1. Spirit Fanfics >
  2. Mudanças >
  3. Jogo erótico

História Mudanças - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo narrado pela personagem feminina

Capítulo 12 - Jogo erótico


Safira


Sair em um dia de semana e após um intenso round no jogo inusitado que Matteo e eu insistíamos em jogar deu uma gás a mais em nossa intricada tortura. Ele, de qualquer maneira que se vestisse, jogaria sujo. A principal arma dele era o olhar. Matteo era do tipo que não precisava tirar a roupa para levar uma mulher à loucura. Um simples olhar dele e você, pobrezinha, estaria no céu. Eu, por outro lado, gostava de apelar para meus atributos físicos na hora da conquista, mas nada muito revelador, apenas insinuante. Usei um macacão preto, sem mangas, com delicado decote em V que mostrava apenas um pouquinho de meus seios e um pouco mais de minha tatuagem. A calça, apesar de larga, revelava bem minhas curvas nessa parte de meu corpo, acentuadas pelos sapatos de salto altíssimo na cor vermelha. Prendi meu cabelo em um rabo de cavalo alto, trançando a parte solta.

O olhar dele sobre mim durante todo o breve jantar antes de realmente partirmos para a dança foi meu primeiro momento de triunfo aquela noite. Era puro desejo. Correspondia com olhares ainda mais lascivos, fazendo-o se ajeitar na cadeira em minha frente. Claro que meu irmão estava super feliz por tudo aquilo que estava acontecendo; ele sabia o que tinha acontecido mais cedo.

Já na danceteria, movimentada para um dia de semana, começamos devagar, nós quatro juntos, sem maiores provocações. Uma dança descontraída à medida que nossos instintos ficavam aguçados.

_ Você quer alguma coisa? – Ele sussurrou em meu ouvido, passando a mão sorrateiramente em minhas costas.

Sorri sensual para ele antes de responder:

_ Estou bem, vou continuar aqui.

Seu rosto se aproximou ainda mais do meu, quase me beijando antes de ele voltar a sussurrar:

_ Me espere aqui. – Ele beijou minha orelha.

Eu ri para ele, correspondendo sua provocação.

Sozinha, continuei dançando normalmente. Acompanhei com o olhar Matteo se aproximar do balcão e esperar por um atendente. Uma mulher linda brotou do lado dele, jogando seu charme para ele. Ele a cumprimentou sorrindo. Vi que ela se deixou fisgar pelo olhar encantador de Matteo. Ela se aproximou e disse algo no ouvido dele. Ele se animou com o que ela tinha falado. Ela sorriu ainda mais. Ele se aproximou dela, deixando sua boca bem perto de seu ouvido. Enquanto ele cochichava algo para ela, olhou para mim, provocante. Eu sabia que estava com ciúmes e que meu olhar para ele foi colérico. Em um movimento infantil, admito, virei às costas para ele e continuei a mover meu corpo com a batida da música. Deixei que ela me levasse para um lugar melhor, onde eu reinava absoluta.

Passei boa parte daquela noite ignorando-o. Nem sabia onde ele estava quando finalmente cedi ao desejo por água de meu corpo. Me dirigi ao bar. Parada em um canto do bar, estava minha primeira protegida. Sorri antes de ela me ver. Paguei uma garrava de água e me dirigi a ela.

_ Elle? – Chamei já ao seu lado.

Quando me viu, ela soltou seu mais lindo sorriso. Meu coração se derreteu por completo.

_ Safira! – Ela me abraçou carinhosamente.

_ Quanto tempo.

_ Muito. O que tem feito?

_ Nada de mais. E você?

_ Virei dona de uma academia, acredita?

_ Sério?

_ Sim. Ainda é pequena, mas tem me dado bons lucros. E você, conseguiu terminar o seu curso?

_ Sim, há dois anos. Hoje eu trabalho como secretária em uma empresa de tecnologia e presto suporte a eles em relação às línguas que entendo.

_ É verdade. Você entende muito de algumas línguas asiáticas, e nesse ramo eles são feras.

_ São mesmo. Fui a uma feira do ramo com eles há pouco tempo atrás e me deslumbrei com as novas descobertas.

_ Deve ter sido incrível.

_ Você nem imagina como! – Claro que não contaria a ela que o principal motivo foi a noite tórrida com Matteo.

Meus olhos encontraram com os dele assim que pensei em seu nome. Ele sorriu, me provocando enquanto continuava a conversar com a mesma mulher do bar em uma área reservada.

_ Quem é aquele homem? – Elle também notou o olhar dele.

_ Meu chefe. – Respondi nada feliz.

_ Ele parece estar muito atraído por você. – Ela se aproximou ainda mais de mim.

_ Eu e ele tivemos um caso breve. – Respondi também me aproximando.

_ Foi bom? – Ela sussurrou em meu ouvido, provocante.

Eu ri, relembrando o quanto amei aquela mulher maravilhosa.

_ Foi legal. – Menti entrando no jogo dela.

Ela seguiu meu olhar e também viu o olhar intrigado de Matteo.

_ Vocês estão juntos? – Perguntou jorrando segundas intenções.

_ Não. E você, está sozinha? – Caí em seu jogo.

_ Sim. Me separei de minha mulher a dois anos.

_ Triste.

_ Não para mim. – A boca dela estava tão perto da minha.

Impulsiva, deixei que minha boca fosse até a dela. Seus lábios macios eram bem diferentes dos lábios rudes de Matteo. Ela era meticulosa em seus movimentos, já sabendo o que fazer para me agradar. Apreciei seu gesto de carinho.

_ Sei que eu não sou a fruta que você gosta, mas que tal atiçarmos a curiosidade de seu amigo? – Ela me propôs, tão maligna quanto eu.

Isso era uma coisa que eu gostava nela. Ela não tinha medo de jogar.

_ O que me sugere? – Meu olhar era diabólico.

_ Um revive entre nós duas. Nada de mais, só uma dança, como nos velhos tempos.

_ Isso me parece uma ótima ideia!

Deixei que ela me levasse até a pista de dança, parando em um lugar onde Matteo teria uma vista privilegiada de nós duas. Não olhei mais para ele depois disso. A propósito, não me lembrei de nenhum dos meus três acompanhantes enquanto estava com Elle.

Eu sempre tive um fascínio por aquela mulher, quase uma veneração por ela. Ela era incrível e minha guia no jogo da conquista de outro ser, sem importar o gênero. Mesmo depois de tanto tempo, nossos corpos ainda sabiam como se mexerem em perfeita harmonia. Era lindo e extremamente excitante nos ver dançando. Não nos preocupávamos com olhares preconceituosos. Ao lado dela, nada mais existia a não ser nós duas. E, mesmo sabendo de minha verdadeira opção sexual, nenhum conflito estourou em minha mente enquanto trocávamos beijos ardentes.

Os homens ao nosso lado é que vibravam com nossas carícias. Éramos ousadas. Divertidas. Sensuais. Apenas nos importava o que a outra desejava naquele momento. Nada demais queríamos, só uma “ficada” para matar as saudades de tempos memoráveis. Podia ter passado grande parte de minha noite com ela, mas, de fato, pareceu que foram apenas alguns segundos quando ela me disse que tinha que ir embora. Sempre solícita, ela me deixou de novo no bar, pegando uma outra garrafa de água para mim e me dando um último beijo apaixonado.

_ Foi bom te ver. – A testa dela estava grudada na minha.

Suas mãos seguravam meu rosto carinhosamente. Beijei cada um de seus pulsos antes de responder-lhe:

_ Foi maravilhoso! – Meus olhos brilhavam de contentamento.

_ Espero que seja muito feliz com o homem que te merecer.

_ E eu que seja feliz com a sortuda que escolher.

Ela sorriu. Um último beijo ante de, tristemente, ela me deixar sozinha no lugar onde nos encontramos aquela noite. Suspirei chateada. Fiquei ali, parada feito uma carente, bebendo minha água calmamente.

_ Vamos embora. – Pietro me retirou de meu torpor.

Ele estava sem expressão naquele momento.

_ Vamos. – Disse sem querer provocá-lo.

Segui-o em silêncio. Não sabia qual sua opinião a respeito de meu relacionamento com Elle. Isso era algo que só dizia respeito a mim e nem mesmo Berenice sabia a respeito.

_ O que foi aquilo, na danceteria? – Pietro me perguntou um pouco confuso.

_ Aquilo o que? – Disse tentando me desviar do assunto.

_ Você e aquela mulher? – Ele estava com um pouco de nojo.

_ Eu e Elle?

Ele fez que sim.

_ Ela foi minha primeira namorada. Apenas tivemos uma consensual recaída. – Respondi despreocupada.

Dois pares de olhos foram para mim assustados. O terceiro estava intrigado. Foi este que sustentei.

_ O que disse? – Vanessa estava em choque.

_ Que eu tive uma namorada antes de ter um namorado. – Faltou um duh no final.

_ Achei que você gostava de homens. – Ela deixou transparecer sua confusão.

_ Sim. Eu amo os homens, até demais. – Provoquei Matteo ao meu lado.

_ Então porque estava com ela?

_ Porque nunca conheci um homem que fosse tão forte quanto ela. – Ouch!

Isso doeu fundo nos dois homens ali no carro. Pude ver o desconforto no ego de Matteo.

_ Nenhum homem foi o suficiente para você? – Os olhos de Matteo diziam “isso vai ter volta”.

_ Não até agora. – “Pago pra ver”, meus olhos diziam.

Ele só me devolveu o olhar de desafio antes de tudo voltar a ser silêncio.

Não me importei. Recostei no banco, olhando para as luzes do lado de fora, sem interesse em mais nada. Por dentro eu estava louca para ver como ele ia me provar o contrário.


Notas Finais


Muito obrigada por chegar até aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...