História My Dear Teacher - Capítulo 44


Escrita por:

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Amor Proibido
Visualizações 873
Palavras 2.773
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como vocês estão bebês? Eu espero que estejam bens. ❤
Estamos entrando na reta final amores. Temos apenas 7 capítulos para o final. 💔 #Choremos.

Espero que gostem do capítulo. ❤

Leitores novos sejam bem-vindos. (a) Vejo vocês nas notas finais!

Capítulo 44 - Loose her now!


Fanfic / Fanfiction My Dear Teacher - Capítulo 44 - Loose her now!

 

POV. Jennifer Parker – Estados Unidos – Manhattan.

O professor Justin sai e me deixa em meio de minhas lágrimas. Ele não pode fazer isso, ele não pode me deixar agora. Eu não cair da escada de propósito, eu sofri um acidente. No começo eu realmente não queria o meu filho por me achar nova demais e por não querer parar a minha vida por causa de um bebê, mas depois das palavras da Ruthieley eu mudei, eu enxerguei que eu estava sendo uma pessoa extremamente egoísta e que eu não tinha o direito de tirar a vida de um ser inocente. Depois de semanas eu passei a o amar incondicionalmente, cada mês que estava se passando eu me apegava mais ao meu filho e o nosso laço materno apenas ia se fortalecendo. Eu até já imaginava com seria os seus traços, imaginava se ele seria loiro igual ao pai e com os meus olhos azuis. Já parei até para imaginar qual seria sua primeira palavra e quando seriam os seus passos, eu realmente sonhava em tê-los em meus braços para protegê-lo e o amar.

Porém como sempre a Jennifer é sempre a errada.

– Jenny. – Lola entra na sala receosa. – Como foram as coisas com ele? Ele saiu daqui parecendo um trem-bala.

– Foi horrível. – me sento no meio da cama e deixo os meus pés no ar. – Ele não quis nem me ouvir, ele acha que eu cair propositalmente daquela escada para perder o meu filho. E eu não fiz isso, Lola, eu não faria isso não depois de amar o meu filho incondicionalmente.

– Eu sei que você não faria. – ela para ao meu lado. – Ele estava de cabeça quente, logo quando ele cair em sã consciência, ele vai te pedir perdão.

– Ele me acusou de uma coisa que eu não fiz. – as palavras saem falhas de meus lábios.

Escutamos passos e eu levanto a minha cabeça para ver que o médico acaba de entrar no quarto e ao seu lado entra a Emma com um copo de café em mãos.

– A mocinha já pode ir para casa. – ele fala ao perceber que o soro acabou. – Espero que você fique o dia de hoje em repouso, okay? – assinto limpando as minhas lágrimas.

– Tudo bem. – murmuro.

As minhas amigas pegam algumas de minhas coisas e depois de ligarmos para a minha mãe vim assinar a minha alta nos sentamos na sala de espera enquanto jogamos conversa fora.

– Então quer dizer que acabou tudo com o professor? – Emma pergunta boquiaberta.

– Sim. – digo calma. – Se ele preferiu assim, assim seja. Se ele não confia em mim porque ele iria ficar comigo? Mas quer saber de uma? Eu não vou ficar aqui sofrendo por ele sabendo que lá fora tem um mundo de braços abertos pronto para me receber.

– Essa sim é a Jennifer que eu conheço. – Paola diz animada ao meu lado.

– Meninas eu terminei de assinar a alta da Jenny. – minha mãe aparece a nossa frente. – Vamos? – concordamos e nos levantamos, começamos a seguir a minha mãe até a saída desse hospital ridículo.

– Nós vamos para a sua casa. – Lola diz animada ao ocuparmos o banco de trás do carro e colocarmos os nossos cintos de seguranças.

– Não precisa se preocupar comigo. – olho para elas. – Vocês precisam descansar, podem ir para a casa de vocês.

Minha mãe dá partida no carro.

– Mais nunca que nós vamos te deixar sozinha em um momento como esse. – Emma fala e pega as nossas mãos e junta-as. – Somos um trio, vocês lembram? – ela pergunta e nós assentimos. – E estamos juntas para tudo, não importa se são momentos bons ou ruins.

Apenas deixo escapar de meus lábios um sorriso sincero. E definitivamente eu tenho as melhores amigas que algum ser humano poderia ter. A Emma e a Paola sempre estiveram ao meu lado em todos os momentos. Quando eu as conheci eu nem imaginava que elas seriam minhas eternas amigas, minhas confidentes, também nós tínhamos apenas cinco anos de idade quando as nossas vidas se cruzaram na escola. Elas são uns anjos que Deus me enviou, são as minhas verdadeiras amigas que estão ao meu lado sempre, não importa se sejam momentos difíceis, de dúvidas, inseguranças e momentos como esses de perda... Elas também estão presentes nos momentos de alegria, momentos loucos e de muita rebeldia, resumidamente desde que eu as conheci, elas estão sendo verdadeiramente presente em minha vida... E só quem tem amigos de verdade sabe o valor que uma verdadeira amizade tem, não tem preço, não há nada que compre o valor de uma amizade sincera e verdadeira. Porque é bom demais ter alguém para te ouvir, alguém para te dar forças e colocar um sorriso em seu rosto e o que é melhor ainda é compartilhar cada pequeno momento de sua vida com essas pessoas e saber que elas se importam com você assim como você se importam com elas.

– Chegamos. – digo ao descer do carro. – O meu pai está em casa? – pergunto me virando para a minha mãe.

– Não, quando ele saiu do hospital eu tentei falar com ele, porém ele não quis me ouvir. – ela suspira.

Deixo um pequeno ar escapar de meus pulmões me mostrando que como sempre é eu a causadora de todas as turbulências que percorrem nessa família.

– Quem de vocês se lembra da primeira vez que nós fugimos a noite para curtir? – Lola pergunta.

– Não tem como esquecer. – eu e a Emma respondemos em uníssono.

– Aquele dia foi incrível, lembro-me que era uma noite chuvosa e nós tínhamos apenas 15 anos. – dou um sorriso. – E realmente agradeço por todos os nossos momentos juntos, por cada abraço e por todos os sorrisos. Eu amo vocês minhas Bitches de Manhattan.

– Nós também amamos você. – elas me puxam para um abraço me mostrando que a amizade é a melhor coisa que pode acontecer na vida de um ser humano.

[...]

– Tem certeza que você quer ir realmente para o colégio hoje? – Paola pergunta assim que eu estou terminando de pentear os meus cabelos olhando para o enorme espelho que tem em minha frente.

– Por que eu não iria?

– Hoje é segunda-feira.

– E o que tem? – pergunto com desdém.

– A nossa primeira aula do dia é com o professor Justin Bieber. – ela cantarola e eu termino de arrumar os meus cabelos.

– Ele é o nosso professor. – digo óbvia e sem demonstrar nenhum sentimento em relação a isso. – E eu não vou poder ficar fugindo dele o tempo inteiro.

– Mas é que está tudo tão recente. – ela diz tentando me convencer que eu não devo ir ao colégio.

– Isso aconteceu ontem Paola. – pego a minha mochila e jogo em minhas costas. – E hoje é outro dia e você sabe que eu não sou de ficar fugindo das coisas. É só mandar aquele filho de uma puta ir à merda.

– Para de se fingir de durona. – ela diz e eu rolo os meus olhos.

– Terminei. – Emma aparece a nossa frente correndo vestida com um de meus uniformes, assim como a Paola.

– O Nathan ontem passou na casa de vocês e pegou a mochila de vocês e as trouxe. – digo apontado para a poltrona. – Quando ele chegou aqui vocês já estavam roncando.

– Mentira que eu não ronco. – Paola grita exagerada.

– E nem eu. – Emma se defende. – Mas mudando de assunto o meu namorado é um fofo, não é?

– Hum... – eu e Lola murmuramos maliciosas vendo que as bochechas dela coram.

– Ai gente para. – ela diz envergonhada e passa por nós saindo do quarto.

[...]

– Bom dia alunos. – o professor Justin entra na sala recebendo um ‘’bom dia’’ de volta. – Como foi o final de semana de vocês? – ele se encosta-se à mesa cruzando os seus braços musculosos na frente do peitoral.

Puta merda! Que homem é esse? Porque ele tem que ser tão gostoso?

Balanço a minha cabeça tentando afastar esses pensamentos.

– O meu foi maravilhoso. – Madison grita escandalosa e eu olho para trás vendo que ela enrola as pontas de seus cabelos loiros oxigenado.

– O meu foi como sempre. – Hollie diz. – Passei estudando, eu quero muito entrar para uma boa universidade ano que vem.

– O meu foi péssimo. – digo e ele olha para mim, mas logo desvia o olhar imediatamente. – Eu perdi alguém muito especial, aliás, duas pessoas.

– Então pessoal. – ele dá a volta na mesa e se senta em sua cadeira. – Vamos dar início a nossa aula de hoje. Por favor, abram o livro de biologia de vocês na página 179. Vamos dar continuidade ao assunto da nutrição mineral das plantas e hoje nós vamos estudarmos sobre os hormônios vegetais

 – Hollie será que você pode ler o primeiro parágrafo para a gente? – ele pergunta e ela arruma os seus óculos assentindo.

– ‘’ O desenvolvimento das plantas em suas diversas manifestações – crescimento, reposta a estímulos, floração etc. – é regulado por hormônios vegetais, ou fitormônios (do grego harman, estimular). Estes são substâncias orgânicas produzidas em determinadas regiões da planta e que migram para locais onde exercem seus efeitos. Fitormônios atuam em pequenas quantidades sobre células específicas, denominadas células-alvo do hormônio. ’’

– Muito obrigada Hollie. – ele agradece se levantando com o livro em mãos. – Pessoal há cinco grupos principais de hormônios vegetais, responsáveis pelo controle da divisão celular, do crescimento celular e da diferenciação das células. Esses grupos são: auxinas, giberelinas, citocininas, ácido abscísico e etileno. Além desses, outros fitormônios estão sendo identificados pelos pesquisadores. E no quadro abaixo nós vamos aprender sobre as principais funções dos hormônios, o local de produção e o transporte.

Começamos a ler as informações no quadro a baixo.

– Professor. – escuto novamente a voz da Madison e eu reviro os meus olhos. – Não entendi direito, será que o senhor pode me explicar?

– Esse é o meu trabalho. – ele caminha em direção dela que arruma bem blusa deixando um pequeno decote, ela passa a língua sobre o lábio que está pintado de vermelho e eu sinto uma imensa vontade de sair daqui e dar na casa dessa arrombada.

– Ele adora uma aluna, não é mesmo? – escuto a voz de Logan sussurrar baixinho atrás de mim e eu bufo o ignorando e voltando a atenção para o meu livro.

[...]

Dois meses se passaram super rápido e eu estou superando a perda de meu bebê. E estou firme e forte com a minha página no facebook ajudando as pessoas com os meus textos e depoimentos porque devemos lutar pela a vida e dizer não ao aborto.

Nesse tempo que se passou eu não fiz muita coisa, a única coisa que eu tenho feito é ir às baladas todos os finais de semanas com as minhas amigas. Voltamos a ser como antes, aliás, nós nunca deixamos de sermos as rebeldes de Manhattan, pois nós gostamos mesmo é de fugir à noite para se divertir.

Sobre os meus pais eles meio que já me ‘’perdoaram’’. E o Logan não parar de me infernizar dizendo que falta apenas um mês para ele nos entregar para a diretora Oliva. Ele não desiste, nem mesmo depois de eu ter dito milhares de vezes que eu e o professor Justin rompemos todos os laços que nós tínhamos um com o outro.

E o professor Justin eu apenas o vejo no colégio, parece que ele está indo super bem sem mim. Sempre encontro ele aos risos com a professora Dafne nos corredores, eu também fiquei sabendo que eles estão super amigos, saem bastante à noite. Da para acreditar que o Logan semanas atrás me trouxe uma foto deles jantando em um restaurante?

Reviro os meus olhos com força ao me lembrar da foto.

Seco o meu corpo em minha toalha e caminho em direção de minha cama onde tem a minha roupa separada.

Hoje é sábado e eu e as minhas amigas nós vamos para a Paradise agora à noite.

Visto as minhas roupas intimas e em seguida a minha calça Jeans preta de cós alto que é rasgada da coxa até os joelhos. Visto o meu cropped preto que deixa os meus seios amostra. Por cima de meu look jogo uma jaquetinha preta para fechar.

Dou uma voltinha me olhando na frente do espelho e eu gosto muito do que eu realmente estou vendo.

Caminho até o meu banheiro e pego a minha nécessaire com as minhas maquiagens e começo a me maquiar. Em meus lábios passo um batom marrom-mate, preparo a minha pele com base do mesmo tom de minha pele, para fechar eu passo um pó compacto e em meus olhos e eu passo apenas lápis de olhos pretos para destacarem as minhas íris azuis.

Saio do banheiro deixando a porta fechada ao voltar para o meu quarto eu passo um perfume, coloco uma linda pulseira em meu braço e um colar preto em meu pescoço hoje o meu look é dark. Ao lado de minha cama eu pego os meus tênis pretos e os calço me deixando confortável.

Pego o meu celular e saio do meu quarto, tranco a porta e coloco a chave embaixo do tapete. Certifico-me de que os meus pais estão dormindo e começo a descer as escadas vendo o meu celular vibrar.

‘’ Estamos aqui. ‘’ – Lola

Sorrio ao sentir esse vento maravilhoso soprar em meu rosto. Coloco as minhas mãos no bolso de minha calça Jeans e caminho em direção do carro preto estacionando na calçada.

– Você não viu absolutamente nada. – digo ao passar pelo o segurança que fica no portão.

– Então partiu? – pergunto assim que ocupo o meu lugar no banco de trás e elas assentem animadas.

[...]

Estamos a mais de duas horas aqui na boate paradise fazendo o que nós mais gostamos. Estamos nos divertindo, bebendo e dançando sem se importar com o amanhã, nós apenas queremos viver o melhor de nossas vidas hoje.

Caminho até o balcão onde tem o barman e peço outro short de tequila. Assim que ele me entrega eu dou uma leve bebericada sentindo o gosto dessa bebida maravilhosa.

Escuto a música party favors da Tinashe começar a tocar. Sorrio por amar essa música assim com as minhas amigas.  Puxo as minhas amigas para o meio da pista de dança e começamos a dançar bem animadas ao som dessa música maravilhosa.

Fecho os meus olhos e fico de costas para as meninas e começo a dançar sensualmente vez por outra descendo até o chão ouvindo gritos e assovios virem do pessoal do lado. Começo a cantarolar ainda dançando e abro os meus olhos ao ver a quantidade de pessoas que pararam para nos observar dançar. Uma pessoa trás uma cadeira e eu puxo colocando ela no centro enquanto coloco o meu copo sobre a mesma e começo a dançar dando a volta na cadeira.

– Maravilhosas. – ouvimos um coro gritar e eu sorrio assim que termina a música.

– Preciso ir ao banheiro. – digo para as minhas amigas e caminho em direção de um dos banheiros mais próximos daqui.

Entro no meu banheiro e olho a minha imagem no espelho vendo que uma loira ao meu lado retoca a sua maquiagem. Entro em uma das cabines e faço xixi assim que termino de me aliviar caminho até a pia e lavo as minhas mãos e seco-as com o papel toalha.

Deixo o banheiro que está vazio e sinto o meu ar faltar assim que alguém puxa o meu braço com força jogando o meu corpo contra a parede. Olho para o cara e vejo que é o Logan. Os seus olhos e nariz estão vermelhos feitos brasas e eu sei que ele está sobre o efeito de drogas. Tento me debater, mas ele trás uma de suas mãos até a minha boca me impossibilitando de dizer algo, com sua perna ele prende as minhas.

Sinto um desespero percorrer todo o meu corpo assim que suas mãos passam pela lateral de meu corpo me causando arrepios, mas não são arrepios de prazer e sim de medo, medo do que ele possa fazer aqui comigo.

– Eu sempre quis ter você. – ele trás a sua boca e sussurra em meu ouvido. – E eu vou ter você agora, não importa se seja contra a sua vontade. Você tem uma dívida comigo e ainda não cumpriu.

Mordo a sua mão e ele me dar um tapa na cara.

– Quieta vagabunda ou você vai apenas piorar as coisas.

– Logan, por favor, não. – fecho os meus olhos sentindo as lágrimas começarem a descer assim que ele aperta a minha cintura e para as mãos em meus seios. – Não faz isso, por favor.

Solta ela agora. – escuto uma voz gritar atrás de nós e o sinto que o meu peito pulara para fora a qualquer momento porque é o Justin que está aqui agora a nossa frente.


Notas Finais


Continuoooooo?

Estão percebendo que as coisas estão acontecendo rápido e que a estória deu uma avançada? Pois é amores, estamos entrando na reta final, temos apenas 7 capítulos para o final. #Choremos. 💔

Espero que vocês tenham gostado. ❤

Vou fazer hoje a segunda e última prova do Enem. Deseje-me boa sorte anjos. ❤

Muito obrigada por todos os favoritos e comentários do capítulo anterior. 😍


Minhas redes sociais.
Instagram: https://imgpublic.com/user/nuneesmiih/1929378609/?hl=tr. (Nuneesmiih)

Twitter: https://twitter.com/Nuneesmiih?s=08. (Nuneesmiih)

Ask: https://ask.fm/Nuneesmiih

Obrigada por ler. ❤
Beijinhos da Miih. Eu amo vocês meus amores. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...