História My boy - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags 2018, Boyslove, Conto, Contos, Daddies, Daddy, Dezoito, Filho, Gay, Improprio, Incest, Incesto, Issues, Lgbt, Lgbtq, Maiores, Pai, Papai, Romance, Romance Gay, Son
Visualizações 24
Palavras 1.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - Capítulo 4


 

Raiva era a única coisa que eu sentia naquele momento, eu tinha passado as últimas horas imaginando como seria fuder Thomas, e quando eu finalmente estava prestes a tornar meu mais novo sonho em realidade o interfone tocou, eu estava tão perto que consegui sentir por alguns segundo o buraquinho rosado dele, mas quando o interfone tocou Thomas logo se levantou de seu posição e foi para o seu quarto sem falar nada me deixando com meu pau duro na minha mãe, não me restou alternativa responder o interfone.

Era a equipe de entrega e montagem da cama que eu tinha encomendado para Thomas, uma parte de mim queria dizer que eu não precisava da cama mais, já que o que eu tinha em mente com Thomas só envolvia a minha cama,mas eu já havia comprado então deixei que eles entrassem, eram três homens no total, dois vieram carregando as peças da cama e o colchão e o outro veio sozinho apenas segurando uma caixa, ele era negro um pouco mais alto aparentava ter mais de quarenta anos, tinha uma barriga avantajada  e a barba por fazer.

Depois que os dois colocaram tudo no novo quarto de Thomas apenas aquele cara ficou, eu o deixei montando a cama e fui tomar uma banho frio, ainda estava duro e excitado por causa de Thomas, que havia se trancado no meu quarto. Depois de um banho frio eu finalmente acalmei meus nervos e relaxei, fui para o meu quarto pela porta do banheiro, Thomas não estava mais lá, ouvi o som da televisão ligada então ele deveria estar assistindo televisão, me vesti e deitei um um pouco na cama.

O que estava acontecendo? Se o interfone não tocasse eu teria transado com meu próprio filho, a ideia de transar com outro homem nunca me passou pela cabeça ainda mais com Thomas que até ontem eu tinha a imagemde um criança pequena, mais ele não tinha nada daquele menino que eu vi por último oito anos atrás,agora ele era um homem assim como eu. Pode parecer esquisito mais eu não relacionava Thomas como meu filho mais, meu filho era Aquela criança que eu deixei anos atrás, Thomas era diferente, os olhares que ele me dava eram cheios de perversão, o jeito que ele lidou com meu pau e me masturbou diziam que aquela não era a primeira vez dele naquele rodeio. Thomas gritava mais desejo para mim do que amor paternal.

Em algum determinado momento eu comecei a ouvir conversas e risadas vindo de fora do meu quarto, eu me levantei e fui ver oque era aquilo, quando eu abri a porta me dei de cara com Thomas no quarto da frente sentado no chão perto do montador que passava a mão na coxa de Thomas, que usava um short bastante curto, os dois riam e trocavam olhares cheios de desejo, eu sabia o que era aquilo, Thomas me olhou do mesmo jeito na última noite enquanto ele me chupava, eu senti uma enorme raiva e quis impedir que algo a mais acontecesse, mas Thomas logo percebeu a minha presença do outro lado do corredor, ele sorriu para mim e voltou a olhar para o homem, que ainda não tinha me visto.

Ele chegou mais perto de Thomas e os dois ficaram com cara a cara, cada um podia sentir a respiração do outro, uma parte de mim queria impedir aquilo o quer que fosse, mas outra parte de mim queria ver como aquilo terminaria. Thomas saiu do chão e ficou de quatro, ele tentava pegar alguma peça, mas era óbvio o que ele estava fazendo, o mesmo que fez comigo naquela manhã.

O montador passa a uma de suas mãos na bunda de Thomas e a outra em seu volume em sua calça, o short bastante curto dele estava super apertado agora que ele tinha ficado de quatro e metade da sua bunda estava a mostra e o resto estava bastante à vista, o homem passou a mão entre as duas bochechas da bunda dele e arrancou o short de meu filho revelando uma bunda pelada, Thomas não estava usando nenhuma cueca e seu buraco rosa ficou logo a mostra, o homem logo meteu a sua língua e Thomas gemeu, o mesmo gemido que eu conhecia.

- E seu pai? Ele não vai aparecer não? – o homem falou enquanto tirava a calça e mostrava o seu membro bastante avantajado para Thomas, ele estava tentando colocá-lo na entrada de Thomas, que já gemia.

- Não, ele não se importa, não é papai – Thomas falou e o montador virou e se deparou comigo observando tudo

- Meu deus! – ele disse assustado e tentou inventar alguma desculpa,

- Não, eu sei o que tava acontecendo

- Senhor, eu...

- Não, meu filho já disse, eu não me importo – eu disse, eu não sabia o porque estava entrando naquele jogo que Thomas havia criado, mais aquilo me excitava demais – se você quiser comer ele fique a vontade. O homem não entendeu direito e tentou ir embora, mais eu impedi ele de sair do quarto.

- Qual é seu Jorge, você não vai me comer? – Thomas disse com uma voz de cachorro pidão ele ainda estava de quatro, o montador que se chama Jorge aparentemente finalmente desistiu e voltou para onde estava, a imagem de meu filho com o buraquinho a mostra não era enlouquecedora apenas para mim, Jorge logo tirou toda a sua roupa e seu pau voltou a bombear o sangue e ficou duro em questão de segundos, ele olhou para mim apenas uma vez como se estivesse me pedindo permissão e eu consenti, ele então foi em direção ao seu alvo.

Jorge adentrou meu filho na segunda tentativa e entrou totalmente dentro de Thomas, que deu um longo gemido, o pau de jorge era mais grande que o meu então ele deveria ter sofrido com aquilo, mais uma dor boa, Thomas gemia de quatro e Jorge o comia dizendo palavras safadas, ele perguntava se Thomas queria rola, e Thomas ia junto dizendo que sim e implorando pela rola de Jorge, que não era tímido em audiências, ele estapeava a bunda de Thomas e puxava seu cabelo. Jorge comia Thomas tão rápido que ele logo gozou dentro de Thomas, ele havia preenchido todo ele, pois quando ele tirou seu pau de dentro gozo começou a escorrer do cuzinho recém arrombado de Thomas.

Jorge se vestiu e foi embora em questão de minutos, ele deixou um cartão na mesa e disse para eu ligar para ele, caso eu tivesse outro móvel “a ser montado” e que ele adoraria fazer outro serviço para nós, entendi o recado e guardei o cartão dele. Quando voltei para o quarto de Thomas ele havia vestido o short que ele estava antes e estava sentado no chão. Quando ele me viu deu um longo sorriso, se levantou e saiu do quarto.

Não sabia o que falar ou fazer, não tinha ideia do que tinha acontecido, tudo o que aconteceu nos último dia era loucura, mais não parecia para mim naquele momento, tinha tantas ideias percorrendo em minha cabeça que decidi me exercitar enquanto ainda tinha uma academia, Jorge havia deixado seu serviço incompleto então sobrou para mim terminar de montar a cama, o que eu não faria naquele dia, então Thomas dormiria mais uma vez comigo.

Tirei minha camisa e coloquei um short bem leve sem cueca, não gostava de me exercitar com elas, corri um pouco na esteira e depois comecei levantar pesos em minha cadeira de supino, aquela deveria ser a última vez que eu usaria ela, tinha que me livrar dela já que não tinha mais espaço naquele quarto.

Depois de algumas horas me exercitando Thomas entrou no quarto e ficou me observando, eu continuei por algum tempo, mas coloquei o peso no lugar quando senti a mão de Thomas em minha perna e coxa, ele acariciava e tentou puxar meu short o que eu impedi

- Eu to todo suado agora – eu disse

- Eu não me importo

Ele puxou novamente meu short, mas dessa vez eu deixei

- Deita e relaxa – ele disse

- Thomas manipulou meu pau até eu ficar duro novamente, sua boca logo abocanhou a cabeça do meu pau, ele chupava e lambia em movimentos realizados, ele também se moveu para a base do meu pau, primeiro ele colocou todo ele dentro da boca sem nenhuma dificuldade, aquilo me fez gemer como nunca.

O  boquete que Thomas fazia era sensacional, apenas com muita prática alguém poderia fazer aquilo, quando eu avisei que estava prestes a gozar Thomas parou com tudo e se afastou.

- O quê? O que você tá fazendo – eu disse

- Eu não quero estragar hoje a noite

- O que tem hoje a noite? – eu perguntei e Thomas apenas se virou apertou a bunda e saiu do quarto. Eu entendi a mensagem então apenas guardei meu pai, parar logo naquele momento não foi bom, mas eu apenas pensava no que estava me aguardando para noite.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...