1. Spirit Fanfics >
  2. My Distraction >
  3. Capítulo 23

História My Distraction - Capítulo 25


Escrita por: e bea031205


Capítulo 25 - Capítulo 23


Extraordinário...

1.
que foge do usual ou do previsto; que não é ordinário; fora do comum.
"acontecimento e."
2.
não regular, fora do estabelecido.
"medidas e., poderes e."

Charllotte andava apressada pelos corredores da empresa atemporal e assassina.
A raiva corria todo o seu pequeno corpo de uma adolescente de 13 anos.
As pequenas luzes da comissão explodiam a medida em que ela passava pelo o local, fazendo alguns dos funcionários correrem assustados.
A Gillis sempre foi uma pessoa um tanto sentimental, sempre com uma certa dificuldade em lidar com sentimentos em excesso, e a raiva era algo que ela nunca conseguiu conter.
Então assim que sentiu a mão em seu ombro esquerdo, ela se virou com tudo, com seus olhos exalando uma raiva que ela não sabia porque tinha.
Foi aí, que toda a sua raiva se dissipou apenas ao olhar para os olhos verdes de Cinco, que a encarava tentando encontrar respostas no olhar dela, mas falhando miseravelmente.
O Hargreeves sempre foi bom em ler as pessoas, mas com Charllotte era diferente, tudo com ela era diferente, ela aquilo era bom, pelo menos ele achava.
Então Cinco fez uma coisa que nunca admitiria querer fazer, e se alguém o perguntasse, diria que foi por impulso.
A mão direita do garoto tocou a bochecha de Charllotte logo puxando o rosto da garota para mais perto do seu.
A garota fechou os olhos ao sentir a respiração quente e o alito de agora caramelo do garoto, contra o seu rosto, e em seguida a pressão que os lábios do mesmo fizeram sobre o da menina.
Lotte já tinha beijado outras pessoas é claro, quando saia das missões e decidia encher a cara depois da tarefa exaustiva, mas beijar o Hargreeves era melhor, melhor do que qualquer outra pessoa.
Lotte envolveu seus braços no pescoço do garoto o trazendo para mais perto, fazendo assim cinco passar as mãos pela cintura fina da mesma.
Os dois não se importavam se alguém se encomodaria com a cena se passase por ali, para os dois nada mais importava, apenas aquela troca de afeto que acontecia entre os dois.
Lotte vendo que o número Cinco não daria o próximo passo, pediu a famosa passagem com a língua que o garoto cedeu de imediato.
A língua dos dois travaram uma batalha por espaço e controle, apenas fazendo o beijo ser cada vez mais prazeroso para ambos.
Foi aí que a falta de ar chegou para os dois, fazendo eles separarem suas bocas e não se distanciarem.
– Não me contou que tinha poderes- Cinco disse, fazendo a morena revirar os olhos.
– Você não deixou eu te contar, apenas disse " Seja o que for pode esperar "- Cinco deu um sorriso de canto, ainda olhando prós olhos verdes penetrantes da menina, se esquecendo completamente o que tinha que fazer.
– Como eles funcionam?- ele perguntou animada para saber mais sobre aquilo, ela não estava bravo, pelo contrário era bom saber que existiam outras pessoas como ele e seus irmãos, mas por um lado ficava aborrecido por seu pai nunca o ter contado sobre isso.
– É como se...- a garota mordeu o lábio pensando em como era melhor maneira de descrever seus poderes- é como se eu fosse um tipo de junção de todos os poderes que você e seus irmãos tem- ela disse e sorriu- sou multitarefas.
Cinco apenas a olhava intensamente fazendo a menina corar, era impressionante como ele conseguia mudar o humor dela em segundos.
Five aproximou o rosto mais uma vez junto ao da menina deixando um demorado selinho nos lábios rosados da mesma, e depois se afastou arrumando a gravata que usava, em um hábito que fazia sempre que ficava nervoso, era um costume para ele.
Lotte ainda podia sentir os lábios do moreno contra o dela, e ela desejava que aquele momento nunca acabasse, mas aquela não era a prioridade, não agora.
Talvez ela discutisse aquilo com Five depois de toda aquela bagunça finalmente acabar.
– O- o que você vai fazer agora?- a garota perguntou olhando fixamente para os olhos verdes do Hargreeves mais novo.
– Eu tenho uma ideia, talvez seja totalmente eficiente ou talvez seja um completo desastre- o menino disse enfiando as mãos no bolso do shorts- preciso saber se tá comigo nessa- ele disse fazendo a garota sorrir e assentir.
– Claro, tô com você nessa pirralho- ela disse fazendo Cinco dar um pequeno riso.
– Tecnicamente você é a pirralha, eu tenho 58 anos- o menino falou antes de olhar ao seu redor e ficar o olhar novamente na menina.
– E eu tenho 57, grande diferença Einstein- o menino apenas revirou os olhos, lentamente.
– Vem vamos logo- ele tirou uma das mãos dos bolsos, e pegou a uma das mãos da garota que pendiam ao lado do corpo dela.
Ele logo a saiu puxando entre os corredores, com as mãos dos dois entrelaçadas, fazendo Charllotte sorrir boba para a cena.
Os dois andaram por alguns corredores até Cinco encostar a menina em uma parede e fazer o mesmo consigo mesmo, ainda não soltando a mãos da menina, era bom a ter tão perto.
– O que estávamos fazendo?- a menina sussurrou curiosa.
– Eu tenho certeza que aquela... Diana, Daiana, Denise...- ele tentou acertar o nome da mulher que trabalhava atrás dele mais sem sucesso, até que foi interompida por Charllotte.
– Dorothy?
– Isso, esse mesmo. Tenho certeza que ela disse algo sobre o apocalipse para gestora no momento em que saímos da sala dela- ele disse enquanto as vezes dava uma espiada pela parede.
– E o que estamos fazendo aqui?- ela perguntou ainda não entendo.
– Vamos interceptar uma mensagem, que concerteza vai ser enviada a Hazel e Cha-Cha, por isso temos que esperar o momento certo- ele disse dando mais uma espiada, e logo voltando a cabeça no lugar com rapidez.- tá legal é a hora- o garoto suspirou fundo- quer fazer as honras e nós teletransportar para a sala dos tubos?- ele virou o rosto para Charllotte que fez uma careta.
– Uh, melhor não, dá última vez que fiz isso parei no lugar é errado é com uma baita de uma dor de cabeça.
O menino apenas apertou amis forte a pequena mão da menina, antes de levar só dois para trás de um dos diversos tubos que a sala tinha, podendo assim os dois verem a cena que acontecia ali, para isso o Hargreeves mais novo, soltou a mão da Gillis, logo se amaldiçoando por aquilo no mesmo momento, pois o calor bom em sua mão tinha desaparecido.
– Glória- ele prestou atenção nas duas mulheres assim como Charllotte que mantinha seus olhos e ouvidos bem abertos- A gestora sabe que o Cinco está tramando alguma coisa- a Dorothy disse, fazendo a mais velha se levantar de sua cadeira para poder pegar o pote dourado nas mãos da mulher.- envia Isso para o Hazel e a Cha-Cha agora.- a mais velha pegou o pote atordoada- agora mesmo- a morena disse reforçando o aviso, antes de sair da sala rapidamente.
– Ah, tá bom- Glória disse colocando os seus óculos desajeitadamente.- vamos ver- ela disse e começou a andar para poder procurar o tubo certo para enviar a mensagem.
Foi aí que rapidamente sem pensar nas consequências que isso faria a sua cabeça, já totalmente doida, Charllotte se teletransportou com dificuldade para trás da senhora.
Pegou o grampeador na mesa da senhora e deu com tudo na cabeça da mesma, fazendo-a cair no chão.
A menina sorriu vitoriosa para o menino que vinha em sua direção.
– Eu consegui- ela disse animada antes de sentir a tontura bater e ela precisar se apoiar na mesa atrás dela- vamos deixar o teletransporte por sua conta, tá legal- ela disse, vendo cinco apenas revirar os olhos e se abaixar para poder pegar o pote dourado da mão da mulher e logo o abrir e correr para se sentar na mesa da mulher a frente da pequena máquina de escrever que Glória tinha.
– É aí o que diz aí?- a morena perguntou curiosa se aproximando do menino por suas costas, apoiando a sua mão na cadeira que o mesmo se sentava.
– Se puder esperar por um segundo, eu agradeceria muito- ele disse irônico, pegando o papel é desenrolando o mesmo logo vendo a mensagem que tinha ali.
Proteger Harold Jankins- a menina disse alto antes de franzir o cenho- mas quem diabos é esse tal de Harold Jankins?
– Também gostaria de saber- o menino disse, pensativo, antes de rapidamente dobrar o papel e entregá-lo a Charllotte- guarde, rápido e não perca- a menina pegou o papel logo o colocando no bolso que sua saia preta tinha.- tá legal- o menino disse estralando os dedos antes de pegar um dos papéis que usavam para enviar comando aos agentes de campo.
Colocou um dos papéis na máquina de escrever e logo começou a digitar.
– O que vai fazer?- a menina disse ao pé do ouvido de Five, o fazendo arrepiar dos pés a cabeça.
– Ajudaria muito, se você não estivesse praticamente em cima de mim- ele disse nervoso.
– Oh, sinto muito- ela deu um passo para trás, sem deixar de notar no que o menino de olhos verdes digitava.

Da comissão

Para Cha-Cha

Exterminar Hazel imediatamente

– Oh meu Deus Cinco, você é um gênio do mal- a garota disse sorrindo ao ver o que o garoto tinha escrito- isso vai deixá-los ocupados. Eu te daria um beijo por isso, mas você pediu para eu não te atrapalhar- ela disse dando de ombros, mas teve certeza que pode escutar bem baixinho a voz do Hargreeves dizendo.
– Pode fazer isso depois.
Ela não pode deixar de alargar o sorriso em seu rosto ainda.
Cinco então logo retirou, o papel da máquina de escrever assim que terminou de digitar sobre o mesmo.
– Eu enrolo- a menina disse se aproximando do outro lado do menino e pegando o papel enrolando o mesmo, e colocando em um dos potes dourados que tinha na mesa da mulher, guardados sob uma das gavetas.

Da comissão

Para Hazel

Exterminar Cha-Cha imediatamente

Ele logo tirou o papel da máquina e entregou a Charllotte, que fez o mesmo procedimento do anterior, logo entregando os dois potes da cor brilhante para Five. que antes de colocar os potes. Seus devidos tubos, puxou o corpo desmaiado de Glória para longe, em uma tentativa de esconder o mesmo caso alguém decidisse aparecer.
Charllotte então sentiu um braço ser passado envolta de seu pescoço, e em seguida a voz irritante da gestora.
– Você sabe que não é assim que às coisa funcionavam por aqui, número Cinco- ela disse calmamente, ainda com o braço apertando o pescoço da garota, que apenas se mexeu desconfortável.
– Solta ela- ele pronunciou com raiva, fazendo a de cabelos brancos dar uma pequena risada.
A morena que tinha o braço da mulher envolta do seu pescoço apenas revirou os olhos antes de apertar o braço da mulher e girar seu corpo para poder olhar nós olhos da mesma.
– Eu ouvi dizer que você vai me soltar imediatamente- a de olhos verdes disse, fazendo a gestora abaixar a arma, fazendo assim Charllotte sorrir contente e andar até Cinco que a olha a com admiração.
Por Deus! Ele pensou, quando tinha ficado tão rendido por alguém assim?
– Você é esperta querida, muito esperta. Pena que não foi o suficiente- a de cabelos brancos disse, enquanto a Gillis a olhava brava e com uma carranca.
– Cada a Glória?- ela perguntou cinicamente, como se não soubesse o que tinha acontecido ali de verdade.
– Eu não sei- Five Hargreeves disse fazendo cara de inocente- eu cheguei aqui, e não consegui encontrar ela- ele disse e deu de ombros.
A de cabelos brancos, então ouviu os pequenos grunidos da mulher mais velha que estava largada no chão atrás de sua mesa, e Cinco ao ver que ela tinha percebido arrumou sua posição, que antes estava encostada nós tubos.
– Vocês dois são uma grande decepção pra mim- a mulher disse olhando para os dois com uma cara de tristeza- vocês não podem mudar o que está por vir- ela disse calma- eu realmente acho horroroso Cinco, que você não consiga abandonar essa fantasia- o menino deixou sua expressão com uma profunda raiva da mulher que estava a sua frente- você é um pragmático de marca maior- ela disse desapontada, para o menino que apenas se mexia desconfortável- e você Charllotte, eu acoli você, treinei você, cuide de você e agora está me decepcionando- ela olhou desapontada para a menina também.- o lugar de vocês e aqui conosco, com a comissão.
– Eu não pertenço a lugar nenhum graças a você- o menino disse com ódio, e Lotte sentiu que as palavras do menino também se encaixavam em sua situação, por isso se manteve calada- me transformou em um assassino!
– Devia ter me deixado onde me encontrou- a menina disse e deu um pequeno passo na direção da mulher- porque eu só foi um teste mal sucedido e que agora não faz a mínima diferença para você- Lotte disse irritada.
– Você sempre foi um assassino- a de cabelos brancos se dirigiu a Cinco e depois virou o seu olhar para Lotte- e você sempre vai ser apenas um experimento falho- ela logo abriu um zíper que tinha na saia do vestido tirando de lá, a mesma arma que tinha mostrado a Cinco momentos antes.
Ela logo apontou a arma na direção dos dois.
Cinco rapidamente pegou a mão da garota e teletransportou os dois, antes que a bala os atingisse.
Lotte respirou com dificuldade assim que os dois saíram daquele corredor, e ouvirem o barulho da arma sendo disparada.
Five permaneceu com a mão junto a de Lotte, assim seria mais fácil teletransportar os dois.
A mulher logo começou a atirar mais e mais balas, fazendo Dorothy que passava por ali, pressionar o alarme de segurança.
E assim a gestora atirou mais vezes.
Ela logo começou a andar entre os corredores atirando a onde quer que sentia o sinal de algo se mexendo.
Five e Charllotte permaneciam abaixados atrás de um carrinho e assim que o Hargreeves viu a mulher passar por ali, o empurrou contra a mesma, a fazendo soltar mais balas da arma.
– Pra que a pressa garotos- a mais velha disse enquanto olhava tudo ao seu redor com a arma ainda em sua frente- estamos só começando. É isso mesmo que vocês dois querem que constem na última linha do relatório de vocês?
Cinco teletransportou ele e Lotte mais uma vez para frente da mulher.
– Se eu morrer isso perde a importância- o menino disse brincalhão e a gestora apontou a arma para ele.
– Você não vai conseguir continuar Cinco, nós dois sabemos que até você tem um limite- ela disse ao garoto, que apenas fez uma careta- eu salvei vocês dois de uma vida de completo sofrimento e solidão, vocês me devem- ela logo apertou o gatilho para atirar, mais a arma estava descarregada.
A mulher logo se desesperou.
– Eu tenho uma dívida- ele usou seu poder mais uma vez, fazendo ele e Lotte aparecerem do outro lado do corredor. O garoto soltou a mão de Lotte que logo ficou proucupada, mais ao ver o garoto retornar com duas bombas ela deu um sorriso- mas não é com você- ele disse e destravou uma delas e jogou contra a mulher que murmurou.
– Merda!
Lotte e Cinco se colocaram a correr para fora da sala que logo fez uma grande explosão.
Five pegou novamente na mão da Gillis e teletransportou os dois para a sala de maletas.
A garota tratou de pegar uma delas e entregar a Cinco que murmurou um singelo obrigada.
O menino ajustou rapidamente a maleta para ir para o ano correto.
Charllotte pegou uma das mãos do menino.
– Eu vou onde quer que você vá.
– Isso é tão clichê- o menino disse rindo rápido e puxando a mão da menina para saírem da sala.
Cinco então não pode deixar de jogar a outra bomba que tinha em sua mão no local, antes de sair correndo com Lotte para fora.
– Ei- o moço que estava sentando do lado de fora protestou assim que viu os dois saírem de lá com uma das maletas.
Os dois não se importaram.
Cinco apenas abriu a maleta preta assim que a explosão aconteceu, fazendo ele morena sumirem dali, sem antes um pedaço de escombro voar na barriga de Five, que naquele momento não percebeu.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...