História My boyfriend is a zombie - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Meu Namorado é um Zumbi
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan, Bts, Jeonjungkooktops!, Jikook, Kookmin, Parkjiminbottom!, Zumbis
Visualizações 97
Palavras 2.459
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem voltou!!!!!

Uaaaaaaaaahhhhhhh! Me desculpem! Sério! Começou as aulas, ensaio do folclore, preguiça pos escudos e eu esqueci completamente de postar! Me deem um tapa virtual 🙃

Desde já peço desculpas por esse capítulo.

Sem revisão, passível a erros!

Capítulo 9 - Nine


��‍♂️

 

“O que você está fazendo aqui?'' Apoio-me no parapeito, de modo que eu fique próximo do seu corpo.

 

Jk aproxima-se da varanda, seu rosto sendo facilmente visto pela iluminação pública. Suas feições alegres, o modo engraçado como ele balançava os ombros para cima e para baixo, e as tentativas frustradas de formar um sorriso. 

 

Como eu estava com saudades desse sorriso que não aparecia seus dentinhos.

 

Mas ainda sim, não era certo tê-lo aqui.

 

''Eu vim.. Te ver!'' Ele parecia tão animado.

 

Arfo com sua resposta. Ele corria um tão perigo tão grande por estar aqui. Um cadáver, cercado por humanos armados até os dentes. Péssima combinação.

 

''Jk! Você não deveria ter vindo aqui! É muito perigoso!''

 

''Jimin, cala a boca! Eu tô tentando dormir!'' O grito de Jin põe Jk em alerta, que roda o local a procura do dono da voz.

 

''Ah... Foi mal!'' Grito em resposta e apoio novamente no parapeito, abaixando o máximo que posso. ''Está se arriscando, JK...''

 

Ele estava com a cabeça levantada, seu capuz sangria havia caído sobre suas costas, expondo a mim e a todos que vissem sua verdadeira forma. Ele parecia alienado há situação e os riscos que corria, e isso estava me deixando cada vez mais bravo.

 

 

''Você ficou maluco? As pessoas daqui não são como eu! Se elas te virem, vão te matar! Você entende isso?''

 

Ele olhava para o chão envergonhado.

 

''É...''

 

Eu não acredito que ganhei isso como resposta.

 

''Você tá falando com alguém?'' Jin grita novamente, incomodado.

 

''É... Não!''

 

''Na boa, o que está acontecendo aí fora?'' A porta foi aberta com rapidez, e não houve tempo suficiente para parar meu amigo, e nem para que Jk se escondesse em algum lugar.

 

Jin avançou rapidamente, ignorando meus braços que o impediam e olhou para baixo curioso. Sua aparente alegria se dissolveu com a visão de Jk em alerta, e meu melhor amigo tropeçou para trás, assustado, imprensando-se na parede. 

 

''Merda.'' Pela expressão temerosa, ele não parecia estar em seu melhor momento. 

 

 

''É esse zumbi?''  Sussurrou baixinho, engolindo em seco ao final da frase.

 

 

Olhei para Jk. Ele ainda parecia meio avoado na situação.

 

''Hum...É.'' Rio baixinho quando Jin assente lentamente, aéreo, afasta-se da parede de concreto e aproxima-se do meu - provavelmente- amigo.

 

 

Jk atento a chegada do outro, levantou sua mão esquerda saudando Seokjin, que apenas franziu o cenho em confusão.

 

 

''Ai, caralho, o cadáver existe.''

 

 

[...]

 

 

 

 

 

 

 

 

Desci as escadas apressadamente, pulando diversos degraus e torcendo para não cair em nenhum destes. Naquele momento, eu não me importava por fazer barulho, e nem que, provavelmente grande partes dos outros moradores pudessem escutar meus pulos pesados nos degraus.

 

Puxei a porta com força, deparando-me com a melhor visão possível de Jk.

 

''Me desculpe.'' Disse afobadamente, mas em vez de ralha-lo por sua incompetência, minha primeira reação é outra.

 

Jogo-me em seus braços com rapidez, chocando nossos peitos, e envolvo seu corpo forte com minhas mãos apressadas. Sem pensar em meus atos, afundo minha cabeça no vão entre seu pescoço e ombro, apertando-o ainda mais para mim, enquanto inalo o cheiro ralo de sua pele com meu nariz. Jk parecia surpreso com minha reação, percebi isso pelo arfar grande e alto que escapou de seus lábios, mas ele retribuiu o aperto, e sua destra afagou minha coluna em carinhos singelos.

 

''Eu sei... Me desculpe, também.'' Arrasto a ponta do meu nariz na pele descoberta de seu pescoço, sorrio contido ao sentir os poucos pelinhos arrepiando-se na área. ''Eu senti sua falta.''

 

''Eu também, Jimin.'' E como forma de comprovar isso, sinto os músculos de seus braços apertando minha cintura possessivamente. 

 

 

''É engraçado...''Rio baixinho tateando delicadamente a nuca de seu pescoço. ''Você está tão quentinho, agora.''

 

O barulho agudo das sirenes nos põe em estado de alerta. Com rapidez, solto de seu corpo, o clima de reencontro dissolvendo-se por totalidade.

 

''É a patrulha. Vêm, é melhor a gente entrar.'' Puxo uma de suas mãos e guio-lhe pelos corredores em direção ao meu quarto. ''Você deu sorte, meu pai foi chamado pra ver uma coisa urgente.''

 

''Você está seguro aqui por essa noite, Jk. Depois disso, a gente vê o que vai fazer.'' Minha mão ainda estava colada a sua e a sensação térmica diferente do frio habitual era maravilhosa e facilmente acostumavél. ''Hum... Espera.'' Paramos em frente a porta de carvalho escuro do meu quarto. ''Eu estou com um amigo lá dentro... Então, seja bonzinho com ele, por mais que talvez você sinta vontade de esganá-lo.''

 

''O quê? Porque?''

 

''Você vai entender.'' Empurro a madeira lustrosa e entro no cômodo com Jk ao meu encalço. Eu mantinha seu corpo atrás do meu, por mais que ele pudesse ser facilmente visto graças a nossa pequena - mas existente - diferença de altura.

 

''Jin, esse é Jk...'' Tento apresentá-lo ao meu melhor amigo, mas sua reação não foi nada próximo a esperada.

 

"Jimin está apaixonado  por um morto-vivo...'' Sussurra baixinho, quase incompreensível.  ''Você está apaixonado por uma porra de um  morto-vivo!" Jin grita estridente, enquanto zanza pelo quarto em  círculos perfeitos.

 

''O quê tá acontecendo com você? Eu achei que você tivesse entendido a situação mais cedo!'' Pergunto exasperado.

 

''Eu achei que você estivesse brincando, caramba! Ou sei lá! Sua mente doida criou uma fantasia na sua cabeça! Traumas fazem isso com as pessoas, sabia?!'' Seu tom de voz mantinha alto, e eu não acreditava que estávamos discutindo por aquilo.

 

Jk aproxima de minhas costas, sinto isso pelo barulho de seus braços. Suas mãos envolvem minha cintura e ele me puxa para encontro de seu corpo, em sinal de proteção. Eu não sabia dizer se era a mim ou a ele. Talvez um pouco dos dois.

 

 

Inspiro alto e olho para a frente, cruzando meus braços com força.

 

"Para de gritar! Você está assustando ele!" Grito para Jin que fica resmungando coisas para si mesmo.

 

Ele olha para mim, as bochechas inchadas, o rosto vermelho e os lábios sendo mordidos com raiva.

 

"Assustado ele? Ele é a  merda de um zumbi! Essa porra que está me assustando!" Aponta para JK  que cada vez mais se fundia a mim, e por mais um pouco, contestaríamos a lei de dizia que dois corpos não poderiam ocupar o mesmo espaço.

 

 

"Não chama ele assim! Ele é diferente!" 

 

 

Agora eu estava ficando bravo. Onde estava o Jin sorridente e brincalhão que a poucas horas estava azucrinando-me com minhas declarações? Onde estão as piadinhas sem graça com meu relacionamento - amistoso - com um cadáver, ao invés de gritos raivosos?

 

 

"Ele matou a sua mãe,  Jimin! E você está protegendo ele!" Jin tenta se aproximar de Jk, mas eu  o puxo para longe das garras de meu amigo.

 

"Não foi ele." Digo baixo. "Não foi Jk que matou ela." 

 

Jin estagna em seu lugar, percebendo do ponto delicado em que tocou, e morde os lábios com força, como se estivesse lutando contra si mesmo.

 

"Mas a espécie dele foi.  E não acredito que você, que mais conhece o sofrimento que essa coisa é  capaz de causar, esteja do lado dele." Jin me olha decepcionado e  caminha para longe de mim.

 

"Jin!" Tento seguir meu  amigo que abre a porta e começa a cruzar o corredor em direção à saída.  "Jin, espera." Seguro seu braço, mas ele puxa-o de volta, interrompendo o  contato.

 

"O que você quer, Jimin?" Respondeu entediado, como se estivesse cansado, ainda pior do que se estivesse bravo como a minutos atrás.

 

 

"Só... Me escuta por  favor." Implorei para meu melhor amigo que apenas cruzou os braços, e encostou o  corpo no corrimão da escada. "Eu..." Rio baixinho, sem saber como  começar. "É estranho, eu sei... Um dia eu sumo durante as expedições e  no outro, eu apareço, sozinho vivo e não infectado trazendo comigo um  zumbi."

 

"Sim. Muito estranho." Complementa.

 

"Deixa eu terminar, por  favor." Rio quando ele morde os lábios, virando o rosto. "Esse zumbi, o Jk, ele me  salvou. Ele me salvou, Jin. E eu sei que parece que estou ficando louco  e que essas coisas parecem estar afetando o meu juízo, mas eu estou  completamente lúcido, quando afirmo que o Jk, o meu Jk é bom."

 

"O seu Jk, Jimin?" Confirmo com a cabeça. "Então você realmente gosta dele." Não foi uma pergunta.

 

Abaixo a cabeça, confuso. Eu não sabia identificar meus sentimentos. Eu conhecia Jk a poucos mais de cinco dias, meros cinco dias. Isso seria suficiente para despertar sentimentos amorosos por alguém? Eu não sabia dizer. 

 

"Era só o que me faltava. Meu melhor amigo, apaixonado, por um cadáver."Toma meu silêncio como confirmação.

 

 

"Para, Jin! Não é isso!" Tento socar seu peito, mas ele se afasta rapidamente. 

 

Ele começa a gargalhar  alto com meu estado de completa vergonha e confusão interior, e mesmo que eu estivesse meio bravo com sua falta de discrição,  sua risada estridente e totalmente diferente é o gatilho de  que precisava para logo o acompanhar nas  risadas.

 

"Jimin? Está tudo bem?"  Jk aparece nas escadas e começa a descer os degraus, o rosto bonito e  pálido voltado em uma expressão preocupada. 

 

"Ai, meu Deus, Jk!"  Começo a subir as escadas rapidamente, e empurro seu corpo para cima, na  direção do meu quarto novamente. "Não desça as escadas, seu banana,  alguém poderia ver você."

 

"Desculpa." Ele diz  arrependido, enquanto senta na cama e puxa para que eu sente ao seu lado. "Você demorou...  Escutei uns gritos estranhos... Fiquei preocupado.".

 

"Era o Jin rindo..." Ele assente lentamente, e seguro uma de suas mãos, ela parecia tão grande em comparação a minha. "Desculpa deixar você preocupado."

 

"Hum... Jimin...?" Olho para seus olhos, esses que olhavam um ponto atrás de mim. "O seu amigo... está na porta... nos olhado estanho..."

 

"Ah..." Viro para trás e deparo-me com Jin encostado na porta, sua testa franzida - exposta pela franja partida -, braços cruzados e lábios cerrados em uma linha fina. 

 

 

"Okay... Vocês são fofos  juntos. Um pouquinho. Muito. Bastante. Estupidamente fofos." Mordo os  lábios e olho para Jk, ele está me encarando, os olhos negros voltados  para mim como se estivesse me admirando. ''Mas isso ainda é muito creppy pra mim.''

 

Joga-se na poltrona no canto esquerdo e afaga as linhas enrugadas de sua testa bonita e livre de manchas. 

 

 

''Acho que envelheci uns cinco anos com essa discussão... Você vai ter que dividir os seus produtos de beleza pra compensar o estrago do meu lindo rosto.''

 

''Isso quer dizer que você está consciente do que está acontecendo aqui... E tá de bem com isso...?'' Cerro os olhos confuso e esperançoso com a resposta. Jin suspira e ajeita a postura no móvel.

 

 

"Tá. Tá... Tudo bem. Mas porque você trouxe ele mesmo?" Pergunta confuso, analisando Jk.

 

 

"Ele estava zanzando lá fora, eu não podia deixar que alguém visse ele."Eu sentia os pequenos círculos que ele fazia na minha pele.

 

 

"Uau... Digo! Caralho!  Zumbis entraram nas fronteiras, zumbis entraram nas fronteiras e ninguém  viu." Jin joga a cabeça para trás e geme estarrecido, descansa mão sobre o peito, assustado. 

 

"Porque você veio aqui, Jk?" Solto suas mãos, interrompendo o antigo toque.

 

 

"Pra mostrar... pra todo mundo..." Parecia escolher cada palavra, e eu via o trabalho de seu cerébro - aparentemente - morto pelas suas expressões faciais.

 

 

"Mostrar o quê?" Ele afasta a franja do rosto com lentidão.

 

"Que... Nós... podemos mudar." Um pequeno sorriso surge nos cantos de seus lábios.

 

"Jk... Ninguém aqui vai  acreditar nisso." Sussurro tentando convencê-lo, era triste, mas era a  verdade. Eu mesmo não acreditaria, se não tivesse presenciando isso nos  últimos dias.

 

"Eu... preciso tentar." Ele segura minha mão novamente.

 

 

"Peraí... Você falou nós?" É Jin que se pronuncia, saindo de sua poltrona e sentando na cama, ao meu lado.

 

 

"Há muitos de nós...  mudando. Sonhando." Ele puxa minha mão em direção ao seu peito, em  direção ao seu coração estático e sem batimentos.

 

"Isso... é uma coisa importante." Afago a área sobre sua camisa negra.

 

"Mas... nós temos... que andar rápido. Esqueléticos. Me perseguindo. Perseguindo a gente." Se o terror não tivesse tão nítido em sua sentença estava expresso em sua face, ainda mais ao pronunciar a ultima palavra.

 

 

"A gente tem que falar pro meu pai." Puxo minha mão e ando em direção ao meu armário, pegando minhas botas negras de caminhada,

 

 

"Não, isso é uma péssima ideia." Jin de aproximou de mim e me empurrou para minha cama novamente.

 

"Não, Jin! O meu pai já foi um homem justo." Puxo seus braços para que ele olha em minha direção. Meu melhor amigo balançou a cabeça em negação e sentou-se a minha frente, e envolveu minha cabeça com as palmas.

 

 

"Não, não. Você está  confundindo as coisas, querido. Sua mãe que era justa, o seu pai é o cara que te  deixou um ano de castigo por roubar batida de pêssego, e anda por aí com  uma M14 carregada e duas granadas, louco para matar essas coisas."  Aprontou para Jk. 

 

"E que outra escolha a gente tem, Jin?" Esganiço agoniado enquanto tento andar até a porta, sendo impedido por seus toques.

 

 

"Isso é loucura,  Jimin!'' Envolve meus punhos e obriga-me a olhar em seus olhos. ''Assim que virem seu zumbi, vão estourar os miolos dele antes de  chegar perto do seu pai." Olho para Jk que me encara preocupado.

 

"Por isso que eu preciso  da sua ajuda." Jin abre a boca confuso, em um perfeito O. "Eu só  confio em você aqui. E você é meu melhor amigo, Kim Seokjin... Juntos até na merda,  não?" Exclamo a frase que ele havia dito para mim dias antes.

 

A surpresa dá lugar a indignação. Ele solta meu pulso com força e caminha até o lado oposto, suas bochechas estufadas, enquanto resmunga algo incompressível.

 

"Você topa?" Seu corpo esguio e forte é lançado de volta a poltrona, a madeira range com o peso forçado.

 

Seokjin põe as mãos na  cabeça e descansa os cotovelos sobre as coxas, os dedos grandes e  tortinhos apertando os fios negros com força.

 

"Eu vou me ferrar, eu vou ferrar. A gente vai ser pego, vai dar errado, eu vou acabar preso..." Ele sussurra baixinho e balança as pernas agitado. “Puta merda, eu odeio laranja.”

 

"Então..." Sorrio esperançoso com seu inesperado silêncio após alguns segundos.

 

"Sim." Ele levanta a cabeça e olha para Jk. "Eu tô dentro." 

 

"Yah!" Grito animado e  corro em direção a Jin, dando-lhe um abraço apertado enquanto levanto  ele - com um pouco de dificuldade - para cima. "Obrigado! Obrigado!  Obrigado!" Distribuo beijinhos sobre sua bochecha, melando a pele macia e corada com saliva de forma proposital.

 

"Para, caralho! Tô  ficando enjoado!" Ele se afasta de meus braços e encara Jk com olhos  franzidos em desconfiança. "Mas já tô logo avisando!Se seu zumbi  bonitinho me morder, eu volto com raiva e como suas bolas."

 

 

 


Notas Finais


Eu sei, eu sei! Que bosta de capítulo Clark!

Mas em minha defesa, eu havia escrito esse negócio de duas mil e merdas a mais de palavras antes de escrever a fic (Yeah! Eu faço esssas travessuras!), então na minha cabeça ia encaixar! Então eu tive que fazer umas tranbicagens para dar certo, pq eu ri meio escrevendo isso (por mais que eu não saiba se ficou realmente engraçado ou não...) e eu não queria jogar fora mais de 1.500 palavras de pura emoção e precipitação... Pse.

Em uma escala de 0 a 10, quanto vocês odiaram esse capítulo?

Eu postei uma nova fic, chama-se Bloodines. Segue o link e a sinopse abaixo:
Em um mundo onde criaturas sanguinárias e imortais dividem o mesmo espaço com meros humanos, Jimin atua como um pilar entre as duas espécies, servindo seu sangue como alimento para os vampiros que há séculos sua raça enojava.

Mas nem todos os sanguessugas são terríveis e amendontradores como todos a sua volta hão de falar, especialmente Jeon Jungkook, o vampiro mais poderoso, intenso e perigoso que Jimin já conhecera e que causava sensações estranhas e angustiantes no corpo libidinoso do fornecedor, fazendo-o desejar muito mais do que deveria do vampiro.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/bloodlines-13854563


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...