História My bad Wolf - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 5


Escrita por: e Qualquer_uma

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Min Yoongi (Suga)
Tags Chapeuzinho Vermelho, Jungkook, Min Yoongi, Você
Visualizações 334
Palavras 1.755
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Novamente, nos desculpem pela demora. Não era nossa intenção demorar tanto para postar o cap.

Capítulo 5 - Mentiroso


Fanfic / Fanfiction My bad Wolf - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 5 - Mentiroso

Estava perto do crepúsculo, quando finalmente estava chegando no vilarejo. Minhas pernas doíam pela longa caminhada e esforço que aquele dia estava me proporcionando, a única coisa que eu queria naquele momento era minha casa, um banho tomado e cama, principalmente essa, por todas as células de meu corpo implorar, clamarem e chorarem por descanso. Realmente o dia não tinha sido fácil, depois eu pensaria em Yoongi, Jungkook, Deusa, Taehyung, sacerdotisa; esses assuntos que faziam minha cabeça doer mais ainda.

Eu vi ao longe muitas pessoas aglomeradas. Estranho. Há essa hora todos do vilarejo estariam arrumando-se para o acolhimento, a não ser... Sai correndo com medo pulsando em minhas veias. Chegando perto, reparei que os rostos das pessoas na multidão estavam desolados olhando para a frente, onde alguém que prendia atenção das presas. Era Yoongi.

EU TENTEI COM TODAS MINHAS FORÇAS SALVA-LA. — Yoongi bradava para que todos o ouvissem. — MAS A FERA ERA FORTE DEMAIS... ELE LEVOU A (S/N) PARA AS PROFUNDEZAS DO BOSQUE. CORRI PARA O PERSEGUIR, NO ENTANTO DE NADA ADIANTOU, ERA UM MONSTRO, UM LOBO GIGANTE. Acredito que ele a tenha... — Não continuou a sentença, virando rosto dramaticamente para o lado como se reprimisse uma grande angústia, o que me fez revirar os olhos. 

As pessoas em volta pareciam ainda inconsoláveis, ao longe vi meu pai abraçando minha mãe enquanto ela chorava descontroladamente, e ele, pude ver pelo seu rosto exausto o quanto estava triste, não conseguindo conter algumas lágrimas teimosas que caiam de seu rosto. Aquilo apertou meu coração.

Continuei olhando em volta e percebi as gêmeas, Sonmi e Somi, uma apoiando a outra enquanto choravam, a Mercedes, que era sustentada por suas filhas, negava com a cabeça o fato como se aquilo tudo fosse uma mentira. Contudo era uma mentira, eu estava ali.

— ELE NÃO FEZ NADA COMIGO. — Gritei em alto e bom som chamando atenção de todos para mim, pareciam bem chocados. Olhei firme para o Yoongi e em seu rosto se tornou uma careta no qual rapidamente ele se recompôs ao papel que estava fazendo e deu um sorrisinho, não entendi, mas vou desmascarar esse lobo em pele de ovelha logo. — COMO PODEM VER, EU ESTOU BEM VIVA, E ESSE...

— AHHHHH (S/N). — Ele exclamou, me interrompendo, vindo em minha direção. — VOCÊ NÃO TEM IDEIA DE QUANTO DESESPERADO FIQUEI. — Tenho sim, o suficiente para correr para salvar a si mesmo e deixar-me morrer. — Agora me sinto tão feliz pela senhorita ter conseguido escapar. — Ele me abraçou, chamando atenção de todos, mas em seguida, sussurrou em meu ouvido para que somente eu escutasse. — Se você dizer um “a” mato você e sua família.

Fiquei parada em choque, imagens dos meus pais e da minha avó morta fizeram-me engolir cada palavra que iria proferir nesse momento, engoli em seco, nervosa com tudo que estava acontecendo comigo.

— Que bom que você está bem, fico tão aliviado...

— (S/N)! — Ouvi uma voz muito conhecida e virei para sua direção. — Minha filha, minha garotinha. — Minha mãe disse enquanto me abraçava e embalava desesperadamente, como se eu fosse desaparecer a qualquer momento.

Meu pai veio junto dela e abraçou-nos com seus fortes braços, chorando ao me ver. Com certeza, estava ficando assustada com toda essa situação.

— Bendita seja a Deusa, com toda sua benevolência, permitiu que voltaste viva. — Meu pai exclamou afetado.

— Isso merece uma festa. — O ferreiro disse alegre ao que todos estavam animando para começar os preparativos. — Hoje será lembrado para sempre. Quando a chapeuzinho ressurgiu depois de enfrentar o lobo.

— Mas como você conseguiu escapar? — Krystal perguntou inocentemente, contudo o vilarejo todo tinha sua atenção voltada para mim.

Ignorei a pergunta de Krystal e pigarreei.

— Mãe, pai. — Os chamei, olhando para eles, quase choramingando. A melancolia já havia me dominado. — Levem-me para casa, estou exausta, hoje o dia foi demais para mim.

Eles prontamente me acolheram, e direcionaram para nossa casa. O vilarejo pareceu entender minha situação e auxiliou-os como podiam.

Chegando em casa, minha mãe preparou a banheira, com sais de banhos, e esquentou a água, separando as peças confortáveis para vestir após o banho. Entrei na banheira, sentindo uma dor imensa invadir meu corpo, fazendo-me soltar grunhidos desagradáveis.

— Calma, você consegue. Isso é necessário para que esses arranhões não infeccione. — Mamãe tentava acalmar-me, quando viu que eu queria sair da banheira o mais rápido possível. — Viu como você é forte? Nada abala o ser nascido do inverno. Você tem a força de uma rocha, só não sabe.

Dito isso, ela começou a banhar-me, passando pano em todo meu corpo, limpando tudo por fora, nem imaginando o quanto eu queria ser limpa por dentro, limpar todas as lembranças daquele dia ruim, ao mesmo tempo que lágrimas silenciosas desciam por seu rosto. Não conseguia aguentar, então minhas lágrimas fizeram companhia as dela, ficamos em silêncio pelo alívio de termos uma a outra.

Em seguida, ela secou-me e ajudou a vestir-me. Eu queria dizer para ela que não era necessário, porém meu corpo estava tão pesado, que nem me aguentava em pé direito. Quando já estava na cama deitada, ela sentou-se na beirada, afagou meus cabelos e disse:

— Hoje você nos deu um susto imenso. — Confessou , fechando os olhos lembrando de agora há pouco. — Quando Yoongi chegou sem você, todo machucado, pensei que…

Espera, Yoongi machucado? Mas ele não sofreu nenhum arranhão quando estava comigo. Como ele podia ter se machucado? Certo que eu me machuquei correndo do seu ser, porém, ele estava tendo cuidado com tudo. Não deveria estar machucado, ou era só mais um dos seus planos para pensarem que o pobre caçador fora uma vítima?

— Está tudo bem. — Murmurei. Não estava nada bem. — Eu estou bem, não precisa se preocupar.

— Sim… — Sorriu sem graça, passando as mãos em meu rosto, tirando vestígios de lágrimas. — Agora precisa descansar. Te amo tanto, minha (S/N).

 Ela deu um beijo em minha testa, ajeitou minhas cobertas, deu uma última olhada em mim, e saiu do quarto.

— Te amo mamãe. — Murmurei baixinho, antes do torpor vencer meu corpo e entregar-me ao sono.


Pela manhã, o sol irradiava o vilarejo. Todos estavam surpresos e alegres pela pequena sensação de calor. O inverno acabara de começar, não vai embora tão cedo. Eu estava na campina com as gêmeas, pegando um pouco de sol. A sensação era tão gostosa, tinha esquecido como era o calor. 

Nada havia descongelado, tudo estava coberto de neve; as árvores, flores, a grama. E mesmo com o sol, eu sentia a neve gélida debaixo da toalha de piquenique que estávamos em cima.

Somi e Sonmi estavam com vestidos um pouco acima dos joelhos, assim como eu. Não era bem visto vestidos assim, mas estávamos aproveitando o sol, não era tão errado. Afinal, não tinha nenhum homem na campina.

Minha mente ainda estava atordoada pelo o que aconteceu no dia anterior, foi horrível lembrar de Yoongi tentando… não gosto nem de lembrar. Ele não falou comigo hoje, sai mais cedo do que nunca por esse motivo; não queria encontrar Yoongi de maneira alguma. Portanto, o vilarejo não era tão grande, era bem pequeno, mais cedo ou mais tarde vamos acabar nos esbarrando. 

Só espero que seja bem mais tarde… não tenho pressa em vê-lo.

Escutei um barulho vindo da escuridão no sul da floresta. As gêmeas pareceram não perceber. Estavam distraídas demais para darem atenção a um simples barulho.

— Hmmm… (S/N) , você tem tanta sorte… — Sonmi quebrou o silêncio que tanto estava presente. 

Ela tinha razão. Eu tinha muita sorte, mas ao mesmo tempo não tinha.

— Não é porque você conseguiu se safar do lobo. — Somi completou, endireitando sua postura , sentada ao meu lado. — É porque você tem o Yoongi… 

— Ele se importa de verdade com você. — A outra gêmea continuou. — E é tão bonito e atraente. — Sua voz soou maliciosa, parecendo ter pensamentos impuros com o homem que ela jamais poderia imaginar seu verdadeiro ser.

Yoongi me dava nojo. Quando penso nele ou toco em seu nome, tenho vontade de vomitar. 

— Case-se com ele. — Falou ligeiramente Somi, arregalando os olhos. — Já o vi tomando banho, é um pecado em forma de gente.

Elas não sabiam o que estavam dizendo. Elas não conhecem o Yoongi. Certo que ele é bonito e tudo mais, porém, isso não me importava, ele tentou abusar do meu corpo… isso, jamais vou esquecer. Queria contar para elas o que aconteceu. O medo de perder minha família era maior do que tudo. Não posso arriscar minha única família.

— Vocês não sabem o que dizem. — Única coisa que podia dizer. 

— Sabemos que não quer se casar com ele; mas pelo menos aproveite que ele está na sua. 

Eu não estava mais aguentando falar de Yoongi. Queria gritar para elas pararem de falar dele. E, novamente escutei o mesmo barulho vindo do sul da floresta. De imediato, vi o lobo gigantesco entre as árvores me observando de longe. Meu corpo tremeu. Ele não devia ficar tão exposto, era perigoso demais.

Depois de alguns minutos nos encarando, ele fez um movimento rápido com a cabeça, e sumiu no meio da neve. Levantei-me às pressas da toalha, as gêmeas ficaram confusas parando rapidamente de tagarelar sobre o babaca que tanto estava me incomodando.  

Dei uma desculpa qualquer e entrei no meio daquele monte de árvores congeladas. As gêmeas combinaram de ficar me esperando na campina, se não voltasse antes que o sol sumisse, elas iriam embora sem mim. O frio me pegou desprevenida, dentro da floresta estava congelando, e antes que eu me aprofundasse mais naquele monte de árvores, vi Jungkook sentado, encostado em um tronco de árvore gigante. 

Abracei meu próprio corpo enquanto me aproximava, sentei-me ao seu lado, em uma certa distância e fechei a cara, por estar morrendo de frio. Meu bumbum doeu com a temperatura da neve, mas logo me acostumei. Jungkook virou o rosto pra mim e sorriu , mostrando que era superior a mim.

Ele não estava vestido como de costume, mas hoje era diferente, não estava nu, apenas de peça íntima. Ele realmente não se incomodava com o frio. Nenhuma careta, nenhum sinal de arrepio , nada que o entregasse…

— Hmm, você provoca demais, garota. — Murmurou risonho, voltando seu rosto para frente, onde não tinha nada além de neve.


Notas Finais


Agradecemos por todos que leram até aqui.
Até o próximo capítulo, anjinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...