História My Angel - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Comedia, Drama, Markjin, Mpreg
Visualizações 385
Palavras 2.327
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei?
Claro! Mas cheguei.

Sei que estou atrasando e tudo, mas vou tentar sem mais pontual da próxima
Agora trago um capítulo do forninho eeee ~

Digo, tem tretas hoje! dlkjdkd

Bem, até as notas finais!


Enjoy! ~

Capítulo 22 - Pain


Capítulo 21 - Pain

 

Tudo estava em uma grande escuridão, preta como breu ou a ponta de um lápis daquele tom, nada poderia ser visto, ou melhor, a única coisa que poderia ser sentida era o maldito fedor de bolor e coisas pobres, como se estivesse dentro de uma lata de lixo ou dentro de um lixão mesmo; era quase que imperceptível entender onde raios era aquele lugar, somente com uma bola de cristal mesmo. Youngjae sentirá sua perna adormecida, assim como metade de seu corpo e sua própria mente, não estava completamente consciente, tanto que ainda matinha os olhos fechados por força do hábito. Sua cabeça pesava e girava mesmo que deitado sobre algo bem duro, o que jurou lhe parecer sua antiga casa quando ficava de castigo. Para piorar tudo, o cheiro horrível que entrava em suas narinas o faziam querer coçar o nariz a cada milésimos de minutos, ótima hora para a rinite atacar, ótima. Choi queria entender, ou melhor, compreender como é que fora parar ali — mesmo que se lembrasse do sequestro até certa parte —, o que lhe rondava a cabeça era a pergunta de quem fizera tal narquia. De primeira, quem viera em sua cabeça era aquela maldita "alfa das fanfics", mas a garota não teria força o suficiente para isso, ou pelo menos era o que achava. Mas o que mais lhe preocupava de verdade era onde estava, e como sairia dali.

Mesmo que, com seus olhos pesados, conseguiu abri-los vagarosamente após muito esforço, chegando a um ponto onde sua força não atravessava aquela barreira. Era nítido que havia sido drogado com algo naquele pano, mas sinceramente, ninguém era tão tolo ao ponto de machuca-lo, ou era? Seu medo não chegava a ser aquele, mas como se livraria de tudo aquilo se não podia enxergar os próprios pés doloridos e descalços — que sentia de hora em hora o vento bater contra eles totalmente gélido. —,  não é como se fosse um mágico do circo pronto para fazer a apresentação da noite, era apenas mais um ser gestante que sentia o cansaço dobrado toda noite, e não que isso fosse bom. E foi ali que se deu conta, e seu bebê? "Como estava? Aquela droga não havia afetado ele, certo?" Gritou sua mente pesada, que despertou com um pulo no exato minuto que se tocara, podemos cogitar que fora devido ao instinto pai ou qualquer outra coisa.

Na mesma hora, levou suas mãos amarradas ao seu ventre, onde sentiu a leve elevação de que uma vida gerava ali dentro, soltando um suspiro de alívio. Agora já estava de olhos totalmente abertos, onde instantaneamente examinou o ambiente. Tudo ainda estava escuro, porém agora podia se ver uma brecha acesa abaixo de uma coisa que julgou ser uma porta; alguém estava consigo? Esperava que não, porque aquilo podia ser ou não bom para si, qual é, estamos falando de uma pessoa que tinha acabado de sequestra-lo, aquilo nunca podia se ruma vantagem para si, não mesmo. Se perguntava se aquela mulher, ou homem mesmo, como sempre, era algum porco para trazê-lo justo a um lugar que fedia tanto, poxa, já imaginou se ficasse com desejo de cheirar aquilo para sempre?! Credo, só de pensar nessa nojeira da náuseas.

E realmente alguns desejos que Youngjae tivera estava dando algumas náuseas em Jaebum se o outro se lembrara bem. Teve um dia em que o coitado do Im tivera que atravessar a cidade somente para trazer um tal de bolinhos de arroz que o mais novo tanto queria, e aquilo era realmente nojento quando se misturava com mostarda, Im se perguntou como é que o garoto conseguia comer aquilo, realmente passaria horas no banheiro depois de ingerir tal alimento, se é que podemos considerar aquilo algo comestível. Mas além disso, chegava ser normal alguns desejos malucos no começo da gravidez, e que rezava Jaebum, que passasse logo, já que quase toda vez que tinha que atravessar os setes mares devido a isso, queria tanto ver qual seria a próxima coisa maluca que o mais novo iria pedir, uma grande peça.

Relembrar tal coisas fizera com que o garoto sentisse saudades de seu amado, quando o reencontraria de novo? Sé que reencontraria na verdade, mas era melhor pensar de forma boa, já que sua situação já era ruim o suficiente para pegar uma dor de barriga quando pudesse voltar a sua casa, não queria pensar em problemas a mais que não fosse aquele ambiente. Apesar de que, pensar no amor de Im não era um problema, aquilo lhe aquecia plenamente, o fazia se sentir importante, e era isso que importava para seu coração e sua alma, não precisava de mais nada, pois já estava realizado; tanto como adulto, como para um homem. Chega a ser estranho pensar dessa forma quando falamos homem, além do mais, a sociedade se tornou tão submissa ao poder dos homens que nunca teriam suas vontades próprias, ser novo é ser monstro e por ai vai, além do mais, estamos lidando com algo mais que real.

Youngjae se virara de forma que se sentisse uma posição confortável — mesmo que isso fosse quase que impossível —, e que não machucasse seu filho e nem a si próprio, virando de barriga para o lado oposto do que estava. Sua garganta queimava de sede, assim como suas mãos presas, quando o tirariam dali? O deixariam para sempre para pagar pelo pecado que nem ele mesmo sabia qual era? É, pelo jeito, não é bom mesmo contar com a sorte, precisava agir. Choi se lembra bem quando era preso no Cartharsis, normalmente dava um jeito para fugir e não sofrer piores consequências, mesmo que depois pagasse por isso, e ali não seria diferente. Por sorte suas mãos ainda podiam alcançar o nó dado nas cordas, assim facilitaria para que pudesse se soltar; levou uma das mãos e tentou desfazer o nó, mas estava mais apertado do que pensava.

Era realmente o fim do mundo, nem poder se livrar daquela corda conseguia, já bastava não poder enxergar, agora aquilo? Pff, daqui a pouco não poderia nem sentir mesmo, que maldita má sorte, é como se alguém soubesse qualquer passo que fosse dar, e por isso preparou tudo da forma mais calculada possível, que maravilha. Choi praguejou o mundo e se segurou para não soltar uns palavrões e uns gritos bem altos ali, vai que quem havia o sequestrado aparecesse, isso era algo que plenamente não queria.

Foi então que ouviu passos próximos a porta, já dando conta que deveria fingir que ainda estava desmaiado, para não erguer mais problemas. Arrumou-se sobre o chão como estava antes, e não tardou em fechar os olhos como se realmente estivesse dormindo; o cheiro ficava ainda pior daquela forma, insuportável. 

Youngjae conseguira escutar o som da porta rangendo ao ser aberta calmamente, aquilo fizera com que metade dos seus pelos levantassem devido ao medo do momento, como ele ou ela seria? Aterrorizante? Ou pior, lhe matariam? Eram tantas perguntas que com certeza uma hora sua cabeça iria explodir de tanta ansiedade e medo. Choi se perguntara como seria se seu namorado estivesse ali, junto consigo, se cuidaria de si ou qualquer outra coisa, é literalmente melhor pensar em coisas boas para esquecer tudo o que estava acontecendo. — mesmo que tais palavras pareçam uma idiotice. 

A pessoa adentrou o cômodo lentamente, o menor sentiu quando os dois pares de olhos caíram sobre seu corpo, era como se o examinasse, aquilo era agoniante. O barulho de passos para perto de si se tornaram mais constantes e cada vez mais altos em questão ao som, até que tudo parou sobre um grande silêncio, como anteriormente.

— Não adianta fingir garoto, eu sei que está acordado. — certo, aquilo realmente estava dando um medo cada vez pior — Anda, não se faz de idiota. — levou suas mãos ao encontro com o corpo de Youngjae, que no mesmo instante, abrirá os olhos.

— O quê....? — olhou-o visivelmente assustado, dando alguns chiliques e empurrando seu corpo para o lado. — Quem é você? O que vai fazer comigo?! Vai me matar?! — disparou.

— Calma Youngjae! — tampou sua boca. — Me escuta, eu não irei te machucar, mas preciso que colabore comigo. Irei te soltar, mas sem perguntas, nadinha de nada, ouviu? — Youngjae assentiu, e rapidamente o outro se levantou para acender a luz do lugar nojento e voltar até si.

Podemos dizer que no mesmo instante que Choi virá aquele garoto, se encantou pela beleza que seu lindo rosto possuía. Ele tinha a mesma altura que YuGyeom, mas aparentava ser bem mais velho que ele, seus olhos era em um tom cor de mel, junto aos cabelos levemente marrons. Sua pele não era pálida, ao contrário, era no tom ideal; parecia um ator ou qualquer coisa do tipo, ele era maravilhoso. Mas fora ali que o garoto se tocará.

— Espera, como sabe meu nome? Foi a tal YuNa que mandou você fazer isso, não é?! 

— Eu não acabei de falar, "sem perguntas"?! — disse em um tom alto e em bom som, fazendo o outro se calar. O silêncio tomou conta do lugar agora iluminado, Jae só podia ouvir a sua respiração e a do senhor perfeição.

—  Eu que te sequestrei, mas por motivos que você não irá saber agora — Youngjae o olhou confuso e incrédulo, mas por quê diabos ele estava fazendo aquilo?

 

 

Um grande estrondo foi ouvido por toda casa, assim como uma gritaria que "incendiou" todo a mansão, era Jaebum vindo com toda sua fúria e adentrando a casa de YuNa sem mais, nem menos. O garoto descobrirá que seu namorado sumiu após uma ligação que recebeu de Bambam ainda no trabalho, constatando de primeira o que era aquele mal pressentimento, já pensando na garota como a primeira opção a quem devia abordar após isso, além do mais, ela com certeza seria capaz daquilo.

Estava com ódio, tudo aquilo era por quê? Por amar um garoto? Por ser um Homossexual? Por ninguém querer que os dois ficassem juntos? Não compreendia. 

 Afinal, qual é o problema de gostar do mesmo sexo, não? Todos não falam que não mandamos no coração, então para que tanto preconceito jogado a aquele que consideram monstro por seus gostos diferentes?

Sim, é assim que são considerados, — pelo menos não ali, por seus amigos, por sorte. — dentro de uma sociedade, que quando a mesma estabeleceu um modelo de normalidade, criou entre si uma guerra antropológica com a natureza humana. A diversidade é mais que real e natural, sendo assim, tudo age em funcionalidade do progresso de todos, de diferentes tipos de vida. Mas cada um de nós é único, com temperamento original e  relativo ás necessidades essenciais de cada progresso pessoal e coletivo, em outras palavras, isso depende de cada um.

E quem resolve seguir o modelo se ilude bloqueando a liberdade expressão, de sua verdadeira alma, criando diversas coisas relativamente ruins, como doenças, desilusão e sofrimento. Realmente, os iludidos dão mais importância a aparência do que as verdades, porque essa é a vida. Servos do mundo, sofrem o mundo. Por razão disso, quem assume sua verdadeira identidade, a sua verdade e seus próprios gostos e age de acordo com os valores de sua vida, mesmo que, enfrentando o preconceito e pagando o preço de ser diferente, passa a credibilidade, obtém respeito e se realiza.

Porque essa é a verdade, e por isso nenhum deles ligam para os olhares expostos a si. Realmente Im JaeBum amava, e tinha sentimentos por Choi YoungJae e futuro Im YoungJae, era somente isso que importava, e se fosse preciso, iria machucar a si próprio, mas não deixaria que tocassem em um só fio de cabelo do amado.

YuNa sorriu ao ver o garoto adentrar sua sala onde estava sentada.

— Jaebum Oppa, não esperava vê-lo tão cedo aqui. — deu um sorriso falso enquanto mexia no aparelho celular.

— Pois se contente em me ver aqui, e agora! — se aproximou da garota, que se assustou quando o outro a agarrou pelo pescoço e a jogou contra o sofá. — Onde está Youngjae sua desgraçada?!

— Eu... eu lá vou saber?! — tossiu. — Isso machuca, me solte! — levou ambas mãos ao seu pescoço.

— Pare de mentir! — apertou. — Eu sei que foi você!

— Jaebum! — tossiu — Me solte! — começou a se debater, gritando.

— Por que eu teria piedade com uma puta como você?!

— Porque... se você me matar, nunca saberá onde Youngjae está! 

Foi então que Im se tocou, era verdade, ele nunca saberia onde seu amado estaria se não fosse com a ajuda daquela maldita, precisava dela. Afrouxou suas mãos até elas escorregarem sobre um lado do corpo da garota.

— Maldito seja! — passou as mãos sobre o pescoço, ainda sem ar. — Escuta aqui seu desgraçado, se você tentar mais uma vez fazer isso, quem morre é ele! — gritou se levantando.

— Você não teria coragem! — se levantou, a olhando nos olhos.

— Eu tenho, você sabe. — encarou-o — Se você tentar fazer qualquer coisa que não me agrade, eu irei mata-lo, me ouviu?

— Está querendo dizer que... — arregalou os olhos.

— Se você não fazer o que eu mandar, eu posso fazer o que bem quiser com Youngjae, inclusive tirar sua vida.

Jaebum sentiu sua garganta travar e seu peito arder.

— Você me paga YuNa, me paga! — gritou, pronto para sair daquele lugar infernal, mas foi impedido por aquela mão. 

— Você fica aqui, estou mandando, e não pedindo. — olhou-o feio, seu olhar dizia várias coisas, era impossível de ser lido. — Ou se não... — Im rangeu os dentes, mordendo o lábio.

— Você é horrível! —  disse com desprezo, se soltando das mãos da garota, e saindo daquela casa praguejando tudo.

— IM JAEBUM! — gritou irritada, o chamando de volta, mas foi em vão.

Era alguma brincadeira ou o quê? Agora havia virado brinquedinho daquela maluca da YuNa?!

 

"As vezes o amor parece amaldiçoado, só nos traz dor e sensações ruins quando brigas rolam a solta, mas também nos aquece nos melhores momentos da vida, como uma feitiçaria de uma bruxa."

 

LEIAM AS NOTAS FINAIS! OBRIGADA DE NADA!

 

CONTINUA....?


Notas Finais


Mas gente, que vagabunda, se aproveitando da situação LKJSKJDKD -q
Sempre da nisso, mas estamos ai.

Olha, eu estava pensando bastante na história, e acho que daqui para frente vai rolar menos 2Jae e contar mais a história de ambos, então preste bastante atenção nos próximos capítulos, em?!

Ta meio curtinho, eu sei, mas estava meio sem criatividade ~ ;-;
E tentei algo que prestasse pelo menos;-;

Gentinha do meu coração, eu irei fazer um especial por termos alcançado mais de 350 favoritos!
Escolham um ship da fanfic para isso {MarkJin vs YugBam} até 2Jae pode para eu poder escrever! ^^

Lembram da fanfic do 2Moons? Então, eu ainda irei fazer, e vou tentar trazê-la na última semana desse mês, ou no mês que vem.
Mas por que isso agora Omma?
Então, eu estava pensando em trazer algumas ideias novas, e já sei o que escrever ^^
Só espero que minha ideia não seja ultrapassada para vocês;-;
Ah, eu preciso de uma capa;-;

Bem, era só isso!
Desculpe qualquer erro! ^^

Amo vcs! Boa tarde!
Até mais!

~ Kiss da Omma ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...