História Muito Mais Do Que Uma Garota - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Sobrenatural, Suspanse, Terror
Visualizações 4
Palavras 860
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Fantasia, Mistério, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem 🖤

Capítulo 7 - Sexta, 16 setembro


Hoje tive um sonho muito estranho, sonhei que era raptada, sim eu sei que parece loucura para mim também é uma loucura mas sonhos são sonhos e nós não os controlamos pois se controlasse mos eu decerteza que não me colocaria a ter pesadelos e coisas parecidas. Hoje decidi não falar com o meu melhor amigo, ele está em Santarém e não tem net e também vou estar a enviar mensagem para que se sei que ele não a vai ler hoje?! Só a iria ler quando voltasse a Lisboa?! 

Hoje é sexta finalmente a primeira semana de aulas acabou, quer dizer ainda não acabou  porque o dia acabou de começar.

[Triiin Triiin]

Eu e a Sandy saltamos da cama e começamos nos a arranjar para a escola, como durmi em casa dela e nem roupa levei, vesti roupa que ela me emprestou. Comemos e saímos para o autocarro. Hoje saímos de casa a horas.

As aulas passaram a correr e foram normais não houve problemas, nada. Até que chegou a hora de almoço. E para meu espanto o MEU PAI estava ao portão da escola à minha procura. Não sei como mas consegui-o sair mais cedo da prisão onde devia estar (também já não faltava muito para ele sair mas ainda faltava)! Fiquei a olhar para ele, quando ele me viu entrou pela escola e abraçou-me, a minha única reação foi começar a chorar e dizer "Oi pai". Mal eu disse aquelas palavras os alunos que ainda faltavam olhar, meteram os olhos em nós, ninguém sabia de quem eu era filha mas quando viram quem era, não queriam acreditar que ele era meu pai. Nem eu queria acreditar que o meu pai estava ali. 

[Conversa]

Eu: Que querias falar? -digo enquanto limpo as lágrimas-

Pai: Quero que voltes para o negócio comigo como fazias antes com o Papi...

Eu: Vai te embora, eu deixei de ser assim!

Pai: Por favor! 

[Eu virei-lhe as costas e não ouvi mais nada]

Nos intervalos a seguir ao meu pai aparecer vinham me perguntar se eu precisava de algo, ou se queria comer, resumindo começaram todos a dar-se bem comigo, eu ao início não percebi o porque, até que a Sandrina me explicou que o meu pai é conhecido pela escola por vender droga, armas e por matar pessoas sem piedade. Quando eu soube que toda a escola sabia o que o meu pai tinha feito eu ia morrendo, eu não queria ser conhecida por ser a filha do mafioso, queria ser conhecida por ser a Cassandra uma miúda normal ou por ser eu a mafiosa. 

Mas quando pensei bem nisso vi que isso era impossível porque eu não sou normal, nunca vou ser porque neste mundo não vale a pena ser normal ser normal para que?! Para sermos todos iguais?! Não assim não teria piada. 

De repente oiço a campainha e os meus colegas todos a sairem da sala. Finalmente a última aula acabou. E eu só consigo pensar que gostava que o meu melhor amigo estivesse ‘aqui’ para lhe poder contar tudo o que aconteceu mas ele não está. De repente oiço a Sandrina  chamar por mim "Cassandra!!!!  Oh puta!!!!" nesse instante eu olho para trás e vem ela a correr na minha direção

Ela: Tens alguma coisa para fazer hoje a noite?

Eu: não!

Ela: agora já tens!! Vamos ao cinema, vamos beber, sair, vamos nos divertir visto que amanhã é sábado e assim eu aproveito e posso estar com o rapaz de ontem. 

Eu: Bora!! 

A Sandy (diminutivo de Sandrina) agarrou-se a mim e começou aos saltinhos feita maluca. Até que me largou e disse que me ia buscar a casa às 22h e foi a correr para casa e eu fiz o mesmo, quando cheguei a casa tirei a roupa, tomei banho, jantei, arranjei-me, lavei a roupa e a loiça e fiquei a espera que a Sandy aparece-se.

A Sandy anda maluca com um rapaz que conheceu ontem a noite, ela parece ter muito em comum com ele mas há coisas que eles são totalmente o oposto. Mas eu aposto que eles se vão dar muito mas mesmo muito bem, mas claro isto é só um palpite.

De repente, oiço uma buzina, é ela e a mãe que nos vai deixar lá no cinema. Entro no carro e a mãe dela mete o pé no acelerador.

Mãe da Sandy: Tenham juízo.

Eu e a Sandy: vamos ter.

Quando lá chegamos, despedi mo nos da mãe dela e fomos ver um filme, quando saímos do cinema fomos para um bar lá por perto e fomos curtir a noite. A Sandy encontrou se lá com o rapaz e passaram a noite na conversa e a rir enquanto eu fiquei a dançar com a garrafa de Vodka na mão.
De repente eu sinto o telemóvel vibrar

[Brrrr Brrr]

Era uma mensagem da mãe da Sandy

Mensagem: Vou vos buscar agora. Estejam a porta prontas.

Eu fui chamar a Sandy e fomos ao encontro da mãe dela. Ainda esperamos uns 5 minutos por ela. Ela chegou, deixou-me primeiro a mim em casa e depois foram-se embora. Eu cheguei a casa tirei os sapatos e cai redonda no sofá.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Deixem o vosso comentário.
🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...