História Multiversos de Stony - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Jovens Vingadores (Young Avengers), Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton (Gavião Arqueiro), Dr. Bruce Banner (Hulk), Edwin Jarvis, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James Rupert "Rhodey" Rhodes, Janet Van Dyne (Vespa), Loki, Natasha Romanoff, Nick Fury, Pantera Negra (T'Challa), Pepper Potts, Pietro Maximoff (Mercúrio), Sam Wilson (Falcão), Scott Lang (Homem-Formiga), Steve Rogers, Thor, Visão, Wade Willson (Deadpool)
Tags Avengers, Boyxboy, Guerra Civil, Oneshots, Romance, Spideypool, Steve Rogers, Stevextony, Stony, Stonyxstony, Super Family, Superhusbands, Tony Stark, Universoalternativo, Vingadores, Yaoi
Visualizações 349
Palavras 2.013
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Sci-Fi, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eae, meu povo e minha polva, voltei, eu ouvi um amém?

Capítulo 13 - Adrenalina


Fanfic / Fanfiction Multiversos de Stony - Capítulo 13 - Adrenalina


A guerra havia deixado marcas em ambos os lados.

Por um lado, Steve Rogers esperava sempre ansioso pela ligação de seu companheiro de equipe. Morava agora em uma pequena casa isolada junto com o que sobrou de seu grupo: Wanda, Sam, Bucky e Scott. Sempre foragidos da lei, - embora alguns de seus amigos que apoiaram a lei de registro eram considerados, de certa forma, "inimigos" -, todos mantinham contato (ao menos a maioria). Por outro lado, Tony Stark se afundava em projetos inúteis e no álcool, - seus amigos ficavam espalhados pelo complexo, hora treinando, hora em missão -, Natasha, Visão e Rhodes, foram os que restaram dos antigos vingadores.

Natasha treinava com seus ferrões, quando escuta:

[Acredito que o sr. Stark precise de ajuda médica, sta. Romanoff.] - A voz metálica fez a ruiva parar seu treino.

- O que aconteceu sexta-feira?

[O sr. Stark encontra-se desmaiado por desidratação.]

- Idiota. - Foi o último murmúrio ouvido pela ruiva antes dela sair correndo. Chegando a oficina viu o corpo de Stark caído no chão ao lado de sua mesa, se agachou para poder ficar mais perto dele, então deu um tapa em sua cara. - DESAPRENDEU A COMER? SERÁ QUE EU VOU TER QUE VIR AQUI TODOS OS DIAS PARA VER SE ESTÁ SE ALIMENTANDO? FRANCAMENTE STARK, VOCÊ DEVERIA AGIR COMO O GÊNIO QUE VOCÊ TANTO DIZ QUE É, SE EU VIR AQUI DE NOVO E VOCÊ TIVER FICADO O DIA TODO TOMANDO CAFÉ OU AQUELE MALDITO WHISKY, VOCÊ NÃO VAI MORRER DE DESIDRATAÇÃO E SIM PELAS MINHAS MÃOS, ENTENDEU? - A cara assustada apenas assentiu. - Ótimo. - E saiu apressada, ainda atordoado ele se levanta com o auxílio da mesa, e se direciona para a cozinha, entrando em silêncio escuta Natasha falando ao telefone.

- Eu vou sair e já que foi você que fez ele ficar assim é você que vai suportar, sem "mas".

- Ai que lindo a ruivinha se importa comigo. - Natasha desligou o celular tirou a arma e apontou para ele que logo fez gestos tentando acalmá-la. - Se você tá de TPM o problema não é meu. - A ruiva suspirou e abaixou a arma.

- Rogers que te ature.

- Ah não! Eu não sou uma criança, e é o Picolé, você sabe o que ele fez comigo.

- Vocês dois se merecem. - Falou antes de sair.

[Sr. devo reforçar que está mais de 29 horas sem dormir.]

- Ta, mas não dá pra dormir agora que eu estou tão perto de terminar esse projeto.

- Se não comer essa merda e for dormir eu te mato. - Gritou Natasha ao fundo.

[Ameaça detectada]

- Eu já detectei isso.

....................

Rogers chegou na mansão por volta de meia hora depois, estacionou sua moto na garagem subterrânea e subiu pelo elevador espelhado, se analisou, tinha curvas roxas em baixo dos olhos e estava mais magro que o normal, sem contar a barba por fazer e o cabelo desgrenhado. Steve não se reconheceu, lembrava da última vez que tinha se olhado no espelho e, agora, olhando para seu nomo reflexo, não sabe dizer em que ponto ele se perdeu daquele jeito.

A porta do elevador se abriu e logo de cara se deparou com uma cozinha bagunçada, não, pior que bagunçada, destruída. Tinha café no teto, o chão estava cheio de farinha, o fogão chamuscado, as panelas e pratos no meio da mesa, sem contar os copos quebrados, que pareciam ter caído, no chão.

A primeira coisa que o soldado pensou foi que havia tido uma briga com um inimigo, logo se posicionou em alerta, colocando a mão no escudo em suas costas. O barulho de alguma coisa de vidro caindo no chão pairou pelo ambiente. Steve andou cautelosamente até a fonte do barulho, descobrindo ser o banheiro. A porta estava entreaberta, e vapor de água quente saia de lá.

O patriota colocou a mão na madeira cara, mas antes de empurrá-la, a porta se abre bruscamente mostrando um playboy com uma tigela de cereais na mão, e, bem, pelado. A vermelhidão na cara de Rogers foi instantânea, sua feição paralisou com a boca levemente aberta e olhos arregalados.

- Tá olhando o que Picolé? Nunca viu grande assim? - Tony tinha um sorriso sacana no rosto, ocasionado pela cor da cara do capitão, mas ai ele lembrou que estava bravo com o soldado e sua cara voltou a fechar. Empurrou o corpo musculoso da frente e andou em passos largos para a cama depositando lá a tigela, depois se redirecionou para o closet.

Steve viu a figura de corpo bronzeado pegar uma cueca na gaveta e vestir. Graças a Deus, pensou, não tinha mais que suportar a protuberância traseira do outro, não sabia se aguentaria conversar com o mesmo sem dar-lhe um tapa que deixasse sua bunda marcada com seus 5 dedos.

Tony olhava pelo espelho, O soldado estava horrível, mas o desgraçado continuava muito lindo, principalmente com a face corada. Tendo isso em vista, tratou de colocar demoradamente suas roupas e ainda ficando sem camisa.

- Vai ficar me olhando com essa cara de trouxa ou tu vai embora da minha casa mesmo? Porque eu não to a fim de ficar te olhando viu princesa. - A ironia sempre estava presente em sua frase, mas o tom sombrio e cansado era novo pro capitão.

- Stark... Tony, a gente precisa conversar.

- E isso é o quê? Aula de tango? - Os dois se encaravam, frente a frente, a quase meio metro de distância.

- Eu to falando sério. Olha, eu sei que você ficou magoado, mas-

- AH TÁ, eu magoado por causa de você, tá se achando demais em chefe. Eu NÃO fiquei magoado, eu realmente estou pouco me fodendo para vossa senhoria.

- Tony para. Nós somos amigos e -

- Correção, nós éramos, nossa "amizade" acabou quando você, exemplo do homem americano perfeito, resolveu defender o assassino dos meus pais e não só defendeu como me privou dessa informação, você mentiu.

- Tony, eu, eu, não foi culpa dele, eu defendi ele do mesmo -

- Não adianta tentar explicar, você já falou tudo naquele deboche que você chama de carta.

- Por que você não tenta entender o meu -

- Por que você não -

- PARA DE ME INTERROMPER E ESCUTA UMA VEZ NA VIDA SEU PLAYBOYZINHO. EU DEFENDO O QUE EU ACREDITO: defendi o Bucky do mesmo jeito que eu defenderia o Fury, a Natasha, e você. Somos humanos fracos, nós podemos ser controlados; o Clint já foi, e você sabe que não foi culpa dele, o que a hydra pega a hydra engole. E me desculpa por não contar dos seus pais, eu achei que estaria te protegendo da dor. Mas acontece que eu só piorei e adiei ela. Me perdoa.

- Pff, como se você tentasse me proteger de alguma coisa... - A frase foi sussurrada, mas estavam no mesmo local e tinha silêncio quando os dois não estavam falando, ou seja, Rogers ouviu todas as letras.

- Eu sempre tentei te proteger, sempre, eu sei que a gente teve algumas desavenças no começo, mas nós viramos amigos.

- Rogers, nós nunca fomos amigos, nós tínhamos no máximo uma paz armada.

- Mas agora nós podemos ser amigos, então.

- Eu não quero ser seu amigo. Eu nunca quis, nem quando eu era criança e te admirava. - Tony virou e começou a andar, mas foi segurado pela mão de Steve. Virou o rosto para encarar o loiro.

- Por que não? - Silêncio. - Por que não? Responde, Anthony. - Ainda sem resposta, agora Tony olhava para o chão, o sangue de ambos estava fervendo de raiva. Em um impulso Tony cola os seus lábios nos do maior bruscamente. Os olhos do mais velho se arregalaram, não teve tempo para reação pois o moreno logo separou-se dele, deixando o sentimento de ósculo distinto quando encara os olhos azuis surpresos. Sai de maneira rápida com passos fortes até a porta.

Os pés de Rogers pareciam estar grudados com a mais potente cola no chão. A face rubra, as batidas cardíacas errôneas e aceleradas. Se sentia preso e cheio de energia, de fato a adrenalina de seu corpo estava preocupantemente alta. E você sabe o que pessoas com adrenalina alta fazem? Sim, eles fazem tudo o que querem.

Stark havia entrado em outro quarto qualquer, sentia o nervosismo de seus atos escorrendo pelo corpo em forma de suor. Suas pernas tremiam, e não importa o quão gelada a água do chuveiro caísse em si, seu corpo continuava pegando fogo. Suas roupas estavam encharcadas e grudadas em sua pele, sua cabeça atordoada, por que fez aquilo? Já queria isso a tempos? Steve nunca gostaria de dele do jeito certo?

O soldado finalmente conseguiu se mover, correu em direção aos barulhos de água. A porta do banheiro estava aberta, e dentro se via nitidamente um bilionário sentado no chão com as mãos escondendo a cara, os olhos de Rogers fitaram o corpo molhado grudado as roupas. Aquela seria uma visão que Rogers reviveria em sua mente em seus momentos mais íntimos.

- T-tony! - A voz do capitão fraquejou. - O que você pensa que está fazendo? - Em um ritmo mais lento conseguiu concluir sua frase sem parecer que estava na puberdade novamente. Sua voz oscilava em extremo agudo e muito grave. - Tony... T-TONY! - A aceleração das palavras volta e sua dicção resolve brincar de se esconder.

- Sai. - A voz baixa, fraca, sílaba.

- O quê? - Steve, fecha o chuveiro e se atenta as palavras, mas nada é escutado. - O que você disse? - A calma aos poucos volta para si o tranquilizando um pouco.

- Sai. - De novo uma voz baixa e rouca fala. O Capitão se abaixa e fica de frente para a cabeça abaixada. A respiração do loiro batia em seu braço, sentiu os olhos quentes cor de gelo o queimar, aquilo voltou a esquentar. Tony sobe o olhar para as orbes do outro, e em mais um impulso puxa o colarinho do soldado dando-lhe outro beijo, um beijo desesperado, e muito, muito quente.

Steve agarra as coxas do menor, apertando-as com muita força, ao ponto dele levantar o outro com sua força ali. Rogers empurra o engenheiro para cima e o encaixando em volta de sua cintura. O mais forte imprensa as costas bronzeadas contra as lajotas brancas, Tony agarra suas madeixas loiras puxando as para trás e desfazendo o contato labial, o corpo de Stark já havia molhado parcialmente todo o patriota, mas seu cabelo continuava seco até o momento em que as mãos habilidosas do playboy deslizaram sobre o atrito de seus fios.

O Soldado rapidamente se livra de suas mãos e abocanha o pescoço à mostra do outro, pegando-o de surpresa e soltando-lhe um gemido. Escutar o reclamo do moreno em forma tão sensual foi a gota d'água, encaixou ainda mais seu corpo contra o do outro que inclinou a cabeça para trás, tentando se conter. Mas uma coisa ainda irritava profundamente os dois: suas roupas. Logo a camisa do Capitão estava no chão molhado, quase junto as calças de Tony.

- MENINOS, CHEGUEI! - A voz da ruiva ecoou por todo o recinto, fazendo com que cada um com o olhar constrangido se afastasse e vestisse devidamente. - Steve, obrigada por cuidar dele e MEU DEUS VOCÊS SAÍRAM NO TAPA? - As marcas da "brincadeira" recente, já estavam aparecendo, e o que mais chamou a atenção da ruiva foi uma explícita marca de mordida no pescoço de Tony. - Ou isso ou vocês estavam se pegando? Ah é, por que estão molhados mesmo? E o que aconteceu na cozinha?

- Calma Nat, eu posso explicar, a verdade é que entrou um assassino aqui, e, e, e ele me queria, então a gente lutou bravamente contra eles. - O filantropo tenta explicar.

- Eles? Não era um só?

- Aah sim, chegaram mais depois, ai o Rogers me ajudou, não é Rogers? - Lançou um olhar duro para o maior.

- É É É, sim, sim, sim, f-foi isso.

- Hummm, foi mesmo Steve?

- F-Fo-i.

- Entendo. Usem camisinhas, crianças. - E sai dando uma piscadela final e cumplicitária para os dois. Havia acabado de ganhar uma aposta de Bucky, e de fato estava muito feliz.



Notas Finais


Ooh meu cacete, o que acham de eu me tornar regular?

Toda semana um cap? É isso mesmo produção? Eu sou tipo a puta de vocês, se vocês quiserem eu faço.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...