História My Angel - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Personagens Edward Cullen, Emmett Cullen, Jacob Black, Personagens Originais, Quil Ateara, Rosalie Hale
Tags Crepusculo, Emmett, Rosalie
Visualizações 21
Palavras 3.669
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


- bom, vamos lá... Essa é uma short fic que já está finalizada, e eu pretendo postar tudo em no máximo duas semanas.
— a maioria dos personagens pertencem a minha linda Tia Sthep, mas alguns são de minha autoria
— shipper diferente, não me xinguem se nao gostarem.
- Essa fic só é postada aqui e no Nyah, então denunciem caso a virem em qualquer outro lugar
- e por último, mas não menos importante, comentem meus amores, para que eu saiba o que acharam da fic
Enfim, espero que gostem do capítulo e até a próxima

Capítulo 1 - Capítulo Um - Rosie, a anjinha


– Boa noite, amor. – disse o moreno ao chegar a seu apartamento e encher de beijos a sua amada. Melissa riu baixinho, divertindo-se com todo o carinho de seu esposo.

– Você demorou pra voltar, Emm. – resmungou a morena fazendo um biquinho e agarrou-se ao monte de músculos que era seu marido, Emmett Cullen.

– Tive que fechar a academia hoje, bebêzinha. – ele a abraçou, afundando o rosto na curva do pescoço de Melissa, sentindo o cheiro de girassóis que vinha da pele macia da mesma.

Emm trabalhava na academia Perfect Body como personal trainer. Amava seu trabalho, porem odiava o assedio de certas alunas de abusavam um pouco. O outro problema era Melissa. Ciumenta como era, para ela, qualquer mulher que se aproximava dele era com o intuito de separá-los. Sabia que na academia ele vivia cercado de mulheres bonitas, por isso sempre que podia, ia visitar o marido no trabalho.

As alunas de Emmett eram assanhadas. E Mel até conseguia compreende-las. Era difícil não se assanhar quando se está próximo a um verdadeiro pedaço de mau caminho, como Emm. Com 1,90m de altura e 110 quilos de puro músculo, o Cullen atraia olhares por onde passava. E quando seus lábios se repuxavam sobre os dentes abrindo um sorriso cheio de covinhas era praticamente impossível não se encantar com ele.

– Tudo bem... – Melissa acariciou-lhe o rosto. – Como foi o seu dia, amor?

– Foi ótimo! – ele sorriu selando os lábios aos da esposa. – Advinha com quem eu almocei hoje?

– Com quem?

– Com o Jasper!

Ela sorriu. Jasper e Emmett eram amigos desde os quatro anos de idade, mas acabaram se afastando, pois tomaram caminhos completamente diferentes. Jasper foi para Londres, fazer faculdade de advocacia em Harvard, já Emmett ficou em Seattle. E então depois de anos, ele voltou para a cidade com uma baixinha de cabelos curtos e cacheados chamada Alice.

Emmett e Jasper se trombaram na saída da academia, conversaram e almoçaram, trocaram telefones e cada um voltou para a sua rotina. Jasper atrás de um local para montar seu escritório de advocacia e Emmett para a Perfect Body.

– Aquele seu amigo que foi pra Harvard?

– Esse mesmo! – Emm se livrou das peças de roupa e caminhou para o banheiro.

Melissa riu baixinho e se levantou, e quando estava começando a se despir para acompanhar o Cullen no banho, o celular dele começou a tocar.

– Argh! – resmungou abrindo a mochila do mesmo e procurando o celular do amado.

Quando o achou fez uma careta. O identificador de chamadas mostrava que tal de Rosalie ligava. Acima de seu nome havia uma foto de uma loira de cabelos compridos e cacheados e cara de sono. Sem pensar duas vezes, ela atendeu ao telefone.

– Alô. – disse rude.

– Boa noite, gostaria de falar com o Cullen. – disse uma voz aveludada e sensual.

– Ele está ocupado.

– Pode dizer a ele que eu liguei? Tenho um assunto importante a tratar com ele.

– Vou pensar no seu caso. – e desligou.

Melissa sentou na cama e cruzou os braços. Quem era aquela mulher? O que ela queria com o seu homem?

Ao sair do banho, Emmett encarou a mulher que estava com uma cara péssima.

– O que houve?

– Sua amante ligou. – ela estendeu o celular na direção do homem.

– Mas eu não tenho amante, Mel!

– Então quem é Rosalie? – disse o nome com desdém.

– Rosalie ligou? – Ele arregalou os olhos, surpreso.

– Quem é ela, Emmett?

– É uma ex-namorada.

– E porque sua ex te ligou? – disse desconfiada.

– Eu não sei amor. Já fazia um tempinho que nós não nos falávamos.

– Quanto tempo?

– Uns três ou quatro meses. – Melissa relaxou com aquela resposta.

– Vocês ainda tem alguma coisa? – sondou.

– Claro que não. – Emm abriu um sorriso, sabia que isso a desarmaria. – Eu só tenho olhos pra você.

– Mesmo? – um sorriso ameaçou brotar em seus lábios rosados.

– É claro que sim! – ele a abraçou.

– Então o que ela queria?

– Vamos descobrir? – Melissa assentiu.

Ele pegou o celular e discou o número de Rosalie. Depois de chamar algumas vezes, a moça atendeu. – Oi Emm.

– Oi Rosie, o que houve? – ele colocou o celular no viva voz.

– Tenho uma noticia. Aconteceu uma coisa... – disse séria.

– Que coisa?

– Quer mesmo que eu te fale isso por telefone?

– Fala logo, Hale.

– Lembra quando você brigou com a tua esposa e nós saímos juntos?

– Mas é claro que me lembro. – Emmett revirou os olhos. – Fizemos uma grande besteira naquele dia.

– Aquela besteira resultou em algo que vai mudar nossas vidas.

– Fala logo, porra. – disse começando a ficar preocupado.

– Estou grávida e o filho é seu. – despejou ela num fôlego só.

Emmett arregalou os olhos, ficando paralisado tentando processar a informação recebida há pouco. O celular caiu com um baque surdo no carpete bege.

Ele iria ser pai! Eu vou ser pai, caralho; pensou com o coração batendo forte. Estava confuso, nunca imaginou que isso um dia fosse acontecer. Ainda mais com Rosalie que não era mais a sua companheira. Mas estava feliz com aquela noticia.

Mas o mesmo não ocorria com a sua esposa. Ela sentia uma raiva quase que incontrolável em imaginar que outra estava grávida de seu esposo. Ela sentia a raiva crescendo cada vez mais em seu peito, deixando-a sufocada quando em sua mente veio à imagem de seu homem na cama com outra mulher.

É claro que ela sabia quando aquilo havia acontecido. Quando Emmett brigou com ela por causa de seus ciúmes doentio, há meses, ele saiu de casa e só voltou na manhã seguinte com alguns chupões pelo corpo musculoso. Nenhum dos dois tocou mais naquele assunto, porém nenhum deles esqueceu o que havia acontecido. Muito menos Melissa que durante semanas teve pesadelos com Emmett na cama com outra mulher.

– Mel? – chamou o homem quando conseguiu se recuperar do susto.

No telefone, Rosalie gritava tentando chamar-lhe a atenção.

Melissa piscou devagar, saindo do transe e olhou para o marido.

– Eu não acredito nisso, Emmett! – gritou sentindo o coração apertado em seu peito, dilacerando-se aos poucos à medida que sua imaginação a fazia ver a frente de seus olhos à mulher com o seu homem. – Eu sabia que tinha acontecido alguma coisa! Eu sabia.

“Você voltou para casa todo arranhado, cheio de chupões! Mas eu deixei passar. Eu não me importei. Preferi fazer as pazes a brigar de novo contigo. Eu sabia que você tinha me traído, Emm! Mas eu não liguei, eu me esforcei para não fazer nada, mas agora a sua ex aparece grávida dizendo que o filho é seu, porra?”

– Amor, eu não sei o que te dizer... Eu não vou negar, eu te trai sim, porque estava com raiva, muita raiva de você ter dado mais uma de suas crises de ciúmes. E eu acabei encontrando a Rosie num bar. Eu estava bêbado, ela também. Acabou acontecendo. – ele rosnou para ela irritado com os gritos. – Não planejei ter um filho com a Rosalie, caralho!

No outro lado da linha, Rosalie soluçou sem conseguir conter as lágrimas e encerrou a chamada. Sim, ela ainda o amava.

Emmett foi ao closet e vestiu a primeira roupa que encontrou, calçou os sapatos sem se importar em colocar uma meia e saiu do quarto, batendo a porta ao sair.

Melissa gritou e ele pode ouvir o barulho de coisas se quebrando. Com certeza ela estava acabando com todo o quarto.

O Cullen pegou o celular e discou o numero do amigo. Edward Hale.

– Fala cara! – sussurrou Edward com a voz sonolenta.

– Me encontra naquele bar, leve sua irmã junto. Preciso falar com ela.

– Rosalie não está em casa.

– Vou falar com ela, então.

– Okay. – Edward suspirou. – O que foi que aconteceu?

– Você vai saber quando estivermos lá.

– Cierto. – o homem desligou.

Emmett desceu as escadas do prédio em que morava até o subsolo. Suspirou ao chegar ao estacionamento e se encostou ao seu carro. Entrou no aplicativo de nome Skype e clicou no ícone que mostrava que Rosalie também estava online. Clicou no seu nome e esperou a garota aceitar a chamada. Quando a garota aceitou, seu rosto apareceu na tela do Iphone.

Rosalie sorriu, mas Emm sabia que aquele sorriso era forçado. Os cachos grossos estavam revoltos, dando a ela uma aparência sexy de pós foda. Os olhos estavam inchados e vermelhos. Ela havia chorado.

– Oi Emm. – mordeu o lábio, nervosa.

– Rosie, nós precisamos conversar. – ele fez uma careta e ela passou a mão no cabelo loiro claro.

– Eu sei. – suspirou. – No mesmo bar de sempre?

– Claro. – a tela ficou preta, mostrando que a loira havia encerrado a chamada de vídeo.

Emmett entrou no carro a dirigiu para o bar em que costumava se encontrar tanto com Rosalie quanto com Edward.

Ele havia conhecido a Hale por causa de seu amigo Edward. Assim que a viu, foi amor à primeira vista.

Ele se sentiu atraído assim que a viu. E não havia como ser diferente. Rosalie era uma garota simpática e inocente, dona de belos olhos verde esmeralda feito os do irmão Edward.

O Cullen a conheceu na festa de aniversario do amigo. Ela estava linda usando um vestido branco completamente rendado de alças finas e tecido bem estruturado. Seus cabelos estavam soltos e lisos, enquanto que a franja caia sobre os olhos perfeitamente maquiados por uma sombra marrom, suas bochechas estavam rosadas e um batom vermelho pintava seus lábios carnudos. Tinha apenas dezesseis anos, mas aquilo não impediu Emmett de se aproximar.

Flashback 

Emmett se aproximou do batente da porta do jardim dos Hale. O jardim era completamente decorado com cravos cor de rosa e ao meio do jardim um par de bancos de cor clara eu deixava o local bastante romântico. No céu, as estrelas brilhavam e a lua cheia iluminava a noite. Sentada num dos bancos, estava à loira. Aquela loirinha de traços angelicais que havia chamado tanto a sua atenção.

O Cullen caminhou até ela e se sentou ao seu lado no banco.

– Olá, anjinha. – disse com a voz aveludada e a loira corou, envergonhada.

Aquilo encantou o moreno. Ela era encantadora.

– Oi moço.

– Aceita? – o Cullen balançou um copo com um liquido rosa dentro do mesmo.

– O que tem aí? – perguntou a loira tirando a franja do rosto.

– Eu não tenho a menor ideia! – ele riu e ela não pode deixar de rir junto – Mas está uma delicia!

– Deixe-me provar. – a mão dela foi a dele e ela estremeceu sentindo seu estomago se revirar. Saiam de dentro de mim, borboletas malditas. Rosnou para seu estomago e respirou fundo, acalmando-se. Segurou o copo e bebeu liquido devagar enquanto que os olhos dela não se desviavam dos dele. – Hm! É Bom mesmo.

– Eu disse! – ele gargalhou.

A loira sorriu ao ver os dentes branquinhos, as covinhas perfeitas nas bochechas levemente rosadas. Ela se encantou. Ele era lindo.

– Afinal, qual o seu nome?

– Emmett e o seu? – ele sorria os olhos fixos na loira.

– Rosalie. – ela abaixou o rosto corado.

Emm levou a mão até o rosto vermelho de Rosie e o acariciou depois lhe segurou o queixo, levantando-o.

– Você parece um anjo de tão linda. – sussurrou com a voz aveludada. Seu olhar fixo nos lábios vermelhos entre abertos da garota.

– Quantas você já conseguiu conquistar quantas com essa cantada? – Rosie revirou os olhos.

– Uma, eu acho. – ele deslizou a mão pela coxa de Rosalie.

A bofetada que Rosalie lhe deu em seu rosto ardeu.

– Safado, tire essa mão de mim! – levantou-se e ia sair do jardim quando Emmett a segurou pelo braço e a puxou para si.

Rosalie deu um gritinho surpreso e seu peito bateu contra o abdômen do homem. Olhares. Respiração ofegante. Emmett apertou o corpo da loira contra o seu e suspirou, a mão dele coçou, querendo tocar o bumbum redondinho da garota, mas se conteve, pois não queria levar outro tabefe.

A mão dele tocou o rosto dela e foi até os cabelos da loira, segurando-os com firmeza e dando um leve puxão. A cabeça de Rosalie se inclinou para trás e ela pode sentir um calor até então desconhecido para a loirinha crescendo entre suas pernas e em sua mente, ela imaginou o corpo de Emmett despido sobre o dela, ela corou com esse pensamento impuro e sentiu o halito levemente adocicado do homem em seu pescoço, ele a beijou no pescoço bem devagar e o corpo dela estremeceu, arrepiando-se com o ato. Os lábios dele subiram pela orelha dela, dando uma mordidinha e trilharam até os lábios da garota.

Rosalie gemeu e Emmett rosnou ao escutar o som deliciosamente inocente que fez seu membro pulsar dentro da calça. Caralho. Suspirou apertando-a contra o seu corpo e rosnando novamente quando sua virilha encostou-se a barriga dela. Ele se abaixou, movendo o quadril fazendo a virilha roçar na dela.

Porra, o que eu estou fazendo? Rosie praguejou mentalmente quando seu corpo se esfregou ao do homem com um gemido enlouquecido. O calor entre suas pernas apenas crescia.

A mão ousada do homem alcançou-lhe o bumbum, o apertando com força. Os dois gemeram e Rosalie corou, levando a mão ate a virilha do homem e abriu o zíper do jeans de Emmett e sua mãozinha gelada tocou-lhe por cima da boxer.

– Porra, Rosie. – sussurrou o Cullen tomando os lábios dela com fervor.

Ela gemeu e retribuiu o beijo com a mesma intensidade. Emmett a agarrava contra si, enlouquecido com o corpo da loirinha. A puxou de volta para o banco e a sentou em seu colo, Rosalie suspirou sentindo algo extremamente grande cutucando sua virilha, ela gemeu e seus quadris rebolaram sobre o membro do homem, fazendo o calor crescer cada vez mais.

– Caralho, o que está acontecendo aqui? – rosnou uma voz irritada e Rosalie foi tirada do colo do Cullen.

Emmett piscou, percebendo que o calor do copo de Rosie havia sumido. Ele levantou o olhar e viu seu amigo Edward segurando a loirinha pelo braço com uma cara nada boa.

– O que você está fazendo, Edward? – Rosalie rosnou e socou com toda força o peito do irmão.

– Calma anjinha. – Emm se levantou do banco num pulo e a segurou pela cintura, puxando-a contra seu corpo e a apertando conta si. A loira suspirou acalmando-se no momento em que o cheiro da colônia do Cullen. O cheiro era amadeirado, porem levemente doce.

O corpo musculoso do homem se moldou ao dela e Emmett sorriu, sentindo o cheiro de mel e rosas que emanava da pele da garota.

– Solte a minha irmã! – Edward esbravejou e Emm saltou para longe da loira no mesmo instante.

Os olhos voaram de Edward à Rosalie. Ele não podia negar que eles eram muito parecidos. Tinham o mesmo tom de loiro bronze no cabelo, assim como os olhos verdes esmeraldas, o mesmo nariz retinho e fino.

–Você é a irmã dele? – ele segurou os cabelos curtos e o puxou, respirando fundo.

– É, acho que sim. – ela passou a mão pelo cabelo, suspirando e balançando a cabeça devagar tentando acalmar seu coração que batia descompassado, irritada com o irmão que sempre conseguia atrapalhar quando ela decidia ficar com alguém.

Edward revirou os olhos para a cena. – Volte para a festa Rosalie.

Ela resmungou e caminhou para as portas de vidro do jardim, retornando a festa como se nada tivesse acontecido.

O Cullen a olhou sair sentindo o coração se contorcer no peito, ordenando que ele fosse atrás da loira, mas ele respirou fundo resistindo à tentação e virando-se para o amigo.

– Foi mal. – Emm bagunçou o cabelo de Edward e levou um soco fraco no braço. – Não sabia que ela era sua irmã.

– Nunca mais encoste um dedo nela. – Edward rosnou e os dois voltaram para a festa.

Flashback 

O Senhor e a Sra. Hale haviam morrido num acidente de carro a pouco menos de um ano e Edward, com 21 anos na época tornou-se o responsável pela irmã mais nova. Ele a cuidou e a protegeu de tudo, até de seu amigo, o Cullen. Edward não o deixou se aproximar, pois tinha medo de que sua irmã se apaixonasse e acabasse se magoando.

Emmett respeitou a vontade do amigo por muitos meses, mas acabou não se contendo e voltou a se aproximar da loirinha.

Eles eram muito parecidos, apaixonados por basquete e cinema antigo, um se encantou com o outro. Rosalie era simpática, alegre, bonita e o melhor, sem frescuras como uma grande maioria das mulheres. A verdade era que ela era muito mais corajosa do que muito marmanjo.

Emmett logo a conquistou com seu jeito divertido e não demorou muito para que eles engatassem em um namoro, escondido do Edward.

O relacionamento era quase perfeito. O eu os fazia discutir era o basquete, principalmente quando jogavam juntos e Emmett a deixava ganhar. Ele sabia o quanto ela era boa naquilo e deixava o espírito competitivo de lado para ver os olhinhos dela brilharem cada vez que ela fazia uma cesta.

Eles namoraram escondido durante uns quatro meses até que Edward descobriu o envolvimento dos dois e acabou aceitando o namoro depois de perceber que o amigo fazia bem para a irmã.

O namoro seguiu firme durante cinco anos e só acabou quando Emmett conheceu Melissa, sua atual esposa.

– Oi Cullen. – Rosalie disse ao chegar e puxar a cadeira para se sentar junto co Emmett que estava a esperando há alguns minutos.

O garçom se aproximou, ele sorria para a loira encantado com a sua beleza. Emmett não gostou nada dos olhares que ele lançava para Rosie, mas no fundo ele entendia o homem. Rosalie estava realmente belíssima.

Os cabelos dela estavam soltos, caindo pelos ombros em cachos grossos. Os lábios pintados pelo batom rosa deixando-os bem marcados.

– O que vão querer? – o garçom não tirava os olhos da loira.

– Uma cerveja, um suco de morango com leite e uma porção de bolinhos de carne e queijo. – Rosie conhecia bem o cardápio por isso o dispensou quando o mesmo foi estendido em sua direção.

Ela retirou o trench coat revelando um top cropped de mangas ¾ em decote canoa e estampa de oncinha e uma saia evasê preta. Nos pés, um pep toe preto com paetês.

Emmett segurou a mão de Rosalie e a apertou antes de entrelaçar os dedos aos dela, ao ver os dedos entrelaçados dos dois, o garçom se retirou com um resmungo irritado.

Rosie tremia de tão nervosa que estava. Ela não sabia o que dizer. A gravidez não fora planejada e ela temia acabar com o relacionamento do homem que agora era seu amigo, pois apesar de nunca ter deixado de amá-lo ela não queria que a esposa sofresse como ela sofreu quando Emmett a deixou.

Ela não era do tipo de pessoa que não confiava em qualquer um. Apesar de todas as qualidades muitos se afastavam dela por ser um tanto grosseira com aqueles que a cercavam.

Havia apenas duas pessoas as quais ela podia confiar. É claro que essas pessoas eram o seu irmão mais velho, que estava sempre disposto a ajudá-la sempre que precisava e Emmett, um homem que alem de namorado, foi um ótimo amigo para ela.

E ali estava ele, esperando uma explicação da parte dela. Senhor, o que eu faço? Ela praguejou mentalmente e respirou fundo. Buscou dentro do bolso do trench coat um envelope e o estendeu em direção ao Cullen.

– Aqui está a prova de que eu estou mesmo grávida. – ela sorriu tímida. – Veja.

– Não preciso de provas Rosalie. – ele acariciou o rosto da loira. – Eu acredito em você.

– Achei que fosse pensar que eu planejei isso para te tirar da Melissa.

É claro que ela nunca iria fazer algo do tipo. Quando há meses, o Cullen apareceu em sua casa, a intimando para um jantar, ela ficou desconfiada. No restaurante, ele a contou que havia discutido com a esposa. Depois do jantar, voltaram para a casa de Rosalie e lá se entregaram ao que seria a ultima vez juntos.

– Não fale uma coisa dessas, Rosie! Eu nunca iria pensar isso de você. – ele revirou os olhos. – Eu conheço você e sei que não faria algo assim.

Rosalie suspirou um pouco mais relaxada.

– Eu vou te ajudar a criar esse bebê, loira. – ele sussurrou aproximando sua cadeira da dela e a abraçando com cuidado. – Vou estar sempre aqui pro que você precisar.

– Obrigada, Emm.

Quando se afastaram, Edward já havia chegado. Ele estava sentado de frente para os dois e sorria. Ele sabia que os dois ainda se amavam, mas conhecia bem a irmã e sabia que era orgulhosa demais para se declarar para o Cullen. E sabia que Emmett não sabia que ainda a amava, para ele o amor da sua vida, era Melissa.

– Ed, Oi! – Rosalie levou a mão até o irmão e o acariciou o braço.

– Então, alguém pode me explicar o que foi que aconteceu? – ele perguntou e o garçom retornou a mesa trazendo o que haviam pedido.

– Me traga mais uma cerveja. – Edward disse a ele que logo se retirou.

– Estou grávida, mano.

Edward ficou a olhá-la sem conseguir acreditar que aquilo era verdade. Ele piscou, observando atentamente o rosto da irmã. Ele a conhecia muito bem e sabia quando ela estava mentindo, mas dessa vez viu a sinceridade estampada nos olhos da irmã.

O coração dele bateu forte, assim como Rosalie, Ed era louco por crianças e adoraria ver alguma correndo pela sua casa, mas não imaginava que essa criança fosse filho da sua irmã.

– Cara, eu vou ser tio? – buscou nos olhos de Emmett uma confirmação para aquilo e respirou fundo, aceitando o fato ao perceber que o amigo estava incrivelmente sério.

– Sim, você vai ser tio. – Rosalie revirou os olhos.

Um sorriso se abriu nos lábios de Edward e ele riu. – Eu vou ser tio!

Rosalie riu junto e as mãos voaram para a barriga, acariciando-a devagar.

– E eu vou ser pai! – Eles brindaram enquanto gargalhavam felizes.

– E ai, já sabe o sexo? – perguntou Edward bagunçando o cabelo da irmã.

Emmett sorriu e piscou demoradamente. Em sua mente veio à imagem de Rosalie com um bebê no colo. Um bebê branquinho, com pouquíssimos cabelos escuros e olhos verdes.

Ele sorriu, passando a mão pela barriga de Rosie sentindo seu coração batendo forte em seu peito e um amor completamente diferente de tudo que já havia sentido crescendo em seu peito. E naquele momento ele soube que seria capaz de fazer de tudo para proteger aquele pequeno ser que crescia dentro daquela garota que no fundo sabia que nunca havia deixado de amar. A sua anjinha. Sua Rose.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...