito casual, terminei de me arrumar e fui buscar o Heechul. Cheguei 21h em ponto em frente ao seu prédio, ele estava me esperando, era assombrosa a pontualidade desse cara.


 

- Oi, coisa linda. - Disse com total sarcasmo na voz e dei partida no carro.

- Vejam só, nem parece aquele velho rabugento com quem eu estava trocando mensagens. - fingiu uma cara de surpresa.

- Eram saudades de você, meu humor ficou muito melhor só de te ver. - Não nos aguentamos e caímos na gargalhada.

- Isso foi péssimo. - Disse em meio aos risos.


 

Depois de um tempo brincando um com a cara do outro, acalmamos os risos e como eu sabia que o meu melhor amigo queria perguntar algo, olhei por breves segundos para ele, lhe dando uma permissão muda.


 

- Como estão as coisas no hospital?

- Está tudo normal, mas tenho que aprender a dormir pelo menos um pouco durante os plantões. - Assim que terminei de falar Heechul começou a rir muito.

- Cara, nem tenta, ok? - Ele disse ainda rindo - A humanidade agradece.

- Eu sei que eu fico um pouco de mau humor.. - Ele me interrompe

- Que eufemismo é esse Donghae?! - Perguntou como se eu tivesse cometido um crime - Seu humor fica péssimo, cara! É insuportável ficar perto de você depois que você tira um cochilo.

- Ok, eu reconheço que fica realmente ruim - Ele levantou as mãos agradecendo eu ter consciência disso - Mas cara, eu estou ficando muito cansado mesmo não sendo tantos plantões.

- Você precisa de férias isso sim, eu admiro como você se dedica e tudo mais

- Obrigado - Falo lhe interrompendo e lançando um sorriso.  

- Mas é sério, você vai se esgotar desse jeito.

- Vou dar um jeito nisso, ok? - Olho para o seu rosto assim que termino de estacionar o carro.

- Se não der, eu te prendo em casa e passo só para te alimentar. - Rimos


 

O Jantar seguiu tranquilo, o lugar que havia sido escolhido era realmente muito bonito, com certeza tinham que ser feitas reservas meses antes, e eu até estranharia se não soubesse a quantidades de "amigos" que Heechul. Ele me contou das suas aventuras amorosas e eu só conseguia rir, nunca vi alguém com dedo tão podre, não que eu seja o melhor para falar sobre isso, mas acabei me dedicando tanto ao trabalho que acabei parando de procurar alguém. E esse assunto também surgiu durante o jantar, meu melhor amigo começou a dizer que eu tinha que achar alguém, que eu estava muito sozinho e essas coisas.

Depois do jantar óbvio que eu tive que levar a princesa para a maldita festa, era perto da 0h quando o larguei em frente a boate. Resolvi estacionar do outro lado e ir em um mercado para comprar sorvete, eu havia esquecido de comprar mais cedo e tinha como ritual comer o meu sorvete nos meus dias de folga.

E tudo estaria bem se, ao sair da loja eu visse alguém passando realmente mal, possivelmente uma crise de ansiedade, ou que só estava bêbado, não me parecia ser só alguém que sofreria com a ressaca no dia seguinte.

Atravessei a rua e fui em direção ao homem que cada vez me preocupava mais, eu tinha que abordar ele com muito calma, não sabia do que se tratava e nem queria o assustar, consegui me aproximar o suficiente e com muita calma o chamei.


 

- Oi, você está bem? - perguntei esperando ele me olhar ou fazer qualquer coisa

- E-eu... -  Tentou continuar mas parecia não conseguir formular o que falar, seu olhar, que fitava o chão, era totalmente perdido.

- Está tudo bem, eu sou médico. - Disse o mais direto e calmo possível.

 

Ele demorou mais um tempo tentando me responder e com as respiração descompassada e os olhos totalmente em pânico, fitou os meus e por fim disse..

 

“Por favor, me ajuda”

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...