História My Demon Owl - Capítulo 53


Escrita por:

Postado
Categorias Haikyuu!!
Personagens Akaashi Keiji, Bokuto Koutarou, Personagens Originais
Tags Bokuaka, Haikyuu, Yaoi
Visualizações 46
Palavras 2.281
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
Finalmente voltei, espero que gostem pessoas, é um capítulo bem melosinho, realmente bem fofo!

Capítulo 53 - " Luz Que Me Guia..."


Fanfic / Fanfiction My Demon Owl - Capítulo 53 - " Luz Que Me Guia..."

                         [♤]

A luz que me guia...

Resplandece do teu coração...

Me mostrando o caminho...

Para longe da escuridão...

Me guia através do medo...

Das tempestades, dos trovões...

Me mostra que nem tudo é um arco-íris...

Sempre à raios e trovões, tempestades, medos e segredos escondidos em feridos corações...

Como pequenos versos de uma linda música...

Cada palavra acende uma lanterna em meu coração...

Seria os batimentos de teu coração, desejando sentir o meu coração?

Ou seria um turbilhão de amores me fazendo seguir o meu próprio coração?

Seria a força de seu amor me ensinando a caminhar?

Seria o teu sorriso me dando forças para continuar?

Seria nosso amor a maior força do meu ser?

Ou a vontade de te reencontrar o meu maior prazer?

Que saudades de quando eu o esperava chegar do trabalho!

Quando com um sorriso em seus lábios você me beijava!

Por que isso tudo pareceu um belo sonho?

E por que agora mesmo você estando aqui comigo eu não posso lhe tocar?

Esse lindo sonho finalmente virou pesadelo?

A meia noite chegou, o sonho realmente acabou?

Mas se acabou... Por que continuas a minha frente?

E porque não diz adeus?

Sendo que nosso amor acabou?

Eu ainda sinto em meu peito o peso do seu "Eu te amo", e ainda vejo em seus lábios aquele belo sorriso, seria isso uma deixa sua, somente para me dizer que...

Ainda não acabou?

[♤Akaashi Keiji♤]

Era madrugada, bom... era mais uma madrugada em claro, isso vem acontecendo a algumas semanas, toda madrugada eu fico acordado e toda manhã eu quero dormir ao invés de ir trabalhar, depois que as crianças entraram para a escolinha, e todos nos voltamos a trabalhar, algo em mim mudou pelo menos é o que eu sinto em meu peito. Sou tirado dos meus pensamentos com braços me puxando e circulando minha cintura, Bokuto estava acordado ao meu lado, o mesmo me puxou para o seu colo e me abraçou, fazendo carinho em meus cabelos, enquanto eu descansava minha cabeça em seu ombro e acariciava suas costas.

Bokuto- Eu não consigo dormir te vendo assim amor, e me sinto pior por não poder te ajudar, por não saber o que fazer..- ele disse me apertando no abraço.

Eu não sei o que está acontecendo, eu não consigo dormir, eu não como direito, eu fico tão cansado pela noite mas não consigo descansar, e pela manhã me sinto cada vez mais quebrado, como se eu fosse feito de porcelana, e aos poucos eu fosse rachando, é como se eu oferece um pouco de mim a algo, e esse algo levasse mais do que eu ofereci, parece que meu coração está mais pesado, como se estivesse apodrecendo mais ao invés de ficar leve, ficar sem conteúdo, parece que ele vai enchendo e transbordando é por fim me sufocando mais uma vez.- digo olhando no fundo dos seus olhos.

Bokuto- Meu amor, você não acha que está estressado de mais com tudo que está acontecendo, talvez você precise se reconectar com você mesmo, eu vi em um documentário qua as pessoas quando passam muito tempo longe do que elas realmente são, elas se desgastam, talvez isso esteja acontecendo com você, você precisa se reconectar com seu lado yokai e seu lado animal.- ele disse me acariciando.

Acho que você tem razão, eu vou pedir uns dias de férias, mas e o Kauren?- digo baixinho.

Bokuto- eu cuido dele amor, bom eu não vou matar nosso filho, ele vai estar inteirinho quando você voltar eu te prometo!- ele disse e me beijou, um beijo tão calmo e doce, não tinha malícia muito menos desespero, era só nos dois, naquele quarto quentinho, depois desse beijo me permite chorar um pouco no seu colo, e finalmente consegui dormi.

Passaram-se duas semanas e eu finamente consegui minhas férias, era apenas uma semana mas acho que seria o suficiente, estava terminando de arrumar o quarto, essa noite de domingo, eu iria "viajar" por um tempinho, Kauren estava grudado em mim desde o dia que comentei sobre a viagem.

Kauren- Papa me deixar ir junto?- era a milésima vez que ele me perguntava isso, e a resposta sempre era não, e ele sempre abaixava a cabeça meio triste, parei a sua frente me abaixando, o pequeno estava sentado na cama.

Meu amor, papai não pode te levar, você vai ficar com seus tios, seu priminho, e seu outro papai.- o pequeno estava de cabeça baixa e logo ouço seu choro baixinho, então o peguei no colo, acariciei seus cabelos azuis, enquanto o balançava em meu colo tentando o acalmar.- Meu bebê não precisa chorar, papai não vai te abandonar, eu só vou viajar por uns dias.

Kauren- Vai me deixar, você cansou de mim papai?- aquela pergunta me partiu o coração, senti meus olhos arderem mais não permite que as lágrimas se formassem, muito menos que caíssem.

Kauren!- o chamei serio o pequeno me encarou ainda chorando.- Olha para mim, quero que ouça com atenção.- vejo o pequeno acentir com a cabeça.- Eu sou seu pai, eu te amo, e nunca vou me cansar de você, eu sempre vou estar aqui contigo, e quando você achar que não merece ninguém, quando achar que está fazendo tudo errado, eu vou estar ali do seu lado, junto ao seu outro pai te ajudando a continuar, e isso vai ser para sempre, não temos uma ligação sanguínea para nos unir, mas temos o amor um pelo outro que é mais forte do que qualquer laço de sangue, ainda mais quando é amor de pai para filho.- o pequeno abraçou meu pescoço.

Bokuto- tá tudo bem aí?- Bokuto disse quando apareceu no início das escadas.

Agora sim, não é pequeno?- digo e o pequeno acente, enquanto ia para o colo de Bokuto.- ele só estava pensando demais em algo que não valia a pena.

Bokuto- Hmm, pequeno seu primo ta te chamando pra brincar, vai lá ele está na sala.- Bokuto deixou Kauren no chão e o pequeno saiu indo brincar com o primo.

Vem comigo pro quarto, a gente precisa conversar sobre ele.- digo apontando pra Kauren que se encontrava no colo de Kuroo, enquanto os dois brincavam de cavalinho.

Chegando no quarto, nós sentamos lado ao lado, e Bokuto segura minha mão a acariciando com seu dedão, e então sinto um selar na minha testa, e logo braços me envolvendo enquanto nos deitavamos, estávamos abraçados deitados na cama, que eu nem me importava de ter acabado de arrumar, só me importava de estar nos seus braços.

Bokuto- você realmente vai ir?- ele disse acariciando meus cabelos e me apertando mais nos seus braços.

Eu não quero, mas preciso muito ir amor, apenas uma semana vai passar rapidinho, certo?- perguntei e vi o mesmo acentir um pouco exitante.

Bokuto- Ao menos me diga para onde você pretende ir? Não pode me negar isso, pelo menos isso.- ele disse se afastando para olhar nos meus olhos.

Eu não sei! Não tenho a mínima ideia de onde ir... para onde eu vou é meio complicado, eu não sei onde é, nem como ir para lá, eu só sei que vou...- eu disse e então ele abaixou a cabeça, Bokuto estava magoado, eu sentia isso.

Bokuto- tudo bem.- ele disse se levantando, então segurei sua mão o fazendo me olhar, eu precisava disso, precisava sair e me encontrar, mas Bokuto também precisava de mim, ele está tendo dificuldades no trabalho, corre um grande risco de perder o emprego, e isso está acabando com ele.

Amor não fica chateado comigo!- disse me ajoelhando na cama e o abraçando, já que o mesmo se encontrava em pé ao lado da mesma.- Eu sei que tá difícil, mas você vai conseguir se manter no trabalho e ainda ajudar a acabar com a crise na empresa, não fica assim comigo, eu volto o mais rápido possível.- Bokuto circulou seus braços pela minha cintura e eu olhei pra cima fitando suas lindas orbes douradas, e antes que pudéssemos nos beijar o enorme soar do relógio que marcava quando eu iria viajar começou, então eu me afastei segurando firmemente em suas mãos enquanto deciamos em direção ao jardim, estávamos so nos dois, de mãos dadas, só faltava o primeiro passo para que eu fosse embora, mais eu realmente não queria ir...

Bokuto- Volta rápido, eu vou sentir sua falta!- ele disse me dando um beijo calmo, era como se com aquele beijo, tudo o que queríamos dizer, fosse dito, sem precisar de palavras, nos abraçamos uma última vez, e então me transformei em uma coruja de porte médio, somente para voar por aí sem causar muito alvoroço, com o coração doendo como se fosse uma despedida para sempre, eu começei a voar e quando eu olhei para trás, não havia mais nada além de nuvens e árvores, eu não tenho rota, não tenho paradeiro, só estou seguindo o que meu coração me diz que é o certo.

Norte, Sul, Leste, Oeste nada disso importava a direção que meu coração mandava não poderia ser nomeada, só poderia ser seguida e quando menos esperar, iria encontrar o que tanto estava a procurar, no meu caso, procurando o que faz falta em um coração tão cheio de tudo...

[♤Autora On♤]

O começo da semana para Akaashi foi meio complicado, ele não sabia aonde iria, como chegaria a algum lugar, e para melhorar o tempo não foi um dos seus melhores amigos, trazendo uma tempestade, obrigando Akaashi a se abrigar em um buraco de uma árvore qualquer ao menos até a chuva passar...

Na segunda-feira, logo pela manhã, assim que o primeiro raio de sol bateu contra a terra, Akaashi bateu suas asas ignorando o frio da manhã recém chegada, simplesmente voou, por horas, até sentir suas asas formigarem, e assim acabou parando perto de um riacho aonde voltou a suas raízes animais, casou peixes, por diversão tentou atacar roedores, e os verem correr em pânico realmente era engraçado na visão de Akaashi, que resolveu passar a noite naquele recanto amigável...

Em plena madrugada de terça-feira antes do sol raiar, Akaashi se encontrava planando pelas nuvens, e assim enquanto voava viu o nascer do sol, e não tardou a parar em um galho de árvore, para ter uma melhor visão desse espetáculo natural, também não tardou a comparar o brilho do sol, com o enorme brilho dos olhos de seu marido, que nesse momento deveria estar dormindo junto ao seu filho, Akaashi passou o dia caçando e voando, não parou em muitos lugares somente para descansar um pouco e comer...

Chegada quarta-feira Akaashi se sentia conectado com toda natureza, sabia muito bem quando se transformar, a que distância um animal estava de si, se havia humanos por perto, seus extintos estavam mais aguçados, e pareciam melhorar a cada instante, sua visão estava melhor, via tudo por mais longe que esteja em uma clareza absurda, estava rápido como a muito tempo atrás, caçava com mais agilidade, e conseguia desviar dos galhos a sua frente sem diminuir a velocidade, estava cada vez melhor e sentia como se não precisasse voltar para casa, como se ali fosse seu lar...

Quinta-feira foi o pior dia, Akaashi saiu de manhã bem cedinho, queria ver o sol raiar, mas não foi possível, uma tempestade, impediu metade do seu caminho, nesse dia Akaashi ficou sem comer e sem abrigo, vôo contra a tempestade, e ao final do dia se encontrava exausto sobre os galhos de uma árvore ao menos esperando a chuva passar...

E ao quinto dia de viajem (Sexta-Feira), Akaashi chegou ao lugar onde seu coração pareceu se acalmar, era uma montanha coberta da mais fina neve, não haviam animais, não conseguiriam ficar por muito tempo em um lugar desprovido de comida, Akaashi chegou a uma caverna aonde a tomou como abrigo, e em plena noite, como mágica lanternas iluminaram a caverna criando um enorme caminho por dentro da mesma, e quando acabaram as lanternas, Akaashi se encontrava em um lago escondido dentro da montanha, havia algumas árvores, e várias flores, era o paraíso?

[♤Akaashi Keiji♤]

No fundo daquela caverna, havia a calmaria, aquele lugar resplandecia paz, talvez um pouco de alegria, era tudo que meu coração parecia querer, tudo o que meu coração precisava, fiquei até sábado a noite naquela caverna assim que amanheceu acabei indo embora, não precisava passar mais tempo ali, só precisava dos braços do meu marido, e dos beijinhos do filhote....

Eram mais ou menos três da tarde quando cheguei em casa, encontrei a mesma vazia, bom era o que eu achava até chegar no quarto e encontrar meu marido dormindo, só estava ele e eu, não iria acorda-lo então somente tomei um banho e me deitei ao seu lado, logo senti seus braços me abraçando, e um beijo na lateral da minha testa.

Bokuto- finalmente voltou meu amor, senti sua falta.- ele disse abrindo um pouquinho dos seus olhos...

Eu encontrei minha paz bem mais rápido do que o previsto, não precisava ter saido de casa, eu só precisava entender que era você! Eu te amo.- digo deixando vários beijinhos sobre seu rosto e logo um selinho demorado em seus lábios.

Bokuto- Eu também te amo!- e assim nos beijamos novamente, dormimos abraçados, afinal minha paz era ouvir o bater do coração de Bokuto, era saber que ele estava ali, e saber que estava ali por mim...

                            [♤]

Não perca quem você é no borrão das estrelas

Ver é enganar, sonhar é acreditar

Tudo bem não estar bem

Às vezes, é difícil de seguir seu coração

Lágrimas não significam que você está perdendo

Qualquer um se machuca

Só seja verdadeiro com quem você é...

                    Jessie J - Who You Are

                           [♤] 


Notas Finais


Até o penúltimo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...