1. Spirit Fanfics >
  2. My Boyfriend False >
  3. Twenty-Two

História My Boyfriend False - Capítulo 22


Escrita por: e Gemstone18


Notas do Autor


Olá de novo☺🤗

Mais um pessoal...

Capítulo 22 - Twenty-Two


Fanfic / Fanfiction My Boyfriend False - Capítulo 22 - Twenty-Two

                          Jungkook On


Já são quase sete da noite e Sora ainda está aqui, sendo paparicada por minha mãe, que mais parecia feliz com a presença dela do que com a minha. Não vou nem fazer drama, que hoje já tive de sobra. Minha prima me enchendo o saco dizendo que eu deveria parar com essa história de namoro falso e mandar uma real para a minha ex. É, exatamente, minha ex. Eu nunca contei isso para ninguém, nem mesmo para o Jimin, que fora meu grande mentor no quesito: mulherengo. Os únicos que sabem da minha história não tão dramática, mas também nem tão feliz é o Soa e o Hoseok.

Era final de junho, ou seja, o começo de nossas férias, quando minha namorada, Sora, havia terminado comigo, afirmando que não aceitava um ser como eu. E bom, eu era um adolescente problemático com uma personalidade forte e arrogante. Nunca pensava nos outros e nos sentimentos negativos que minhas atitudes causavam nos mesmos. Era tudo tão difícil que tive lidar com uma traição e ainda com meu melhor amigo, Bernard, um dos garotos mais populares e pegadores da minha escola. Fora ele, tinha Taehyung e Soobyn, que mais tarde se tornaram meu porto seguro para enfrentar o desprezo e a traição da Sora com meu melhor amigo, que só depois fui saber que nunca se importou comigo, mas sim com suas boas notas.

Entretanto, quando conheci Jimin e, consequentemente, Namjoon e Hoseok, eu acabei me tornando uma nova pessoa, numa uma ruim, mas muito melhor e bem esperta. Com meus dezessete anos, eu tive as primeiras relações com a maioria das meninas que encontrava pela frente. Todas se fissuravam em mim e me traziam sensações de prazer e aumentando meu ego. Mas foi depois que entramos na faculdade, que minha vida voltou ao que era antes. Minha ex-namorada me queria de volta e eu a aceitei, sem mais nem menos. Nem Jimin e nem Namjoon, souberam por que sabia que iriam me perturbar para saber mais detalhes e isso acarretaria em uma briga muito maior do que podia imaginar.

A gente namorava às escondidas e nem se importava com as consequências se alguém, por acaso, soubesse. E estava indo bem até ela cismar com a irmã do Park, que na época estava em seu primeiro ano de faculdade na área da música e teatro. Foi aí que nossa relação se abalou um pouco e ficamos um bom tempo separados, por que, de acordo com ela, a S/n poderia ser mais uma das mais diversas garotas que já peguei. Sempre insistia que não, que nunca a pegaria, pois eu era bobo por ela. Mas mesmo assim não foram suficientes e eu tive que agir em público, toda vez que chegava nela e devido a isso, todos pensavam que eu queria pegá-la só por pegar.

E foi quando decidi perturbar a querida e agressiva S/n para me ajudar com a Sora, pois se elas tinham uma rivalidade aparente era por que muito se conheciam e eu precisava de sua ajuda para atiçar e ferir o orgulho da minha namorada. E agora que tenho a oportunidade de voltar com ela definitivamente, minha mente está uma teia toda bagunçada de aranha. Os dias malucos que passei com a S/n e as loucuras que eu a meti juntamente com o Jimin e os outros meninos, além do seu jeito “doce” e “delicado” de interagir comigo e com o resto do pessoal, deixou-me confuso e indeciso. Não é a primeira vez que sinto isso, mas é a primeira vez que penso abertamente como uma pessoa “madura” que sou.

Saio dos meus devaneios ao sentir mãos delicadas na minha linda coxa. Era a Sora. Só em minutos, ela segurou cada parte do meu corpo umas duas ou cinco vezes e eu já estava me sentindo estranho com isso. Até minha prima perceber e me tirar de órbita com uma conversa estranha sobre os ex-namorados dela e de sua amizade fortíssima entre ela e o Soabin, que não parava de lançar olhares de repreensão para mim em relação às atitudes da Sora.


- No que tanto pensa, Jungkook? – perguntou confusa, mas com um ar meio provocativo.


Quis correr dali, por que minha mãe arqueou as sobrancelhas e o Jihyun pareceu chateado comigo. Fora o Soa que me olhava com decepção e raiva. Afinal, todos os presentes eram apegados a minha relação vulgo estranha com a minha namorada de mentira e eu, em particular, já estou acostumado. Ajeitei-me inconscientemente pelo nervosismo e senti um olhar queimar em mim. Era o da minha prima, que parecia observar e analisar tudo que eu falava e fazia.


- Só estou meio... Cansado, é, é isso. – respondi rápido não dando brecha nenhuma para questionamentos.


Minha mãe me olhou confusa e Sora com um olhar de contentamento, como se tivesse gostando de me colocar em maus lençóis.


- Eu estudei tanto nesses últimos dias, que nem dormi direito até a semana de provas acabar. – expliquei-me meio sem jeito.


- Pelo menos estudou, quero ver é as notas, mocinho. – minha mãe comentou com o olhar franzido e com uma postura meio cômica, como se fingisse ser uma autoridade como os da faculdade.

- Se tirar dez em todas é por que colou na prova. – brincou Soa.


- E se tu tirar zero é por que você só é burro mesmo. – rebati arqueando as sobrancelhas em deboche.


- Tomara que os dois tirem zero, assim nenhum dos dois saem na porrada por inveja. – despertou a sinceridade e inteligência do Jihyun, fazendo nossa mãe rir e Sora lhe olhar feio.


- Eu espero que nenhum tire zero, por que se tirarem, eu amarro os dois de cabeça para baixo e dou mil chibatadas. – ameaçou sorrindo meio inocente.


Fazendo Sora rir, Jihyun cair na gargalhada como se tivesse assistindo um daqueles desenhos idiotas de TV que sempre passa nos domingos a noite. E eu e o Soa, ficamos paralisados de medo, por que se tem uma coisa que eu acredito é na personalidade da nossa mãe e ela mesmo sendo um doce de pessoa, não deixa de ser uma segunda S/n ou uma segunda Hyuna. Ambas bem antipáticas quando quer.


- Eita, então é melhor o meu namo... Quero dizer, o Jungkook tirar boas notas, né meu amo... Devo dizer, amigo. – disse nervosa ao perceber que ia falar algo que não seria bom para minha mãe, que tem uma certa rigorosidade em relação às minhas relações íntimas.


Ela nunca gostou dessa ideia de ficarmos nisso de ficar um dia e no outro ignorar a pessoa. O tempo era diferente para ela, então é normal a forma como ainda pensa em seus princípios e só por isso, eu nunca contei a ela sobre as minhas ficadas. Seria complicado e abalaria minha relação com ela.


- Enfim... Eu vou colocar o jantar na mesa e... – levantou-se minha mãe e eu também. – Você vai jantar com a gente, Sora? – perguntou meio incomodada e eu senti na pele.


- Ah... Não, não senhora Jeon, eu só vim aqui pra conversar com seu filho sobre... Um trabalho da faculdade que tá sugando minhas energias. – revelou sincera, mesmo que em parte não fosse.


- É mãe, ela só veio pra isso mesmo. – respondeu Soa, entrando na jogada.

- Ok então... Vou levar você até à porta, se me permiti. – pediu educadamente e me pus a sua frente rapidamente. – Que foi filho?


- Eu levo ela, pode ir acelerando o jantar, que tô morrendo de fome. – falei com um sorriso bem fingido, mas ela aceitou bem minha encenação e foi para a cozinha.


Olhei de relance para Hyuna que balançou a cabeça negativamente e depois mirei meu rosto para Soa, que riu divertido para mim. Mas o olhar que mais me surpreendeu foi o de Jihyun. Ele não estava nada feliz com meu ato e logo saiu da sala, subindo às escadas correndo. Eu decidi ir atrás dele, mas meu irmão me parou.


- Preciso falar com ele. – falei usando um tom de preocupação na voz.


- Não... Deixa que eu falo com ele, Jungkook. – rebateu e bateu de leve no meu ombro, indicando que estaria bem em conversar com nosso irmãozinho.


Ele saiu e eu fiquei um tempo olhando para as escadas, pensando se deveria ir até lá e perguntar por que ele ficou daquele jeito. Mas me contive quando senti braços rodearem minha cintura delicadamente.

Acreditam que por um minuto... Eu achei que eram as mãos da S/n ali. E quando notei que não eram, senti repulsa e fiquei triste por sentir sua falta, sendo que horas atrás, eu estava com ela. E podia ter ficado mais, se eu não fosse tão burro e idiota.


- Vamos? – chamei-a, logo tirando suas mãos de mim. Ela bufou e eu revirei os olhos.


- Você tá impossível hoje, Jeon Jungkook. – comentou baixo, mas acabei escutando e não gostei.


- Como é? – perguntei fingindo confusão.


Ela bufa de novo e revira os olhos, cruzando os braços para mim, enquanto eu a conduzo para fora de casa, ficando já em frente ao portão principal.


- Não entendi o que quis dizer, Sora. – pedi novamente, mas só para ter certeza que se era o que eu estava pensando.


- Que você é um babaca e eu te amo tanto, que não posso aceitar que você me trate desse jeito, Jungkook. – falou alterada e eu tive que ri sem humor. – Não ria idiota, o assunto é sério. – reclamou.


- Você falando de assunto sério, Sora? Só se for nos meus sonhos mais malucos. – ri em provocação.


- Não brinca comigo, Jeon. – pediu séria.


- Mas estou falando sério, por que acha que eu estou sem um pingo de humor hein? – cruzei os braços já com raiva da cara de pau que só agora, eu percebi que ela tem.


- Eu deveria de estrangular, seu imbecil, mas acho que a S/n vai fazer isso por mim, quando souber que o tempo todo estava sendo enganada por um idiota como você. – disse dando de ombros, mas causou um efeito bem negativo em mim.


- Você não faria isso né? – perguntei preocupado.


- Não, se você deixar ela e ficar comigo como nos velhos tempos, amor. – disse me abraçando e acariciando meu braço. – Pensa um pouco e me dá uma resposta amanhã. – simplificou me largando indo direto para seu carro.


Fiquei ali parado que nem um bobo da corte e senti meus ossos já se quebrando, ao ponto que minha mente já vaga pela raiva que a S/n vai sentir de mim. Como se tivesse um poder bem forte, o que é estranho.


- E se não responder até amanhã, eu vou contar tudo sobre você e eu para ela e aposto que vai “gostar” de saber. – ameaçou.


- Você é má, Sora. – emburrei feito um bebê fazendo um bico engraçado.


- Não bebê, você que é mal. – rebateu, deixando-me ainda mais confuso do que já estou.


Fui ameaçado e nem notei o quanto isso é cruel e dramático, sendo que minha vida, agora, gira em torno de duas mulheres que não sei como escolher. Oh vida difícil viu.


- E aí como foi? – perguntou Soa.


- Não me assusta, caramba! – gritei e o gato que estava fazendo suas necessidades básicas bem em frente de casa se assustou e acabou chiando alto, correndo mais rápido que o flash.


- Só não mato esse cagão, por que eu tô pegando a dona dele. – falou fazendo cara de nojo.


- Nojento é você, Soa. – dei de ombros e entrei em casa. – E respondendo à sua pergunta... Sim, eu fui bem... Mas fui tão bem, que em duas semanas vou aparecer com a bunda murcha ou um braço quebrado. – ditei minha sentença ao lembrar da ameaça da Sora.


- Por que tá dizendo isso, dramático? – perguntou fingindo uma encenação de pena.


- Por que eu tô ferrado, Jeon Soabin. – ri nervosamente e ele me olhou incrédulo. Nada podia piorar não é mesmo? - Mas muito ferrado.


Notas Finais


Que capítulo mais horrível😑🙄🤨

Espero que me perdoem😅😅


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...