1. Spirit Fanfics >
  2. My Brother's Friend >
  3. Coração Partido

História My Brother's Friend - Capítulo 45


Escrita por:


Notas do Autor


OLÁ AMORES ❤

BOA LEITURA 📖

Capítulo 45 - Coração Partido


Chego à casa de Taehyung com borboletas no estomago. As borboletas mais fortes que eu já senti. A vontade de querer abraçar ele e comemorar o nosso drible histórico sobre tudo que Yoongi tinha contra nós, era tanto, que eu estava com receio de machuca-lo.

Quando Taehyung abre a porta eu fico imóvel. Era incrível como eu ainda tinha a oportunidade de ver ele mesmo depois do sufoco que passamos. Por um momento eu vi o fim da linha e vi que não tinha mais o que fazer, que não tinha mais como nos ver e agora ver ele, enche meu peito com um sentimento que eu não sei descrever, mas que é bom pra caralho.

Taehyung está com uma expressão que não dá para descrever.

Sorrio para ele de leve e ele retribui. Ele faz um gesto para entrar e assim que coloco os pés para dentro ele me pega pela cintura e me abraça forte. Talvez não fosse só eu que estava desesperada por um abraço de novo. E eu odeio admitir, mas o abraço dele é tão bom.

- Escapamos hoje. - Brinco sem jeito.

- É eu sei... - Ele diz sorrindo, também sem jeito, mas parece que está com um nó na garganta.

- O que vamos fazer? Não sei se vou conseguir dormir aqui hoje...

- Tudo bem... – Ele me interrompe. – Vamos subir um pouco.

Taehyung pega na minha mão e nós subimos para o seu quarto.

Depois que ele fecha a porta, acende a luz e senta na cama, tudo em silêncio, eu sento ao seu lado e tiro minha sandália procurando o máximo de conforto possível. As suas costas estão contra a parede e suas pernas esticadas para fora da cama, então passo as minhas pernas por cima das pernas dele e fico de frente para cômoda da cama. Deito minha cabeça por alguns segundos em seu peito aliviada por estar ali, eu nem se quer percebi o quão tudo estava quieto por que meus pensamentos estavam agradecendo todo o meu corpo, ali perto dele, alto demais na minha mente.

- S/n... – Taehyung chama e eu acordo do meu devaneio. Do meu próprio paraíso pessoal, ali com ele, seguros de tudo.

O encaro após ele falar meu nome com tanto cuidado que parecia que se falasse em um tom diferente, eu poderia quebrar.

E então o enxergo com tanto carinho que apenas preciso sentir seus lábios de novo nos meus. Sem fazer nenhum movimento brusco eu o beijo e me afasto querendo o ouvir. Esperando o momento certo para dizer o como estou bem em estar aqui com ele. Como ele me faz bem.

- O que? – Pergunto com um leve sorriso.

Ele olha para cima e eu fico sem entender o porquê ele não está me encarando de volta. E então ele engole o seco e faz uma cara de dor que eu não entendo. Arrumo um pouco minha postura para poder enxerga-lo melhor.

- Eu acho que a gente tem que terminar com isso. – Ele balbucia as palavras e eu apenas o encaro.

- O que? – Pergunto ainda sem entender.

- Eu estou terminando isso. – Agora ele afirma e soa mais alto.

Eu me afasto do seu corpo para poder receber todo o impacto que suas palavras sem sentido fazem em mim. E não é um impacto bom. Na verdade, com apenas quatro palavras ele foi capaz de me tirar do céu e me colocar no inferno em questão de segundos, porque minha mente parece bagunçada e vulnerável.

- Como assim, terminando com isso? – Digo lutando muito para que meus olhos não lacrimejem.

- Isso aqui não vai muito longe S/n. Você sabe, eu sei. O que fizemos hoje, despistando Yoongi, é só prolongar o inevitável. Se continuarmos com isso vamos ser pegos cedo ou tarde e isso vai acabar ferrando mais do que essa relação que construímos. – Ele fala parecendo argumentar consigo mesmo e então eu levanto da sua cama sem entender.

- Isso é sobre o que você conversou com o Yoongi hoje cedo? – Pergunto tentando encaixar as peças do quebra cabeça dessa decisão.

- Acredite, Yoongi não tem nada a ver com isso. – Ele fala agora parecendo decepcionado. – É sobre fazer a coisa certa.

- Porque tudo que a gente viveu era errado, não é? – Pergunto com a voz embargada e os olhos lacrimejando. Viro de costas para não desmoronar.

- Não é isso... Só... Só não adianta continuar do jeito que estamos... – Taehyung argumenta agora tentando me convencer.

- Porque de repente você começou a se preocupar com o que vem por aí? Você não pensou em nada nisso nas ultimas semanas... – Falo contra ele em alto e bom som.

- Eu não tinha passado pelo fogo cruzado nas últimas semanas! – Ele fala mais alto ainda.

- Então porque diabos você me chamou para cá com direito a beijo na boca e carinho na cozinha da minha casa bem debaixo do nariz do Yoongi? – Pergunto agora gritando, em um nível de estresse que eu não achava que seria capaz de atingir.

Sento na cama de novo e abaixo o olhar. Eu preciso recompor o controle que eu tenho.

- S/n... Se a gente continuar com isso, alguém vai descobrir. Todos vão descobrir. – Ele fala mais próximo, colocando sua mão sobre minha coxa.

- “Isso” – Ironizo o encarando com o olhar frágil.

- Me desculpa S/n, de verdade, me desculpa. – Agora sua voz soa embargada e meu coração vai partindo aos poucos e eu vou sentindo de forma lenta dentro de mim. Luto de todas as formas para não deixar nenhuma lagrima cair.

- Eu acho que você é uma ótima pessoa Taehyung. Uma pessoa que eu fico muito feliz de ter conhecido. Fico muito feliz de ter ultrapassado a barreira de “melhor amigo do meu irmão”. Não vou me desculpar por isso. – Afirmo.

- Não estou te pedindo isso. – Ele fala. – Eu não me arrependo disso... – Ele fala suspendendo as palavras, como se não conseguisse falar.

- Você pode dizer... – Digo sem olhar pra ele, o encorajando a não guardar nada para si.

- Pela primeira vez, estar com você não parece certo. - Ele fala engolindo o seco.

Isso me acertou como um soco. Olho para cima e evito encarar ele. Minha testa franzi automaticamente enquanto eu tento não chorar e então ele passa a mão no meu rosto de uma forma tão protetora e me olha com tanto carinho, parecendo estar com o coração doendo por ter que fazer aquilo e eu só choro. Eu só deixo a lágrima cair.

- Para você, talvez. Mas não é errado ficar com você... - Eu argumento.

- Você sabe que é. - Ele fala baixo.

- Não. - Sorrio sem graça. – Não seria se meu irmão não fosse ciumento e possessivo, não seria nem metade do que você acha que é errado. Você seria como qualquer um... – Digo com voz de choro sem saber como retomar a compostura.

- Não, não seria.

- Seria sim. – Afirmo.

- Não seria S/n. Porque qualquer um não entrava no seu quarto de madrugada, transava com você e depois ia dormir no quarto dele. Eu fazia isso - Ele comenta sendo duro demais. - Eu estava sendo cínico.

- Não estava. - Digo lutando contra a ideia.

- Eu estava sendo falso, porque eu ouvia o quanto ele se preocupava com você, eu sabia... eu sabia dos cuidados que ele tinha com você e eu não ligava.

- Você nunca me machucou Taehyung! Você nem tem ideia do que fez comigo, como você pode se quer dizer para mim que é errado me fazer sentir como eu me sinto? - Digo tentando ignorar as lágrimas que corriam pelo meu rosto. – Como você pode tirar isso de mim? – Pergunto de uma forma egoísta enquanto passo a mão no rosto e me encosto-me à parede, sentada na cama, abaixando a cabeça entre os joelhos, só querendo que ele calasse a boca.

- Não teve um momento durante esse tempo em que você não achou que isso fosse errado?

Fico em silêncio por um tempo. Encaro ele tentando evitar todas as lembranças em que eu me senti culpada, me senti uma mentirosa de primeira e me perguntava se isso estava certo.

- Se fosse tão errado porque parecia ser tão certo? - Pergunto para ele usando suas palavras.

Ele me encara por alguns segundos.

- Nem sempre o que parece é S/n. A gente sabe que não é certo, pelo menos não do jeito que fizemos - Ele comenta com um pouco de decepção.

- Quem é ele para julgar o que é certo? - Fico na defensiva. - Não era ele que saia com uma mulher casada e com filhos? Que moral ele tem para apontar o dedo na sua cara e falar o que é certo? - Pergunto irritada.

Taehyung engole o seco.

- Não é só isso. Não é só Yoongi... – Fico sem entender o que mais poderia ser – A gente sabia que as escapadas, o escondido e todas as mentiras não eram certas... A gente meio que fez errado, não conseguimos evitar, mas mesmo assim fizemos errado... – Eu o abraço.

Me dei conta de que pode não haver outra oportunidade para o abraçar, então eu faço isso.

Envolvo meus braços em sua nuca. Prendo-me no corpo dele com uma angústia enorme no peito e com os olhos marejados.

Ele demora, mas envolve seus braços na minha cintura me apertando um pouco. Logo depois ele beija o meu ombro, mas isso não me conforta.

- Nós temos que parar de fazer isso. - Taehyung fala quando e eu volto a o encaro.

- Por causa do Yoongi? - Pergunto indignada. Acabar com tudo por causa do Yoongi, agora, não fazia mais sentido.

- Por causa de tudo, S/n. - Ele fala passando a mão no meu cabelo e colocando ele atrás da orelha. - Porque a gente mente demais para ficar juntos. Porque ele quase descobriu tudo e ficou louco, porque ele ia te prejudicar de algum jeito e ia me dar uma surra bem merecida, porque a gente inventou todo um teatro com minha mãe, com sua amiga, para que evitasse que ele descobrisse, porque a gente vai ficar nesse ciclo de mentir e se esconder... - Eu me solto dele, saio da cama e viro minhas costas. - Porque no fundo, nenhum de nós quer que ele descubra porque sabe que ele vai ficar decepcionado. Com nós dois.

Luto para não continuar chorando, mas as lágrimas continuam caindo. Passo a mão nos meus olhos e me viro para ele.

- S/n.. - Ele comenta quando me olha com os olhos vermelhos e uma expressão de tristeza eterna.

- Eu não quero acabar com isso. - Comento com a voz um pouco embargada. - Taehyung, eu não quero.

- Você mesma disse que a gente vivia mentindo. Você quer continuar mentindo? O tempo todo? - Ele pergunta.

- Eu só não quero acabar com isso. A gente pode tentar contar a verdade.

- Depois de hoje? Depois de ter mentido sobre todos os fatos verdadeiros que ele tinha descoberto? – Taehyung pergunta como se fosse óbvio. – É só encarar a realidade S/n, a gente não quer que ele descubra a verdade.

Eu sento de novo. Eu estou mais perdida do que jamais estive.

Fecho meus olhos para encarar a realidade, só que eu não consigo. Taehyung vem até mim e agacha na minha frente, mais lindo do que todas as outras vezes, e isso dificulta tudo.

- Só não faz sentido terminar com tudo agora por causa dele. – Falo agora sem disfarçar o choro, tapando o rosto com as mãos.

- Lembra daquele papo de como nos vemos em dez anos? - Faço que sim com a cabeça. – Eu tive que me imaginar daqui a cinco anos, quem estaria ao meu lado e em todo o lugar que eu me vejo... profissionalmente ou pessoalmente... O Yoongi tá lá. Ele tá lá para abrir um negócio comigo, para beber no fim de semana, para batizar meu filho... Sabe? Essas coisas.

Viro meu rosto para outro lado para ele não me ver chorando como uma criança idiota.

- E eu não estou né? - Faço a pergunta mais idiota que vem a minha cabeça. - Na verdade eu estou, mas como a irmã dele. - Afirmo com a voz de choro.

- Você foi muito mais que isso, S/n. E eu gosto tanto de você. - Ele fala tentando ser o mais carinhoso possível. - De verdade. Eu gosto tanto. Só que eu estou me sentindo um amigo muito lixo e acho que isso só vai ficar pior com o tempo. Não tem como continuar.

Faço que sim com a cabeça, não porque concordo, mas porque tenho que aceitar. Tenho que engolir essa ideia. Essa maldita ideia que eu tinha na minha cabeça semanas atrás. Essa maldita ideia que eu ignorei. Tenho que esquecer a possibilidade de que posso ter alguma coisa com ele, mesmo que isso tenha ficado bem claro o tempo todo e eu tenha me enganado por livre e espontânea vontade.

- Certo. - Eu levanto o mais rápido que posso, coloco as sandálias de volta sentindo seus olhos me observarem e saiu do quarto.

- Por favor, fala que entende. - Taehyung fala me seguindo enquanto caminho para a porta da sala.

Então ele segura a porta um pouco antes de eu abrir e dar o fora dali. Levanto a cabeça e respiro fundo.

De costas para ele eu seguro a maçaneta só querendo que ele abaixe a mão que está me impedindo de ir embora.

- Eu entendo. De verdade. - Falo com as lágrimas caindo, a voz embargada e de costas.

Deus! Eu só quero parar de chorar. Só quero parar. Fecho a minha boca lutando para que não saia nenhum barulho de choro.

Fecho meus olhos e o meu corpo inteiro por dentro treme um pouco.

- S/n - Ele fala protetor e parece estar com o coração partido tanto quanto eu, embora eu duvide.

Só para de falar meu nome, droga. Só me deixa ir embora. E por mais que eu pense isso, eu nem consigo falar. Ele encosta o nariz no meu ombro e dessa vez meu corpo inteiro arrepia.

- Olha para mim. - Ele pede. Eu me viro devagar, sem jeito, para o encara-lo, já desistindo da ideia de não me ver chorando.

Da forma mais gentil, ele passa a mão pelas minhas lágrimas me olhando com carinho. Meu coração se remexe de uma forma tão rápida dentro de mim que eu fico contraindo meu corpo um pouco enquanto eu olho para ele.

- Me desculpa, por favor. - Ele pedi e mais lágrimas caem. Não é como se fosse a culpa dele que eu tivesse me apaixonado, quando eu sabia desde o começo que a gente tinha um prazo de validade, e que era um prazo curto.

- Eu entendo Taehyung. - Passo a mão no rosto dele, ainda chorando. - Ele é como um irmão para você... E eu como uma irmãzinha. - Digo forçando um sorriso entre as lagrimas e as palavras que saíram em meio ao choro.

Taehyung ia argumentar contra a ideia, mas eu o abracei. Abracei-o forte do mesmo jeito que ia fazer para comemorar que Yoongi não descobriu nada, do mesmo jeito que ia fazer porque as coisas iam voltar ao normal. E de um jeito voltaram. Tudo ao normal. Como foi a vida inteira. Ele de novo aperta meu corpo juntando com o dele e eu tento não ficar chorando, mesmo que meus olhos não me obedeçam.

- É que você me fez tão bem... – Me lamento entre o choro. Ele me abraça um pouco mais forte. - Eu entendo. - Digo mais baixo ainda.

Eu realmente entendo, eu falo, mas a voz não saiu. Só fica no meu pensamento. Quando ele me solta, eu seco minhas lagrimas e fico completamente sem jeito.

- Você vai ficar bem. Nós vamos ficar bem... - Ele comenta me olhando novamente com carinho. Deixo de encarar ele. - Deixa eu te levar para casa. - Ele se oferece, liberando a porta.

Sem muita noção, eu assento e abro a porta do apartamento, sentindo uma angustia em saber que não vou voltar.



***

Quando eu entrei no carro de Taehyung, eu decidi que não ia chorar.

Decidi que não ia chorar mais. Ele me olhou antes de começar a dirigir, mas eu não o olhei de volta. Ao invés disso eu encostei a minha cabeça no vidro do carro e observei a rua. Toda vez que eu pensava em chorar, eu reprimia meus lábios e olhava para cima, virou um movimento constante ali. Estava muito frio lá fora, o vidro começou a ficar embaçado. Nós não conversamos desde quando ele saiu da garagem. Logo depois começou há chover um pouco, e eu realmente acreditei que era o Universo sendo solidário comigo e chorando junto. Engoli o seco. Taehyung me olhava toda hora e eu simplesmente não conseguia encarar ele. Era o fim de tudo. Eu realmente achei que não ia aguentar ficar ali, naquele carro, o vendo escapar de mim sem poder fazer nada, porque todos os motivos para ele ir embora eram os motivos certos. Por alguma razão eu achei que a gente fosse resistir mais tempo que isso. Achei que a gente daria certo e talvez teríamos um futuro juntos sem culpa. Reprimo os meus lábios e olho para cima de novo. Meu coração começou há bater um pouco mais rápido quando eu percebi que estávamos, chegando à minha casa. Depois de sair desse carro, não haveria mais nada entre eu e ele e essa ideia me fazia querer chorar, então eu voltei a reprimir o lábio e olhar para cima.

Eu odeio isso. Odeio passar por isso. Odeio esse momento. Odeio estar com vontade de chorar. Odeio ter me deixado apaixonar por ele quando tudo estava tão claro desde o começo. Odeio isso não ser a culpa dele. Odeio meu irmão por ter que ser tão ciumento. Odeio todo esse momento.

Reprimo meus lábios mais um pouco, mas antes, uma lagrima cai.

- A gente chegou. - Ele falou baixo.

Sem nem olhar eu salto do carro. Ele me observa sem entender. Não ouve uma despedida, um tchau, um agradecimento pela carona, um "foi bom enquanto durou", nada. Eu só salto do carro porque era tudo que eu poderia fazer sem chorar que nem um bebê de novo.

Eu engulo o choro e assim que chego à cozinha jogo agua na minha cara para disfarçar o rosto vermelho e inchado.

- Ei. Você está bem? - Yoongi pergunta aparecendo do nada.

Engulo o seco.

- Estou ótima. - Digo irritada.

Busco um copo de água. Quando peguei a jarra e coloquei no copo, percebi que eu tremia um pouco e eu realmente não sabia se era por causa de Taehyung ou porque estava com raiva de Yoongi.

- S/n, você realmente está bem? - Ele pergunta preocupado.

- EU ESTOU ÓTIMA. QUE MANIA MALDITA VOCÊ TEM QUE FICAR CUIDANDO DA MINHA VIDA! - Grito contra ele, largando o copo na pia da cozinha com tudo e indo para o meu quarto.

Yoongi ficou assustado, mas eu não deixava de pensar que ele merecia. Ele merecia ser maltratado porque era a culpa dele.

Tudo isso era a culpa dele. Culpa do cuidado e ciúme obsessivo que ele tinha por mim. Se ele não fosse completamente louco, eu e Taehyung estaríamos bem.

Me jogo contra a cama e começo a chorar mais um pouco. Era o fim. Era o fim e eu estava tentando de todas as formas não encarar que a culpa de eu estar assim era minha e exclusivamente minha. Minha por ter sido tão burra.

Extremamente burra!

Ouço uma notificação de Pilar. O e-mail que ela falou que enviaria com as fotos do evento.

Droga! Mais lembranças de Taehyung. Sem pensar duas vezes, eu clico no e-mail.

“Amiga, sei que no dia pediu para eu apagar, mas deu algum erro e não apaguei na hora. Aqui vai as suas fotos com o garotão caso queira. Comigo elas não existem mais, relaxa”.

Clico nos documentos anexados e volto a chorar ao ver minhas fotos com Taehyung tiradas no dia do evento da adoção.

Provavelmente as únicas fotos que eu tenho com ele enquanto estávamos juntos. É engraçado que agora perceber o como eu estava feliz naquele momento, me causa tristeza.

Pego meu celular um pouco nervosa e mando uma mensagem toda errada. Começo chorar assim que largo o celular. Eu só estou tão dolorida por dentro. Abraço meus joelhos na minha cama, com o cabelo todo bagunçado e tento contrair a dor que sinto dentro de mim. Tento não fazer barulho, embargando todo o choro.



*****

- O que aconteceu? - Camila aparece na minha porta meia hora depois de eu ter mandando a mensagem para ela.

Eu nem consigo falar. Só faço que não com a cabeça. Ela tranca a porta e fica ao meu lado na cama.

- Vocês terminaram? - Ela pergunta me olhando preocupada. Faço que sim com a cabeça. - Por quê?

- Por que... porque ele é o melhor amigo do meu irmão. - Respondo com a voz embargada, decepcionada e brava por esse ser o motivo mais idiota de todos.

Então eu começo a chorar de novo. Camila encosta a minha cabeça no ombro dela.

- Aí, amiga... você sabe disso... vai passar. Tudo passa. Pode demorar mais passa. - Ela disse enquanto passava a mão nos meus cabelos ouvindo meus soluços embargados.

E então eu passei a minha noite desse jeito. Chorando no colo da minha amiga que eu quase perdi porque estava mentindo para manter a minha relação com Taehyung. E por mais que as coisas fossem claras que nem água ainda doía. Ainda era doloroso demais. Doido bem no fundo da alma.

De um modo genuíno ele me fez bem. E consequentemente eu me apaixonei por ele. E de um jeito estúpido eu esperei que tudo acabasse bem.

Eu me apaixonei por Taehyung enquanto acordava ao lado dele quando estávamos longe de tudo que nos deixava parecer errado. Eu me deixei levar pelo sentimento de felicidade que ele me causava toda vez que ficava perto de mim com uma conversa boba, um sorriso simples, um abraço. Encarar isso me machucava demais naquele momento.

Enquanto meu corpo contraia no colo de Camila, eu tinha que encarar, que meu final com Taehyung era esse. Uma noite inteira chorando porque não deu certo. Tinha que desprender da minha ideia de final feliz.

E eu tenho que confessar que isso foi mais dolorido do que jamais poderia ter imaginado. Mas nenhum coração fica partido para sempre. Pelo menos foi isso que eu repeti para mim mesma a noite inteira.


••••••




Notas Finais


ESPERO QUE TENHAM GOSTADO ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...