1. Spirit Fanfics >
  2. My Dear Fawn - portuguese version >
  3. Lugares para ir

História My Dear Fawn - portuguese version - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo foi só para encher linguiça eu acho,mas o próximo será melhor eu prometo.

Capítulo 6 - Lugares para ir


Os dias foram se passando, tão devagar quando a neve que caía fora da janelas em spinners end. Snape já havia notado que a cada dia, nem que pelos pequenos detalhes, a menina se tornava muito parecida com ele.

Ela já sabia de muitas coisas que só aprender a até mesmo em seu último ano em Hogwarts. Ela era inteligente, amorosa, mas com toda certeza, também era geniosa e teimosa quando não conseguia o que queria, assim como ele.

Dias após aquela grande chuva, a neve parecia cair sem cessar, e acerta o ponto tudo parecia ter a mesma cor branca como uma nevoa que não se dissiparia tão rápido.

O Natal estava muito próxima, e como todos os anos anteriores, ele receberá uma carta Harry e os weasleys o convidando para as festividades na agora casa de Harry. E assim, como em todos os anos, ele não sentia a menor vontade de comemorar qualquer coisa.

A menina, por outro lado, parecia animada com aquela festança toda e tudo que havia em relação ao Natal.

Certa vez enquanto terminava sua lição sendo observada pelos olhos negros do tutor, a menina perguntou:

- o senhor não gosta de Natal?- Ela perguntou repentinamente mantendo os olhos no livro de Poções enquanto escrevia em seu caderno.

O tutor apenas a ignorou, andando em volta de onde a garota se encontrava.

-Sabia que a gente recebeu uma carta moço chamado Harry?Ele chamou a gente para uma festa no natal- Ela perguntou pegando sua pena e escrevendo em seu livro.

- desde quando te dei autorização de abrir minhas correspondências? E desde quando você sabe ler tão bem?- Ele rebateu olhando para ela por cima do ombro.

- Porque o senhor nunca respondeu? Se fosse comigo, eu ia gostar de receber uma carta. Lá no orfanato todas as crianças recebiam cartas, menos eu. As Freiras diziam que ninguém me amava e por isso ninguém me mandava cartas.- a garotinha explicou, um tanto triste.

O tutor olhou por cima do ombro novamente, com olhar sério, mas que no fundo, se sentiu um tanto triste pelo relato da menina. Ele, por um momento, se lembrara de quando estudava em Hogwarts e nunca recebera notícias de sua família até o verão, ou até mesmo por mais de um ano.

Contudo para manter este sentimento em segredo, ele apenas se virou com rosto fechado e foi até a garota, que mantinha seus olhos nele, com uma certa curiosidade mas também medo de ser repreendida. Snape apenas virou a página do livro da menina, sem se importar sobre o quê escrevi, e apontou para as páginas para que ela copiasse, para que assim, parasse de falar com ele e manter-se focada na lição.

Depois de algum tempo, ele a dispensou um pouco mais cedo, com a desculpa que tinha coisas para fazer e que estaria muito ocupado para observá-la.

- Eu posso brincar lá fora hoje?- Ela perguntou, esperançosa que ele deixasse desta vez. Desde o incidente em que ela se perdera, Ela não saira da porta da casa sem sua vigilância.

Ele apenas arqueou sobrancelha, como se dissesse "você já sabe a resposta".

- por favor, eu juro que eu vou ficar dentro do quintal. Eu tô cansada de ficar de ficar aqui dentro.- ela implorou em um certo tom manhoso.

Ele respirou fundo, desistindo de argumentar com a criança.

- Se você pisar para fora daquele portão eu vou te transformar em um rato.- ele disse sem olhar para ela enquanto arrumava os livros da mesa. Ele detestava ceder para a menina.

Addie sorriu e foi pegar seus brinquedos para brincar no jardim da frente, prometendo não sair do Jardim enquanto se afastava animada.

Snape por sua vez, sacudiu a cabeça e voltou para os livros, os quais empilhou na mesa e com movimento da varinha, os levou para cima, para sua sala.

Aquele dia parecia passar devagar de certo modo muito devagar, contudo snape se deu conta que "aquela data" estava para acontecer.

Demorou um pouco para quê Snape elaborasse o que faria em seguida. Quando a hora do almoço chegou, ah chamou pela janela, para que entrasse, porém não teve resposta imediata. ele pediu para que um dos elfos a chamasse, mas também não teve êxito.

Após alguns minutos frustrados, ele mesmo decidiu chamá-la já já irritado com com sua demora para atendê-lo. Ele abriu a porta que dava para o quintal da frente vagarosamente, planejando a bronca que daria nela por se atrasar e não respondeu quando pedido.Contudo seus planos se frustrarão quando,ao abrir a porta, se deparou com a menina brincando com seus poucos brinquedos em frente a uma lousa antiga, fingindo dar aulas para seus brinquedos no minúsculo jardim mas assim que ela o viu parado ali, interrompeu a brincadeira imediatamente.

- o que está fazendo? estou chamando a minutos.- ele sabia o que ela estava fazendo mas que ele ouvir dela. Ele parecia interessado, já que era a primeira vez que a via brincar daquele jeito desde que chegara.

-eu tô brincando.- Ela respondeu tentando ao máximo não fazer contato visual com ele. Ela não queria que ele ficasse bravo.

- Eu sei disso sua Ratinha, mas já está na hora do almoço e espero que dá próxima vez me responda quando for chamada.- ele disse parado na frente da porta de entrada.

-Descupa, não vai acontecer de novo.- a menina pegou seus brinquedos e voltou para dentro em silêncio, sem questionar.

Ela deixou todos os brinquedos em uma caixa na sala principal e sentando-se em uma das cadeiras. Ela agradeceu aos elfos que a serviram e começou a comer.

- Após você terminar o almoço,iremos fazer uma caminhada.- Ele disse.

- aonde vamos?- Ela perguntou de boca cheia,animada.

- há um lugar muito especial para mim. Mas por enquanto, não fale de boca cheia.- ele a repreendeu com suspiro.

Após o almoço, a Addie esperava o tutor na parte da frente da casa, brincando com algumas pedras na frente do portão, foi algumas crianças trouxas se aproximaram com curiosidade. Eram cerca de 6 crianças, três meninos e três meninas, pareciam bem mais pobres do que ela mas ao mesmo tempo, ela se encantaram que eles finalmente haviam e do falar com ela.

- Oi...- A menina disse olhando para as outras crianças com curiosidade. Ela sempre as minhas brincando no final da rua pela janela do segundo andar.

- você mora aqui? A gente nunca te viu o por aqui antes.- um garoto de boina disse com curiosidade enquanto olhava a casa atrás dela.

- Sim, é que eu não posso sair e o meu tutor não deixa eu falar com estranhos quando eu tô sozinha .- A menina disse inocentemente, enquanto brincava com a barra do vestido.

- o seu é aquele homem esquisito que dá medo, né?- um outro garoto de bicicleta perguntou com um arrepio de medo.

- Ele não esquisito, ele é um bom homem mas às vezes dá medo quando fica bravo.- a menina explicou, ainda mantendo a inocência em sua voz.

-minha mãe disse que ele não sai de casa porque ele é um bêbado e que ele é doido de pedra.- comentou uma das meninas em um certo Tom malvado.

- Ele não nada disso ele só é reservado e não gosto de falar com todo mundo e ele é muito inteligente.- a menina defendeu o tutor, mesmo não sabendo se tudo aquilo era verdade ou apenas para chatear.

Já na parte de dentro da casa, Snape havia finalmente terminado as Poções daquele dia e decidida a cumprir o havia dito para menina sobre a caminhada ele olhou em todos os cômodos mas não encontrou em nenhum lugar, novamente de algum modo ele já tinha uma intuição de onde encontraria. Ao olhar pela janela do segundo andar ele pode observar a cena da menina conversando com os outros crianças. Ainda que receoso, ele deixou que a cena prosseguisse por alguns minutos, com tudo mudou ao ver ver que a menina não pode estava muito feliz com algo que elas haviam dito.

- você não quer brincar com a gente?- uma das crianças convido Inter mais interessada na menina.

- Eu não sei, o meu tutor vai ficar bravo se eu sair daqui.- a menina disse olhando por cima do seu ombro, receosa com o mau humor o que causaria a sua desobediência em seu tutor.

-vamos, vai ser legal.- o terceiro garoto insistiu, tentando convencê-la.

Assim que Snape percebeu o que estava para acontecer,fechou a casa foi rapidamente com um acenar de sua varinha, e saiu de lá, andando até a menina.

- o que eu te disse sobre sair sem minha permissão?- ele manteve um tom seco sombrio em sua voz.

Ele voltou seu olhar para as crianças, que naquele instante estavam tremendo ter medo e não demorou muito para quê todos saíssem correndo dali.

-Vamos.- O velho mestre apenas puxou Adhara pelas costas do casaco e a arrastou enquanto caminhavam pela rua. Ele deixaria um sermão para quando voltassem.

- Porque eu não posso brincar com eles?- Ela perguntou um tanto tristonha enquanto observava as crianças se afastarem.

- Porque você não é como eles.- Ele disse mantendo os olhos no caminho.

- Mas eu tô cansada de não ter com quem brincar.- Ela respondeu.

- Poderá brincar com novos amigos em breve, mas não estes lily.- Ele disse seriamente ainda sem olhar para ela.

Snape, por um lado, não queria isolar a pobre garota, mas por outro, não queria deixá-la ser amiga de qualquer um, e com 'qualquer um' ele se referia a trouxas.

Eles caminhar um por um bom tempo, pelas ruas até chegarem em um cemitério. Era um cemitério antigo com poucos túmulos em frente a uma catedral nos arredores um vilarejo não tão longe de onde moravam.

Adhara por sua vez, estavam tanto curiosa e nervosa para entrar em um cemitério. Ela não gostava muito já que lugares assim lhe dava medo. Não era medo dos mortos, mas dá tristeza que era sentida naquele lugar.

- porque a gente veio aqui? -A menina perguntou olhando em volta enquanto segurava a mão do tutor, um tanto nervosa.

- Bem... Uma velha amiga também está aqui.- ele resumiu enquanto olhava rapidamente para menina e seguida olhando em volta à procura dos túmulos.

Fazia anos que ele não iria ia naquele lugar, o remorso e a culpa é dançar os perseguidores constantes junto as dúvidas de seu passado. A paisagem estava branca com a neve que começar a cair novamente, não demorou muito para que ele encontrasse o que procurava.

Havia um túmulo, ou qual era em homenagem a um casal,a menina logo reconheceu um dos nomes escrito na lápide.

- Olha esse é o nome que você me chama às vezes.- a menina apontou para lápide inocentemente e depois olhou para o tutor.

A menina logo percebeu que o rosto de seu tutor estava pensativo, mas ao mesmo tempo parecia tão vazio e apenas seus olhos pareciam demonstrar uma tristeza profunda.

-James e Lilian Potter… você me chama de Lily porque eu pareço com essa moça Lilian?- A menina perguntou curiosa, enquanto voltava a olhar para lápide.

O tutor por sua vez, manteve o silêncio que parecia mais ser uma reflexão.

- As freiras do orfanato disseram que os meus pais morreram por quê tinha um homem mau e homem me salvou dele e me deixou lá. Esse homem mau também machucou a Lilian?- a menina perguntou repentinamente.

Snape olhou surpreso pelo pergunta e tentou encontrar palavras ou pelo menos alguma explicação para sua resposta.

- Sim, mas quando for mais velha conversaremos sobre isso.- ele disse rapidamente antes de puxar lá para perto de si.

A menina suspirou em desistência e apenas se encostou ao lado do tutor.

- sabe, eu gosto quando você me chama de Lily.- ela sorriu para ele, tentando de arrancar alguma tipo de expressão sem ser a de vazio.

Snape, por sua vez, deixou um sorriso sem conter a surpresa de tamanha inocência que aquela pequena garota carregava.

- Vamos, temos muita coisa para arrumar antes de responder aquela carta.- Ele suspirou e se virou, começando a andar para a saída do lugar.

- Nós iremos mesmo na festa da carta?- Ela perguntou esperançosa.

- Talvez.- ele respondeu rapidamente.

A menina sorriu e concordou com a cabeça, animada com o compromisso que estava por vir.

Não demorou muito para que Snape sente-se um certo remorso e percebesse que iria encarar algo que recusava e desviava por todos esses anos de reclusão: um reencontro com Harry Potter.


Notas Finais


Juro que o próximo será melhor mas espero que gostem desse


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...