1. Spirit Fanfics >
  2. Mulher da Areia >
  3. Capítulo 15

História Mulher da Areia - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, gentee. Estou de volta.

Não sei se irão gostar desse por causa das cenas um tanto... Impuras ksksk Mas enfim, foram necessárias para desenvolver a situação do Gaarinha. Se quiserem pular, não há problema algum.

Bem, cá estoy yo. Boa leitura 🌺

Capítulo 15 - Capítulo 15


Ino fazia de tudo para não olhar a amiga nos olhos. Estavam no escritório da mansão, onde a Haruno segurava um pergaminho e encarava a Yamanaka de forma curiosa, ao mesmo tempo que sentia-se levemente traída. Aquela loira estava tendo um caso com o Kazekage e não havia lhe dito nada?  Por Kami! Mais um pouco e teria os pego no pulo! Por que ela manteve aquilo guardado? Por que não contou?

A rosada balançava a perna frenéticamente, aguardando impaciente alguma fala da médica, que insistia em olhar para um ponto fixo qualquer. Ela iria fingir mesmo que nada havia acontecido? Santa cara de pau! Inspirou fundo antes de colocar o pergaminho sobre a mesa e posicionar as mãos na cintura fina, de frente para a Yamanaka de modo que a mesma não tivesse chances de escapar.

— Você vai se explicar ou não? — indagou, enfim. Ino suspirou, passando as mãos no rosto, frustrada.

— Explicar o que, Sakura? — cruzou os braços, a expressão evidentemente cansada. 

— Como, "explicar o quê"? Aquela cena nada pura de você e o Gaara quase tirando a roupa um do outro! — exclamou. A loira teve que revirar os olhos diante do comentário.

— Quanto exagero. Não estávamos tirando a roupa — disse, olhando-a pela primeira vez — E-eu e ele só estavamos... N-nós apenas íamos...

A rosada arqueou uma sobrancelha.

— Iam...?

— Oras, Sakura! Íamos nos beijar, satisfeita?! — a veia começava a saltar de sua testa — O clima esquentou e... Quase aconteceu, já que você estragou tudo. Aliás, podia ter poupado todo esse constrangimento se tivesse batido na porta, sabia?

— Ah, me desculpe. Eu tinha um assunto urgente para tratar. E eu também não sabia que você estaria se pegando com o Kazekage — sorriu maliciosamente — Há quanto tempo estão de caso?

A Yamanaka bufou, enquanto as bochechas coravam. Seria difícil ter uma conversa civilizada com aquele ser humano depois de tê-la visto naquela situação.

— Não estamos de caso, Sakura. Isso foi apenas o calor do momento — defendeu-se — Ele não tem nada que me interesse. E tenho certeza de que ele compatilha do mesmo pensamento em relação a mim.

A Haruno riu pelas narinas, incrédula.

— Olha, Gaara eu não sei. Mas eu te conheço até mais que o Shikamaru e sei muito bem que a senhorita está caidinha por ele. Ou não estaria tão nervosa e envergonhada como agora.

A outra jogou a cabeça para trás, sentindo-se derrotada. Definitivamente, não dava para esconder nada da rosada.

— Ok, Sakura. Se é o que quer saber... — respirou fundo — Me sinto terrivelmente atraída por ele. Mas é só isso.  Não tem nada de queda ou nada do tipo. É só atração.

— Tem certeza? Pois estou achando que é mais que uma atraçãozinha... — Ino lhe lançou um olhar mortal, mas isso não a impediu de prosseguir com a fala — Quem sabe uma paixãozinha?

— Ache o que quiser, testuda! — soltou, levemente irritada — Agora me diga, o que tem de tão importante para falar?

Sakura riu divertida. Era mais que óbvio que a amiga estava gostando do ruivo. Aquela cena de "Não me deixe, preciso de você..." havia dado a maior bandeira de que a loira estava nutrindo sentimentos que iam muito além de uma simples atração.

— Eu recebi uma mensagem de Tsunade. Ela descobriu um composto definitivo que poderá curar os pacientes — disse, vendo a expressão irritada da Yamanaka mudar para uma mais alegre — Ela fez alguns testes, mas tiraremos a prova aqui. Ela mandou as instruções do que é necessário para produzirmos o remédio. 

— Isso é ótimo! — pulou, enquanto batia palminhas. 

— Sim. Ela disse que Shikamaru está a caminho para trazer algumas das substâncias — sorriu — Mas acredito que podemos dar uma adiantada no trabalho. Aqui em Suna tem tudo o que precisamos.

— Então o que estamos esperando? Irei me trocar e em um instante já estaremos no laboratório — era notória a empolgação em sua voz — Temos que chamar os pesquisadores também. Quem sabe eles não tenham uma ideia que possa complementar...

— De acordo — concordou — Mas você vai deixar o Gaara sozinho?

— Está de noite. A essa hora não tem como ele aprontar nada — disse, convicta — E ele também não faria. Depois de ter visto a morte de perto pela segunda vez, acho pouco provável que ele faça algo.

 A rosada deu de ombros, como se o que a outra tivesse dito fizesse sentido.  Entrelaçou o braço ao da Yamanaka, saindo em direção aos corredores da mansão. Ambas super excitadas com a provavel conclusão daquela missão.

                                    🥀

                   2h52 min da mandrugada

Depois de ter sentido a maior dificuldade para dormir devido a falta de alguém em particular em sua cama, Gaara finalmente estava pegando no sono — ou quase. Ainda sentia o calor do corpo da Yamanaka junto ao seu, enquanto as recordações do beijo e o quase-beijo se misturavam em sua mente. Aquela mulher estava querendo deixá-lo louco, e logo, logo, iria conseguir.

O som da porta se abrindo chamou sua atenção, fazendo-o virar somente a cabeça para olhar quem era. Engoliu em seco quando  Ino surgiu em meio a escuridão, tendo como traje apenas uma camisola curta de seda negra. Os cabelos loiros caíam sobre os ombros como uma cascata dourada; as pernas torneadas totalmente a mostra enquanto os orbes azuis... Ah, aqueles os observava cheios de desejo, como se fossem arrancar um pedaço de si apenas com aquele olhar.

— Ino? — indagou assim que recuperou o raciocínio — O que está fazendo aqui?

— Oras, Kazekage-sama — aproxivamava-se devagar, feito felina. Gaara estava hipnotizado com o movimento do corpo da Yamanaka que se direcionava somente para si. A loira engatinhou sobre o colchão sob o olhar atento do homem até chegar ao seu objetivo. Sentou-se sem hesitação alguma sobre o colo do ruivo e se curvou, sussurrando em seu ouvido de forma sedutora — Vim te ensinar a sentir...

Voltou o olhar para o homem e, sem dizer nada, o envolveu em um beijo cheio de luxúria. Gaara sentiu o corpo todo arder em chamas ao tê-la em seus braços. Levou as mãos quase que de imediato para as coxas grossas da médica,  apertando-as, desejoso. Ino suspirou entre o beijo quando as mãos quentes se apossaram de si.  As línguas exploravam as bocas um do outro conforme os rostos se moviam de forma lenta e provocativa.

O Sabaku se sentou, sem desgrudar os lábios, trazendo Yamanaka para mais perto. A mulher gemeu ao sentir a excitação do ruivo em contato com sua intimidade, atiçando todos os instintos do Kage. O som que saía daquela boca tão envolvente e viciante era música para seus ouvidos. 

Ino interrompeu o beijo puxando o lábio inferior do homem em uma mordida. Desceu a língua para toda a extensão do pescoço e cravou os dentes ali, chupando-o com gosto. O som rouco que saira da garganta do Sabaku deixou-a com um sorriso satisfeito.

Passou os lábios superficialmente até o lóbulo de sua orelha, sussurrando em seguida:

— Diga-me, Kazekage-sama — Gaara sentia o membro ainda mais apertado em sua calça a cada movimento que a mulher fazia sobre seu colo; e aquela voz manhosa praticamente gemendo em seu ouvido só piorava as coisas  — Diga-me que me quer. Diga-me que me deseja.

As unhas arranhavam o corpo, causando arrepios no líder de Suna. Ino tomava seus lábios novamente, mas de forma mais selvagem; enquanto as mãos femininas desciam atrevidamente até o cós de sua calça. Ansiava por aquele toque; queria mais que tudo que a Yamanaka retirasse aquela peça de roupa e aliviasse sua excitação.

 E, como se adivinhasse seus pensamentos, a médica abaixou a roupa do Kage e o tocou da forma mais impura que uma mulher poderia fazer. Os movimentos de vai e vem o faziam arfar entre o beijo que ainda trocava com a loira. 

— Sente isso, Kazekage? — murmurou contra os lábios de forma sensual, aumentando o ritmo de suas mãos. O ruivo jogou a cabeça para trás, sentindo o corpo estremecer por inteiro. 

Os beijos atrevidos da Yamanaka desceram para o abdomen, provocando-o com a língua. Estava prestes a estimulá-lo com a própria boca, quando o Kage segurou os fios loiros com força.

— Ino!

Gaara sentou-se subitamente enquanto sentia o suor escorrer pela face. A respiração decompasada, o incômodo em sua calça... Kuso! Praguejou. Não dava para acreditar no que havia acabado de acontecer. Ele havia sonhado... Havia tido um sonho pervertido com Ino! Aquela mulher estava determinada a importuná-lo até no mundo dos sonhos!

Analisou cada canto de seu quarto, procurando a médica com os olhos que, por sorte, não se encontrava ali.  Deve estar no laboratório ainda. Pensou, afastando as cobertas. Estava disposto a tomar um banho gelado e, quem sabe, aliviar aquilo. Retirou as roupas e se enfiou debaixo do chuveiro, deixando com que a água caísse sobre o corpo quente.

Riu pelas narinas. Nunca em todos aqueles anos havia pensado que estaria em uma situação daquelas. Ino havia entrado em sua vida disposta a deixá-la de cabeça para baixo.

Fechou os olhos. As lembranças do beijo que trocaram se misturavam com a do sonho. Aquele banho gelado não seria o suficiente para ajudá-lo. Não com as imagens da Yamanaka andando atrevidamente em sua direção e beijando-o sem pudor algum; não com a mesma descendo os lábios até sua intimidade enquanto as mãos femininas a estimulava de forma provocativa. As unhas arranhando a pele, os dentes cravados em seu pescoço...

— Maldita! — murmurou ao levar a mão ao membro pulsante. Masturbava-se com as imagens da Yamanaka na mente.

— Maldito seja o sonho, aquele cheiro perturbador que emana dela... — a mão subia e descia frenéticamente — Aquele jeito atrevido, aquela boca embriagante...

Arfou.

— Aquela... pele macia... 

Sentia o ápice chegando, ficando na ponta dos pés. Os dedos pressionavam a parede do box enquanto a outra o massageava de forma prazerosa.

—  E maldito seja... — Gozou, imaginando os corpos suados e as bocas unidas em um beijo. — Aquele bei... — parou. 

A respiração descontrolada, o coração acelerado... Só ouvia-se a água do chuveiro caindo, escorrendo sobre o corpo másculo.

Soltou um longo suspiro antes de terminar de se lavar e fechar o registro. Secou-se na toalha, vestindo-se novamente e voltou para o quarto. O cheiro de flores estava impregnado em todos cantos do cômodo; a loira já havia tomado conta de tudo! Quando foi que permitira que algo do tipo acontecesse?

Frustrado, deitou-se na cama e tentou dormir novamente. Dessa vez, fazendo o possível para que Ino sumisse de seus pensamentos.

                                       🥀

As duas médicas bocejavam vez ou outra, mas tentavam manter-se em pé ao máximo. Estavam no Centro de Pesquisas de Suna analisando e escrevendo relatórios ao mesmo tempo em que ajudavam os cientistas na produção dos medicamentos. Ambas estavam empolgadas com a situação. Finalmente as coisas andavam pelo caminho certo. Aos poucos tudo se ajeitaria e, enfim, a paz retornaria para suas vidas — mesmo que Ino ficasse levemente frustrada por ter que voltar a sua rotina chata e entediante.

— Tsunade é um gênio — a loira comentou, lendo pela milésima vez o relatório que a mesma havia enviado — Espero ser como ela um dia. 

Iremos ser, com toda a certeza — Sakura se aproximava com um tubo de ensaio em mãos. Os orbes azuis voltaram-se para ela.

— Iremos? Você a superou há tempos, Sakura. — rolou os olhos — Ela deve sentir muito orgulho de você.

— Ela também sente orgulho de você — sorriu — Assim como eu. Se tornou uma ótima ninja e uma ótima médica. Além de ter bom gosto para escolher amigos, claramente.

A Yamanaka gargalhou, deixando os papéis de lado para calçar as luvas. 

— Eu tenho bom gosto para tudo, Saky — piscou-lhe um olho — Ou quase, se levar em conta que os homens que amei não corresponderam em nada meus sentimentos.

A rosada desviou o olhar. Apesar de terem se acertado, ainda se sentia levemente culpada por toda aquela história com Sasuke. Queria muito ver a amiga feliz.

— Você vai encontrar esse amor correspondido — disse, convicta — Só precisa ter um pouco de paciência. Afinal, não é qualquer um que vai entrar na sua vida e te conquistar. 

— Obrigada — sorriu sem mostrar os dentes — Mas meu destino é ficar sozinha para o resto da vida. Já estou até me acostumando com a ideia...

A Haruno bufou.

— Acredite, Ino. — a voz dura chamou-lhe a atenção —  Você não vai ficar só. Esse amor que você tanto espera está mais perto do que imagina...

Deixou a fala no ar, afastando-se de uma Ino pensativa.

                                       🥀

— Ohayo, Gaara — a voz de sua irmã o despertou. O sol nascia brilhante naquela manhã, incomodando um pouco a vista do Sabaku.

— Ohayo, Temari — disse, sem ânimo. 

— Trouxe o café e ótimas notícias — diferente do ruivo, esta tinha um semblante alegre no rosto — Ino e Sakura desenvolveram a cura nesta madrugada. Irão testar hoje mesmo no primeiro paciente. Se der tudo certo, finalmente estaremos livres dessa doença!

O Kage soltou um suspiro de alivio.

— Ótimo. Não vejo a hora de voltar a fazer meu serviço — comentou — Não aguento mais ficar preso aqui dentro...

— As coisas vão se ajeitar... — murmurou. Sabia que a situação não era das melhores, mas Gaara tornava tudo pior — As meninas estão se esforçando muito. Acho que devíamos dar algo para elas.

O mais novo arqueou uma sobrancelha.

— Tipo o quê? 

— Eu não sei, podemos pensar em algo — levou o indicador ao queixo, pensativa — Shikamaru está voltando, ele deve saber os gostos das duas. Vai nos ajudar.

— Hn... 

Temari analisou bem a face do irmão. Estava estranho, parecia alheio ao mundo ao seu redor. Sem contar as olheiras mais profundas que o normal. Provavelmente havia passado a noite em claro novamente.

— Está tudo bem? — indagou, preocupada.

— Hn? Está sim — respondeu, contendo outro suspiro — Você vai ficar aqui hoje?

— Vou. Ino deve passar o dia no Hospital — roubou um das torradas da bandeja, levando aos lábios em seguida — Por quê? Prefere que ela fique?

— Não — tentou não passar o desespero na voz, mas nada passava despercebido pela princesa de Suna. 

— Vocês brigaram? — era evidente o tom curioso. O ruivo respondeu com um aceno negativo de cabeça.

— Não...

— Então o que foi?

— Eu... Eu tive um sonho... Com ela...

Temari teve que engolir o sorriso e manter a pose séria. Gaara iria se abrir, iria contar o que estava sentindo... Por Kami! Não acredito que isso está acontecendo enfim...

O Kage respirou fundo. Precisava conversar com alguém sobre o assunto e ninguém melhor do que a irmã. Já imaginava o quão desastroso seria ter aquele tipo de conversa com Kankuro. A língua solta e as piadas sem noção não seriam nem um pouco bem vindas.

— Se não quiser contar, tud...

— Nós estávamos nos beijando. — interrompeu-a — Eu... Eu não sei porquê. Porquê tive esse sonho... Ela parece ocupar tudo. A minha vida toda... — Olhou os orbes verde musgo suplicando por ajuda, ao mesmo tempo em que ela o olhava surpresa — Eu não sei como fazer para tirá-la da minha cabeça. É completamente irritante!

— Gaara... Você... — não conseguia formular a frase. Estava chocada com a declaração que o irmão havia acabado de fazer. Aquilo era muito maior do que imaginava.

Por Kami! Não acredito no que acabei de ouvir. Ele está gostando dela de verdade! Pensava, embasbacada. Tudo bem, Temari, controle-se. Você não pode dizer nada a ele! Ele precisa descobrir sozinho... Como ele o fará eu não sei, não é? Ah, dane-se! Ninguém me avisou quando chegou a minha vez!

— Temari? — chamou, estranhando a reação da Sabaku.

— Oi? Ahmm... — riu, sem graça — Desculpe, me distraí. O que estava dizendo?

— Não é possível que não tenha escutado uma palavra do que eu disse. — estava perplexo — Não me faça repetir...

A loira respirou fundo, recompondo-se.

— Certo, eu ouvi o que disse. Só me desliguei por um momento — apoiou o braço no colchão, deitando a  cabeça sobre o próprio ombro. Um sorriso doce surgia nos lábios — Me diga uma coisa, irmãozinho... Com que frequência pensa nela?

— O tempo todo — disse, sincero. Uma das coisas que Temari admirava. Gaara não se importava em dizer o que pensava. 

— E o que você pensa exatamente? — queria fazê-lo falar tudo. Tim tim por tim tim.

O ruivo passou as mãos nos cabelos, nervoso.

— Eu imagino coisas que normalmente não imaginaria. — recostou a cabeça na cabeceira da cama, olhando para o teto — Penso em como ela é bonita e inteligente... Ao mesmo tempo em que penso como ela é irritante e teimosa — sorriu minimamente — As vezes penso em como seria tê-la em meus braços. Sinto vontade de protegê-la, de segurá-la e não deixar que nada de ruim aconteça com ela...

A kunoichi do deserto sentiu uma enorme vontade de apertá-lo, mas se conteve. Não podia atrapalhar justamente o momento em que ele estava se abrindo pela primeira vez consigo. E o melhor: falando sobre seus sentimentos em relação a uma mulher! 

Era inevitável. O sorriso ainda estava estampado em sua cara, ouvindo atentamente as falas do mais novo.

— Me senti péssimo ao vê-la mal depois daquele dia... O dia em que ela me salvou — deixava tudo o que pensava, todas as frustrações saírem. Não se lembrava de já ter feito algo do tipo antes, mas sentia um alivio em compartilhar aquilo com alguém — Não sei porquê, mas não queria vê-la triste. Ainda mais sabendo que era eu o culpado...

— Olha, Gaara... — soltou uma risadinha — Eu sei bem o que está sentindo. Sinto o mesmo quando estou com Shikamaru. — olhou-o bem no fundo dos olhos quando o mesmo se desencostou da cabeceira — É uma coisa boa. Você não devia se sentir frustrado por isso, pelo contrário....

— E então...? — arqueou uma sobrancelha.

— Você precisa aproveitar todos esses sentimentos e não tentar entendê-los.  Quando menos esperar, vai descobrir — disse, levantando-se em seguida — E precisa fazer isso sozinho.

E, dito isto, saiu em direção ao banheiro, deixando o Kage ainda mais confuso e perdido nos próprios pensamentos.


Notas Finais


Mais um pouco e nosso casalzinho finalmente se acertará.
Confesso que fiquei um pouco insegura na hora de postar esse capítulo. Não sou muito boa em escrever cenas do gênero, mas... Está aí. Espero que tenham curtido.

Bem, se eu não morrer de tédio, o próximo cap sairá em breve. Bjs. 🌺


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...