História Mundos distintos: Min Yoongi - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Hetero, Suga
Visualizações 13
Palavras 2.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Saga, Shoujo-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Ignorado!


Fanfic / Fanfiction Mundos distintos: Min Yoongi - Capítulo 4 - Ignorado!

  ------------ Yoongi ------------

Para mim aquele simples café da manhã estava perfeito, tirando o fato de Laila olhar o outro lado da rua e falar somente o necessário comigo estava tudo indo muito bem. Eu tentava as vezes puxar alguma conversa e ela se limitava em falar simplórios sim e não,  que mulherzinha difícil.  Eu já falei que ela estava sendo mais ranzinza que eu?Eu fico magoado por dentro com o desprezo dela, mas depois de ter quebrado a confiança dela o melhor que eu poderia fazer e deixa-la em seu espaço.  

Aproveitando que ela estava 100% foda-se pra mim, vidrada olhando o mundo colorido e bem iluminado das ruas de Seul eu passei o tempo inteiro a admirando. Cada detalhe no rosto dela, como eu não tinha percebido que aquela mulher era linda de corpo, rosto e alma? Onde eu estava com a cabeça de troca-la por uma corana que passava quilos de maquiagem para se parecer tão natural enquanto que minha Laila passou apenas uma risca de rímel e um batom vermelho? A pele não era aveludada, mas eram poucas as imperfeições de seu rosto que se resumiam a algums poucos poros delicadamente abertos e outras pouquissimas espinhas. Seu maxilar era bem desenhado e delicado que seguia para o queixo formando um v-line também delicado e ganhava ênfase com os cabelos lisos no corte channel. Seu pescoço era fino e tinha uma pinta de melanina em cima de sua clavícula que era sutilmente salientada, e aqueles olhos que mudavam de cor era o que mais me supreendia nela. 

* lembrei do dia em que ela quebrou todos os vidros de casa, onde seus olhos ganharam uma cor mais avermelhado * 

Com o sol refletindo no castanho cobreado deixando seus olhos mais cintilados me fez impulsivamente pegar meu celular em meu bolso e colocar na câmera.

* click * 

O som do obturador a fez se virar pra mim e abrir um sorriso,  e meu deus que sorriso lindo, sem perder tempo eu cliquei de novo para registrar aquele momento que era tão raro a algum tempo, dessa vez ela fez uma caretinha fofa indicando que não queria tirar fotos.

- o que você está fazendo? 

Ela me perguntou agora seria

- eu estou eternizando você. ..

- nossa, se eu fosse você não faria isso... daqui a alguns dias eu vou embora e você vai sofrer vendo essas fotos.

Aquelas palavras me magoaram profundamente, mas fiquei em silêncio na batalha perdida para rir da guerra vencida. Apesar de me sentir um completo babaca, eu ainda consrguia ser uma pessoa sábia. 

Armys, me ajudem... o que é esse sentimento que arde em meu peito? Por que olho para Laila e quero dar risinhos bobos e sinto meu rosto ficar quente? Por que eu não consigo ignorar cada movimento dela? Por que, por que?

por que eu tinha medo de perde-la a qualquer momento? 

Essa ameaça parecia tão real.

Ela se levantou da mesa e eu a segui com o olhar, ela se encaminhou com graça e elegância ao caixa e percebi que ela iria embora sem mim. Eu saltei da cadeira e corri até ele.

- eu pago amor. 

- não precisa, eu já paguei.

" mulherzinha difícil "

Paguei meu café e corri para a porta onde ela já ia saindo... sem mim.

Talve ela fazia aquilo para chamar minha atenção,  para me punir. Não,  ela estava realmente fria comigo, como se não se importasse mais comigo.

- Laila - eu gritei e ela olhou para trás virando os olhos, santo deus, ela era um versão feminina de mim mesmo. - onde vvocê está indo? 

- agora eu vou para o museu de história.

- eu vou com você. 

- achei que odiasse essas coisas.

- com você eu gosto.

- fala sério, eu preferia o outro Yoongi... era menos falso.

Me senti ofendido e coloquei a mão na cintura respirando fundo.

- eu estou tentando ser o homem que você sempre quis.

- e eu ja disse que é tarde de mais. Agora por favor vai cuidar de sua vida e me deixe um pouco sozinha certo?

* olho sem saber o que falar e sentindo uma raiva crescer em meu peito* 

- certo. - falo irritado balançando a cabeça - faça o que você quiser de sua vida, estou cansado. 

* ela me olha sentida * 

Dou as costas e ando alguns passos para frente e virei minha cabeça para ver se ela ainda estava lá arrempendida e me esperando voltar e seguirmos juntos, agradeci a deus por estar de óculos quando meus olhos se encheram de lágrimas quando não vi ninguém ali. 

Aquela mulher havia mesmo trancado seu coração para mim, e eu que tinha ela na minha vida agora me deixou sozinho.

EU ESTAVA SOZINHO, E A CULPA ERA MINHA.

 ---------------- Laila ----------------

Eu andava distraída pelo museu de Seoul, olhava o andar da idade medieval e se você me perguntasse qualquer coisa sobre o museu eu não saberia responder. Por mais que eu não queria pensar em Yoongi meu coração sentia sua falta, eu estava realmente sentindo a falta dele que durante três dias não me deixou sozinha nem sequer um minuto, talvez por isso estar sozinha ali agora era estranho.

- droga!

Praguejei quando em vão tentei pensar em outras coisas. 

Mas que raios estava acontecendo comigo? Quando eu estava com ele sentia raiva e queria ficar sozinha, mas se ele não estava ao meu lado parecia que estava faltando algo essencial.  

Ai, como estava me odiando.  

Peguei meu celular e desbloqueei o mesmo, minha intenção era falar com Yoongi, mas vi uma mesagem de Wonho me convidando para almoçar em uma churrascaria brasileira.

Bateu a fome na hora.

------------- mensagem on -------------

- " annyonghaseyo Wonho, vamos sim... agora estou aqui no museu, vem me pegar aqui? " 

Dei alguns passos e chegou uma mensagem de resposta 

- " annyong boneca, chego ai em um instante " 

Quando sai da page de Wonho percebi que Yoongi havia acabado me mandar mensagem

Eu abri.

- " Amor, você está bem?" 

- " nao me chame assim. claro que estou, e você?"

Esperei a resposta mas ele demorou de responder

* acho que ele digitava e apagava para em seguida escrever e apagar novamente *

- " eu não sei me expressar, desculpa" 

Fiquei com pena dele, acho que ele queria falar tantas coisas para mim e não consegui.

- " vamos Yoongi, você consegue ser melhor que isso. " 

- " não Laila, eu não consigo. Não consigui te tratar como você merecia, não consigo parar de pensar na idiotice que eu fiz, não consigo nem mesmo te fazer precisar de mim, não consigo voltar no tempo e ter todo seu amor de volta... eu sou um fracasso na vida sentimental. Eu só quero que você me perdoe. " 

O que eu poderia falar para ele se tudo aquilo era verdade? 

- " bem, pelo menos você está sabendo reconhecer que errou. Esse é o primeiro passo para o perdão, não acha? " 

- " devo acreditar que você ainda me ama? Que você um dia vai me perdiar? "

- " bem, eu estou muito triste pelo o que aconteceu, mas acho que o tempo pode curar a mais profunda das dores. Não sei se isso vai te deixar mais animado, mas estou sentindo sua falta." 

 -  " isso é verdade? "

- " você sabe qie não guardo sentimentos para mim, sim, eu sinto sua falta. Mas isso não significa nada de importante. " 

- " pra mim significa muito " 

--------- mensagem off ---------

 Wonho chegou e eu encerrei a conversa. Ele virou o rosto para que eu pudesse beija-lo no rosto,  dessa vez ele não ficou corado e sim me abraçou e como era bom o contato do meu corpo com aqueles músculos que o deixava másculo como um ocidental, mas quando olhei em seus traços no rosto era um coreano dos legítimos, os asiáticos costumavam ter o rosto mais delicado que o rosto rústico dos homens no ocidente. E na minha opinião ambos com suas diferenças eram lindos.   

- como você está?  

- eu estou bem.

" bem confusa " pensei

- você quer dar mais um rolê por aqui ou já quer comer? - ele me perguntou me olhando intenso

- bem depende se você me disser se já comeu hoje...

- sim me alimentei bem. Não há problemas em andar mais um pouco no museu. 

- então vamos andar mais um pouco, e depois podemos ir à churrascaria e nos fartar de tanta carne.

- essa é uma ótima idéia,  daqui a pouco o museu vai fechar por ser domingo. - Wonho falou olhando para mim - você não se cansa de vir nesse museu? 

- não.  Principalmente a era medieval... eu gosto de ficar imaginando a vida coreana quando ainda não existia nada do que vemos agora aqui, até mesmo as leis... eu fico me perguntando, será que eu também seria morta decaptada por ser uma estrangeira que deveria ser pior que um cheonin.

Ele riu

- é um pensamento profundo, antigo, depressivo e suicída sem sombras de dúvida. Mas se você estivesse em Silla eu não deixaria isso acontecer com você. 

- ah, e por que? 

 Ele passou a mão em meus cabelos e sorriu

- o mundo não teria graça sem você,  independente da época. 

Certo! 

Meu coração estava estremecido.

Wonho era tudo o que eu queria que Yoongi tivesse sido. E pensar nisso me deixava triste,  espantei meus pensamentos e foquei no homem que me olhava de cabeça para baixo por eu ser um pouco mais baixa. Ele era da mesma altura que Yoongi e se existia alguma diferença entra maior e menor entre os dois era coisa de pouquíssimos milímetros.  

Eu por outro lado tinha que erguer a cabeça para olha -lo (assim como eu fazia com Yoongi) e meu coração ficava todo quentinho quando eu olhava para Wonho. Quebrando o momento de troca de olhares o alto falante alertou os cinco minutos que rrestava para fechar o museu, que no dia de domingo fechava mais cedo para os funcionários aproveitarem o rsstante do dia com seua familiares.  

- acho melhor irmos se não vamos ficar presos aqui, não que issi seria uma uma idéia ruim... - ele me olhou malicioso

Eu quase cai para trás de vergonha e o puxei pela mão,  o contato me deu uma sensação estranha que me fez soltar sua mão. Eu segui em sua frente em passos apressados e ele vinha calmo, eu podia sentir o olhar dele preso em meu corpo e mais uma vez eume senti estranha, por que não me sentia assim com Yoongi que era um verdadeiro idiota que estava fazendo de tudo para me dominar e depois cometer os mesmos pecados de me fazer sangrar? 

Eu e Wonho alcançamos a fachada do prédio e eu quase fiquei cega com a luminosidade do sol. 

- que droga! Eu deveria ter trazido o meu óculos. 

Ele tirou o óculos dele da gola de sua camisa Polo e me estendeu, eu olhei para ele e para o óculos. 

- e quanto a você?  

- acho que você precisa mais do que eu, sou coreano querida a minha genética me favorece.

* eu análisei a frase dele e me lembrei de que o povo asiático de hoje é fruto de uma mutação que seus ancestrais (provavelmente os nômades do oriente médio) sofreram ao chegar na península asiática que ainda era coberta por gelo, por conta do reflexo no gelo seus ancestrais evoluiram com uma camada de gordura no rosto e em especial ao redor dos olhos para se protegerem dessa luminosidade que quase cegava. Mais tarde os descendentes desses asiáticos migragram para a América dando origem aos índios que iam de América do sul a América do norte, por estar em continente onde se fazia muito sol essa caracteristica primitiva foi mantida nos povos indígenas e até hoje em alguns descendentes desse povo.*

Coloquei o óculos e ficou muito grande para o meu rosto pequeno, ainda assim mr sentia grata por não estar cega.

- obrigado Wonho, você foi muito gentil... 

Ele me respondeu com sorriso e abriu a porta do carro para que eu pudesse entrar, eu achei um exagero, mas um exagero fofo. Ele realmente sabia como ser um cavalheiro.

- você tem alguma preferência para a churrascaria? 

Ele me perguntou 

- na de sempre,  pelo menos lá eunsei que a carne é legítima do Brasil. 

- não vejo diferença. ..

- não,  santo deus... o churrasco naquele lugar é tipico do Brasil. 

- então está bem... vamos ao terra brasilis.

* terra brasilis* 

Este nome me lembrava muito doa primeiros encontros que eu tinha com Yoongi quando nos conhecemos, eu deveria saber que ele não sentia amor por mim quando eu falava e ele ficava com sua cabeça voando sabesse la em qual planeta. 

A cconversa com wonho era sempre engraçada e eu ria muito, apesar de ele estar focado na estrada e até parar para um casal de senhores atravessar a rua, ele ainda assim não parava de me fazer rir, ele me contava que sentia muito a falta de seus amigos do Monsta x e que tinha saudade de sua família.  

Chegamos ao terra brasilis e foi incrível quando entramos e fomos muito bem recebidos pelos funcionários brasileiros.

Finalmente eu iria falar português.

- boa tarde moço,  queremos uma mesa por favor. 

- boa tarde senhorita, temos uma mesa ideal para vocês queira me acompanhar por favor.

Seguimos o homem alto e magro, nos sentamos de frente um do outro. Olhei para o lado e quase cai de costas.

Yoongi estava na outra mesa sando com uma mulher que ela conheceu pelo aplicativo dele no dia em que pegou as mensagens no celular dele, aquele era Sunmi, mas por que ela chorava?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...