História My brother's friend - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Arthur Pendragon, Ban, Diane, Dreyfus, Elaine, Elizabeth Liones, Escanor, Gowther, Hauser, Hawk, Helbram, Hendriksen, Jericho, Liz, Margaret, Meliodas, Merlin, Veronica
Tags Dram, Nanatsu No Taizai, Revelaçao, Romance
Visualizações 348
Palavras 2.446
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 19 - Está com ciúmes, Rapunzel?


Fanfic / Fanfiction My brother's friend - Capítulo 19 - Está com ciúmes, Rapunzel?

 Elizabeth dirigia tranquilamente até o trabalho. Era um dia ensolarado, os pássaros cantavam,os carros poluiam, tudo normal. 

Estava tudo na mais perfeita paz, quando de repente,um outro carro se chocou com tudo com o dela. Um acidente feio havia acabado de acontecer e, Elizabeth morreu com o impacto.

.

.

.

Meliodas acordou ofegante e suando frio. Acendeu a tela do celular tendo a visão das horas, três da manhã. Ele arrastou o edredom para o lado e,saiu da cama. O mais silencioso possível abriu a porta do seu quarto e passou pela mesma. 

Ele caminhou com cuidado pelo corredor, passou em frente a porta do quarto de Zeldris em câmera lenta, fazendo o mínimo de barulho possível e impossível. 

O loiro abriu a porta do quarto de Elizabeth lentamente, com o maior cuidado.Andou a passos leves até a cama da garota.

A prateada dormia profundamente e tranquilamente- diferente do loiro minutos antes- seus cabelos prateados estavam espalhados em cima do travesseiro, o mesmo agora era um mar cor de prata. O edredom cobria até um pouco abaixo de seus seios, era visível o decote da camisola. Definitivamente, Elizabeth era uma mulher muito sexy.

 Ele pegou Hawk que dormia aos pés de Elizabeth e sem o menor cuidado o jogou no chão. O cachorro chorou um pouco,mas ao ver Meliodas bufou e saiu do quarto.

Com muito cuidado, Meliodas se deitou ao lado dela, se cobriu com o edredom e a abraçou pela cintura. A prateada acordou assustada,mas logo se acalmou. 

- Meliodas,que susto, Embuste! - susurrou se acomodando nos braços do loiro. 

- sonhei que você tinha morrido! 

- Credo!! - Elizabeth exclamou se virando para ele. - que coisa mais horrível pra se sonhar. 

- até que não. A pior parte foi perceber que não era verdade. - Elizabeth abriu levemente a boca, parecendo ofendida. 

- ah que bom, vai dormir com seus sonhos então! - disse se virando de costas para o loiro. Meliodas sorriu e a abraçou de novo. - me solta!

- não! - murmurrou colocando a cabeça na curva do pescoço dela, sugando o aroma daquele local. 

- me solta! 

- não!

- me….solta! 

- na- ão! 

- arg, Meliodas! Já falei pra me soltar! 

- e eu já falei que não! - Elizabeth abriu a boca para retrucar mas foi interrompida pela porta que se abriu,a luz do quarto foi acesa, revelando Zeldris com Hawk no colo. 

- só queria avisar que vocês estão proibidos de transar por um mês! 

- UM MÊS??!!! - Elizabeth e Meliodas exclamaram aos gritos em uníssono. 

- é… recebam isso como um prêmio por terem se colocado em perigo. 

- Zeldris, isso é injusto! Nós conseguimos cumprir nosso objetivo. - Elizabeth afirmou. 

- pois é, conseguiram levar um tiro também. - o moreno respondeu simplesmente enquanto apagava a luz e passava pela porta. - lembrem-se: nada…de sexo! 

- aff! EU VOU FALAR COM A GELDA PRA ELA NÃO CHUPAR SUA ROLA!!

- MELIODAS!! 

- o que foi? 

- vai dormir! 

- claro minha deusa! - dito isso,ele a deu um breve beijo no canto dos lábios e se deitou ao lado dela,a abraçando novamente. 

.

.

.

- EI, vocês tem um caso! - Nerobasta apareceu na porta do gabinete de Elizabeth,onde ela se encontrava com o Arthur. - encontraram na casa de uma garota emancipada essa cena. - ela os entregou duas pastas, cada uma delas tinha informações sobre o caso. A primeira delas era uma foto da  suposta "cena do crime" 

- não tem como tirar conclusões com isso, precisamos ir até o local. - Elizabeth afirmou sem tirar os olhos da foto. 

 - fiquem a vontade, esse caso agora é responsabilidade de vocês. - Nerobasta se retirou. 

- aqui tem o endereço! - Arthur afirmou. - vamos? 

- claro! - eles pegaram tudo que era necessário e se dirigiram até a saída. 

- EI! - ambos desviaram a atenção para Nerobasta.- boa sorte! - eles sorriram para ela e, enfim se retiraram.

- vamos no meu carro ou no seu? - Arthur perguntou. 

- você que sabe,pra mim tanto faz.

- ok, vamos no meu então! - eles se dirigiram até o carro do ruivo,uma Picape Fiat Toro na cor vinho. 

- hum, você tem bom gosto para carros! - Elizabeth comentou enquanto ajustava o cinto de segurança. 

- thanks! - Arthur disse, conferindo os espelhos. 

.

.

.

- Misericórdia! - Elizabeth exclamou quando chegou ao local. A cena era horrível, sangue para todos os lados,tudo uma completa bagunça e as portas completamente arregaçadas. 

- a dona dessa casa sofreu um bocado! 

- tem sinais de luta, ela tentou se defender! - Elizabeth afirmou enquanto anotava todas as suas observações em seu bloco de notas. 

- olha só! - Arthur exclamou se abaixando para ficar mais perto de uma possa de sangue.

- é melhor pegar uma amostra de sangue de cada possa. Ela pode ter conseguido ferir o agressor,com DNA poderemos chegar até ele. 

- eu pego o sangue! - Arthur falou enquanto colocava suas luvas de látex, logo depois o ruivo foi pegar o sangue que havia prometido a Elizabeth. 

A prateada subiu as escadas da casa,mas inesperadamente o andar de cima estava completamente intacto, seja lá o que aconteceu só acontece na sala. Ela saiu da casa, se abaixou para passar pela fita de isolamento da polícia e andou ao redor da casa, procurando por alguma evidência. 

- o que… é isso? - Indagou para se própria ao ver duas marcas paralelas no chão. - ARTHUR!!! 

- sim? 

- encontrei essas marcas,quer segui-las? 

- vamos lá! - eles seguiram as marcas floresta a dentro, andaram bastante e agora estavam na margem de um lago. - que cheiro de carniça. 

- o que é aquilo? - a alguns metros, boiando perto da margem havia alguma coisa completamente coberta de branco. 

Elizabeth,que já usava suas luvas, foi até lá com Arthur em seu encalço. Chegando bem perto ela se abaixou, tocou a "coisa" que estava encharcada e a virou para si. 

- AHHH!! - ela se assustou ao ver o rosto completamente desfigurado de uma garota e, deu um pulo pra trás, caindo sentanda no chão. - Nerobasta responda! - falou em seu rádio comunicador. 

- o que foi agente Elizabeth? - a voz distorcida da garota foi ouvida por Elizabeth e por Arthur. Ambos se encararam e a prateada,enfim respondeu. 

- encontramos um corpo. Mande alguém buscar pra autópsia! 

- entendido

- bom, vamos pegar o máximo de provas possíveis antes do pessoal chegar - Arthur falou estendendo a mão para a ajudar a levantar. 

- as marcas eram dos saltos dela! - a prateada observou.

.

.

.

- o que está assistindo? - Zeldris perguntou adentrando a sala enquanto comia mais um de seus Doritos. 

- não fasso a mínima ideia. - Elizabeth respondeu sem tirar os olhos do arquivo que ela estava revisando. 

- ela não está prestando atenção. - Meliodas respondeu. Hoje era a última noite do loiro naquele apartamento, ele voltará a morar sozinho no dia seguinte. Ele não disse a Elizabeth onde séria sua nova casa, coisa que deixou a prateada desconfiada. Diane fez questão de fazer uma festa de "despedida" para o loiro mas o máximo que conseguiu os convencer foi de fazer uma pequena reunião no apartamento de Zeldris, reunião que começaria daqui a alguns minutos. 

- não mesmo! - Elizabeth retrucou. 

- o que você tanto está estudando aí? Pensei que já tinha se formado. 

- anão tarado eu sou a mais nova detetive da cidade e, como detetive,eu tenho que pesquisar sobre o caso. 

- chato! - o loiro cantalorou. 

- não é mais chato que ficar trancado em um escritório. - Zeldris entrou na "discussão."

- ficar "trancado" em um escritório é muito melhor do que cortar os outros. 

- ah eu não tenho paciência pra essas discussões de vocês. - Elizabeth comentou enquanto revirava os olhos. Meliodas abriu a boca pra retrucar,mas quando as palavras iriam sair de sua linda garganta o telefone de Elizabeth o interrompeu. 

- quem é Arthur? - perguntou ao ver o nome e a foto do ruivo sendo exibidos na tela do telefone da prateada que estava em cima da mesa de centro. 

- é meu parceiro. - a prateada respondeu indiferente. Ela estendeu a mão para pegar o celular,mas Meliodas foi mais rápido. - EI! - o loiro atendeu a ligação e colocou no viva voz. 

- Elie? - o loiro juntou as sombrancelhas e movimentou os lábios para que Elizabeth pudesse os ler: " mas que intimidade" a prateada revirou os olhos e respondeu. 

- oi, Arthur! O que foi? 

- eu tenho os resultados das autópsias e dos exames feitos no corpo da garota, a Merlin acabou de mandar pra mim. Você poderia vir aqui em casa pra discutir sobre isso?

- ah não dá, Arthur. Eu….

- ela está com o namorado dela! - Meliodas se intrometeu na conversa recebendo um olhar de reprovação da prateada. 

- o quê? 

- não é nada Arthur, é só o Meliodas. Enfim, meus amigos vão vir aqui em casa daqui a pouco, tenho que recebê-los. 

- hum

- você pode vir se quiser, eu te mando o endereço. 

- WHAT?!!! - Meliodas exclamou.

- ah,eu adoraria Elizabeth,mas seu namorado me parece um pouco ciumento. 

- você não imagina o quanto!! - o loiro respondeu. Zeldris que antes apenas observava resolveu se intrometer também. 

- relaxa, ele não vai nada com você, o máximo que a loira do tchan irá fazer vai ser te olhar com cara feia. 

- "loira do tchan" haha!! - Elizabeth se jogou pra trás e caiu na gargalhada. - na boa Zeldris,esse foi o melhor apelido que alguém já deu para o anão tarado. - falou entre risadas. 

- e com quem tenho o prazer de falar agora

- ah,voz do Arthur, essa é a voz do Zeldris,meu melhor amigo que amo d+ - falou secando as lágrimas,fruto de boas risadas. 

- " loira do tchan" - Meliodas resmungou fazendo Elizabeth soltar pequenas risadas.

- bom, enfim, finalmente, até que enfim…. vai vir, Arthur? 

- pensando bem, acho que vou perder a chance de dar boas risadas se eu não for. Me manda o endereço por mensagem. 

- beleza,fala com a Merlin que eu chamei ela também. 

- que Merlin? - Diane apareceu na sala, acompanhada da tropa toda. 

- vem cá, vocês não batem mais na porta não? - Zeldris Indagou. 

- querido, nós já somos de casa já, compreendeu você? 

- Elie, a Merlin acabou de falar que vai ir. - a voz de Arthur ecoou novamente pelo apartamento. 

- tá beleza! - respondeu encerrando a chamada e entrando no aplicativo de mensagens ( ou seja WhatsApp) 

- vou perguntar de novo: que Merlin? - Diane

- você logo vai saber. - a prateada respondeu enquanto deixava o celular novamente encima da mesa de centro.

.

.

.

- essa….é a Merlin? - todos perguntaram, exceto Arthur e Elizabeth, quando a morena entrou na sala acompanhada do ruivo e da prateada. 

- e  esse é o Arthur! - ela respondeu indicando o ruivo. 

- essa….é a Merlin? - perguntaram de novo. Elizabeth,ao desviar a atenção para Meliodas, percebeu que ele estava bem interessado no corpo da morena, ele conseguiu se esquecer de piscar. 

- Meliodas,meu amorzinho lindo, anão tarada,loirinha do tchan que eu amo tanto….PISCA Ô DISGRAÇA!!! - o loiro desviou a atenção para Elizabeth e, sorriu malicioso logo depois. 

- está com ciúmes, Rapunzel? - perguntou. 

- Rapunzel? - Arthur Indagou.

- é que uma vez eu bati nele com uma frigideira, igual a Rapunzel faz com o Flynn Rider. 

- Meu Jesus! - Arthur

- respondendo sua pergunta, Meliodas: não, não estou com nem um pouquinho de ciúmes, diferente de você, né não? 

- eu fiquei com ciúmes desse cabeça de laranja azeda! - o loiro respondeu cruzando os braços. 

- haha, esse o melhor apelido que alguém já deu pra mim. - Arthur respondeu enquanto gargalhava. 

- que bom que gostou! - o loiro respondeu sarcástico. 

- Elie,tem cerveja? - Diane perguntou. 

- na geladeira. - Elizabeth respondeu se sentando a frente da mesa de centro. - ah qual é?! - exclamou quando a campainha tocou. 

- deixa eu atendo, acho que é a Gelda! - Zeldris. 

.

.

.

- o que acham de deixar a maratona de filmes de lado e contarmos histórias de terror? - Diane interrompeu o filme e sugeriu animada. 

- todos em volta da mesa de centro! - Merlin, pela primeira vez na noite, se manifestou. 

- olha só, você fala! - Elaine comentou ganhando um sorriso sedutor da morena. 

- quem vai primeiro? - Elizabeth

- eu vou! - Diane respondeu. Ela limpou a garganta e, começou…. - minha história é sobre um palhaço assustador… 

- adeus!! - Elizabeth se levantou e tentou sair do local,mas Meliodas como sempre mais rápido que ela, a segurou pelo braço e a puxou para seu colo e, a abraçou por trás. - EI!! 

- pode continuar! - falou ignorando as reclamações da mesma. 

- bom, em uma noite escura, em uma casa completamente afastada das outras,afastada o suficiente para ninguém te ouvir gritar.. 

- AHHHH!! 

- Elie, nem chegou na parte assustadora ainda! - Diane reclamou. 

- Meliodas,tira a mão dos peitos da minha irmã!! - Ban pigarreou. Arthur, Merlin e os outros, apenas davam risada da situação. 

- continuando…. - Diane chamou a atenção de todos novamente. - era mais uma noite normal, tudo na mais perfeita ordem,na mais perfeita paz…. - Elizabeth parou de ouvir depois de "noite normal" ela estava se remexendo no colo do loiro, tentando achar uma posição confortável. 

- se não parar de se mexer assim vai me deixar duro! - Meliodas susurrou no ouvido dela, a fazendo corar e, ficar quieta. - vê se não grita dessa vez! - devagarinho,o loiro passou a mão por debaixo da camisa de Elizabeth, deslizou a mesma lentamente pela barriga da prateada e,enfim chegou aos seios.O loiro enfiou a mão embaixo do lado direito do sutiã e, massageou lentamente o mamilo da prateada. 

- e aí BUM!! todo mundo morreu. - Diane concluiu sua história e logo desviou a atenção para Elizabeth. - viu? Não foi tão ruim assim! 

- c-con…ah….concordo!

- você está bem? - Elaine 

- eu… eu tô o-ótima. 

- tá bom! - Elaine confirmou desconfiada. - eu sou a próxima! - afirmou animada. - minha história é sobre…

E assim se passou a noite, Meliodas tocando Elizabeth sem ninguém perceber e histórias de terror horríveis sendo compartilhadas entre amigos. 


Notas Finais


Esse capítulo é só uma pequena prévia da treta que provavelmente vai ter entre Meliodas e Athur por causa da Elie... Ah caramba, foi spoiler 🤐


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...