História My Big Brother (Imagine - Jimin - Incesto) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Incesto, Park Jimin
Visualizações 362
Palavras 1.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei mas voltei, hehe oeee mores lindinhos e lindinhas do meu coração. Tudo bom?

Então eu não consegui mandar pra minha beta, então esse cap deve tá meio ruim, mas depois quando ela ME RESPONDER NO ZAPIZAPI ela arruma.

Eh toisss

Capítulo 6 - Capítulo 6.


(S/N).

Eu ainda estava com a arma apontada na direção de Jimin, que mantinha um sorriso travesso em seu rosto.

— Vai atirar em mim? – Foi a vez dele perguntar, já eu nada respondi, apenas sorri em sua direção e destravei a arma, fazendo o barulho do gatilho ser alto em meu quarto.

Vi que Jimin deu um passo para trás, mas depois soltou uma risada baixa e se aproximou de mim, fazendo eu segurar firme na arma.

— Você não vai atirar em mim.

— Como sabe? – Pergunto e dou um passo para frente, Jimin permanece no mesmo lugar. Ele estava me intimidando.

— Porque se fosse mesmo atirar, já teria o feito.

Abaixo a arma e suspiro pesado, Jimin tinha razão. Eu nunca conseguiria atirar no mesmo, não tenho toda essa coragem.

— Jimin. – O chamo e ele murmura um "hum".

— O que aconteceu na boate? – Pergunto e meu irmão muda sua expressão calma para uma irritada.

— Não é da sua conta. – Ele responde seco e eu o olho incrédula.

— Como não é da minha conta Jimin? Eu ouvi barulhos de tiros. – Afirmo alto e Jimin caminha rápido em minha direção.

Ele coloca uma de suas mãos em minha boca, impedindo que saía qualquer som. 

— Fala baixo. – Sussurra em meu ouvido.

Espalmo minhas mãos em seu peitoral e o afasto aos poucos.

— O que aconteceu? – Pergunto novamente, agora no mesmo tom que o seu. — Por favor, me conta. – Peço me aproximando do mesmo.

— (S/N). – Ele sussurra e eu o abraço. Envolvo meus braços em volta de seu corpo é o aperto fortemente. Jimin passas seus braços fortes em volta de meu corpo e retribui de meu aperto.

— Eu me preocupo com você Jimin. – Digo, minha voz sai meio abafada por eu estar com a cabeça em seu peito.

Jimin não falou nada e ficamos assim por longos minutos. Sempre que eu me aproximava mais – se isso fosse possível – sentia o coração de meu irmão bater mais forte.

— Seu coração está acelerado. – Comento e subo meu olhar para vê-lo. 

— Hm, tenho que ir (S/N). – Ele diz e sai de meu aperto.

Jimin olha em seu relógio e suspira pesado, ele vêm até mim e deixa um beijo em minha testa.

— Guarde isso aí, não vai querer que a mamãe veja. – Me alerta apontando para a arma. — Cuidado (S/N). – Pede por fim e atravessa a porta.

— Cuidado Jimin. – Sussurro sozinha.

Pego a pistola, vou até meu guarda-roupas e a guardo debaixo de uma muda de roupas que eu não usava tanto.

Vou em direção a minha cama e torno a me deitar, não demoro muito a voltar a dormir.

(...)

— Você tem oque?! – Hyuna grita em meu ouvido, estávamos indo para escola, e eu a contei sobre a pistola que eu achei no banheiro daquela boate.

— Sim eu tenho uma arma. –Digo simples e volto a andar. Já Hyuna para no meio do caminho e me olha com indignação.

— (S/N) você sabe o que uma pistola faz? – Ela pergunta e eu concordo, afinal acho que todas as pessoas sabem o que uma arma faz.

— Uma pistola é uma arma de fogo, ela serve para atirar e com isso acertam alvos, e alvos são quase sempre pessoas! – Ela grita e eu dou um empurrão na mesma.

— Eu sei o que uma pistola faz , não grite Hyuna. – Digo e volto a andar em direção a escola. Mas a minha amiga segura em meu braço e faz eu parar no meio do caminho novamente.

— Você vai devolver!

— Não, não vou. – Nego e me solto de seu aperto.

— Por que não? – Pergunta e eu respiro fundo antes de falar, esse assunto já estava me dando dores de cabeça.

— Porque não tem dono oras, eu a encontrei em um banheiro.

— Mas não é seu! – Ela volta a gritar.

— É minha sim, eu achei, e como eu havia dito antes, não tem dono!.

— O que não tem dono? – Tomo um leve susto ao ver Jungkook em minha frente.

— Kookie! – Pulo em seu pescoço, o abraçando, Jungkook retribui meu abraço e beija minha testa. Me solto do mesmo e beijo sua bochecha.

— Do que estavam falando? – Ele pergunta e eu e Hyu nos entreolhamos, fiz sinal para que ela não contasse sobre a arma e ela revirou os olhos.

— (S/N) achou um par de brincos em minha casa e os pegou sem saber de quem eram, e agora não quer devolver. – Ela diz irritada e eu rio internamente.

— Mas os brincos são lindos e não têm dono. – Afirmo com manha na voz e Hyuna bufa e sai andando em direção a entrada da escola.

— O que foi isso? – Kookie pergunta e eu o olho e forço um sorriso.

— Nada amor, vamos entrar? – Pergunto e e ele concorda, Jungkook entrelaça nossas mãos e começamos a fazer o percurso da entrada da escola.

Já estávamos na última aula e eu estava esperando Jungkook para sairmos. Meu namorado havia me chamado para ir ao cinema, eu concordei, afinal, estava precisando de um pouco de descanso. Esses dias foram agitados.

— Kookie o que vamos ver? – Questiono já perto da saída.

— Hm, não sei, o que você quiser princesa. – Ele diz e eu sorrio, adoro quando Jungkook é gentil e atencioso comigo, não que ele não fosse, mas hoje está mais que o normal.

— Park (S/N)? – Uma garota aparece no meu campo de visão, muito bonita por sinal.

— Sim, sou eu.

— Seu irmão está te esperando. – Avisa e eu franzo o cenho.

— Jimin? O que ele está fazendo aqui? – Pergunto e a mulher segura em meu braço e começa a me arrastar até um carro.

— Espera eu...

— Seu irmão quer te ver agora! – Ela grita e me coloca dentro do carro. A mulher liga o carro e começa a andar, de longe pude ver Jungkook com um semblante confuso.

— Quem é você? – Pergunto e ela olha para mim pelo retrovisor do carro.

— Alguém que não é da sua conta. – Responde e eu bufo me encostando no carro. Após isso consegui ouvir a risadinha da mulher.

— Meu nome é Kim Jisoo, sou uma amiga de seu irmão. – Ela diz dando ênfase ao "amiga", fazendo eu sentir algo estranho dentro de mim e meu estômago embrulhar.

— Hm. – Apenas digo isso e o resto do percurso foi silencioso.

— Chegamos, saia do carro. – Jisoo diz e faço como ela mandou, contra a minha vontade, mas faço.

— Que lugar é esse?

Estávamos perto de algum tipo de prédio abandonado.

— Você vai ver. – Diz e começamos a andar até o local.

Entramos no prédio, este estava com os móveis da recepção quebrados e sujos. As luzes não funcionavam e estava tudo um breu horrível. Jisoo começou a nos guiar até um elevador e entramos no mesmo, fiquei surpresa por ele funcionar. 

Após alguns minutos ele se abriu e revelou um lugar completamente diferente. Cheio de pessoas, algumas bebendo, outras fumando e eu.

— Venha. – Jisoo me chama e eu vou até a mesma, começamos a andar entre aquelas pessoas e todos os olhares se voltaram para mim. Mulheres e homens me medindo dos pés a cabeça, uns com desgosto, mas em outros eu podia sentir a malícia no olhar.

— Não ligue para eles. – Ela diz e eu concordo.

— Olha o que temos aqui, a irmãzinha do Jimin! – Reconheço a voz, Yoongi.

— Oi Yoongi.

— Como vai princesa? – Ele pergunta e segura em minha mão, beijando o dorso da mesma.

— Nem começa Yoongi. – Jisoo entra no caminho e separa Yoongi de mim.

— Não precisa ter ciúmes amor. – Ele diz e Jisoo soca seu ombro. Fazendo Yoongi resmungar.

— Onde está Jimin? – Pergunto e eles se entreolham.

— Então princesa, ele está naquela sala ali. – Yoongi diz apontando para uma porta branca. — É só entrar e não se espantar.

— Ok.

Vou até a porta e giro a maçaneta, abro a porta e me deparo com Jimin aos beijos com uma loira.

— Jimin? – Pergunto achando a cena que eu estava a ver nojenta.

— Quem é essa? – A loira pergunta e me mede dos pés a cabeça, faço o mesmo com ela.

— Ela é minha irmã. – Jimin responde. — Nos vemos depois Choa. – Jimin diz e a garota sai batendo seu salto.

— Me chamou aqui para ver você se agarrando com sua namorada? – Pergunto nervosa, mas eu nem sabia o motivo disso.

— Ela não é minha namorada (S/N). – Jimin e cruza os braços na altura do peito.

— Não era o que parecia. – Digo e faço o mesmo com meus braços, os cruzando na altura de meu peito.

— Nós não somos. 

– Ok, porque me chamou? E que lugar é esse? – Pergunto.

— Uma coisa de cada vez , primeiro o porquê de eu te chamar.

— E o que é? – Pergunto sentindo a curiosidade crescer em meu ser.

— Vou te contar tudo o que quer saber.


Notas Finais


Então? Contínuo? Tá demorando pra eles terem uma interaçãozinha né? Sou chata meixmu.

Minha fic nova com o Taehyung↓
Link; https://spiritfanfics.com/historia/fetiches-imagine-kim-taehyung-10919517

Perfil; @XBittch


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...