História Mundo Inferior - Temporada 1 parte 1 - Capítulo 65


Escrita por:

Visualizações 7
Palavras 1.404
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Arco IV - Capítulo 19 (65) ~ Luta mortal parte 2

Hiato, a fanfic entrou em hiato. Voltará em 20/05 se Deus quiser.

Capítulo 65 - Luta mortal - Parte 2


Para não ter que entra em detalhes e nem na cabeça do personagem, iremos (Autor: Somente eu, né) explicar o que aconteceu.  O garoto estava sendo torturado em um local mais deferente. A área é bastante grande, mas bem vazia – para as torturas. No centro dessa área, há uma grande barra vertical feita de Ouro Original, lá são colocadas as correntes, e elas se prendem facilmente. O de cabelos bipolar foi sendo torturado por ali e ao mesmo tempo pressionado a torturas psicológicas. Então explodiu de descontrole e atacou Leandro sem pensar. Mas então ele consegue retomar à consciência e se lembrar um pouco de sua vida.

Tenho que nocauteá-lo antes que faça isso primeiro! ” – O garoto jogou a pedra de seu olho e o congelou, logo ficando caolho. Enquanto isso, o outro usou suas chamas nos pés para avançar e ficar frente a frente com o inimigo mais novo, então foram preparando os seus punhos para trocarem golpes.

Leonardo começou com uma corrente de esquerda, e o outro desviou de seu golpe – indo para a direita dele – e foi mirando um gancho de direita em seu queixo. Conseguiu acerta-lo fortemente, porém foi contra-atacado com uma canelada no queixo, depois sentiu as mãos do de cabelos azuis segurar os seus ombros; logo em seguida pula por cima do garoto, agarrando-o fortemente por debaixo dos braços e apertando sua coluna com o joelho, estava o imobilizando, porém, seus braços foram congelados, então foram rachando e se despedaçando.

- O que?! – Foi então recebido por uma cabeçada do garoto, e ele foi obrigado a se afastar dele.

Tentando se afastar, foi recebido com dois socos de punho fechado no peito, um chute nas costelas esquerdas e uma cotovelada no pescoço. Deu um pulo para trás, e o garoto avançou para cima, mas algo bloqueou a sua visão, e leva um chute diretamente na barriga, depois um à sua bochecha direita. Leandro usou fumaça de sua boca para cega-lo e aproveitou o momento. Deu um salto e acertou a cabeça dele, o jogando quase contra o chão; inspirou muito ar, fazendo pequenas labaredas saírem de seus braços congelados e aumentar a temperatura deles; o gelo descongelou então foi dando um soco duplo em meio a face do de cabelos bipolar, logo os seus punhos estouraram sangue e água, junto à fumaça negra.

Com a grande surpresa do maior, o menor aproveitou-se e deu um chute no joelho esquerdo do outro, depois esticou a perna e acertou-lhes o queixo, levando Leandro para o ar. Ele juntou as mãos e inalou oxigênio, depois lançou um espinho com os seus braços diretamente no peito do mais alto. Porém, agarrou a estaca com suas mãos e utilizou suas mãos que flamejavam para então explodi-las por completo desta vez, e o gelo se destruiu, e a explosão atingiu os braços do bipolar. Leandro caiu em cima dele, quebrando os ossos de seus braços e os arrancando com o próprio peso; em seguida – caindo ao chão -, deu uma forte cabeçada já testa do outro, mas o garoto utilizou gelo a tempo e protegeu ela, então o de cabelos azuis sofreu danos na cabeça.

O bipolar pulou e girou, logo acertou fortemente a cabeça do outro com um chute, e o fez cair no chão. Tentou se levantar, porém estacas de gelo se enfiaram em suas costas, e elas estavam interligadas nos braços superiores de Gustavo; logo ficou por cima dele e pisou na perna direita do de cabelos azuis, quebrando-lhes ossos.

- Tente se mover agora, seu desgraçado!! – Exclamou levantando a outra perna para quebrar outros ossos.

Leandro ferveu à raiva, então chamas saíram de suas costas e acertaram o corpo do outro, queimando a sua pele e o fazendo cair no chão. O gelo se derreteu, e ele se levantou rápido. Respirou fortemente, sentindo o oxigênio e dióxido de carbono sumirem aos poucos por causa do fogo. Sua pele começou a ficar mais escura e a criar queimaduras, poucos ossos de seu tórax podiam ser vistos, enquanto fumaça negra saia diretamente do grande ferimento. O garoto se levantou rápido e tentou respirar, mas seus pulmões estavam com cinzas, assim começou a tossir forte e sem poder fazer nada, então foi recebido com um chute fervendo na mandíbula, sendo jogado diretamente no teto, destruindo tudo que havia e fazendo uma cratera nele.

O local estava em chamas, deixando o chão virar cinzas e até mesmo magma de tão fervente que estava o corpo de Leandro. Ele suspirava forte enquanto via a sua pele torna-se carvão aos montes. Ele deu um pulo forte no chão e foi seguindo ao buraco feito por ter jogado o garoto por lá. Apagou suas chamas e esperou chegar até onde ele havia chegado.

Enfim estavam lá. “Esse seria o estágio final? Os dois terminariam por ali?!” – O Parque de Ferix, naquele mesmo campo silêncio em que se encontraram pela segunda vez. Praticamente da mesma forma que deixaram semanas atrás. As flores queimadas; bancos derretidos, chão virado carvão e a grande árvore, que perdera todas as suas folhas e vegetação em torno de si. Agora era apenas madeira seca e sem vida, deixando um tremendo sorriso maligno em seu caule.

O de cabelos bipolar, estava à frente dela, olhando seu estado decaído e queimado, ao mesmo tempo deprimente. Seus braços estavam curados, porém com um brilho avermelhado em suas veias e com uma mancha vermelha sobre o lado direito de seu rosto. Leandro, não sabendo o porquê dele ter parado de lutar tão de repente, foi se aproximando lentamente, então ficou lado a lado, observando a grande árvore.

Ambos viam infelicidade, tristeza e rostos decaídos daquela pobre forma de vida. A observavam com cuidado. Até o de cabelos azuis falar:

- O que está árvore tem de especial para você?

- .... Ela reunia pessoas. – Respondeu. Ele olhou para baixo e colocou a mão no olho direito – Lembro-me bem.... Eu conhecia você. – Logo isso impressionou o outro, deixando-o surpreso – Lembro-me que éramos muito próximos.... Não éramos amigos. Mas sim irmãos. – Ele alisou a mão no pescoço, depois passou para a cabeça e foi bagunçando os seus cabelos.

Jogávamos futebol, brincávamos na rua de pés descalços, fazíamos machucados e voltávamos para casa chorando muito.... – Fez uma pausa - Conhecemos pessoas importantes nas nossas vidas, comemoramos datas e muito mais.... Até outro alguém entrar na nossa vida. – Olhou para Leandro, mostrando o seu olho que brilhava à vermelho e lançava vapor da mesma cor – Sempre que eu olhava as suas costas, era capaz de ver uma marca estranha nela, de cor vinho. E esta marca me lembra que eu tinha visto em alguém desde que acordei neste mundo

A marca havia aparecido pela primeira vez, nas costas de uma garota chamada Rainbow Makelane. “Lembrando-me bem, essa marca a acompanhava a qualquer momento. Até chegar o dia em que nos encontramos, e a marca havia sumido. – Leandro deu dois passos para o seu lado e fez uma cara de irritado, logo ficou em pose ofensiva. Colocando os braços para frente e as pernas afastadas uma a outra – Ela passou a ficar em você desde que fomos para aquela sala branca.

- Não fale mais dessa garota!! – Gritou lançando um punho flamejante diretamente ao rosto de Gustavo.

- E essa marca sempre me lembra: “Mate e esconda”. – Deu um forte gancho de esquerda na testa de Leandro, fazendo uma rachadura em seu crânio, logo então ele foi lançado com força contra a árvore, a destruindo – Eu mesmo irei matar quem está te controlando, Leandro! – Apontou para ele – E vou condena-la para o Inferno!!

- Você não sabe o que está falando!!! – Lançou chamas pelo corpo todo, fazendo um enorme buraco na árvore, logo se lançou em direção ao garoto – EU VOU MANDA-LO DE VOLTA PARA O MUNDO SUPERIOR!!!

Mundo Superior? – Se perguntou enquanto criava uma enorme barreira de gelo à sua frente, depois dando um salto para trás - .... Deixarei isso para depois, ainda tenho de impedir que ‘a intrusa’ domine mais ainda o corpo do Leandro. – Fez uma estaca de gelo com as mãos e preparou para atingir o que atravessasse a barreira” – Então uma enorme rachadura foi feita no centro do gelo, logo então fogo saiu por ela e Leonardo apareceu com uma enorme cara de fúria, e assim Gustavo jogou a estaca de gelo, que logo acertou o olho esquerdo dele.

- Agora estamos quites.

 

Continua......



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...