1. Spirit Fanfics >
  2. My Alpha >
  3. Pais

História My Alpha - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Ignorem os erros por favor


Boa leitura

Capítulo 6 - Pais


Ponto de vista: Lauren Jauregui.


Eu não tive coragem de ir falar com meu pai.

Eu sei que deveria, e que tudo isso eu só poderia saber depois de entender um pouco da parte dele e do que ele ainda esconde de mim, mas...

Acho que preciso desse tempo para pensar mais, ainda mais depois daquilo que Normani me falou, estou bem surpresa e um tanto confusa. Confusa eu já estava, isso só alimentou um pouco mais esse termo em tão pouco tempo.

Como eu não quis voltar na minha casa e nem estava a fim de ir tão cedo para a casa de Normani, Camila me levou na floresta e me mostrou a cachoeira que eu tanto esperava encontrar.

Linda.

O lugar é totalmente lindo, fiquei encantada olhando firmemente para a cascata de água grossa caindo, o lago grande é cristalino como eu havia imaginado. Eu queria ter entrado nela, mas Camila rosnou brava pra mim e negou várias vezes quando tentei tocar na água, mas depois vir o porquê. Meu pé estava com um inchasso no tornozelo onde eu tinha deslocado, o pior era que eu realmente tinha esquecido isso e deveria já está forçando a um bom tempo.

Camila se transformou e me pegou no colo me levando pra cima de uma árvore. O que?! 

_ Camila! Eu vou cair! - Gritei me segurando com força em seus ombros.

Ela escalava usando comente uma mão já que a outra usava como apoio para me segurar.

Era uma árvore grande e muito perto da cachoeira, com galhos grossos e firmes, mas muito, muito alta que se alguém tentasse pular morreria logo no primeiro contato com o chão. Eu não arriscaria. Camila me colocou quase no topo dela em um galho mais grosso e mais plano diferente de alguns mais arredondados, me deixou ali com todo seu cuidado, me olhou dando um sorriso sem mostrar seus dentes e se jogou pra trás me assustando.

_ Cami... la? - Olhei pra baixo mais minha expressão de medo passou por uma de confusa.

Lá estava ela no solo transformada em lobo totalmente plena e bem confortável como se nada tivesse acontecido, como se ela não tivesse acabado de se jogar de cima de uma árvore enorme direto no chão. Louca.

Sorri e ela olhou pra cima direto no meus olhos antes de correr pra longe. Por um momento sentir medo dela ir e nunca mais voltar para me tirar daqui, medo dela me abandonar, estranhamente meu peito se apertou com essa ideia e eu quis chorar. Ela não iria me deixar aqui, não é? Ela sorriu pra mim e cuidou de mim, ela não faria isso, não, eu não sei, a gente se conheceu ontem e eu não devia ter esse tipo de pensamentos, isso me assustada, esse sentimento tão pouco visto é confuso, tudo passou a ser.

Segurei em meu colar e fechei os olhos com o pensamento de que não deveria sentir isso e logo pensamentos aleatórios tomaram conta da minha mente e eu esqueci o que estava sentindo, tão derrepente, parecia mágica.

Um tempo depois eu escutei alguém fazer barulhos nas folhas e vi Camila subindo a árvore em sua forma humana com algo em sua boca. Me afastei um pouco para ela se sentar ao meu lado.

_ C-Camila trouxe, L-Lauren dor, curar. - Falou tirando uma raiz da boca.

A raiz era um pouco amarela com algumas manchas escuras. Camila a limpou e logo a colocou na boca a mastigando com uma pequena careta, devia ser amargo.

Mas se ela disse que era pra mim, então porque ela estava a comendo ao invés de mim? A não ser que ela... oh não, que nojo!

Eu estava certa quando ela abriu a boca e cuspiu uma massa amarelada misturada com saliva na mão, me olhou antes de tentar aproximar aquilo da minha perna.

_ Não! 

Ela me olhou confusa e tentou de novo.

_ Não Camila. - Me encolhir já que se eu me afastasse, poderia cair.

_ Dor L-Lauren, passar. - Disse calma e eu neguei encarando aquela gosma na mão dela.

Meu tornozelo poderia estar doendo e um pouco latejante, mas eu tenho a certeza que não iria precisar daquilo em mim. Neguei e Camila mordeu o lábio inferior antes de se aproximar e deixar um beijo calmo na minha testa.

Sentir seus lábios pela primeira vez na minha testa foi estranho e bom, muito bom. Quentes e macios, me fazendo sentir aquela local vibrar com a sensação tão engraçada que fez meu estômago revirar, havia borboletas dentro dele. Fechei meus olhos e apreciei aquele momento até quando sentir seus lábios se afastarem e eu a olhei abobalhada e ao mesmo tempo desejando que continuasse e quem sabe até os colasse com os meus.

Logo pude notar os movimentos circulantes de suas mãos tocando meu tornozelo o massageando, só agora notei que ela havia conseguido passar aquela coisa em mim.

_ Camila, não. - Falei manhosa e arrastado enquanto ela estava focada em massagear meu tornozelo.

Depois parou e minha pele queimou naquele local específico onde aquela gosta foi aplicada, mas foi por poucos minutos e logo depois ficou gelado e eu não sentir mais nada, olhei para meu tornozelo e ele estava desinchando, mesmo que ainda estivesse vermelho e um pouco roxo em alguns pontos.

A olhei surpresa.

_ Isso é realmente bom. - Ela deu de ombros se escorando ao meu lado, sorri leve e terna. - Obrigada. - Falei baixo apenas para ela escutar.

Camila sorriu pra mim e me puxou para seus braços me fazendo ficar de lado com a cabeça em seu ombro, sua mão subiu ao meu cabelo e pequenos carinhos foram depositados ali me fazendo fechar os olhos e sorrir por isso. Ela era bem carinhosa. Seus carinhos me deixaram com sono e eu não fazia idéia do tempo em que ficamos ali, mas ao abrir os olhos, Camila me olhava serena e já estava um pouco escuro.

Seus olhos castanhos estavam vidrados em meu rosto e ela suspirou quando encarou meus olhos, devia gostar dele.

_ L-Lauren linda. - Corei.

_ Obrigada. - Me acomodei mais nela e abaixei a cabeça sorrindo.

Eu não deveria, mas meu corpo gostou muito do seu elogio. Eu não costumava corar quando alguém me elogiava, pelo simples fato de saber que sou bonita e que isso agrada as pessoas, mas ela, foi diferente, seu tom, sua voz ao dizer isso me fez sentir sensações quentes.

Ficamos em um silêncio não tão desconfortável, talvez para Camila deveria ser bom, mas para mim era bem estranho e da minha parte era desconfortável, ainda tinha o fato dela estar nua e eu tão próxima do seu corpo.

Magnífico.

_ Lauren? - Ela chamou baixo.

Fiz um som nasal pra que em continuasse sua fala.

_ Fome?

Por falar em sentir fome, já fazia um bom tempinho que eu havia comido alguma coisa, meu estômago só não reclamou por que talvez eu estava focada em esses novos assuntos que estão rondando a minha vida.

_ Sim estou e você?

Ela me olhou e escutamos o barulho alto que sua barriga fez, vi seu lindo rosto ganhar cor vermelha e ela se afastou de mim. Tão fofa.

_ C-Camila caçar, Lauren comida. - Disse baixo e não me olhou.

Então só pulou novamente e eu estava siente que caira de pé por isso dessa vez não me assustei e só suspirei encarando o céu ainda sim que as folhas atrapalhassem um pouco da minha visão. A lua estava linda novamente e brilhava.

Segundos depois eu escutei um rosnado alto de Camila e olhei para baixo onde ela estava na forma de lobo arrastando um veado grande. Ela foi bem rápida ao caçar. Ela olhou para cima na minha direção assim que deixou o bicho morto no chão e rosnou novamente pra mim, fiz cara de deboche, o que ela esperava de mim? Que eu pulasse dessa árvore como ela faz? Não mesmo, eu não sou um lobo para tal coisa.

_ Venha até aqui e me tire! Você sabe que eu não irei descer! - Gritei me inclinando mais para a frente e ela rosnou em tom de alerta.

Revirei os olhos e ela se transformou vindo na direção da árvore, logo já estava me carregando em seu colo e descendo da árvore comigo.

Me colocou no chão e arrastou aquele bicho para perto de mim.

O animal estava com uma marca de mordida grande no pescoço e ele estava sangrento e quebrado em algumas partes. Pobrezinho, ela o matou bem matado.

_ Lauren comer? - Apontou e eu olhei dele para ela.

_ Eu não vou comer assim. - Ela me olhou confusa e olhou para o animal como se buscasse o porquê de eu não querer o comer. - Está cru, eu não como carne crua. - Ela me olhou e levou um de seus dedo ao queixo parecendo pensar.

Me olhou atenta e seus olhos foram ao meu colar e ela sorriu com seus olhos brilhantes me deixando sem entender, se aproximou e tocou meu colar o puxando para cima, parei sua mão bem antes que ela o tirasse de meu pescoço.

_ Nada disso. - Falei séria a olhando.

Seus olhos cerraram em minha direção e ela se afastou coçando a nuca e olhando para os lados, olhou em uma direção qualquer e foi até ela ficando de costas pra mim e levou uma mão a frente do corpo olhando para baixo, pensei que fosse fazer outra coisa, como ir atrás de algo para fazer fogo, ela pode não sentir frio ou sei lá o que, mas eu sim e também não vou comer carne crua, preciso de fogo pra isso! Mas ela só estava fazendo xixi me fazendo bufar cruzando os braços enquanto esperava a loba suja se aliviar.

Depois de alguns minutos ela se abaixou e pegou algo no chão e se virou para mim com duas pedras de cascalho, me entregou e foi em outra direção e voltou com folhas secas e pequenos galhos.

É muito difícil de se fazer fogo com pedras, eu já tentei uma vez, mas não conseguir e nunca mais tentei novamente. 

Camila se sentou na minha frente e me olhou com grande atenção e eu levantei a sobrancelha, ela estava mesmo esperando eu fazer isso? Pelo seu olhar ansioso eu tinha certeza que sim.

_ Ahm... okay, vamos lá. - Falei juntando as folhas e galhos.

Tentei na primeira e nada, na segunda e nada, na terceira e nada. Tentei várias vezes e nada, já estava ficando irritada e colocava mais força o possível, porém novamente não deu em nada.

_ Desisto Camila! - Joguei as pedras no chão e ouvir o choramingou de Camila. - Me traga um galho fino redondo e um mais grosso. - Falei emburrada e Camila acenou rápido se levantando.

Depois eu conseguir com a técnica mais comum e deu em fogo e em uma grande fogueira logo depois. Camila ficou animada com o fogo e eu sorrir vendo ela olhando vidrada para ele, até esqueceu do veado e o deixou para mim, tive que quebrar uma daquela pedra e improvisar uma faca para cortar algumas partes.

Camila deve ter sentido o cheiro do sangue e me olhou e logo avançou no animal morto arrancando um pedaço generoso de uma de suas pernas, sua boca cheia de sangue e em sua cara um olhar prazeroso em direção a sua caça.

Eu fiquei na minha e somente assei o meu pedaço no fogo, o cheiro fresco do sangue e da carne crua estavam me dando um desejo estranho de provar, mas logo passou e eu sentir ânsia ao invés de querer comer aquilo daquela forma.

Quando terminamos de comer e eu fui tomar um banho no lago, Camila veio junto à mim crudando seu corpo no meu de uma forma possessiva e bem apertado, sorrir várias vezes com isso e ela nunca me deixava ir ao fundo. Ficamos abraçadas ao longo da água que caia da cachoeira, era bem gelada, mas confortante tirando aquela sensação de sujeira do meu corpo.

Abracei meu corpo e tremir um pouco com o frio que passou ao nosso redor e sairmos da água já que estávamos agora na beirada somente sentadas. Camila me abraçou mais e eu sorrir, seu corpo era naturalmente quente.

_ Lauren casa? - Ela perguntou de costas enquanto eu vestia minha roupa.

Diferente da última vez ela não quis me olhar tirando ou vestindo a roupa e durante todo o tempo em que estivemos na água seus olhos nunca deixavam os meus, ela não se atrevia olhar para baixo nem pelo pouco que fosse.

Eu não sabia se ela se referia a minha casa ou a casa de Normani, mas está bem tarde, provavelmente minha amiga estára dormindo e eu não quero incomodar, e ir para minha casa agora não é uma opção, então...

Iremos ficar aqui essa noite, a manhã poderemos voltar.

_ Não. - Terminei de vestir minha blusa e Camila suspirou. - Você não sente frio em estar nua até essa hora? - Perguntei indo a sua frente e ela vendo que eu já estava vestida apenas suspirou.

_ C-Camila não sentir tanto, corpo quente. - Falou baixo.

Toquei seu ombro em um afago e ela me olhou nos olhos.

_ Iremos ficar aqui, você se importa? - Seus olhos rapidamente brilharam e ela se levantou brutamente me pegando de surpresa.

Negou e rapidamente me pegou em seus braços quentinhos me apertando com facilidade contra eles. Seu abraço era o mais gotoso eu poderia dizer, quente e confortável. Comigo em seu colo ela se sentou no chão e logo se deitou já se transformando e seus pelos negros quentinhos entraram em contato com meu rosto como um travesseiro muito macio, me apertei nela me acomodando do jeito que podia e fechei meus olhos mesmo sabendo que não dormiria tão cedo.


******** 

Acordei com vozes altas ecoando por todo os lugares e assim que abrir meus olhos vi que não estava mais em uma floresta e sim em um quarto deitada em uma cama. Sentia o corpo de Camila e me virei apenas para a ver vestida com uma cueca cinza e um top da mesma cor. Onde ela arrumou roupas?

Confusa eu me sentei na cama tirando o braço da latina que envolvia minha cintura, olhei tudo ao meu redor e suspirei notando que não era um quarto que eu conhecia.

As paredes eram de madeira, o quarto não muito grande com um guarda-roupa pequeno em um canto, tinha uma porta no outro lado, um tapete grande cobria o chão também de madeira, uma pequena TV presa na parede um pouco a cima, algumas coisas com livros e uma pequena mesinha ao lado da cama de casal não muito grande. Como viemos parar nesse quarto.

Tinha também algumas roupas que eu deduzir estarem sujas pela forma toda desengonçada que estava jogadas ali no canto da porta da frente, sapatos espalhados, todo uma bagunça.

Me espreguiçei e o barulho da porta se abrindo me fez olha.

Uma mulher entrou por ela, cabelos loiros, óculos no rosto e roupas confortáveis, tinha algumas rugas no rosto que me mostravam que ela devia ter já uma certa idade. Um estranho sorriso preencheu seus lábios e logo atrás dela surgiu um homem, ele se parecia bastante com Camila, tanto quanto a mulher. Ambos sorriam para mim.

_ Quem são vocês? - Fique em alerta e já sacudir as costas de Camila.

A latina resmungo alguma coisa e não deu ligação voltando a enterrar seu rosto no travesseiro.

_ Camila. - Grunhi baixinho a chamando e olhei para o casal na porta.

_ Não se preocupe querida. - A mulher deu um passo a frente. - Somos os pais da Camila e esse é o quarto dela. - Juntou as mãos no bolsa da calça e eu levantei uma sobrancelha parando de mexer em Camila.

Eles me olharam com atenção e ainda sim sorriam. Engolir o nervosismo na garganta e os olhei com mais firmeza.

_ Podem me explicar o que estou fazendo aqui?

O homem acenou e deu uma beijo no rosto da esposa, essa que saiu do quarto e antes que ele fosse junto, me olhou e com carisma.

_ Se apronta menina e nos encontre na cozinha.

Disse antes de sair fechando a porta com cuidado e eu fiquei ali olhando por onde eles tinham se retirado com um ponto de interrogação na cara. Era mais uma loucura para mais um dia.

 




Notas Finais


Até o próximo.


Comentem com estão achando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...