História My bad girl - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias League Of Legends
Personagens Caitlyn, Vi
Tags Vixcaitlyn
Visualizações 126
Palavras 1.029
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Postei mais cedo pq eu sou um amor
Um anjo
Um ser mt bom

Capítulo 26 - Capítulo XXIV - Mãe ao resgate!


Fanfic / Fanfiction My bad girl - Capítulo 26 - Capítulo XXIV - Mãe ao resgate!

— Derrotados por Draven!— Gritou o rapaz ao ver que o último inimigo havia caído no chão completamente derrotado. 

Sinceramente, para eles não havia sido uma luta fácil, afinal a diferença, mesmo após a chegada do reforço, era grande e os alunos eram bem treinados por sua escola, mais um pequeno número de pessoas e eles não teriam aguentado. Todos estavam felizes, mas ainda sim havia a exaustão, Ekko e Jinx mal conseguiam se manter em pé sozinhos e Vi podia jurar por todos os deuses que havia fraturado mais uma costela.

— Fiora vai me matar quando ver meu estado.— A delinquente se arrependeu de rir ao sentir uma pontada de dor. Ela olhou bem para o seu estado e concluiu que estava bem pior do que pensava, havia tanto sangue que ela não sabia dizer se era só dela ou também dos outros com quem havia lutado. 

— Fiora vai matar todos nós.— Brincou Darius, apesar de conter um pouco de verdade por detrás daquela brincadeira. 

Eles se aprontaram para ir embora, levantaram aqueles que não conseguiam se erguer sozinhos e caminhavam em um ritmo lento para que pudessem acompanhar. Eles não esperavam que mais um grupo iria aparecer. Um grupo que vinha acompanhado de um professor.

— Até professores são delinquentes agora? Aonde esse mundo vai parar?— Mesmo sendo um momento um tanto quanto impróprio, a garota de cabelo rosa não viu outra opção se não uma piada de mau gosto.

— Vocês da League of Academy irão pagar caro pelo o que fizeram com meus alunos.— Berrava o professor em plenos pulmões. 

— Por que está gritando?— Questionou Darius ao homem, o rapaz o olhava incrédulo.— É sério, estamos na frente de vocês, não havia necessidade.— Ver o grupo da acadêmia rival cair em gargalhadas apenas os deixou mais enfurecidos.  

— Não podia ser uma mulher?— Lamentou Vi.— Assim eu poderia tentar a conquistar, mas que seja, vamos, vamos, se aprontem.— Eles deixaram os feridos no chão e assumiram uma pose de luta.— Eu fico com o professor. — Seu ânimo por pouco não escondeu sua expressão de dor. 

Apesar de terem tido um bom início naquele combate, não durou muito tempo. O cansaço começou a afetar seus movimentos e alguns não podiam lutar livremente por causa das dores que sentiam em seus corpos. Vi parecia sentir o dano em dobro e seus reflexos estavam ruins devido a exaustão.

— Está se saindo bem garotinha.— Elogiou o professor, mas a delinquente achou que ele estivesse sendo irônico. Ela estava levando uma surra! 

Como se não bastasse todos seus amigos estarem caídos ou sendo derrubados, Vi também fora pega em um ganho que deixou suas pernas bambas. O homem a ergueu pelo colarinho e sorriu vitorioso.

— Você teria sido bem aproveitada na nossa escola.— Concluiu o professor.— Uma pena que tenha escolhido a elite.— Ele não soube dizer se foi o vento frio ou o sorriso daquela garota que o fizera arrepiar. 

O homem estava tão concentrado com Vi que não entendeu absolutamente nada ao sentir seu corpo ser arremessado para trás por algo que se assemelhava a aço acertando em cheio sua barriga. A delinquente fora jogada para cima e fechou os olhos se preparando para o impacto com o chão, mas estranhou ao ver que parou no ar.

— Mamãe ao resgate.— Debochou Fiora enquanto a segurava no colo. A delinquente nunca ficara tão feliz em ver sua diretora em toda sua vida.

— Mãezona, você demorou.— Ela acabou entrando na brincadeira da mulher mais velha. Fiora colocou Vi cuidadosamente deitada no chão ao lado de Draven e seu irmão mais velho. Todos os alunos sorriram aliviados ao ver sua tão amada diretora.

— Então foi você o responsável por isto.— O olhar mortal que Laurent lançou para o homem o fez recuar.— Você tem muita coragem de mexer com meus alunos, mais coragem ainda por ferir diretamente minha filha.— O tom sombrio de sua vez fez até mesmo a delinquente se assustar. Ela nunca vira Fiora tão brava em toda sua vida.

— E o que vai fazer?— Perguntou o professor com uma falsa coragem.

— Ouvir a sua voz ao morrer.— Ele arregalou os olhos e se apavorou ao vê-la se aproximando lentamente.— Seus alunos á gritar, é música no ar!— A diretora não se segurou ao ver as crianças se encolhendo e deu uma sonora gargalhada. Ela contornou o pescoço do homem com sua mão lentamente, saboreando lentamente a arte da vingança, sentido o antigo desejo de matar. Ela não podia descrever em palavras a raiva que sentiu daquele homem ao vê-lo prestes a machucar sua amada protegida. 

— Por favor, não faça isto.— O professor abandonou completamente sua pose corajosa e decidiu apelar para o perdão da mulher.

— Eu sempre peço para que minha misericórdia fale mais alto que meu ódio.— Ela ia apertando aos poucos enquanto o observava sufocar.— Mas neste momento meu ódio está gritando mais alto.— Lamentou com um falso arrependimento. 

— Sei que está sentindo ódio, mas por favor não faça isto.— Pedia Vi com suas últimas forças.— Ele não vale isto, não o faça!— Mas Fiora não parecia ouvir a delinquente e isto preocupava a todos.— MÃE, NÃO FAÇA ISTO!— Laurent despertou ao ouvir sua protegida a chamando de forma tão afetuosa, ela não notou nenhum tom de deboche e isso a assustou. Ela largou o rapaz no chão e se virou para Vi, que estava corada por ter gritado aquelas palavras tão alto.

— Você realmente disse isto em voz alta na frente da Caitlyn.— Se a delinquente tivesse força teria levantado e espancado sua diretora, mas como não podia apenas tentou esconder o rosto corado com suas duas mãos. Ela nem sequer tinha ideia de que Caitlyn tinha vindo com sua diretora. 

— Que vergonha.— Provocou Darius meio a risos. 

Após tudo ter sido resolvido e o grupo da escola militar praticamente implorar de joelhos por compaixão, Fiora os deixou em paz e foi junto com seus alunos de volta para a acadêmia. O caminho todo foi basicamente todo mundo implicando com Vi por ter chamado Fiora de mãe tão alto, e apesar da mesma também estar a zoando, no fundo ela estava imensamente feliz pela delinquente a ter chamado assim. 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3
Prometo que vou botar mais Caitlyn e Vi, foi só pra dar uma fugida ashdsha
Enfim, até semana que vem <3
Comentem :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...