História My Dear Teacher - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Amor Proibido
Visualizações 714
Palavras 2.218
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como vocês estão bebês? Eu espero que estejam bens. ❤

Espero que gostem do capítulo. ❤

Leitores novos sejam bem-vindos. (a) Vejo vocês nas notas finais!

Capítulo 42 - My son...


Fanfic / Fanfiction My Dear Teacher - Capítulo 42 - My son...

 

POV. Jennifer Parker – Estados unidos – Manhattan.

Assim que nós ficamos a sós eu me sento recostando as minhas costas na cabeceira da maca. O Justin leva a suas mãos até os seus fios de cabelos enquanto aperta os olhos.

– Quando você pretendia me contar que não abortou? – ele abre os olhos e me encara.

– Nunca. Você não ficou sabendo por que preferiu ficar com a professora Dafne ao invés de me ouvir. – digo emburrada virando o meu rosto para o outro lado da parede.

– Isso tudo é ciúmes? – ele pergunta se aproximando e pegando em meu rosto para fazer fita-lo.

– Não.

– É o que parece. – roça os seus dedos em minha bochecha e eu fecho os meus olhos apreciando cada segundo do seu toque em mim. – Você sabe que somente você me importa. Você e meu filho. – vejo um largo sorriso crescer em seus lábios. Sinto uma imensa vontade de sorrir, mas me contenho.

– Meu filho.

– Nosso. – ele diz e coloca uma mecha de cabelo atrás da orelha. – O que te levou a mudar de ideia?

– Não quero falar sobre isso. – o afasto de mim e dou um pulo no chão. – Não quero ficar me torturando com essas lembranças egoístas.

– Tem ido ao médico? – concordo com a cabeça. – Na sua próxima consulta eu quero te acompanhar.

Ouço uma batida na porta e logo à enfermeira entra intercalando os olhares de mim para Justin.

– Você já está liberada senhorita Parker. – ela diz. – E outra, não se esqueça de se alimentar viu? Não se esqueça que a alimentação é muito importante nessa fase que você se contra agora.

– Pode deixar que eu vá fazer tudo direitinho. – arrumo a saia em meu corpo. – Eu vou poder ficar até o final da aula?

– É claro. – ela dá um sorriso e eu deixo a sala escutando os passos do professor atrás de mim.

– Como você está? – Hollie me pergunta assim que sento ao seu lado.

– Estou bem. – sorrio e ela retribui me passando a folha e eu posso ver que ela já respondeu várias questões.

[...]

Depois de almoçar eu estou aqui jogada em minha cama olhando as postagens que eu fiz em minha página. Hoje a página tem 1100 curtidas e as pessoas interagem muito comigo comentando, curtindo e compartilhando. E eu me sinto tão orgulhosa por saber que eu estou conseguindo ajudar outras pessoas a desistirem desse ato desumano que é o aborto.

Passo as mãos em minha barriga e sorrio por saber que o meu bebê está aqui em meu ventre crescendo a cada dia.

Começo a responder as pessoas e paro assim que ouço uma pequena movimentação no corredor e logo a porta do meu quarto é empurrada me mostrando Emma e Paola adentrarem o mesmo com duas pequenas sacolas em mãos.

– O que fazem aqui? – enrugo a minha testa fechando o meu notebook e colocando sobre o criado-mudo.

– Viemos te ver. – Lola diz obvia.

– Vocês me viram a amanhã inteira no colégio. – dou de ombro vendo elas se aproximarem.

– Deixa de ser durona porque eu sei que por dentro você está gritando por nos ter aqui.

– Não seja tão convencida. – eu rolo os meus olhos.

– Quando você pretendia nos contar que desistiu da ideia louca de abortar? – Lola se senta no carpete de meu quarto.

– Eu queria contar para vocês, mas vocês estavam me ignorando e eu acabei desistindo.

– Eu fico tão feliz por você perceber que o que iria fazer seria algo errado. – ela dá um sorriso de canto.

– Como mudou de ideia? – Emma pergunta realmente curiosa juntando as pernas e as abraçando em seguida.

– Querem mesmo saber? – pergunto e elas assentem com os olhos curiosos.

– Sabe, eu estava mesmo decidida a abortar. Quando descobrir a gravidez passei duas semanas pensando sobre isso e nada me fazia mudar de ideia, pois eu estava cega e não pensava em ninguém apenas em mim, eu estava sendo egoísta com a minha escolha. Eu marquei a consulta e no mesmo dia o Justin acabou descobrindo a gravidez. Ele tentou de tudo para que eu desistisse, mas não conseguiu, quando eu cheguei a casa apenas almocei e fui para o consultório, chegando lá confirmei e fiquei nos bancos de espera. O ambiente lá era pesado, as maiorias das garotas saiam de lá chorando e completamente desesperadas.

– Continue. – Lola diz curiosa.

– Teve uma garota que me fez mudar de ideia. – paro para me lembrar do dia. – Essa garota se sentou ao meu lado chorando compulsivamente enquanto colocava as mãos sobre a barriga. Ela passou a conversar comigo e me disse que abortaram o filho dela contra a vontade dela, a mãe dela a levou até a clínica porque achou que ela estava muito nova para ser mãe. Ela abriu os meus olhos para mostrar que o meu filho ele é inocente e não devia pagar por um erro meu. Ela me mostrou que eu estava errada e que eu tinha a escolha de salvar a vida de meu bebê e foi isso que eu fiz, eu escolhi a vida de meu filho.

– Que história. – Emma sussurra.

– Nós vamos está aqui para te apoiarmos em tudo. – Lola se levanta e me abraça e logo em seguida sinto a Emma me abraçar também me aconchegado em seus braços.

– Eu realmente sentir a falta de vocês.

– Nós também. – elas dizem e começam a afagar os meus cabelos.

– Sabe? – pergunto assim que nos separamos do abraço. – Eu criei uma página no facebook contra ao aborto.

– Que Legal. – Emma diz.

– Vou convidar vocês. – digo e mando o convite para elas vendo que elas curtem imediatamente.

Começamos a conversar sobre as coisas que se passaram nesse um mês e duas semanas.

Um mês depois.

Manhã de sábado.

Depois de tomar um café delicioso com os meus pais e os meus irmãos eu subo para o meu quarto para me arrumar. Ao chegar a meu closet eu pego um short Jeans preto desfiado e uma camiseta cinza com estampa da Minnie. Visto-me e amarro os meus cabelos em um rabo de cavalo. Passo apenas um batom rosa em minha boca, calço os meus chinelos e pego a minha bolsa com os meus exames.

Desço as escadas e encontro os meus pais sentados no sofá com vários papéis em mãos.

– Vou sair. – digo caminhando até a porta.

– Vai para onde? – ouço a minha mãe perguntar.

– Estou indo fazer umas compras no shopping com as minhas amigas. – saio de dentro de casa já vendo o taxi que pedi estacionando na calçada de casa.

– Bom dia. – digo para o taxista que já me conhece. Não gosto muito de sair com o meu motorista porque depois eu sei que os meus pais vão o interrogar para saber em quais lugares ele me levou.

Pego o meu iPhone e digito uma mensagem para o Justin.

‘’ Estou saindo agora para o consultório. Vejo-te lá, beijos da sua aluna favorita. ‘’ – Jennifer

‘’ Logo eu chegarei. ‘’ – Justin

Bloqueio a tela do meu aparelho e coloco dentro da minha bolsa. Encosto a minha cabeça no banco do carro e fico olhando as coisas através do vidro.

E eu nem imaginava que esse bebê seria capaz de me mudar tanto. Através dele eu estou descobrindo em mim uma Jennifer super protetora. Eu sei que ele ainda está em meu ventre, mas eu sei que é meu dever o proteger. Eu procurei até uma nutricionista para me passar uma dieta regulada e que ajude o meu filho a crescer super saudável.

Será que ele vai ter os meus olhos azuis ou os olhos cor de mel do Justin? Eita dúvida cruel.

Quando chego pago o taxi e adentro o consultório notando que há apenas poucas pessoas. Como o Justin já marcou a consulta e já a confirmou por telefone eu me sento em um dos bancos de espera pegando uma revista que fala sobre bebês. Começo a folhear as folhas e paro em uma parte que me chama bastante atenção, uma parte que tem uma enorme lista com nome de meninos e meninas e ao lado dos nomes tem o seu significado.

– Bom dia. – ouço a voz dele e levanto a minha cabeça para o olhar e ele está incrivelmente lindo, aliás, ele é incrivelmente lindo. Dou um sorriso por ver que ele está trajando uma bermuda Jeans em uma lavagem escura e com alguns rasgadinhos nos joelhos e vestido por uma camiseta preta deixando alguns de seus músculos exposto e algumas de suas inúmeras tatuagens.

– Bom dia. – digo após me recuperar do meu transe.

– Como passou a noite? – ele pergunta preocupado.

– Bem.

– E o nosso filho? – sinto suas mãos virem até a minha barriga e ele a toca me fazendo sentir um arrepio percorrer todo o meu corpo. Ele sorri e afaga a mesma que ainda não tem um volume aparente, tem apenas uma elevação.

– Bem também.

– Jennifer Parker? – uma enfermeira aparece na ponta do corredor. Levanto-me e eu e o Justin a acompanhamos.

Ao entramos na enorme sala branca com vários aparelhos caminhamos até a mesa do médico.

– Bom dia. – eu e o Justin dizemos ao nos sentamos, e o médico junto com a enfermeira respondem em uníssono.

– Trouxe os exames? – ele pergunta e eu assinto os pegando de minha bolsa e entregando para ele que começar a ler com atenção.

Sinto o Justin tocar a minha mão.

– Tudo está ocorrendo bem. – ele diz ao levantar a cabeça com os exames de mãos. – Você e o seu filho estão saudáveis.

Dou um sorriso em confirmação.

– Você pode, por favor, se deitar naquela maca? – ele pergunta educado e eu me levanto.

Deito-me na cama e levanto a minha blusa com a ajuda da enfermeira. Quando a minha barriga está toda exposta eu fecho os meus olhos a sentindo passar o gel geladinho pela mesma.

– Deixe me examinar esse bebê. – o médico diz passeando com o aparelhinho em minha barriga me fazendo olhar para a tela com eficiência.

– Ele está bem. – ele continua a passear com aparelho de lado a lado e de cima para baixo. – Hoje você está entrando no terceiro mês de gestação.

– Quando vamos poder saber o sexo? – Justin pergunta curioso ao meu lado.

– Dependendo da posição do bebê a partir do próximo mês. – ele termina de me examinar e a enfermeira começa a limpar a minha barriga e Justin me ajuda a descer na cama após eu abotoar um dos botões de meu short.

– Estou tão ansioso. – ele diz.

– Você está indo ao pré-natal? – o médico que se chama Marlon pergunta.

– Sim.

– Ele é fundamental visto que lá você vai aprender tudo, além do acompanhamento que eles fazem com o seu bebê e os exames.

– Vejo vocês no próximo mês. – nos cumprimenta e nós deixamos à sala.

– Para onde quer ir? – ele pergunta ao ocupamos os nossos lugares no banco de sua linda Ferrari.

– Eu disse para os meus pais que eu iria sair para fazer compras com as minhas amigas. – digo levando a minha mão até o som do carro e o ligando. – Então nós vamos primeiro em um shopping e depois para o lugar que você quiser. – digo e ele coloca a mão em minha coxa e olha para mim malicioso.

[...]

Estou vomitando feito uma louca aqui no banheiro de meu quarto. Fecho os meus olhos e ainda de joelhos na frente do vaso sanitário eu coloco toda a minha janta para fora, parece até mesmo que eu irei vomitar os meus órgãos e isso é algo extremamente estranho, não tenho tempo de pensar e outro jato quente sai de mim fazendo os meus olhos arder e eu sentir esse gosto azedo em minha boca. Quando termino dou descarga e me levanto com a minha respiração super ofegante e caminho até a pia de meu banheiro.

Pego a minha escova de dente, passo creme dental e começo escová-los calmamente. Término de lavar a minha boca e coloco a minha escova no lugar e em seguida seco a minha boca.

Faço um coque desajeitado em meu cabelo e pego o meu iPhone que toca desesperadamente em cima da mesinha de meu quarto. Sem ver quem é atendo.

– Alô?

– Ei Jenny. – sinto o meu estomago embrulhar por ouvir essa voz, mas tento manter a calma e saio fechando a porta de meu quarto.

Começo a caminhar em direção das escadas que vai me levar em direção da cozinha, eu preciso fazer um chá.

– O que você quer Logan?

– Mais um mês já se passou e eu estou aqui para te dizer que eu vou entregar vocês a qualquer hora.

– Me dê mais um tempo. – peço.

– Eu vou te dar apenas dois meses, somente dois meses. – ri do outro lado da linha. – Se você não aceitar a minha proposta, eu vou entregar as lindas imagens que eu tenho aqui comigo. Eu vou ferrar com você e com aquele professor de merda.

– Não, você não pode fazer isso. – grito desesperada e percebo que eu piso em falso na ponta do degrau. Não tenho tempo para mais nada, pois meu iPhone cai de minhas mãos assim que eu começo a rolar degrau a baixo gritando e sentindo o meu corpo inteiro doer.

Isso não pode está acontecendo.

Meu filho... – grito colando as mãos em minha barriga assim que bato a minha cabeça na quina do final da escada vendo tudo, exatamente tudo escuro a seguir.


Notas Finais


Continuoooooo?
O que será que vai acontecer com a Jenny e com o bebê? #EuEstouChorandoAqui.

Espero que vocês tenham gostado. ❤

Muito obrigada por todos os favoritos e comentários do capítulo anterior. 😍


Minhas redes sociais.
Instagram: https://imgpublic.com/user/nuneesmiih/1929378609/?hl=tr. (Nuneesmiih)

Twitter: https://twitter.com/Nuneesmiih?s=08. (Nuneesmiih)

Ask: https://ask.fm/Nuneesmiih

Obrigada por ler. ❤
Beijinhos da Miih. Eu amo vocês meus amores. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...