História My Bitch - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Jikook, Jk Safado, Jk!top, Jm Dando A Bundinha!, Jm Masoquista, Jmbotton, Pregação No Banheiro
Visualizações 56
Palavras 3.574
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Lemon, LGBT, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E olha Qem apareceu de Madrugada pra Postar One-Shot Nova? EUZINHAAA KKKKK

Tive essa ideia muito aleatória e decidir por em prática logo, ent aqui está. Espero Qe vocês gostem, eu gostei^^

Boa Leitura, Pessoinhas💕

Capítulo 1 - Capítulo Único.


Fanfic / Fanfiction My Bitch - Capítulo 1 - Capítulo Único.

Capítulo Único.


*Park Jimin.


Eram quase onze da noite quando Yoongi Hyung estacionou o carro aqui na frente de casa. Peguei meu casaco, carteira, celular e chaves e saí de casa trancando a porta. Íamos a uma boate que abriu semana passada e já estava conquistando o público, se via isso pela a internet. Assim que entrei no carro, Hyung mal esperou eu fechar a porta e já arrancou com o carro, ri.

-Isso tudo é pressa pra ir naquela boate, Hyung? - Perguntei risonho e provocativo e o vi revirar os olhos.

-Não é como se você não estivesse do mesmo jeito, Ji. Está tão ansioso e com pressa quanto eu, não negue - Suspirei e concordei, era a única coisa que podia fazer no momento. Era verdade afinal, por conta da semana de provas da faculdade e o meu trabalho e o do Yoon, só tivemos um descanso hoje e queríamos aproveitar para nos divertir, a gente merecia isso afinal.

Demorou um pouco para chegarmos ao nosso destino, e assim que descemos do carro já conseguimos ouvir a música que vinha de dentro da boate, havia várias pessoas ali na frente formando uma fila, dois seguranças estavam ali na porta preservando a segurança do local. Por sorte, Yoongi conhecia um dos seguranças, então não precisamos ficar na gigantesca fila. Já do lado de dentro, pude ver que tudo era iluminado por várias cores em tons escuros, havia um bar no fundo onde várias pessoas estavam sentadas bebendo, no centro havia uma pista de dança lotada de gente dançando e se esfregando, algumas mesas com sofás nos cantos e um palco onde habitava um DJ do outro lado da pista. Era bem bonito visto de dentro, já que o lado de fora aparentava não ser muito bom.

Yoongi não perdeu tempo em ir pro bar e pedir uma vodka e, lógico, eu o acompanhei. Viramos numa golada só e senti o líquido descendo queimando na minha garganta, mas isso não me impediu de pedir outra, e outra, e outra, e várias outras. Já me sentia um pouco alegre quando me dirigi à pista de dança, já havia perdido Yoon de vista e sem dúvida ele estava se atracando com alguém no cantinho. Fui indo até o meio da pista empurrando algumas pessoas e sentindo algumas passadas de mãos em mim, não me importei muito já que o que eu mais queria hoje era me divertir. Já no meio da pista, comecei a balançar o corpo de acordo com a batida da música, rebolava e dançava com alguns caras que vinham até mim.

De vez em quando, indo até o bar e bebendo cada vez mais. Já me sentia um pouco alegre demais, mas não me importava, visto que eu era até um pouco forte pra álcool. Uma música mais lenta começou a tocar e eu não demorei muito a voltar para a pista e começar a dançar. Meus movimentos eram lentos e precisos, rebolava e ia até o chão. Cantarolava alguns versos da música que descobri conhecer. Meus olhos estavam fechados, somente apreciava a música e me deixava levar.

Lá pro meio da música, senti alguém atrás de mim, me encoxando. Ele parecia ser mais alto que eu e aparentava ter músculos. Senti seus braços rodearem o meu corpo me colando a ele e começamos a dançar juntos, eu rebolando nele e ele me encoxando. E, porra, ele parecia ser grande e delicioso. Suas mãos passearam pelo o meu abdômen, assim como na virilha, coxas e peito. Em determinado momento, senti uma de suas mãos no meu quadril me puxando cada vez mais pra trás e a outra no meu pescoço, enforcando de leve. Não consegui conter e arfei baixinho, mas por conta da música alta ele nem deve ter ouvido. Ele tinha uma boa pegada, uma ótima pegada, devo ressaltar.

Logo senti suas duas mãos fortes apertarem minha cintura e me puxarem para mais perto de seu corpo grande e musculoso — Se possível —, confesso que só com aquelas mãos e aquelas encoxadas que ele me dava eu já estava duro feito pedra. Sentia um volume na minha bunda e isso só me dava mais vontade ainda de rebolar contra ele, minhas mãos foram para os seus cabelos e eu os puxei com certa força enquanto rebolava com mais afinco, senti ele rosnar na minha orelha e gemi manhoso já completamente entregue. Sem mais e nem menos, fui virado de frente pra ele e pela primeira vez naquela noite, eu vi o rosto dele e, puta que pariu, que homem gostoso da porra, merda! Senti minhas pernas bambearem com o olhar que ele me dirigia, era cheio de luxuria, ardente, e só com isso eu soube que a minha noite ía ser a melhor da minha vida.

Logo suas mãos que estavam na minha cintura, passaram a apertar minha bunda com certa força que me fez prender um gemido na garganta e um impulso de enlaça-lo com minhas pernas, seus lábios percorreram do meu pescoço com mordidas e lambidas até o meu lóbulo, onde ele chupou e se roçou ainda mais em mim, sua lingua seguiu o caminho até parar na minha boca e lamber meu lábio inferior, logo o capturando com os dentes. Não aguentando mais aquela tortura, grudei minha boca na dele e sem esperar um segundo a mais, enfiei minha lingua na boca dele e puxei seus cabelos com mais força ainda.

Não demorou muito para sua língua começar a se enrolar na minha, nosso beijo passou a ser molhado e bruto. Suas mãos apertavam meu corpo com possessividade, chupava minha lingua a cada dois minutos e eu tentava conter os meus gemidos a cada cinco segundos, eu precisava daquele homem! Separei o beijo a contragosto, um filete de saliva conectava nossas boas e ambas respirações estavam ofegantes, fora só um beijo, mas eu já sentia meu pau pingando pré-gozo. Agarrei sua mão e o puxei dali, de longe vi Yoon Hyung quase comendo o cara que estava com ele no cantinho, ri e segui meu caminho até o banheiro. O cara, que até então não sabia o nome, segurava minha cintura com uma mão e de vez em quando a escorregava até meu pau latejante. Assim que entramos no banheiro, o moreno nem deixou eu falar nada e me prensou contra a parede ao lado da porta, gemi com o empacto e não demorou muito para sua boca se chocar contra a minha num beijo quente e lento, ele puxou minha perna esquerda até entrelaça-la ao redor de sua cintura e começou a se esfregar em mim novamente. Minhas mãos puxavam seus cabelos e o arranhavam no pescoço e ombro, meus gemidos escapavam da minha boca e eram engolidos pela a dele.

O mais alto não demorou muito e quebrou o beijo partindo para o meu pescoço, continuando a ondular seu quadril com o meu. Meus olhos estavam semicerrados, era difícil deixa-los abertos num momento como aquele, sua mão esquerda apertava minha coxa com força enquanto a sua outra puxava meus fios loiros para o lado, dando mais acesso ao meu pescoço. Não demorei muito e levei minhas mãos ao seu cinto tentando, inutilmente, abri-lo, senti ele rir no meu pescoço e me arrepiei até o mindinho do pé. Que risada gostosa meu deuso'.

-Problema, bebê? - Puta merda! Eu poderia ter um orgasmo só com ele falando no meu ouvido com essa voz fodidamente gostosa. Suas mãos foram de encontro as minhas e ele me ajudou a tirar o cinto de si. Me olhando nos olhos, ele dobrou o cinto em sua palma e o esticou fazendo um barulinho que me fez suspirar esperando o que possivelmente ele irá fazer. O segui com os olhos quando ele se afastou de mim para conferir se havia mais aguém além da gente no banheiro. - Qual o seu nome, bebê? - Parou na minha frente, ainda com aquele maldito cinto nas mãos, e me olhou dos pés à cabeça, logo sorrindo cafajeste.

-Jimin... Park Jimin... - Minha voz falhou assim que ele me segurou pelo o pescoço e me puxou pra si, ofeguei e me segurei em seus braços fortes. Seu dedão fazia uma caricia singela no meu pescoço e seu olhar a todo momento estava em meu rosto, observando minhas expressões.

-Park Jimin...- Meu nome dançou em seus lábios e por pouco eu não avancei nele. Droga de homem gostoso! - Coloca suas mãos ali e empina esse rabo pra mim, princesa. - Cacete de homem viu! Assim que me vi livre de seu aperto, caminhei até a pia e me apoiei no mármore que havia ali, respirei fundo e contei até cinco para, logo em seguida, me inclinar e deixar minha bunda empinada pro maior. - Vamos testar umas coisas... Ah, e meu nome é Jeon Jungkook.

Consegui ver por trás do espelho, Jeon caminhar até parar atrás de mim para me observar todo empinado pra si. O vi largar o cinto por alguns instantes só para levar suas mãos à minha calça para abri-la e abaixa-la junto da box, me deixando todo exposto pra si. Logo sua mão direita estava sendo ocupada pelo cinto novamente e ele já me observava de volta como se eu fosse sua presa. Sua mão desocupada não demorou muito e já estava apertando minha bunda, deixando marcas dos seus dedos em mim. Fechei os olhos aproveitando melhor daquilo e, se aproveitando da situação e sem aviso prévio, Jungkook me acertou com o cinto fazendo um grito sair de minha garganta e ecoar pelo o banheiro inteiro, me remexi e abri os olhos sentindo-os umidos. Jungkook me olhava atentamente, seus olhos estavam mais escuros e pude ver um grande volume em sua calça, o que me fez salivar. Com a mão que estava acariciando minha banda esquerda, ele se voltou para a outra deixando um carinho singelo ali enquanto me avaliava, visto que surgiu um efeito positivo em mim, ele sorriu.

-Um maldito de um masoquista... gostei disso.

Gemi manhoso quando, mais uma vez, Jungkook me acertou com o cinto, agora na outra banda. Fiquei na ponta dos pés e já sentia um choro repentino vir e, meu deus, eu nunca cheguei a chorar de tesão. E nós nem havíamos fodido ainda!

Jeon largou o cinto no chão de qualquer jeito e não demorou muito até eu sentir suas mãos na minha bunda e coxas. O moreno me olhava ainda com aquele sorrisinho desgraçado, sua respiração estava forte e seus toques eram brutos, e eu estava adorando tudo aquilo. Rebolei em suas mãos numa forma de o atiçar e recebi um tapa pela a provocação, no instante seguinte ele retirou a camisa na velocidade da luz e se agachou. Senti sua respiração forte e quente na minha bunda e suas mãos nas minhas coxas ainda as acariciando, seus lábios não demoraram a deixar vários selares pela a carne totalmente avermelhada. Suas mãos desciam e subiam pelas minhas coxas, vez ou outra indo até meu membro para deixar uma carícia ou outra.

Suas mãos trilharam um caminho até minha bunda e a abriu, me deixando todo aberto pra si. Senti Jeon sorrir e ofeguei ao ter sua lingua cutucando minha entrada de leve, não contive e acabei contraindro ao redor do seu músculo molhado e aveludado. Jungkook começou a me babar todinho naquela área, lambia do meu períneo até meus testiculos, onde ele colocava na boca e chupava, eu naquele momento era uma mistura de gemidos e ofegos. Sua língua me penetrava e me lambia com tanto afinco que era impossível acabar não rebolando em seu rosto, pedindo por mais. Meu corpo todo tremia, palavras nada coerentes escapavam da minha boca junto de gemidos altos e manhosos, suas mãos maltratavam a carne da minha bunda, eu sentia todo o meu corpo quente.

-Você fica tão bonito assim, anjo, todo exposto pra mim, gemendo como uma vadia que é.

Suspirei ao sentir seu halito quente em contato com aquela área sensível, Jeon não demorou a voltar a me beijar com vontade. E eu não demorei a voltar a gemer o nome dele como uma vadia. Repentinamente, Jungkook se afastou, me fazendo gemer falho e insatisfeito, e se levantou, me observou inteiro e só parou seus olhos na minha bunda. Vendo o estrago que fez em mim somente com sua língua, ele sorriu, sorriu de um jeito fodidamente sexy. Minha entrada piscava furiosamente pedindo em silêncio que ele me preenchesse de uma vez. O vi levar as mãos até o zíper de sua calça e o abrir junto do botão, de uma só vez ele abaixou sua calça junto da box e se aproximou de mim.

Suas mãos me apertaram na cintura e seu quadril se grudou com o meu. Seu membro roçando deliciosamente na minha bunda, empurrava meu quadril contra o membro dele em busca de mais contato, mas ele só ria debochado e me repreendia com tapas bem dados, me fazendo gemer baixinho. Sua mão direita subiu por todo o meu corpo, apertando certos lugares e acariciando outros, até encontrar minha boca. Dois de seus dedos fizeram pressão e eu a entreabri deixando-os escorregarem para dentro de minha cavidade bucal. O encarei nos olhos e comecei a chupar seus dedos, deixando-os completamente babados, pelo o espelho vi Jeon morder o lábio com força e arfar quando minha língua passou por entre suas falanges.

O moreno logo tirou seus dedos da minha boca e os levou até o meio da minha bunda, fechei os olhos e suspirei ao senti-lo esfregar os digitos babados contra meu ânus. Empurrei mais meu quadril contra sua mão e Jungkook riu baixinho, logo enfiando seus dois dedos de uma só vez. Dei um pequeno solavanco pra frente e gemi manhoso, não levei muito tempo e logo já estava rebolando contra seus digitos. Jeon metia em mim com força e rapidez, seus dedos tocando vários pontos dentro de mim, meus dedos já estavam brancos pelo aperto forte no mármore, minhas costas estavam arqueadas e meus olhos estavam fechado, ao contrário da minha boca.

Jeon levou sua outra mão até meu pescoço e o apertou, prendendo minha respiração por alguns segundos. Senti seu hálito quente na minha nuca e seus dentes raspando na região, me deixando arrepiado completamente. Seus dedos fizeram um carinho pequeno no meu pescoço enquanto os outros ainda metiam forte em mim. Senti que estava cada vez mais perto de gozar, sentia um formigamento no meu baixo ventre e arqueei mais as costas, me deixando ainda mais empinado, tentava buscar mais de Jungkook. Gozaria sem nenhum estímulo no meu pênis. Céus, aquele homem vai acabar comigo!

-J-jung... Jungkookie...a-ah...! - Abri meus olhos a tempo de ver Jeon Jungkook me olhando pelo o espelho com os olhos transbordando a mais pura luxuria e desejo.

-É assim que eu quero ver você, princesa, de olhos abertos e gemendo bem alto pra mim enquanto estiver fodendo você - Sua voz estava extremamente rouca e isso fez meu corpo tremer, mais um tapa foi desferido na minha coxa e senti o sorriso de Jungkook contra minha nuca. E só com aquele estímulo, gozei forte contra a pia, apertando os dedos do maior dentro de mim. Gemi alto, chamando o nome do mesmo, meus dedos ficaram brancos e senti-me lacrimejar. - Gozou só com meus dedos? Ah, mas é uma vadia mesmo...

O moreno não demorou a tirar seus dedos de mim e senti minha entrada contrair para o nada, querendo ser preenchida. Com os olhos semicerrados e a respiração ofegante, eu vi Jungkook separar minhas banda e se afundar em mim sem dó e piedade. Um grito escapou por entre meus lábios, acabei ficando na ponta dos pés e arqueei minhas costas, ficando totalmente empinado pra si. Sentia meu pau ficando duro de novo. Não demorou muito e Jeon já estava se movimentando, ora indo rápido, ora indo devagar, mas sempre indo fundo. Sentia ele sair quase completamente de dentro de mim para, depois, entrar com tudo. Meu corpo ía para frente e para trás de tanta força que Jungkook estava pondo em seus movimentos, meus lábios abertos o tempo todo com gemidos manhosos e gritos escandalosos. Uma verdadeira vadia.

-A-ah...i-isso, Jungkook...a-ah!

Não demorou e logo o moreno encontrou aquele pontinho, passando a surrar somente ali, me fazendo revirar os olhos e ver estrelas. Meus olhos se fechando a todo momento, mas eu tratava de os deixar abertos. A mão que antes segurava meu pescoço, segurou meu maxilar com força e virou meu rosto pra si, logo sentindo seus lábios se chocarem com os meus num beijo atrapalhado e babado. Nossas línguas se encontravam dentro e fora das bocas, mas nós nem nos importavamos, só queríamos aquilo, sentir cada vez mais um ao outro - Se possível.

Nosso beijo foi interrompido pelo barulho da porta, só consegui vizualizar um casal de olhos arregalados olhando pra mim e pra Jungkook fodendo. Mas minha atenção foi roubada para o Jeon quando senti ele pressionar minha prostáta com força e rebolar contra minha bunda, fazendo a glande pressionar cada vez aquele pontinho. Gemi frustrado quando me senti vazio, mas gritei surpreso ao ser virado de frente pro maior e ser colocado sentado no mármore de pernas abertas, não deu tempo nem de respirar direito e logo o ar nos meus pulmões saíram com força junto à um ofego agressivo que soltei ao ter Jungkook se enterrando em mim com força. Minhas mãos foram no mesmo instante para seus cabelos, os puxei e arranhei seu couro cabeludo até seus ombros, minha boca fora de encontro com seu pescoço e ali deixei várias marcas. Suas mãos apertavam minha cintura com força e eu sabia que acordaria no dia seguinte com seus cinco dedos marcados ali, num tom roxeado eu aposto. Mas não me importo, gosto de marcas. Principalmente as dele.

Minhas pernas rodearam sua cintura e minhas unhas arranharam suas costas, o ouvia gemer rouco em meu ouvido e arrepios passavam pelo o meu corpo. Meu baixo ventre se contraiu e ali eu soube que iria gozar, pela a segunda vez. Jeon percebeu isso e aumentou o ritmo, e consequentemente me fazendo gemer mais ainda. Levei uma mão minha até eu pênis pulsante e tentei toca-lo, mas Jungkook me deu um tapa na mão e me repreendeu com o olhar. Em consequência, ele diminuiu o ritmo e passou a estocar devagar, me fazendo gemer manhoso em seu ouvido.

-Você não irá se tocar, Jimin. Vai gozar sentindo somente o meu pau te fodendo.

-J-jung...ah!

Suas mãos foram até a barra da minha camisa, que ainda se encontrava no meu corpo, e a puxou pra cima até deixar meus mamilos totalmente eriçados e duros aparecendo, sua boca não demorou para estar ali, chupando-os e mordendo-os. Seus movimentos haviam aumentado, com isso junto ao estímulo nos meus pontos sensíveis, percebi que não ía demorar a gozar. Sentia meus olhos começarem a marejar novamente e solucei quando ele acertou minha prostáta e foi só com mais isso que meu pênis explodiu ao gozar abundantemente. O nome de Jungkook escapou pelos meus lábios em forma de um gemido alto e manhoso, meu gozo sujava nossos abdomens e minha entrada contraía ao redor de seu pênis, uma de minhas mãos estava agarrada ao mármore e a outra segurando os fios da nuca do moreno, meu corpo totalmete arqueado enquanto me desmanchava fortemente. Cadê o ar meu deuso'?

Jungkook veio logo em seguida, gemendo meu nome roucamente em meu ouvido enquanto suas mãos apertavam a carne das minhas coxas. Ficamos parados, naquela posição mesmo, tentando recuperar o fôlego. Ainda sentia lágrimas descendo pelas minhas bochechas e meu corpo todo tremer por causa dos espasmos fortes que tive. Jungkook não estava muito diferente de mim, suas mãos agora faziam um carinho nas minhas coxas. Nossos olhares se encontraram assim que levantei a cabeça, e mais uma vez naquela noite me senti hipnotzado por aquele homem. Não me contive e juntei meus lábios nos deles, eles tinham um encaixe perfeito assim como nossos corpos juntos. O beijo era preguiçoso, lento e tinha um toque de carinho ali.

Aos poucos nossas bocas foram se afastando, eu o encarei por debaixo da franja que cobria um pouco meus olhos, e suspirei. Não tem como eu levar esse homem pra minha casa não? Me perguntei e ri baixinho do meu pensamento. Jungkook aos poucos foi saindo de dentro de mim, gemi baixinho ao senti-lo sair completamente e ao sentir sua porra escorrendo pelas minhas pernas. Nos limpamos e nos vestimos sem dizer uma palavra se quer, mas não tinha o que dizer, aconteceu o que era pra acontecer. Mas lá no fundo, eu queria que, sei lá, ele virasse pra mim e me desse seu número ou até mesmo o seu endereço pra gente se ver de novo. Quando pronto, eu fui em direção a porta do banheiro e, antes de abri-lá, ouvi o moreno me dizer alguma coisa.

-O que disse? - Me virei de frente pra si e dei uns passos para mais perto.

-Meu endereço, Jimi. - Sorri pequeno pelo apelido e gravei seu endereço na memória.

Cheguei mais perto do moreno alto e o beijei uma última vez naquela noite. Sorri lascívo assim que findamos aquele beijo. Me virei e, com uma última encarada naquela noite, fui embora pensando que, sim, nós nos veríamos de novo. E em breve.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...