1. Spirit Fanfics >
  2. My Autumn Romance - sillie >
  3. Dressis and girls

História My Autumn Romance - sillie - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura 🍁

Capítulo 8 - Dressis and girls


Fanfic / Fanfiction My Autumn Romance - sillie - Capítulo 8 - Dressis and girls

                        

                   Dia 9


As noites pareciam cada vez mais longas e ficava cada vez mais difícil dormir. Talvez eu esteja morrendo, não importa, é só que a vida tem ficado complicada demais e as certezas já não são mais tão certas. Hoje eu vou provar a porra do meu vestido de dama de honra pra porra do casamento do meu irmão que vai acontecer em menos de uma semana, mas como ele não se deu nem o trabalho de ligar pra dizer que vai se casar eu só fiquei sabendo ontem. E eu ainda tenho que arrumar um par pra essa merda, eu poderia chamar Finn ou Caleb mas não sei se quero que tirem sarro da minha cara pelo resto da minha vida por causa do vestido (que provavelmente é horrível).

- Sadie! - parei de andar para esperar que ela chegasse até mim, não me virei para olhar quem era mas eu conhecia aquela voz, era Millie. Me virei quando ela se apoiou no meu ombro ofegante

- pontual como sempre, Brown - disse voltando a andar

- por que você nunca me espera? Essas corridas estão me matando - ela disse ainda ofegante

- me sinto responsável por fazer você se exercitar - e de repente quando olhei pra ela, Millie parecia muito vermelha 

- você tá bem? - ela apenas assentio com o olhar preso em seus pés. 

- quer fazer alguma coisa depois da aula? - ela perguntou no minuto seguinte ainda nervosa, o porque eu não sei

- hoje eu não posso, tenho que provar a droga do meu vestido de dama de honra pr'o casamento sábado.

- posso ver que você tá animada

- vai ser péssimo

- por quê? 

- todas as outras madrinhas e damas de honra não ficaram sabendo do casamento uma semana antes que nem eu e isso é bem humilhante, principalmente considerando que eu sou a irmã do noivo - disse sentindo a irritação voltar 

- bem, se vai ser tão ruim assim eu podia ir com você - ela sugeriu com um sorriso doce

- isso seria menos ruim - disse tentando disfarçar o sorriso que crescia no meu rosto, me senti repentinamente nervosa para fazer a pergunta seguinte

- e... Sabe, eu não tenho um par pra ir nessa coisa e achei que você podia ir comigo, talvez? - Na verdade eu já tinha convidado Millie mas ela não tinha respondido. Os segundos seguintes que se seguiram pareceram milênios pra mim mas no fim ela riu e disse:

- claro, Sadie 

Entramos mais uma vez por aqueles familiares corredores, vendo a pintura vermelho descascando dos milhões de armários que enchiam a vista, era quase bonito. 

- hey, gata - ouvi uma voz atrás de mim e franzi o cenho, mas quando me virei para olhar era só Finn... Falando com Millie. 

Ugh

- oi, Finnie - ela disse sorrindo e eu quis vomitar. Começou. 

- vai fazer alguma coisa mais tarde, Mills? - acho que revirei tanto meus olhos que quase fiquei cega

- na verdade, eu vou com a Sadie... - ela me lançou um olhar, como se me perguntasse se podia contar onde íamos 

- ... Comprar umas roupas - ela completou entendendo a resposta. 

Acho que depois disso fiquei tão concentrada em revirar os olhos a cada palavra que eles diziam que acabei não olhando pra frente e de repente minha cabeça estava doendo e o teto estava girando, apertei os olhos tentando enchergar alguma coisa e então a figura de Aidan Gallagher me perguntando se eu estava bem cobriu o forro branco-amarelado do teto. 

Eu tinha esbarrado em Aidan e caído. 

- eu tô bem

Os vinte segundos seguintes foram os mais estranhos e desconfortáveis da minha vida. 

Nós ficamos nos encarando. Sem dizer nada. Foi muito estranho. 

 - oi - eu disse sem tirar os olhos dos dele, o silêncio dele me deixou ainda mais tensa

- que bom que você tá bem - e ele saíu andando sem mais nem menos. Fiquei parada como uma porta no meio do caminho, acho que fiquei meio envergonhada, talvez pelo jeito que eu dispensei ele, mas também não acho que há um jeito bom de dispensar alguém, mas acho que estou envergonhada porque eu devia gostar dele. Ele foi gentil, engraçado, eu deveria gostar dele... mas não gosto. 

- nossa... O que foi isso? - me despertei do pensamento quando ouvi a voz de Finn em tom baixo atrás de mim

- nada 

Fui para a sala antes do sinal bater, não queria de jeito nenhum ter que explicar para Finn o que aconteceu entre mim e Aidan. 

O dia foi um tédio como sempre. Aulas, aulas e mais aulas; o almoço pareceu durar cinco minutos e eu quase não consegui comer. Mas depois de cinco horas o sinal tocou e os prisioneiros receberam a carta de alforria. 

Confesso que fiquei enrolando dentro da sala até os corredores ficarem vazios, eu não estava nem um pouco empolga com meu próximo destino depois de lá. Andei sem pressa pelos corredores completamente vazio, a não ser por alguns professor e alunos das atividades extra-corriculares.

Acho que estou nervosa pra encontrar todas as amigas da Lace e pras perguntas que elas vão fazer. Eu odeio interagir com pessoas, sempre fico nervosa e digo tudo errado, acho que por isso não tenho muitos amigos...

Meus pensamentos foram interrompidos pelo baque que o armário fez quando Millie me encurralou, me deixando entre ela e o armário. Uma mão dela estava apoiada ao lado da minha cabeça pressionando o metal vermelho, aquele sorriso indecifrável brincando nos lábios, tão cruel quanto o de uma criança mas que dispunha de uma doçura misteriosa. Ela estava tão perto que eu podia sentir o perfume do seu shampoo. Acho que fiquei com uma cara muito idiota porque ela riu. 

- te procurei em todo lugar - ela disse se afastando

- onde você tava? - ela perguntou me puxando para sair do lugar

- desculpe, tava decidindo se eu deveria virar líder de torcida ou entrar pra banda da escola

- tem certeza que não estava se escondendo porque não quer ir ver seu vestido de dama de honra? - ela perguntou com um sorriso sagaz

- eu odeio esse tipo de coisa

- casamentos? 

- não, essas coisas com muitas pessoas. Por que eu odiaria casamentos? 

- não sei, algumas pessoas odeiam. Talvez porque elas não acreditam no amor

- isso é tão idiota. Todo mundo acredita no amor, mesmo aqueles góticos que ficam dizendo isso. 

- por que acha isso? 

- todo mundo ama um pouco alguém, não tem como evitar. Pode ser seus pais, seu animal de estimação, não precisa necessariamente ser um namorado ou sei lá. Essas pessoas que dizem que não acreditam no amor só falam isso pra ser legais e parecer bad boys. 

- acho que você tem razão. Isso é tão idiota - ela disse sem esconder a risada

- chegamos - Millie disse em seguida. A vitrine do lugar estava cheia de vestidos que eu não tinha dinheiro o suficiente nem pra chegar perto. O letreiro escrito "Klenfeld" deixava bem claro que, aquele, não era qualquer lugar pra comprar vestidos de noiva, era o lugar. 

- não vai vir? - Millie perguntou subindo as pequenas escadas

- claro - disse mais para mim mesma do que em resposta

Lá dentro era ainda pior do que o lado de fora, mas eu devia ter imaginado que Lace ia querer um casamento chic e essas coisas. Eu não fico muito confortável no meio de todas essas princesinhas ricas brancas que são as amigas da Lace, elas sempre me olham de um jeito que faz eu me sentir um lixo. 

- odeio isso - sussurrei, peguei a mão de Millie pronta para dar meia volta. Eu posso dizer pra Lace que passei mal ou algo assim, talvez ainda dê tempo de fugir

- Sadie! 


Ou não


- você chegou! - ouvi a voz animada da noiva, me virei 

- eu disse que viria - disse com um sorriso forçado, percebi que ainda segurava a mão de Millie e me apressei em soltar

- vem, as outras meninas estão esperando - o último prego no meu caixão. Apertei os olhos com força e tentei respirar fundo, peguei a mão de Millie de novo e tentei mantê-la atrás de mim. 

- Saide! - um coro se ergueu quase cantando meu nome, fiz um sorriso simpático tentando conter minha vontade de fugir de lá

- querida, a sua pele melhorou muito desde a última vez que nos vimos - Vanessa disse

- você esta linda! Ainda bem que não esta mais com aquelas roupas horríveis da última vez - Carrie. Ela era cruel. Existem pessoas passivas-agressivas como a Vanessa e as que são só agressivas como a Carrie. 

- pois é... - disse forçando o sorriso

- Saide... - ouvi alguém sussurrar e percebi que estava apertando de mais a mão de Millie

- desculpe - disse baixo soltando sua mão

- não nos apresentar à sua amiga, Sadie? - Lace perguntou

- claro, essa é a Millie... - tentei dizer mas estava muito nervosa e Millie percebeu

- Millie Bobby Brown, prazer em conhecer vocês - a olhei espantada quando de repente todas ficaram quietas

- Millie Bobby Brown? A Millie Bobby brown? - acho que foi Katy que perguntou espantada

- primeira e única 

- Lace, por que nunca nos disse que sua cunhada era amiga da Millie Bobby brown? - Carrie perguntou para Lace que estava andando para todos os lados com vários vestidos brancos

- o que? - ela exclamou, comecei a olhar confusa para Millie 

- a filha daquele empresário milionário? Não foi ela que lançou a própria coleção de moda com só 15 anos? - Lace perguntou do provador

- essa mesmo - Katy disse olhando admirada para Millie

Não podia ser a mesma Millie, como eu não sabia de tudo isso? 

- então, meninas, o que acham? - Lace cortou os cochichos saindo do provador, ela estava usando um vestido branco volumoso e cheio de renda. Ela parecia um bolo. Todas fizeram comentários como "lindo! " "Se você não levar eu levo " "Parece que foi feito para você!" "Perfeito! ", mas eu sabia que aquilo não parecia nada com o gosto da Lace

- acho que não é muito a sua cara - disse, todas me olharam como se eu fosse um monstro mas Lace riu. 

- tem razão, é muito cheio e eu já comprei um bolo - não pude evitar sorrir com aquele comentário

- quer ver o seu? - ela perguntou, eu a segui até um provador com o vestido já dentro. Fiquei sem palavras. Era lindo. 

- olhei pra esse vestido e nem quis ver o preço, sabia que era o vestido que você usaria no meu casamento - ela disse, tão doce, tão alegre, tão... Lace. 

- eu não sei nem o que dizer - senti as lágrimas brotarem nos meus olhos

- não precisa dizer nada, só prova o vestido logo, quero ver como o vestido ficar nas duas - ela disse saindo do provador para que eu me vestisse, tentei segurar a emoção mas não pude evitar uma lágrima escorrer, e pensar que ela... 

- espera, você disse "duas"? 

- é, você e a outra dama de hora

Ah, não. 

Tentei não me concentrar nisso, o que não foi difícil depois de me ver no vestido, acho que é a coisa mais bonita que já vesti. Era rosa pálido, com o recorte de pequenas flores, na barra uma fita branca, a altura pouco abaixo dos joelhos. 

Sai do provador esperando que dissessem alguma coisa... Mas acho que nem notaram a minha presença ali. Confesso que fiquei um pouco chateada mas tudo bem, eu sei que estou bonita. É isso que importa. 

- uau - ouvi alguém dizer quando estava dando meia volta para o provador. Não sabia quem era a garota de cabelos loiros e olhar marcante, mas reconheci o vestido que usava. Era a outra dama de honra. 

- obrigada - disse voltando ao meu caminho

- ei, você precisa tirar as medidas pros ajustes - ela disse e eu fui até aquela espécie de pequeno palco onde ela estava 

- então, você é a outra dama de honra... - me perguntei se ela sempre parecia tão misteriosa e cínica falando coisas simples

- acho que sim

- você tem um nome, outra dama de honra? - ela perguntou descendo do pequeno palco e se aproximando até ficar a minha frente, com os seus olhos presos aos meus e o olhar dela era tão intenso que eu esqueci da pergunta por alguns segundos

- Sadie - disse um pouco nervosa, ela deu mais passo para frente e nesse momento eu quase não consegui respirar

- vai lá, é a sua vez - ela disse sem se afastar nenhum centímetro. Me afastei soltando o ar que nem percebi que havia preso, subi no pequeno palco para que tirassem minhas medidas ou alguma coisa assim

- então, Saide - ela enfatizou meu nome

- de onde você conhece a Lace? - ela perguntou se sentando no divã na minha frente

- sou a irmã do noivo - disse, ouvindo um "aaah" De entendimento no mesmo tom de voz cínico

- e você? De onde conhece a Lace? 

- sou irmã dela - ela disse com o sorriso mais cínico que eu já vi

- não sabia que a Lace tinha uma irmã - disse sem me dar o trabalho de esconder minha surpresa

- ela tem duas, mas acho que tem razão. - ela se levantou, e eu juro que senti meu coração errar algumas batidas quando ela começou a ser aproximar

- acho que nunca fomos apresentadas - parou á centímetros de nossos rostos se tocarem. E por um minuto eu me perdi no olhar dela e o seu perfume doce

- Tess Levy - ela disse me encarando com um leve sorriso satisfeito em saber que eu já estava sob o efeito dela. 

- Sadie Sink - respondi engolindo em seco. Os olhos eram cínicos e insinuantes, carregava uma confiança quase perigosa. Só voltei a mim mesma quando ouvi " Pronto" Dito pela costureira atrás de mim sem saber se tinha ficado ali por um segundo ou uma hora

- bom, Sadie Sink, você - senti o olhar dela descer pelo meu corpo e a essa altura eu mal conseguia respirar. - esta incrível. 

- vocês ficaram lindas - ouvi a voz de Lace e me apressei em me afastar

- os vestidos ficaram perfeitos - Vanessa disse

- você está... Incrível - Millie disse e não pude conter o sorriso

- sou só eu que não consigo encontrar um vestido - Lace disse com voz chorosa

- já é o 18° vestido que ela prova e rejeita, os atendentes até já desistiram de ajudar - Tess sussurrou para mim e não pude evitar a risada, talvez fosse karma

- aposto que já conhece esses surtos de cor - e dessa vez foi ela quem riu

- Sadie, você quer alguma coisa...? - Millie parou a frase no meio do caminho

- quem é a sua amiga?

- Tess, prazer

- Millie, vocês se conhecem á muito tempo? 

- eu só soube da existência dela á dez minutos - disse prendendo a risada

- é que achei que fossem amigas - Millie disse meio constrangida e eu já não estava mais conseguindo conter a risada. Com certeza não éramos amigas, porque certamente os pensamentos que estavam passando pelas nossas cabeças não eram sobre amizade. 

- nós somos - Tess disse felizmente mais controlada do que eu. Millie me encarou meio confusa enquanto eu recuperava minha postura

- então... Você deve ser a namorada dela - nesse momento meus olhos quase saltaram da cara

- o que? Não, não. Somos só amigas - Millie disse visivelmente constrangida e bem nervosa

- que bom saber - Tess disse com um sorriso satisfeito e simplesmente foi embora. 

Millie me encarou com uma pergunta silenciosa

- o que você estava dizendo antes? - perguntei tentando desviar o assunto

- nada. Só queria uma desculpa pra dizer o quanto você esta bonita - ela disse e acho que não consegui esconder o sorriso

Lace experimentou mais três vestidos antes de achar o ideal e quando isso aconteceu foram gritos e champanhe pra todo lado, Millie se deu bem com as madrinhas e logo foi sugada por elas mas foi fofo quando ela estava brincando com o pagenzinho. E eu, eu fiz o que sempre faço quando a questão são as amigas da Lace, me sentei afastada e observei. Elas pareciam feliz, bebendo e fofocando. As risadas eram cada vez mais altas e os tons de rosa dos vestidos das madrinhas se misturava com o branco do próprio lugar. Era uma imagem bonita. 

- a gente quase nem tem se falado - Lace disse se sentando ao meu lado e eu quase não havia a visto se aproximar

- pois é, acho que você tem andado ocupada com o casamento - mantive meus olhos fixos nas garotas dançando e comemorando mas vi de canto de olho a expressão de Lace murchar

- mas então, como anda a escola? Tem falado com alguém? - ela desviou o assunto, fazendo a última pergunta com um toque de malícia na voz

- sim, eu sempre falo com várias pessoas, os professores, os funcionários… - disse me fazendo de desentendida, ela riu, aquela risada alta e familiar que sempre me animava mas agora só me irritava

- você sabe o que eu quis dizer, você gosta de alguém? - e aquela pergunta me pegou desprevenida. Perdi meu olhar em todos aqueles vestidos e madrinhas rindo e conversando. Eu não sei o que eu sinto ou talvez eu só tenha medo de admitir. 

- a gente sempre gosta. Quero dizer, mesmo quando não significa muita coisa, a gente sempre gosta de alguém... - e de repente, quando encontrei Millie no meio daquela confusão de rosa e branco, senti uma estranha clareza

- geralmente é a pessoa errada. - pensei em voz alta por um segundo. 

- sabe, acho que não existe a pessoa certa ou a pessoa errada, só aquela que te faz sentir. 

Eu me despedi da Lace quando já era umas 16h e eu estava definitivamente cansada daquilo. Millie me pergunto se eu queria comer alguma coisa mas sinceramente tudo que eu queria era ir pra casa e parar de pensar. Winona teria dito que evitar o problema não faz ele desaparecer e ela estaria certa, como sempre. Eu sentia uma falta imensa de fazer terapia mas Winona pediu uma licença de duas semanas, então, vou ter que ignorar os meus problemas por mais uma semana. 

- oi, mãe. Cheguei! - gritei assim que entrei no nosso apartamento. Ela não respondeu. Achei estranho (principalmente pelo fato de todas as luzes estarem apagadas) e fui procurá-la na cozinha e... Ela estava lá. No escuro, com uma taça de vinho tinto e os olhos vermelhos. Já sabia o que significava. 

- oi, mãe - repeti mais baixo

- ah, oi, filha - ela disse sem muito ânimo e com a voz trêmula

- o papai esteve aqui? - perguntei já sabendo a resposta

- é, ele... Disse que queria te ver 

- ele veio pedir alguma coisa? 

- não, só me lembrar que eu sou uma mãe terrível e que ainda devemos 700 dólares pra ele - ela disse com um sorriso tanto amargo quanto sarcástico. 

- você parece cansada, que tal deixar tudo ai e ir deitar? - ela me encarou com os pesados e cansados olhos, as rugas mais aparentes o que a fazia parecer mais velha do que realmente era. 

- não se preocupe, eu limpo - disse tentando sorrir e ela sorrio de volta. Ela se levantou e subiu as escadas com a taça de vinho na mão. 

Alguns anos atrás, minha mãe e eu fomos despejadas do apartamento no qual moravamos. Eu tinha nove anos. Meu pai, como o bom samaritano que é, nos ofereceu pra alugar um apartamento pra nós e depois nós iríamos pagar tudo. Minha mãe tinha perdido o emprego e estava difícil encontrar outro então, nós aceitamos. Foi só um ano que nós moramos lá mas desde então, meu pai sempre aparece cobrando cada centavo que ele gastou com a gente. Ele costumava dizer que ela era como uma máquina velha, cheia de engrenagens eficientes mas pouco a pouco as engrenagens iriam ficar mais lentas e finalmente quebrar. E toda vez que ele aparece, ela fica mais quebrada. 

Subi as escadas para o terraço, Caleb sempre vinha aqui pra pensar quando ainda morava com a gente. Ele dizia que era pra arejar a cabeça, que precisa de um lugar onde pudesse ver o céu, um lugar pra quando as paredes estavam se fechando. 

Peguei meu celular no bolso do casaco tentando acalmar as lágrimas, disquei aquele número que acho que foi o primeiro que aprendi, o vento era frio e podia sentir meus dedos doloridos ao tocarem na tela do celular. " Oi, aqui é o Caleb sink, pode deixar seu recado" Ouvi aquela voz familiar e idiota dizer

- oi, olha... - tentei recuperar o controle sobre a minha voz - eu tô te ligando porque você mentiu. Você me disse que estaria comigo quando eu precisasse, você prometeu Caleb! Você prometeu que não ia me deixar sozinha! E você quebrou a promessa... Você era meu melhor amigo... Você me prometeu que eu não ia estar sozinha... Mas agora eu to sozinha, ta tudo desmoronando e eu tô sozinha...Você não me ligou nem no meu aniversário, você tá noivo á três meses e nem veio aqui me contar, sabe como a mamãe ficou quando viu que foi a Lace que veio nos convidar uma semana antes?! - gritei

- você era meu melhor amigo e você me deixou sozinha, você me deixou sozinha no inferno e decidiu começar uma nova vida. Pois bem, espero que você esteja muito feliz na sua nova vida mesmo que você tenha me excluído dela.

Desliguei

Fechei os olhos tentando me recompor. O vento frio secava minhas lágrimas e aliviava a pressão quente que se formava na minha cabeça. A brisa abraçou meu corpo e vi ao longe as folhas douradas do outono voarem. Livres, despedaçando-se ao vento tornando-se uma lembrança delicada do que já foram. Talvez eu fosse como elas, feita de pedaços. 




Notas Finais


Sei que a quarentena esta um tédio, mas sabe o que é pior do que tédio? Pegar Corona Viros por isso fiquem em casa. 😘

Comentem o que acham que vai acontecer


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...