História My Bad Boy... - JiKook - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Hentai, Jikook, Jimin, Jungkook
Visualizações 42
Palavras 1.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois de tanto tempo... Vamos para um cap maravilhosssssoooooooooo

Capítulo 10 - Alucinações... Essas malditas alucinações...


Fanfic / Fanfiction My Bad Boy... - JiKook - Capítulo 10 - Alucinações... Essas malditas alucinações...

Jimin chega em casa, com um guarda chuva que estava todo molhado, o guarda chuva que JungKook deu para Jimin, Jimin estava com rosto pálido, olhos vermelhos de tanto chorar, e em sua mão livre tinha um papel escrito várias coisas... Era um exame que fez... Jimin fecha o guarda chuva, e coloca a mão na frente da boca e espirra várias vezes, e quando acaba de dar aqueles espirros, logp vê sua mesinha com o notbook aberto mostrando o Word e o relato que escrevia, ele arregala os olhos e dá passos em direção ao notbook, ele senta lentamente na cadeira e encarava as palavras e volta a digitar com seu rosto que estava pálido:

 

 “Já teve visões malucas? Coisas da mente que parecem reais? Bom isso que torcia para ter no lugar dele, aquelas dolorosas visões loucas que o cérebro nos mostrava que torcia... Sentir a mesma dor... Mas o que podia fazer era abraçar essa querida pessoa má com loucuras...”

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 Fiquei aliviado e contente de saber que Kook me perdou, eu trabalhei aliviado e com calma, eu estava na minha área de trabalho, estava sentando em minha cadeira lendo o que anotei no caderninho sobre o JungKook, o que anotei, e apenas lia, até a dona do prédio, aquea chata entrar e falar:

 - Park Jimin, cade te-... - ela olha pro meu peito e ve o clacha.

 Eu coloco uma perna minha em cima da outra, a olhando com um olhar tipo "Que tu ia falar memo?", ela sai da minha sala constrangida, e eu começo a ri, ai entra minha primeira paciente, ela começa a desabafar e o dia inteiro fiquei trabalhando, mas mais uma vez, o JungKook não veio, isso me preocupou, então quando acabou meu trabalho, saio da area assustado e andava olhando em volta procurando o JungKook, até eu me deparar com cena dele, no meio da rua deserta, seus olhos lacrimejavam e olhava em volta assustado, eu o olhava assustado e pergunto:

  - Doido, o que faz ai?

 Começo escutar um som de carro vindo, eu arregalo os olhos e olho pro outro lado da rua, onde vinha um carro em direção do JungKook e eu grito:

 - JUNGKOOK!!!

 Na mesma hora que já gritei eu corro pulando em JungKook nos jogando longe do carro,  o carro acaba perdendo controle e bate no poste, o vidro que quebra ia em nossa direção, ia NA MINHA DIREÇÃO, mas JungKook fica em cima de mim fazendo os caquos de vidro ir em suas costas, fazendo várias feridas, eu o olhava corado de olhos arregalados.

              [QUEBRA DE TEMPO]

 - Aiiiiii! Isso dóiii muito! - reclama ele.

 Sim, estavamos na minha casa, estavamos na sala, sentados no sofá, no braço dele foi uns caquos de vidro, eu tinha tirado e passava um algodão com um remedinho, só que doia, claro! Eu passava o olhando com calma, e ele gemia e falava com dor:

 - Jimin, isso tá doendo muito!!!

 - Calma... - falo numa calma - ...É pro seu bem...

 Os olhos dele lacrimejam e eu passava e olho ele e pergunto:

 - Tentou se suicidar?

 - N-não me lembro... - responde ele assustado - ...Eu me lembro que estav-estava nu-num funeral...

 Eu arregalo os olhos e falo:

 - JungKook, você estava na rua...

 - Não... Eu estava num velório!!! - insisti ele com descontrole.

 Eu fico intimidado e abaixo a cabeça, ele estava com alucinações, eu o queria abraçar mas naquele momento iria o machucar mais por causa dos caquos de vidro, volto a passar o algodão, enquanto passava fazia cafuné na cabeça dele o acalmando...

 Durante á noite, eu dormia, até eu escutar um choro, sim, JungKook dormiu em casa pra eu cuidar melhor dele, eu abro os olhos devagar acordando, suspiro, e fui pra sala, ele não teve coragem de dormir comigo no quarto, na mesma cama, ele dormia no sofá da sala, ele estava coberto e chorava, eu o olhava e murmuro:

 - Jeon...

 Solto um suspiro, agacho e acaricio os cabelos dele e falava:

 - Calma, eu estou aqui...

 Ele tremia, arrepiava e ficava pálido, eu o abraço forte e sinto suas mãos tocarem em mim e escutava choros e a voz dele falando:

 - Não me abandone...

 - Não irei... – falo acariciando ele.

 Depois que acalmo ele, volto a deitar na minha cama, me cubro e apago o meu abajur, mas ai sinto alguém me abraçando, eu abro os olhos, acendo o abajur e vejo JungKook abraçado em mim, eu coro muito e olho ele com olhos arregalados.

 - Espero que não se incomode...

 Isso que ele apenas disse, de olhos fechados, eu abraço ele com força, por mais que ele estava dormindo falo:

 - Não incomoda... Estou gostando...

 Durmo, abraçado nele e ele abraçado em mim...

 No outro dia, de manhã, eu acordo cedo, me levanto, olho JungKook dormindo, eu o cubro com um cobertor quentinho, e vou para a cozinha, começo a fazer panquecas, depois um chocolate quente para nós dois... Enquanto fazia o chocolate quente, eu escuto som de passos, olho pra trás e mexia com a colher uma xícara com chocolate quente, e vejo a belezinha do JungKook, ele estava usando um pijama meu que o deixava fofo, uma blusa de pijama de frio, vermelho com faixas brancas e uma calça azul de pijama, ele sorri pra mim e eu falo com sorriso:

 - Bom dia...

 - Bom dia... – fala ele com sorriso tímido.

 Eu acabo de mexer o chocolate quente com a colher, coloco na mesa, era o dele e falo:

 - Pode se sentar... Se sinta em casa...

  JungKook tímido, senta na cadeira e fala:

 - Eu também gosto de toddynho...

 - Ai ce quer demais! – falo rindo e fazendo outra panqueca.

 Ele ri e bebe um gole do chocolate quente, eu olho pra ele, vou até a costa dele e levanto a blusa dele por trás dele, olhando as costas dele e falo:

 - Olha, já cicatrizou...

 Ele sorri e fala:

 - Sim...

 Eu abaixo a blusa dele novamente e volto a fazer as panquecas, até do nada, escutar um som de algo quebrar, eu olho pra trás assustado, e arregalo os olhos, JungKook estava com as mãos na cabeça, ele gritava:

 - SAI DA MINHA FRENTE!!!

 Eu corro até ele o abraçando e pergunto:

 - Jeon?

 Ele chorava e eu o abraço forte, ele chorava e me abraça também...

 Estávamos andando na rua, nós dois juntos, em direção ao meu trabalho, a gente andava conversava e ria, ele estava super feliz e segura minha mão, me fazendo corar, ele me olha com um sorrisinho e levemente corado... Eu dou um sorriso e continuávamos andando, até ele olhar pra frente, aquele sorriso desmanchar e seus olhos lacrimejar.

 - JungKook?

 Ele começa a chorar, e eu o abraço de lado e andávamos, eu enxugo as lágrimas e eu falo:

 - Eu estou ao seu lado...

 Ele fala chorando assustado:

 - Mas eu estou na sala de tortura! Eu estou amarrado! Vão me torturar! Não! Isso não!

 Ele estava alucinando de novo, eu o abraço mais forte de lado e falo ainda com sorriso:

 - Ah não vai! Eu vou te proteger até o fim, ok?

 Ele olha pra mim com sorriso e me abraça forte me derrubando, eu o abraço também com sorriso e risada...

 Chegamos na minha área de trabalho, entramos na minha sala de trabalho e o sento no sofá e falo:

 - Bom, será meu primeiro paciente hoje...

 Dou um sorriso e ele sorri também, ele se deita no sofá e eu trago á ele um copo com água, sento na minha cadeira e ele pergunta:

 - Pra que desabafar?  Tu já viu...

 - Me fale, o que via ou passava em sua mente nessas horas... – respondo.

 Ele suspira e começa a falar:

 - Eu estava em uma trevas sem fim, escuridão, era tipo escuro e escuro... E depois, eu fecho os olhos e os abro, estando no funeral, estava já no sepultamento enterrando o caixão de uma pessoa querida á minha, aquilo me assustou, todas as lembranças dominaram á mente, lembrava de cada momento divertido com ela... Até chegar ai... Depois fui para sua casa, e á noite, eu tinha pesadelos da escuridão e a voz do garoto que fudi a vida dele... Depois você eu estava numa sala de tortura como seu pagasse pelos os pecados que fiz contra esses dois...

 Eu o olho, e ele arregala os olhos olhando o teto, seus olhos lacrimejam e ele grita:

 - Não, Hoseok, não, ME PERDOA!!! ME PERDOA!!! PERDOE-ME POR ELA TER MORRIDO!!!! NÃO É MINHA CULPA!!!

 Ele começava a berrar, chorando, colocando as mãos no cabelo, ele os agarrava, eu me levanto da cadeira, deito ao lado dele e o abraço forte e ele se acalmava, vira para mim e me abraça forte chorando, eu acariciava os cabelos dele e penso: “Alucinações... Essas malditas alucinações...”.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 Jimin para de digitar, e lia as ultimas palavras que colocará, até ele sentir um toque no ombro, nessa hora ele olha pra trás assustado e procurava quem o tocou, era ninguém... Ele perguntava, se tinha alguém ai... Mas nada escutou, a não ser o próprio silencio...

CONTINUA NO PRÓXIMO CAPITULO...


Notas Finais


Espero que gostem... Ansiosos pro próximo capitulo? Até lá...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...