História Mrs. Bieber - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Barbara Palvin, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Barbara Palvin, Justin Bieber
Tags Drama, Mrs Bieber, Obsessão, Possessão
Visualizações 695
Palavras 2.696
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, meu amoresss! Não esqueçam de ler as notas finais, porque tem uma coisa importante lá!
Obrigada pelos +3300 favoritos e por todos os comentários do capítulo passado!! Vocês são incríveis <33
Boa leitura! <3

Capítulo 17 - Voltando a sonhar


Fanfic / Fanfiction Mrs. Bieber - Capítulo 17 - Voltando a sonhar

 

P.O.V. Angeline Hill

 

Conforme os dias se passavam, eu me sentia cada vez mais grata por ter JustIn em minha vida. Com Bryan já não importunando, nosso relacionamento foi melhorando. Eu não queria desperdiçar mais nenhuma chance de ser feliz.

 

FLASHBACK ATLANTA — Nove meses atrás

— E então, Angel, você conseguiu pagar o aluguel com a dica que te dei? — Ashley perguntou e eu assenti, dando um pequeno sorriso.

— Sim, já até saí daquele supermercado que trabalhava e estou tendo tempo para estudar agora… Acho que consigo fazer isso até me formar na faculdade.

— Faculdade? —  ela pergunta surpresa. —  Nossa, eu nem pensei no que vou querer fazer ainda. —  ela ri. —  Você já tem uma ideia?

— Sim…  Andei pensando em psicologia. — respondo com um sorriso.

— Ei! — paramos de andar ao ouvir o grito, nos virando.

 

Com o corredor da escola lotado era difícil descobrir de onde vinha o chamamento. Tantas pessoas gritavam e riam que nos deixava desnorteadas. Olhei para Ashley que deu de ombros, segurando minha mão levemente e puxando para me incentivar a seguir o caminho. De qualquer forma, acho difícil que tenham chamado uma de nós, eu e Ashley não somos conhecidas como uma das mais populares da escola, apesar de nós nos considerarmos muito bonitas.

 

— Enfim, psicologia é legal, só não imaginava que te atraía. — Ashley retoma o assunto.

— Jura? — rio. — O que você tinha pensado que eu queria?

— Ah, aí você me pegou. — ela ri de volta.

— Ei! — escuto o grito novamente.

 

Viro novamente, já curiosa e me surpreendo ainda mais ao ver Caleb Morris procurando por mim.

 

— Sim? — pergunto ainda sem acreditar.

— Angeline… Né? — ele pergunta de um jeito fofo, como se estivesse meio inseguro.

— Sim… Fazemos juntos quase todas as aulas. — eu rio forçado, tentando descontrair.

— Ah, eu sei! Só não lembrava o seu nome mesmo. — olho para Ashley que revira os olhos. Mando um olhar duro a ela. Ela sempre soube da minha paixonite por ele. — Bom, por que a gente não sai desse corredor e conversa em outro lugar? Ainda tem um bom tempo do intervalo. — ele sugere, fazendo meu coração disparar.

— Pode ser. — eu digo, despedindo da minha amiga com um aceno e um olhar empolgado, enquanto ela mandava eu me foder silenciosamente por deixá-la sozinha.

 

— Angeline Hill? Angeline?

 

Sou tirada de meus pensamentos com dedos estalando em minha frente. Balanço a cabeça para espantar as memórias. Detesto lembrar de tudo o que ocorreu antes de San Francisco. Não quero que o ponto baixo da minha vida mude algo da minha incrível vida atual.

Olho para frente tendo a visão de uma mulher muito bonita. Me surpreendo com sua aparência. Seus olhos azuis se assemelhavam aos meus, mas o seu cabelo loiro claríssimo se distinguia do meu, um castanho claro.

 

— Ah, sim, me desculpe! — peço, retomando a consciência. — Você já está aqui há muito tempo? — pergunto sem graça, me levantando da cadeira da minha sala, me aproximando da porta para falar com a mulher.

—Não! Imagina! — ela responde bem humorada. — Bom, nós não nos conhecemos… É, na verdade, eu te conheço, mas você não me conhece, então… Sim! Não nos conhecemos. — ela conclui atrapalhada. Rio com seu bom humor. — Bom, na prática só Justin me conhece. Sou amiga dele! — ela explica mais calma. — Meu nome é Alice. — ela se apresenta, estendendo a mão. Retribuo o gesto.

— Meu nome é Angeline, mas isso você já sabe — brinco, quebrando o gelo entre nós.

— Então, eu sei que o seu horário de almoço é daqui há pouco e eu não quero atrapalhar, só vim aqui para te fazer um convite. — ela diz, forçando um sorriso. — Nesse final de semana, farei uma festa de aniversário, gostaria que você fosse. — ela diz direta.

— Sério? — me surpreendo. — Claro, eu irei.

— Perfeito! Já entreguei os convites para Justin, espero te ver lá. — ela pisca, deixando a minha sala.

 

Volto a me sentar em minha cadeira quando Alice sai, tentando voltar a me concentrar em meu trabalho.

 

[...]

DIAS DEPOIS

 

— Eu estou muito ansiosa! Faz tanto tempo que não vejo Crystal. Sinto tanta saudade dela. — deixo escapar assim que Justin estaciona o carro em uma das vagas da nova escola de Crystal.

 

Quando Justin disse que arranjaria uma nova escola para minha irmã, não imaginaria que seria tão rápido e que seria um internato. Tive muitos receios antes de permitir que Crystal frequentasse aulas experimentais durante essa semana, mas meu coração acalmou ao ver o bom funcionamento da escola durante a visita em que estive presente no início da semana e ao receber a informação que minha irmã passaria os fins de semana comigo.

 

— Relaxa um pouco, Angel. — Justin ri, saindo do veículo.

— Será que ela gostou? E se ela tiver se sentido sozinha nessa semana? Eu disse que não era uma boa ideia…

— É sério, meu amor, relaxa. Se ela não tivesse gostado, teria pedido para ligarem para nós logo no início da semana. Ela não esperaria até sexta.

— Sim… Acho que você está certo. — digo, acalmando meu coração.

 

Justin segura minha mão, seguindo caminho para a entrada do internato e logo de longe consigo observar Crystal no playground montado na frente do edifício. Sorrio grande ao vê-la correndo, brincando e rindo com outras quatro crianças próximas a ela.

 

— Viu? Ela está bem! — Justin diz, apontando para ela, que sequer nota a nossa presença. — Acho que a maior dificuldade vai ser levá-la para casa agora. Não duvido que ela te troque. — ele brinca.

Dou um leve empurrão em seu ombro. — Nem brinque com isso.

 

Cruzo os braços e volto a observar Crystal que não demora muito a me notar, dizendo algo para os colegas e correndo para me abraçar.

— Angel, Angel! Essa semana foi muito legal! — ela diz animada e pulando. — Eu vou poder voltar aqui?

 

Olho para Justin que me manda um olhar cúmplice junto com um leve sorriso de lado.

 

— Claro, meu amor! — digo, ganhando um abraço de imediato dela. — Só tem uma condição. — arqueio a sobrancelha.

— Qual?

— Você vai ter que passar todos os fins de semana comigo! — grito, segurando seu pequeno corpo e rodopiando no ar.

 

É tão bom ver a minha menininha feliz.

 

[...]

 

Durante toda a tarde, Crystal não parou de contar com empolgação detalhes da sua nova escola e eu não poderia estar mais feliz. Ela parecia outra criança. Os olhinhos tristes deram lugar a olhos felizes e cheios de animação.

Parece que ao menos uma decisão eu tomei certo em minha vida.

 

— Tudo bem, Crystal. Agora é hora de dormir. — digo, desligando a televisão de seu quarto.

— Não, Angel! — ela responde manhosa. — Eu tenho mesmo?

— Sim. Já passou meia hora do seu horário e preciso terminar de me arrumar para o compromisso que te falei. — digo, me referindo a festa de Alice.

— Eu não posso ir mesmo? — ela pergunta se embolando.

Puxo sua coberta até o pescoço e nego. — Hoje não, mas prometo que amanhã eu te levo para tomar muito sorvete! — sugiro, fazendo algumas cócegas em sua barriga coberta.

— Cócegas não! — ela grita em meio aos risos.

— Eu só vou parar porque agora já é hora de bebê dormir. — brinco, vendo-a mostrar a língua. — Boa noite, meu amor.

— Boa noite, Angel.

 

Apago a luz, encostando a porta e seguindo para o meu quarto, para terminar a maquiagem, que finalizo em questão de minutos.

Encosto a porta do quarto depois de sair, seguindo caminho para o corredor para descer as escadas.

 

— Ow! Você está incrível! — Justin elogia.

Sorrio. — Obrigada, você está ótimo também.

 

Entramos na limusine que Aaron já nos esperava com a porta aberta e fomos a caminho da festa.

 

[...]

 

Ao adentrar o enorme salão, fico boquiaberta. Não imaginava que a festa seria tão chique e chamativa.

 

— Justin! Angel! — Alice nos cumprimenta com dois beijos na bochecha. — Fico feliz que vieram!

— Tudo aqui está impecável, Alice. — Justin elogia. — Seu pai está onde?

— Não podia esperar para falar de negócios? — ela pergunta retórica, revirando os olhos. — Ele está no bar à direita. Deixe Angeline comigo enquanto você trata dos seus assuntos chatos.

— Tudo bem por você, meu amor? — Justin pergunta.

— Claro. Depois nos encontramos. — respondo com um leve sorriso, encostando nossos lábios levemente.

— Parabéns pela festa, Alice, obrigada por me convidar. — quebro o silêncio.

— Não precisa agradecer! Eu e Justin somos muito amigos, gosto de ter por perto quem ele se importa. Vamos sair do meio do pessoal, vou te apresentar umas amigas. — ela diz, já me puxando para uma das extremidades do salão. — Gente, essa é a Angeline. Angel, essas são Angie, Alyssa e Brianna. — Alice apresenta, apontando para as três garotas sentadas em um sofá afastado do salão.

— Muito prazer, Angel! — Brianna cumprimenta simpática e as outras sorriem.

— Olha, eu vou precisar cumprimentar outros convidados, mas logo eu volto aqui! — Alice avisa apressada, me dando um beijo na bochecha e me deixando sem que eu pudesse falar algo.

— Senta aqui, Angel! Prometo que a gente não morde! — Angie diz bem humorada, o que me faz rir.

Sento ao lado de Alyssa, tímida. — E aí, Angel, quantos anos você tem? — Alyssa pergunta.

— Eu tenho dezenove, me mudei para San Francisco há poucos meses.

— Nossa, que nova! — Brianna responde. — Eu tenho vinte e quatro, Alyssa tem a mesma idade que você e Angie tem vinte e cinco. Eu e Angie trabalhamos como editoras chefe em uma revista e Alyssa faz faculdade de direito. Você estuda o quê?

Coro com a pergunta, ficando envergonhada. — Eu na verdade não estou fazendo faculdade, eu trabalho em uma empresa.

— Sério? — Angie pergunta dessa vez. — Desculpe, não quero ser indelicada, mas isso não te atrapalha profissionalmente? Digo, não é em todo lugar que pagam bem para alguém sem ensino superior…

— Ah, para falar a verdade eu não estou no auge da minha vida, sabe? Eu tenho uma irmã pequena a quem preciso cuidar e não tenho muito tempo para estudo.

— Sinto muito, Angel. Não queríamos ser indelicadas. — Angie se desculpa, parecendo envergonhada. — Acho incrível você abrir mão de uma grande parte da sua vida por um bem maior. Isso é inspirador.

— Não se preocupe… Não foram indelicadas. — as acalmo, já que as três pareciam bastante envergonhadas com o assunto. — E para ser sincera, se eu tivesse uma oportunidade, eu também faria as coisas bem diferentes.

— Bom, quando a sua vida acalmar, acho que seria uma boa ideia você correr atrás dos seus sonhos. — Alyssa diz, após um longo episódio de silêncio.

— E pense, também, que agora você vai ter a nós para te ajudar. — Angie completa e as outras duas concordam.

— Nossa, Angel! Eu te procurei pelo salão todo! — Justin diz afobado.

— Ah, desculpa. Alice acabou me deixando aqui com as meninas. — respondo com um meio sorriso.

— Tudo bem, sem problemas. E está tudo bem? Digo… Se você quiser pode vir comigo para o bar… — ele sugere, passando uma das mãos na cabeça.

— Não. Está tudo bem aqui. — respondo, olhando para as meninas que sorriem concordando.

— Tudo bem. Depois nos vemos, então. — ele diz, colando nossos lábios e se afastando.

— Oh, meu Deus! Você está com o Bieber? — Alyssa pergunta de olhos arregalados.

— Ah sim… Estamos namorando. — respondo envergonhada.

— Aquele homem é um pedaço de mau caminho! — Brianna elogia, fingindo se abanar.

— Elas estão dizendo isso com todo o respeito, Angel. — Angie alfineta sarcástica. — Eu estou namorando com Ryan, o amigo dele. Não sei se você já o conhece.

— Infelizmente ainda não, Angie, mas já estou vendo uma ótima oportunidade para sairmos juntas!

— E, se o Justin tiver outros amigos gatos, nós também! — Alyssa brinca, fazendo todas rirmos.

 

[...]

 

— Angel, quero que conheça uma pessoa antes de irmos. — Justin diz animado.

 

Após passar quase quatro horas com Alyssa, Angie e Brianna, em que bebemos, dançamos e rimos, acabei me encontrando com Justin no “Parabéns” a Alice. Nunca pensei que ficaria triste de encontrá-lo, mas me diverti tanto com as meninas que só queria voltar a vê-las logo.

— Jeremy, essa é Angeline. Angel, esse é o meu pai, Jeremy Bieber.

Minhas bochechas ficam vermelhas. — M-Muito prazer, senhor.

— Não precisa me chamar de senhor, querida! — ele ri com o meu modo desajeitado. — Somos família agora. Pode me chamar de Jeremy.

— Obrigada, Jeremy.

Rimos juntos e logo Pattie chega, me cumprimentando com dois beijos na bochecha. — Olá, querida, quanto tempo! Precisamos marcar aquele chá que estávamos conversando.

— Com certeza, Pattie.

— Agora que já se conheceram, deixamos a troca de detalhe para depois, pois nós já estamos indo embora. — ele diz, ao olhar para seu relógio de pulso.

 

Realmente já estava tarde. Passava-se das quatro horas da manhã e muitos estavam deixando a festa.

 

— Sem problemas, querido. — Pattie sorri compreensiva. — Foi um prazer como sempre, Angel, espero vê-la em breve.

— Eu também, Pattie. — retribuo o sorriso. — Foi um prazer, Jeremy.

 

Após nos despedirmos de quase todos da festa, fomos para a entrada da festa, onde o motorista noturno de Justin já estava nos esperando com a limusine.

Sem nem mesmo perceber, peguei no sono, após encostar a cabeça no ombro de Justin.

 

FLASHBACK ATLANTA — Oito meses atrás

— Aquele filme era hilário! — eu digo ao deixar a sala de cinema com Caleb, que ria tanto quanto eu.

— Foi sensacional. — ele diz, após deixar de rir.

Caleb leva a sua mão até o meu rosto, onde passa a mão suavemente e coloca uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha.

 

“Ah meu Deus! Eu não acredito que isso vai acontecer!” — meu subconsciente grita tão animado quanto minha barriga, que tremia com a emoção.

 

— Você é muito especial, Angeline Hill. — ele diz. Seus olhos olhavam diretamente nos meus e suas mãos seguiam para a minha cintura.

— Eu penso o mesmo de você. — admito, fechando os olhos a tempo de sentir os seus lábios se juntarem aos meus.

 

Acordo em um solavanco, respirando pesado... Que sonho foi esse? Caleb Morris é parte do meu passado, não entendo o porquê de estar voltando a sonhar com ele agora.

 

— Bom dia, dorminhoca. — Justin diz, entrando no quarto, estando vestindo somente com uma toalha amarrada em volta da cintura.

— Eu acabei dormindo aqui? — pergunto ao constatar o óbvio.

— Sim. Você praticamente desmaiou na limusine ontem. — ele riu.

— Ah, sim. Achei estranho eu dormir aqui.

Justin entra no closet, fechando a porta. — Você vai à empresa hoje? — ele pergunta.

— Então, era sobre isso que eu queria falar com você…

— O que aconteceu? — ele pergunta, após sair do closet, já estando vestido com o seu típico terno preto.

Levanto meu corpo, ficando sentada na cama. — Então, eu sei que você faz muito por mim, mas eu andei pensando… Bom, na verdade eu conversei também com algumas pessoas e… — ele me interrompe.

— Angel, só diga de uma vez! Você está me assustando desse jeito. — ele diz, sentando-se no canto da cama, próximo a mim.

— Eu só não sei se quero continuar na empresa. — digo de uma vez. — Digo, não na mesma frequência que estou tendo.

— Ai, credo, que susto! Achei que você fosse terminar comigo. — ele diz, pondo a mão no coração, visivelmente aliviado. — Sem problemas, meu amor, acho uma ótima ideia você sair da empresa também, mas… Eu poderia perguntar o porquê?

— Sabe, eu sempre quis fazer faculdade… E, agora que a minha vida deu uma acalmada, eu estou pensando em começar. Lógico que eu pagaria por ela… Eu posso ficar meio período na empresa, não sei, mas é algo que realmente quero.

— Meu amor, eu acho uma ideia ótima, só não concordo com o fato de você continuar na empresa. — ele diz, me deixando confusa.

— Você está me demitindo?

— Claro que não! — ele ri. — Angel, pense… Você não vai ter tempo para estudar se continuar trabalhando.

— Justin, de algum jeito eu vou precisar pagar a faculdade!

— Eu pago para você! — ele dispara. O olho brava. — Meu amor, eu sou rico. Tenho mais dinheiro do que você pode imaginar. Não vai fazer mal algum eu pagar a sua faculdade. Pelo contrário, não vai fazer cócegas na minha conta bancária.

— Eu detesto usar o seu dinheiro, Justin.

— Você não vai usar. Encare isso como um presente. — ele sugere. — E eu não vou aceitar não como resposta.

— Tudo bem, mas prometo que isso vai ser temporário e quando eu me formar eu te pago tudo!

— Faremos sua matrícula segunda. — ele diz com um meio sorriso.


Notas Finais


>>>Eu sei que esse capítulo não teve bomba nem nada, mas é porque toda história tem esse capítulo ruim. Só não esqueçam: não é porque esse capítulo não tem bomba, que ele não é importante. Tem umas chaves, como o flashback que vai ser suuuuper importante no próximo capítulo e o fato de ela sair da empresa. Acreditem, tudo o que eu escrevo tem um motivo!!!!
>>>Era para eu ter atualizado antes, mas como eu sou cagada o meu filho ave ficou doente (por filho ave digo minha calopsita) e eu fiquei super preocupada, porque tenho ele há quase 7 anos e ele é o amor da minha vida, mas agora ele já está bem gente, graças a Deus.
>>>Peço por favor para que vocês comentem nesse capítulo o que vocês acharam! COMENTEM O QUE QUEREM QUE ACONTEÇA, O QUE PENSAM SOBRE O JUSTIN E A ANGEL E T U D O, sério, quero muito ver onde a imaginação de vocês pode levá-los!!!
>>>MAIS UMA VEZ AGRADEÇO PELOS +3300 FAVORITOS E POR TODOS OS COMENTÁRIOS DO CAPÍTULO PASSADO! Eu amo vocês.
>>>TRAILER DA FANFIC: https://youtu.be/ZR4gdwtuT_8
>>>DIVULGUEM A FANFIC E O TRAILER PARA OS AMIGOS!
>>>Espero vocês nos comentários!

XOXO,
Margo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...