1. Spirit Fanfics >
  2. My Death - The Walking Dead >
  3. Future dreams

História My Death - The Walking Dead - Capítulo 84


Escrita por:


Notas do Autor


.。.:*✧Hayy✧*:.。.

▸Mais de um ano que não apareço por aqui, peço desculpas por isto, minha criatividade não estava boa e nem meu ano.

✧ » ᴘᴇʀᴅᴀᴏ ᴘᴇʟᴏs ᴇʀʀᴏs « ✧

.。.:*✧Boa leitura✧*:.。.

Capítulo 84 - Future dreams



            P.O.V Kate

Dois braços estavam em minha cintura, eu sentia sua respiração calma em minha nuca enquanto meus olhos se abriam lentamente. Sinto nossos corpos semi nus tocando uns aos outros, eu e Carl dormimos apenas de roupas intimas esta noite. Abro meus olhos por completo e consigo ver Aika deitada no chão, a mesma dormia calmamente.

Retiro os braços de Carl de minha cintura, logo me levantando silenciosamente para não acordar o moreno. Estico meus braços e logo me alongo, seguindo para o banheiro e indo até a pia, logo lavando meu rosto com a água fria que saia da mesma. Saio do banheiro após dois minutos escovando meus dentes, logo saindo do quarto em silêncio.

Desço as escadas e sinto a ausência de algo, Rick e Michonne. Solto um leve sorriso ao me lembrar que agora, eu e Carl tínhamos nossa própria casa, tínhamos nossa privacidade e nosso silêncio. Sorrio sozinha ao me lembrar das palavras do garoto enquanto seguia para a cozinha, a mesma estava vazia.

Abro um dos armários, eu estava com fome, mas não sabia o que fazer. Olho para o lado e logo vejo diversas frutas, as mesmas tinham vindo de HillTop a um tempo, mas ainda estavam boas e saborosas. Pego algumas frutas, logo voltando ao armário e pegando dois potes brancos.

Deixo os potes no balcão, logo pegando uma faca e uma pequena tabua. Lavo as frutas e começo a cortar as mesmas, elas pareciam ótimas e doces. Sinto dois braços rápidos abraçarem minha cintura, solto um leve sorriso ao ver seus cabelos de canto de olho enquanto sua cabeça deitava em meu ombro direito.

Um leve beijo é depositado em meu pescoço, aumento meu sorriso com aquilo enquanto volto a cortar as frutas. Carl da um leve beijo em meus cabelos antes de separar o leve abraço, logo seguindo pra um dos armários. Ouço o mesmo ser aberto, mas volto a me concentrar nas frutas.

Ouço o som de algo sendo colocado na mesa, apenas ignoro e coloco as frutas nos pequenos potes, logo pegando dois garfos na gaveta e adicionando os mesmos as tigelas. Caminho até a mesa com as mesmas, logo vendo Carl servir um suco natural que o mesmo deve ter feito.

Me sento em uma das cadeiras depois de ter dado uma das tigelas a Carl. Começo a comer enquanto prestava atenção a uma das janelas da cozinha, a mesma permitia que alguns raios de sol adentrassem a cozinha de um jeito sereno e calmo. Ouço Carl começar a comer, eu tinha colocado menos frutas para mim.

Como quase todas e bebo um pouco do suco, logo acabando a salada de frutas. Eu e Carl não trocamos nenhuma palavra enquanto estávamos comendo, me levanto e levo o copo e a tigela já vazios para a pia, logo ligando a torneira e lavando os mesmos. Olho para trás e vejo que Carl ainda comia.

O garoto não demora muito para acabar, logo se direcionando a pia, pego a tigela de suas mãos e Carl agradece com um pequeno sorriso. Lavo sua tigela enquanto o garoto acabava seu suco, tento pegar o copo quando Carl estava novamente perto da pia, mas o garoto não deixa.

‒ Eu cuido deste. ‒ Carl diz, apenas concordo.

Seco minhas mãos e olho para o garoto novamente.

‒ Vou tomar um banho. ‒ Digo, Carl seca suas mãos e me olha, logo vindo até mim.

O garoto abraça minha cintura e me da um leve beijo na bochecha antes de voltar a me encarar. Solto um leve sorriso e colo nossos lábios por simples segundos enquanto sorrio. Desfaço nosso beijo e Carl solta minha cintura, logo começando a andar até a nossa nova sala. Subo as escadas e adentro a nosso quarto, logo seguindo para o banheiro.

Retiro minhas roupas um pouco suadas e adentro ao box, começo a lavar meus cabelos, logo em seguida passo um sabonete com um aroma doce sobre meu corpo, criando espuma, a mesma logo é retirada pela água que cairá do chuveiro. Saio do box e pego minhas toalhas, logo secando meu corpo.

Tento secar um pouco meu cabelo, deixando o mesmo apenas úmido, escovo o mesmo e saio do banheiro, deixando com que o vapor da água quente se espalhe pelo quarto. Desço as escadas após colocar uma roupa e logo me encontro na sala, vejo Carl deitado no sofá com um velho livro em suas mãos, me aproximo do mesmo e levanto suas pernas, sentando no sofá e as colocando por cima de mim.

Carl me encara e sorri, retribuo seu sorriso e apoio minha cabeça no sofá. Eu estava entediada, precisava fazer alguma coisa urgentemente. Olho para Carl, ele parecia concentrado em seu livro, então apenas me levanto do sofá e caminho até a porta de entrada da casa. Saio pela mesma e sinto o sol tocar em minha pele.

Caminho lentamente pelas ruas, olho para o lado e vejo a casa de Dylan, o mesmo se encontra na varanda da mesma. O garoto me encara e sorri, retribuo. Fico animada em lembrar de minha novidade, subo correndo as escadas da varanda da casa do garoto e o mesmo me acompanha com os olhos.

‒ Bom dia. ‒ Diz o loiro.

‒ Bom dia! ‒ Falo animada. ‒ Dylan, olha!

Mostro a mão que meu anel se encontrava, Dylan abre sua boca e logo sorri, parecendo entender e estar super animado com aquilo. O garoto se levanta da pequena cadeira que estava sentado e me abraça fortemente enquanto sorri. 

‒ Meu deus! Você se casou com o Carl? ‒ Ele pergunta animado desfazendo o abraço.

‒ Sim! 

‒ Quando? ‒ O loiro pergunta ainda sorrindo.

‒ Fomos em uma busca a alguns dias, ele me pediu no último dia da busca. ‒ Falo animada. ‒ Foi a melhor noite que já tive!

‒ Porra, eu não consigo expressar o quão feliz estou por você garota! ‒ Dylan fala sorrindo mais ainda. ‒ E nessa mesma noite, ela foi boa em outros sentidos?

Solto um sorriso e Dylan me olha com um rosto malicioso, mas ao mesmo tempo brincalhão. 

‒ Claro que foi. ‒ Falo um pouco corada. ‒ Preciso contar a Jane ainda.

‒ Tudo bem, até mais. ‒ Dylan fala me abraçando fortemente. ‒ Me chame para a cerimonia!

‒ Pode deixar! ‒ Falo sorrindo e descendo as escadas rapidamente.

Continuo a andar pelas ruas de Alexandria até me encontrar em frente a aquelas casas dos tijolos vermelhos. Bato algumas vezes na porta de Jane e logo a mesma é aberta. A garota sorri para mim assim que me vê, logo me abraçando, retribuo seu abraço rapidamente. 

‒ Jane, olha! ‒ Falo mostrando minha mão com o anel, assim como fiz com Dylan, esperando uma reação parecida vinda de Jane. 

Olho para seus olhos, por um momento a garota expressa uma reação de surpresa, mas não como a de Dylan, era como se aquilo fosse algo triste. Seu rosto triste que durou apenas um simples segundo muda, se tornando um sorriso. A garota me olha animada, mas, seus olhos pareciam indicar outra coisa.

‒ Oh meu deus! Ele te deu uma aliança de namoro? ‒ Jane fala.

‒ Ele me deu uma aliança de casamento, estamos casados! ‒ Falo animada a garota que ainda possuía um vazio em seus olhos. 

‒ Meus parabéns! ‒ Jane fala me abraçando rapidamente. 

‒ Obrigada, Jane. ‒ Falo retribuindo seu abraço.

‒ Me desculpe mas acho que deixei algo no fogo, preciso ir ver. ‒ Jane fala desfazendo o abraço. ‒ Até mais.

‒ Até. ‒ Falo, Jane fecha a porta. 

Por que a garota não parecia feliz com aquilo? Era uma noticia tão boa. Será que ela sentia algo por Carl? Algumas perguntas vem a minha mente, mas prefiro não as responder por agora, não quero estragar toda a felicidade que estou sentindo. Volto a caminhar por Alexandria, cumprimentando algumas pessoas que andavam pelas ruas até chegar em minha nova casa.

Adentro ao local e vejo Carl ainda na sala, o mesmo ainda lia seu livro. Adentro a casa e me sento no outro sofá, logo me deitando no mesmo e retirando meus sapatos. Fecho meus olhos, eu sentia um pouco de sono ainda, não tinha recuperado todo o sono que não tive naquela missão.

Ouço um barulho e abro os olhos, Carl deixa o livro na mesa de centro e caminha até mim, logo se deitando sobre meu peito e deixando suas pernas no espaço vago do sofá. Abraço o garoto e olho para o mesmo.

‒ Também esta com sono? ‒ Pergunto

Carl concorda com a cabeça, sorrio.

‒ Vamos dormir mais um pouco, por favor. ‒ Falo. 

‒ Vamos subir. ‒ Carl fala se levantando e pegando e minha mão delicadamente. 

Me levanto e sigo Carl pela sala até chegar nas escadas, subimos as mesmas e logo adentrando ao nosso quarto. Carl se deita na nossa "cama", me deito ao seu lado e me acolho em seu peito, aquela era uma manhã fria. Pego um cobertor e cubro nós dois, logo fechando meus olhos.

Carl me abraça e passa suas mãos suavemente por meus cabelos. Abro meus olhos e retiro minhas calças, eu odiava dormir de jeans, após isto, volto a fechar os olhos. Carl me aperta um pouco mais em seu abraço, me acolho cada vez mais no mesmo enquanto sinto a respiração do moreno em meus cabelos.

‒ Eu te amo. ‒ Carl fala, cortando o silêncio.

‒ Eu também te amo, Carl. ‒ Falo, o garoto aperta mais um pouco o abraço por breves segundos.

Permito que meu corpo relaxe em meio aos braços do garoto, logo sinto o sono chegando cada vez mais forte em meu corpo. 

════════ ××× ════════

Abro meus olhos assim que um raio de sol adentra a janela, ele era mais intenso que o normal. Noto o calor de Carl ainda ao meu lado. Abro meus olhos lentamente e me sento na nossa cama improvisada, encaro o garoto ao meu lado. Carl estava com seus cabelos maiores, seu rosto estava cada vez mais definido. 

Parecia impossível Carl ficar mais bonito do que já era, mas, a cada dia que se passava, ele tornava este impossível, possível. Passo minhas mãos levemente por seus cabelos, logo noto um pequeno sorriso se formar em meu rosto. Me levanto e me guio ao armário, abro lentamente o mesmo para não acordar Carl.

Abro a última gaveta e pego meu maço de cigarros e meu isqueiro, eu tinha pego os mesmos na busca com Carl, mas o garoto não tinha notado. Me levanto e fecho o armário novamente, saio do quarto e deixo sua porta fechada, me guiando pelo corredor até a última porta.

Assim que abro a mesma, me deparo com um quarto simples, com as paredes pintadas de azul e branco. Adentro ao quarto e fecho a porta, notando os moveis e objetos que ali estavam. Tinha um armário branco simples e um pequeno tapete no chão, me guio até a janela e a abro, me dando uma bela vista de Alexandria. 

Pego um cigarro e o acendo, logo sentindo a fumaça adentrar a meu corpo e queimar minha garganta. Solto a mesma e segundos depois, trago novamente o cigarro que estava entre meus dedos enquanto olhava para a bela vista de Alexandria. O céu estava azul, mas se tinham algumas nuvens e o dia estava calmo.

Algumas pessoas passavam nas ruas, as mesmas não notam minha presença na janela, solto novamente a fumaça que estava em meus pulmões, fecho meus olhos por breves segundos, apenas sentindo o vento bater contra meu rosto. Ouço a porta ser aberta, logo me deparo com Carl.

O garoto me encara, logo notando o cigarro em minhas mãos. Eu não estava preocupada, Carl já sabia que eu fumava, mas, por algum motivo não gostava daquilo. O garoto bufa e fecha a porta, trago mais um vez o cigarro enquanto Carl vem em minha direção.

‒ Por que você continua com essa merda? ‒ O garoto pergunta. 

‒ Por que não da pra parar. ‒ Respondo o encarando. 

‒ Você ficou dias, semanas, sem isto, Kate. ‒ Carl fala. 

‒ Eu sei, mas as vezes da vontade. ‒ Falo.

‒ Amor, me prometa que vai tentar parar com isto algum dia. ‒ Carl fala triste.

‒ Eu irei tentar. ‒ Falo, o garoto sorri. 

O silêncio se torna presente, continuo a fumar enquanto Carl estava do outro lado da janela, apenas me encarando. Carl vem até mim e levanta minha camisa, logo encarando minha barriga, não entendo por que o mesmo faz isto.

‒ Ainda esta um pouco roxo... ‒ Carl diz triste. 

‒ Logo ira sair. ‒ Falo, eu não conseguia olhar para minha barriga e não lembrar do que aconteceu naquele Santuário.

‒ Amor, temos uma Tv na sala e um velho DVD, e bom, acho que eu e você estamos entediados, quer ir para lá depois? ‒ Carl fala sorrindo e coçando sua nuca, como se estivesse nervoso.

‒ Claro que eu quero. ‒ Falo sorrindo e acabando o cigarro, logo soltando sua fumaça. ‒ Mas, antes me deixe tomar um banho e colocar uma roupa confortável, eu estou com cheiro de cigarro.

‒ Tudo bem, eu te espero lá em baixo. ‒ Carl fala. ‒ Eu escolho o filme.

Saio do quarto e Carl me segue, logo descendo as escadas enquanto eu sigo para o quarto. Adentro ao mesmo e me direciono ao banheiro, logo me despindo e adentrando ao box, deixo a porta aberta, éramos só eu e Carl agora. Abro o chuveiro e começo a tomar meu banho.

Ouço o barulho de passos vindo em direção ao quarto, logo os mesmos param e parecem pegar algumas coisas que estavam no mesmo, logo o barulho volta. Ignoro e volto a meu banho, retiro a espuma de meu corpo e saio do box, logo me secando e indo até o quarto. Abro o armário e noto a ausência de alguns cobertores lá.

Pego uma roupa intima e uma blusa grande de Carl, logo colocando as mesmas em meu corpo e descendo as escadas. Olho para a sala, a mesma estava escura, desço e chego na mesma, Carl estava terminando de fechar a última cortina. O garoto me olha e sorri.

‒ Fiz isso pra gente, espero que você goste. ‒ Ele diz sorrindo.

Noto cobertores e travesseiros no sofá, Carl tinha estendido uma parte do mesmo, o deixando maior. Sorrio ao ver aquilo e encaro Carl.

‒ Se quiser, posso pegar algumas coisas para comermos. ‒ O garoto fala, me aproximo do mesmo e sorrio.

Dou um rápido beijo em Carl, o garoto corresponde sorrindo.

‒ Vamos. ‒ Falo pegando em sua mão e o levando até a cozinha.

Pegamos algumas coisas simples para comer, logo voltando para a sala e colocando as coisas no sofá. Me sento no mesmo e logo Carl coloca um filme qualquer no DVD, acho que nada importava naquele momento além daquele garoto. Carl pega o controle da Tv e logo se senta ao meu lado, me acolho em seu peito e deixo minhas pernas sobre as do garoto.

Carl sorri e passa suavemente suas mãos por meus lábios, logo voltando sua atenção a Tv. Me apoio em seu peito de um jeito mais confortável e me cubro um pouco mais, Carl logo passa um de seus braços por meu ombro e me abraça. O garoto, assim como eu, presta atenção na Tv, logo o filme que Carl selecionou começa.

Fico deitada no peito do garoto, olhando para a Tv, eu não sentia aquela sensação de paz e calma há tempos.

════════ ××× ════════

Os créditos já estavam passando, Carl e eu não trocamos nenhuma palavra durante o filme, não me movi também, continuava em seu peito. Olho para cima e vejo o garoto com a cabeça para cima, apoiada no sofá. Me levanto de seu peito e olho para seu rosto, Carl estava com a boca aberta, claramente dormindo.

Solto um leve sorriso, me levanto do sofá e desligo a Tv, a sala volta a ficar escura. Me sento ao seu lado e deito minha cabeça em suas pernas, logo me cobrindo novamente, pego a mão de Carl que estava atrás de mim e entrelaço nossos dedos, apoiando minha mão junto a sua nas pernas do garoto.

Fecho meus olhos, acaricio levemente a mão de Carl com meu polegar, o garoto parecia estar em um sono pesado. Bufo e me arrumo em seu colo, relaxando minha cabeça e me permitindo dormir junto ao garoto.

Sonho On

‒ Kate! ‒ Ouço Carl gritar.

Me levanto de nossa cama, que desta vez, era realmente uma cama. Ando lentamente até a última porta do corredor, abro a porta e me deparo com Carl, o garoto segurava nossa filha em seus braços. 

‒ Me desculpe amor, eu sei que você quase não dormiu essa noite, mas acho que ela esta com fome. ‒ Carl fala vindo até mim. 

Pego a pequena em meus braços e sorrio, ela já estava crescendo. Olho para a pequena criança, a mesma tinha completado seu primeiro ano a alguns simples dias. Me sento na cadeira de balanço do quarto e abaixo minha blusa, logo a pequena garotinha abocanha um dos meus seios e começa a mamar.

A seguro tranquilamente em meu colo enquanto balanço levemente a cadeira, olho para frente e vejo Carl. O garoto estava um pouco mais alto, seu cabelo estava um pouco mais longo e seu rosto demonstrava felicidade. O moreno se aproxima de mim e pega em uma de minhas mãos, entrelaçando nossos dedos.

Carl beija levemente minha mão, sorrio na hora e logo volto a olhar para a pequena criança em meus braços. Seus olhos estavam fechados e logo a mesma para de mamar, soltando seus pequenos braços de meu seio e parecendo cair no sono. Me levanto e levanto minha camisa, logo andando até o berço.

Coloco a pequena no mesmo, logo a cobrindo e fechando um pouco a janela. Olho para a lua, a mesma já estava quase se pondo, dando lugar ao sol. Não dormi quase nada esta noite, eu estava cansada, Alyssa não nos dava noites assim há meses. Me viro e olho para Carl, o mesmo se aproxima de mim e pega e minha mão.

Saímos do quarto e fechamos sua porta, andamos pelo corredor enquanto Carl sorria. Adentramos ao quarto e logo Carl fecha sua porta, o garoto me encara antes de me dar um beijo feroz. Nossos lábios se movem rapidamente enquanto nossas mãos passeiam uma pelo corpo do outro com pressa.

Carl me joga na cama e logo vem por cima, o garoto me encara e começa a desabotoar sua calça enquanto eu retiro minha calcinha. Carl retira sua calça junto a sua box, logo me dando uma boa visão de seu membro já duro, o garoto novamente fica por cima de mim, fazendo existir mais um beijo feroz entre nós.

Paro o beijo e abro uma gaveta, logo pegando uma camisinha que estava lá. Não transamos a meses, tivemos que esperar alguns meses até minha barriga voltar ao normal, a mesma já se encontrava como antes já faziam alguns meses. Mas durante os mesmos, Alyssa nos acordava todas as noites ou interrompia as nossas.

Carl pega a camisinha e a coloca em seu membro, logo posicionando o mesmo em minha intimidade. Sinto sua cabeça entrar em mim, solto um leve gemido com aquilo, mas algo nos interrompe. O choro de Alyssa é ouvido, encaro Carl, bufo, o mesmo coloca sua cabeça em meu peito, parecendo frustrado.

‒ Durma, eu vou até lá. ‒ Carl fala colocando suas roupas depois de retirar a camisinha. 

Coloco minha calcinha e me deito na cama, ainda ouvindo o choro de Alyssa, a mesma chorava alto. Ouço Carl a acalmar, em alguns simples minutos a pequena já estava mais calma. Carl volta ao quarto, olho para o mesmo e levanto o cobertor, o permitindo entrar e se cobrir. 

‒ Você esta cansada, durma, depois podemos continuar aquilo. ‒ Carl fala passando suas mãos por meu rosto.

Sorrio e me acolho em seu peito, o garoto me abraça. Fecho meus olhos e me acolho em seu abraço quente.

Sonho Off

Meus olhos começam a se abrir lentamente, levanto minha cabeça e olho para cima, logo vendo Carl, o mesmo ainda dormia. Me levanto de suas pernas e logo do sofá, me direciono as janelas cobertas pelas cortinas, logo abrindo uma das mesmas. A noite já se fazia presente.

Ouço meu estomago roncar, mesmo com os petiscos, eu estava com fome. Olho para Carl, o mesmo aparentava dormir já a algumas boas horas. Me direciono ao garoto e logo passo suavemente minha mão por seu braço, o balançando um pouco e fazendo o moreno começar a despertar.

‒ Carl... Já esta de noite, acorde. ‒ Falo suavemente enquanto seus olhos de abriam. 

Seu chapéu estava caído no chão da sala, pego o mesmo e o deixo no sofá enquanto o moreno começava a se levantar. Olho para Carl e o mesmo coloca sua mão em seu estomago.

‒ Merda, estou com fome, por quanto tempo eu apaguei? ‒ Carl pergunta.

‒ Eu também estou, vamos fazer algo para comer. ‒ Falo. ‒ Eu não sei, mas, antes do filme acabar.

Sorrio ao garoto e pego em sua mão, logo o direcionando a cozinha junto a mim. 

‒ O que faremos? ‒ Pergunto.

‒ Eu estou com vontade de comer uma macarronada. ‒ Carl fala. ‒ Me ajuda a fazer?

‒ Claro. ‒ Digo sorrindo e indo até o balcão. ‒ Separe as coisas enquanto eu coloco a água para ferver.

Carl vai até os armários enquanto eu pegava uma panela e a enchia de água, logo a colocando em cima do fogão e ligando o mesmo. Pego um pouco de sal e coloco junto a água, logo jogando um fio de azeite sobre a mesma. Carl volta com um enlatado e um pacote de macarrão ainda fechado.

Pego o pacote e o abro, separando uma boa quantidade para nos dois, entrego o pacote ao garoto assim que acabo, Carl o fecha e logo o guarda. Olho para o enlatado e vejo que se tratava de molho de tomate, pego o mesmo e o abro, jogo ele em outra panela que estava em cima da bancada, logo a colocando no fogão e começando a aquecer a mesma.

Noto que a água já estava a ferver, antes que eu consiga, Carl pega os macarrões e os coloca na água, logo começando a mexer os mesmos com uma colher de madeira. Foco no molho, não iria ser bom se eu o deixasse queimar, mexo o mesmo até que ele comece a ferver.

Carl me olha e abaixa um pouco o fogo do molho, agradeço o mesmo com um sorriso e continuo a mexer o molho. O macarrão logo estava pronto, Carl retira a água e o deixa na panela, jogo o molho na mesma e coloco a panela suja de molho na pia. Carl mexe o macarrão que logo se junta ao molho.

Aquilo estava bem quente, Carl deixa a panela de lado, logo colocando outra em cima do fogão. O garoto vai até nossa geladeira e a abre, logo retirando dois pedaços de carne da mesma, Carl os coloca na panela que tinha pego e joga azeite, vou até uma das pequenas cestas que tinham na cozinha e pego um dente de alho. 

Começo a contar o mesmo em cima da tabua que estava na bancada, deixando ele em pequenos pedaços, os jogo na panela enquanto Carl grelhava os bifes. Pego dois pratos e separo o macarrão para cada um de nós, os deixando ainda na bancada. Carl acaba de grelhar, pego a panela e coloco os dois bifes na tabua.

Os corto em pequenos pedaços e os coloco nos pratos, por cima do macarrão. Carl pega seu prato e logo segue até a mesa, pego o meu e faço o mesmo. Começamos a comer em silêncio enquanto eu prestava atenção nas paredes pouco iluminadas da casa. Olho para as janelas da cozinha, as mesmas nos davam uma pequena visão do lago.

Carl logo acaba e começa a lavar seu prato após levar ele para a cozinha, faço o mesmo com o meu. Carl pega meu prato e começa a lavar o mesmo.

‒ Obrigada. 

‒ De nada. ‒ Carl fala sorrindo.

Me direciono a sala e começo a retirar todos os cobertores da mesma, logo pegando os travesseiros e os levando para nosso quarto novamente. Nossa cama estava montada, jogo os cobertores por cima dela e coloco novamente os travesseiros no lugar. Me deito na cama e bufo, eu continuava cansada.

Fecho meus olhos por breves segundos antes de ouvir passos, Carl logo adentra ao quarto, o garoto se deita ao meu lado.

‒ Precisamos de um banho antes. ‒ Carl fala pegando em minha mão.

Bufo e me levanto junto ao garoto, Carl me guia até o banheiro e logo vai até a banheira, abrindo a mesma e permitindo que a água começasse a se acumular nela. Retiro minhas roupas e me apoio na bancada, Carl vira para trás e me olha, logo ficando um pouco corado, o garoto sorri e vem até mim.

Carl pega e minha cintura e logo cola nossos lábios, ouço o garoto tirar sua calça, retiro sua blusa e o encaro. Olho para a banheira e logo vejo que a mesma iria transbordar, caminho rapidamente até a mesma e fecho a torneira. Carl me olha e ri, logo vindo até mim e me pegando no colo.

‒ Carl! ‒ Grito.

O garoto ri e adentra comigo na banheira, fico em seu colo e me apoio em seu peito, sentindo aquela água quente em meu corpo. Carl pega uma esponja e coloca um pouco de sabonete na mesma, logo passando por minhas costas.

‒ Você esta cansada, não? ‒ Ele pergunta.

 ‒ Sim. ‒ Respondo fechando os olhos.

‒ A gente continua aquilo depois. ‒ Carl fala.

O garoto me ajuda a me banhar, logo passando a esponja por seu corpo depois, retiro a espuma de meu corpo e me levanto, logo saindo da banheira, eu queria apenas dormir. Pego uma toalha e começo a secar meu corpo enquanto Carl ainda estava na banheira, me seco e coloco a blusa que Carl usava, fico sem roupa intima.

Vou até o quarto e me deito na cama, logo vendo Carl sair da banheira e se secar. O garoto coloca a toalha em sua cintura e logo vem até o armário, colocando apenas uma box. Carl volta ao banheiro e apaga a luz do mesmo após retirar a água da banheira. 

‒ Amor, posso fazer uma coisa? ‒ Carl fala se ajoelhando ao meu lado na cama.

‒ O que? 

O garoto abre minhas pernas e logo fica entre as mesmas, Carl abaixa sua cabeça e logo sorrio, faço um sinal que Carl poderia começar. Sinto sua língua tocar rapidamente minha intimidade, gemo com seu contato, aquilo era tão bom. O garoto coloca dois dedos dentro de mim, logo começando a me masturbar.

Gemo cada vez mais com aquilo, como ele conseguia fazer isso tão bem? 

‒ Carl... ‒ Gemo seu nome, o garoto intensifica seus movimentos.

Coloco minhas mãos em seus cabelos e logo arfo, a língua do garoto me fazia delirar. 

‒ Carl... Amor... ‒ Assim que gemo "amor", sinto que Carl para um pouco, olho para o mesmo, o garoto sorria.

O moreno continua os movimentos, me fazendo delirar e gemer cada vez mais alto. Coloco uma de minhas mãos em minha boca, impedindo que os gemidos ficassem altos demais. 

‒ Estamos na nossa casa, amor, ninguém ira nos ouvir. ‒ Carl fala, logo voltando sua atenção a minha intimidade.

Retiro minha mão da boca, logo os gemidos cortavam o ar naquela quarto, sem nada os impedir. Volto minhas mãos aos cabelos de Carl, logo apertando levemente os mesmos. Sinto meu ápice chegando, gemo cada vez mais alto e Carl parece notar. O garoto intensifica seus movimentos em minha intimidade, me dando mais prazer ainda.

Meu ápice logo chega, Carl nota o mesmo enquanto gemidos altos e prazerosos cortavam minha garganta. Arfo enquanto Carl retira seus dedos de mim, o garoto me encara, sorrio para o mesmo. Carl logo me beija e se deita ao meu lado, pegando em minha mão, entrelaço nossos dedos e me viro para o garoto.

Tento recuperar o ar, Carl passa uma de suas mãos por meus cabelos enquanto sorria. Me acolho em seu peito sentindo o ar voltar para mim, junto ao cansaço.

‒ Boa noite, amor. ‒ Carl fala. 

‒ Boa noite. ‒ Falo fechando meus olhos.

Sinto seu calor perto do meu, novamente me acolhendo em meio ao frio que o mundo se tornou. Sorrio involuntariamente com aquilo, eu amava Carl.


Notas Finais


。.:*✧ᴀᴛᴇ ᴏᴜᴛʀᴀ ɴᴏɪᴛᴇ✧*:.。.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...