História My Doctor - ( Imagine Namjoon - BTS ) - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Kim Nam-joon / Rap Monster
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Adultério, Bangtan Boys, Bts, Depressão, Drama, Imagine, Jhope, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Jungkook, Kim Namjoon, My Doctor, Rap Monster, Rm Min Yoongi, Seokjin, Sexo, Shortfic, Suga, Taehyung, Violencia
Visualizações 1.350
Palavras 3.541
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁÁÁ ^.^

Quem sentiu muita falta de MD?! Euzinha!

Era pra eu atualizar essa final de semana? Sim!

Mas eu tive uns problemas aí, e só conseguir atualizar hoje. Me perdoem T.T

Fiquei muito feliz lendo os comentários, obrigada pelo apoio *_*

Em breve eu estarei com um especial de 100+ SEGUIDORES!

O capítulo está bem grandinho, para compensar o sumiço.

Boa leitura e espero que gostem da volta de MD.

Capítulo 11 - Shopping.


Fanfic / Fanfiction My Doctor - ( Imagine Namjoon - BTS ) - Capítulo 11 - Shopping.

Point Of View Namjoon

Estaciono o carro na garagem. Adentro o meu apartamento dando de cara com Junnie.

Me ferrei.

Estou confiante de que vou conseguir o amor da (S/A). Sei que ela está perdida, confusa e no meio de uma tempestade. Ela falou que também sente algo por mim, o que comprova a nossa ligação.

- O que faz aqui? - Ela pergunta com o cenho franzido.

- O que você faz aqui. - Fecho a porta atrás de mim.

- Eu saí mais cedo do... Kim Namjoon você não deveria estar trabalhando? - Ela me senta no sofá, em seguida sentando-se ao meu lado. - Você não foi atrás daquela mulher, não é?

- Fui, e aquela mulher se chama (S/N). - Sorrio sem mostrar os dentes. Me levanto e tiro o jaleco.

- O marido dela quase te matou, por que se importa tanto com ela? - Suspiro mordendo o lábio.

- Porque eu a amo. - Sinto meus olhos arderem. - Ela precisa de mim, eu farei de tudo para a ver sorrir. - Bagunço meus fios loiros.

- Nanmie, voc-

- Eu preciso ir. - Entro no quarto fechando a porta.

Adentro o banheiro retirando toda a minha roupa e tomando um banho rápido. Me seco e enrolo a toalha na cintura, voltando para o quarto. Junnie está sentada na cama e me olha séria.

- O que foi, hm? - Abro o guarda roupa.

- Você está cego por essa tal de (S/N). - Ri cínica.

Trinco o maxilar me virando e cruzando os braços. Junnie está querendo uma briga, coisa que eu não quero.

- É melhor você sair. - Fecho os olhos respirando fundo e voltando a abrir.

- Você está sendo burro! - Junnie se levanta e fica na minha frente, com seu dedo apontado para o meu peitoral. - Vai acabar morrendo! Por causa de umazinha!

- Não chama ela assim. - Suspiro passando a língua na bochecha.

- Você é um trouxa! - Suas mãos batem no meu peitoral. - Idiota! Que vai me deixar sozinha!

- Não! - Seguro suas mãos sentindo meus olhos marejarem ao vê-la chorando. - Eu nunca vou te deixar, ouviu? Nunca! - A abraço afagando seus cabelos.

- Eu te odeio! - Fala baixinho e eu solto um risinho. - Droga...

- Pare de chorar. - Me afasto enxugando suas lágrimas. - Eu estou aqui, e sempre vou estar.

- Promete que não vai me deixar por ela? - Indaga fazendo carinho em minha bochecha.

- Prometo. - Sorrio beijando sua testa. - Você precisa parar de ser ciumenta. - Comento risonho.

- Não sou ciumenta! - Diz com um biquinho nos lábios e cruzando os braços.

- 'Tá bom, então será que você pode me ajudar a escolher uma roupa? - Viro-me novamente, coçando a cabeça ao ver minhas roupas.

- Aish... - Revira os olhos ficando ao meu lado. - 'Tá, mas você fica me devendo uma.

Essa é a Junnie.

(...)

Termino de por a camisa que Junnie separou para mim. É, ela entende de moda. Trajo uma calça jeans marrom claro, com uma camisa listrada de mangas cumpridas e um tênis vermelho. Olho-me no espelho e mal me reconheço. Faz tempo que não me visto assim ou saio para me "divertir". Pego minha carteira e vou para sala, a mais nova me olha e sorri.

- Está lindo, só falta uma coisinha... - Ela alcança uma máscara marrom. - Pronto!

- Máscara? - Indago risonho, pegando da sua mão e botando.

- Sim, está na moda, maninho. - Ri tirando uma foto minha.

- Junnie, não! - Bufo puxando a máscara para baixo e pegando minhas chaves.

- Só uma. - Dá de ombros se sentando no sofá.

- Fica bem, eu volto mais tarde. - Beijo sua cabeça.

- Você ainda não me disse aonde vai arrumado assim...

- Vou ao shopping. - Sorrio sem mostrar os dentes. - E você, tranca tudo quando sair.

- Pode deixar.

Entro no carro dando a partida. Sinto que hoje o dia será ótimo, pois estarei com ela, ao lado dela. Mais alguns minutos e eu estaciono em frente a sua casa. Toco a campainha e meus olhos brilham ao vê-la. (S/N) está linda. Com calça jeans preta, blusa de manga branca, acompanhada de um blazer preto e uma sandália também preta. Seu batom rosa claro realçam discretamente seus lábios.

- Joonie. - Balanço a cabeça coçando a mesma e entrando.

- Oi. - Sorrio bobo. - Você está maravilhosa!

- Obrigada, mas eu nem me arrumei tanto assim. - Ri pondo uma mecha de cabelo atrás da orelha. - Você também está bonito. Nem parece o Doutor de horas atrás.

- É. - Rio abaixando a cabeça. - Vamos?

- Sim. - Sorri pegando sua bolsa.

Adentramos o meu carro. (S/N) sorri enquanto canta a música junto ao rádio. Perco a noção do tempo. Seu sorriso faz meu coração acelerar e seus olhos brilham ao se encontrar com os meus. Ela sorri fraco voltando a olhar para frente. Não há como negar, somos ligados. Consigo sentir sua vibração tensa, apesar de estar com um sorriso nos lábios. Ela está triste, com tudo bem que aconteceu e vem acontecendo.

- Está se sentindo bem? - Indago ao pararmos no sinal.

- Sim... - Sua voz sai baixa. - Você me faz sentir bem. - Encosta sua cabeça em meu ombro. - Seu sorriso, seus abraços... Sua voz.

- Você também me deixa assim. - Sorrio e beijo sua cabeça. E quando você quiser desabafar, eu vou estar aqui

- Certo. - Sorri.

- Chegamos. - Estaciono o carro. - Eu vou com você, hm? - Ela assente.

Saímos do carro juntos e caminhamos até a porta. (S/N) ri ao ouvir gritos de crianças. A sua irmã abre a porta e esboça um sorriso ao me ver, dando espaço para nós entrarmos.

- Aonde vai gata desse jeito? - A mais velha indaga.

- Ao shopping. - (S/N) diz simples sorrindo. - Vim buscar meus pequenos.

- 'Tá. - Sua irmã sorri olhando-me. - Kook está lá fora com o Tae e a Yura está lá em cima, dormindo.

- Você pode ir buscar o Kook, eu pego a Yura. - Digo sorrindo e ela assente saindo.

- Vem comigo. - Sua irmã diz e eu a sigo, subindo as escadas.

Seguimos um corredor e entramos em um quarto, suponho que seja dela e do Hoseok. Yura está dormindo, se parece com a mãe, principalmente os lábios. Sorrio e a mais velha pega a pequena nos braços, vindo até mim. Pego a bebê no colo e seus bracinhos rodeiam meu pescoço.

- Você tem um colo bom. - (N/I) sorri abrindo a porta do quarto.

- Obrigado. - Sorrio descendo as escadas. (S/N) está a minha espera, com Kook ao seu lado.

- Que saudades do meu bebê. - Diz beijando a cabeça da menor. - Eu preciso da bolsa e de algumas mamadeiras.

- Eu vou buscar. - (N/I) diz saindo da sala.

- Tio Nanmie! - Kook sorri abraçando minhas pernas.

- Oi pequeno. - Sorrio bagunçando seu cabelo.

- Mamãe aonde vamos? - Pergunta fazendo bico.

- No shopping. - Ela sorri me olhando.

- Eba! - O menor exclama alto, acordando a irmã. - Ops...

- Aish... - Tento acalmar o bebê que está chorando em meus braços.

- Vem com a mamãe. - Ela pega a pequena nos braços e morde o lábio inferior. Tenho certeza que seu corpo ainda dói.

- Você.. -

- Está tudo bem. - Sorri fazendo a menor para de chorar.

- Certo. - Sorrio pegando a bolsa da Yura.

(...)

Seus olhos brilham juntamente ao seu sorriso. Sorrio bobo imaginando ela em meus braços. Já não raciocínio mais. Confesso que nunca me interessei por uma brasileira, na verdade, sei muito pouco sobre o Brasil. (S/N) não é uma simples mulher, ela é um anjo. Forte, linda, sensível e totalmente apaixonante.

Às vezes me perco em meus pensamentos, pensando no que ela está passando. Eu não conheço muito sobre o câncer, mas todo mundo sabe que é difícil passar por ela sozinha. Afinal, por que ela não denuncia aquele idiota? Meus olhos ardem e eu fecho o punho só de pensar nele a forçando a satisfazer seus desejos. (S/A) é uma boneca de porcelana, a minha boneca de porcelana. Não posso e nem vou deixar nada e nem ninguém quebrá-la.

- Namjoon? - Sua doce voz ecoa por meus ouvidos. Sorrio ao vê-la sorrindo.

- Olá. - Beijo sua testa. (S/N) abaixa a cabeça mordendo o lábio inferior.

- Mamãe, eu quero ver Thor! - Kook pula sorrindo, apontando para o cinema.

- Huh, você gosta dele? - Pergunto me agachando e ficando no tamanho do pequeno, ignorando os olhares em nossa volta.

- Sim! - O menor balança a cabeça freneticamente.

- Não sei. - Ela leva suas mãos até suas madeixas, as puxando para trás.

- Por favor! - Kook faz biquinho. - O tio Nanmie pode me levar, não é?

- Vai deixar sua Omma e sua irmã sozinha? - Ignoro a pergunta do pequeno. Franzo o cenho olhando a mulher, que sorri balançando a cabeça.

- Vocês podem ir. - Ela bagunça os fios ralos do pequeno, que sorri. - Ficaremos bem, eu a Yura vamos passear um pouco.

- Tem certeza? - Indago preocupado.

(S/N) não está cem porcento bem. Seus lábios dizem uma coisa, mas seus olhos dizem outra. Sua destra entrelaça a minha e nossos olhares se encontram. Ela sorri, dizendo que ficará bem. Assento fazendo carinho em sua bochecha com a outra mão vaga.

- Certo. - Rio pondo uma mecha do seu cabelo atrás da orelha.

- Isso! - Kook fecha os punhos em comemoração.

- Mas você terá que prometer que obedecerá o Namjoon e que vai se comportar. - A maior franze o cenho, levantando a cabeça de JungKook.

- Eu prometo. - Sorri mostrando seus dentinhos alinhados.

Point Of View (S/N)

Sorrio vendo os dois entrarem no cinema. O loiro acena e eu balanço a cabeça positivamente. Respiro fundo sentindo meus ossos doerem. Empurro o carrinho e caminho pelos corredores do shopping. Casais de mãos dadas sorriem. Medo. Um frio percorre minha espinha. Engulo seco continuando a andar.

- Você está com fome, meu bolinho? - Pergunto parando em frente ao berçário. Me agacho ficando de frente para a pequena.

- Mamááaa! - Yura resmunga fazendo manha.

Adentro o berçário tirando a pequena do carrinho e a colocando no trocador. Beijo sua testa e seguro na sua mãozinha. Mordo o lábio sentindo meu peito apertar. É tudo muito confuso. Retiro uma mamadeira da bolsa e por sorte ainda está morna. Entrego a mamadeira para a bebê enquanto fito seus olhos, escuros e inocentes.

- Me desculpa te fazer passar por isso. - Sussurro chorosa. - Também dói em mim. - Arrumo sua roupinha.

Assim que a pequena acaba de mamar, troco sua fralda. A coloco no carrinho e lhe dou sua chupeta. Minha respiração falha e sou obrigada a repousar minha mão na parede, voltando a respirar fundo. Recomponho minha postura e saio do berçário. Novamente sinto meu corpo fraquejar. Meus olhos se enchem de lágrimas e um grunhido escapa dos meus lábios. Tento dar um passo, mas caio em falso e quase caio. Duas mãos envolvem minha cintura, impedindo-me de cair.

- Você está bem? - Levanto minha cabeça e olho em seus olhos puxados. Me recomponho segurando em seus ombros.

- Sim... - Fecho os olhos fortemente sentindo uma pontada na cabeça.

- Você está pálida, vamos tomar uma água. - Assento enxugando uma lágrima involuntária.

Sento-me num pequeno banco perto do berçário com Yura ao meu lado, no carrinho. O moreno baixo e de olhos puxados não demora muito para voltar com um copo de água. Agradeço sorrindo mínimo e dou um gole no líquido transparente.

- Se sente melhor? - Assento pondo uma mecha de cabelo atrás da orelha.

- Obrigada. - Agradeço e sorrio ao vê-lo sorrir. - Me chamo (S/N).

- De nada. - O rapaz que aparenta ter vinte anos sorri largo, seus olhos formam uma pequena linha, o deixando ainda mais lindo. - Sou Park Jimin. Ela é muito bonita, assim como a mãe.

- Sim. - Concordo e viro o rosto, fitando Yura dormindo.

- Tem certeza de que está bem? - Sua pequena mão fofa toca meu ombro.

- Tenho. - Sorrio.

- Certo, eu preciso ir. - O moreno se levanta e eu o acompanho. - Foi bom te conhecer, bela (S/N).

- Digo o mesmo. - Abraço o mais novo e beijo sua bochecha. - Muito obrigada, mais uma vez.

- Não foi nada. - Jimin sorri.

Jimin sai e eu volto a me sentar. Mordo a boca tentando entender o que foi isso. Talvez seja um efeito dos remédios, não sei.

- Rebecca? - Estreito os olhos ao ver uma mulher. Me levanto e tento achar a pessoa que correu ao me ver.

Volto a me sentar ainda confusa. Tenho certeza de era ela. Mas... O que ela faz aqui? Seu cabelo está tingido de loiro e suas roupas são um tanto "sexy" demais. Estranho, muito estranho. Rebecca está na cidade. E algo me diz que isso não é bom.

(...)

Estamos na praça de alimentação. Kook está devorando seu McLanche e Joonie ri do pequeno, junto a mim. Pego uma batata frita e levo até a boca, mastigando e a engolindo. Fito o loiro que sorri mostrando suas covinhas.

Eu posso dizer que sinto algo pelo Doutor. Algo diferente e que me deixa confusa. Por mais que eu esteja gostando dele, nunca iria dar certo. Tenho dois filhos, eles são a minha vida. O medo me persegue. Se eu já pensei em divórcio? Sim. Yoongi pode muito bem querer tirar eles de mim, coisa que nunca vou deixar acontecer. Divórcio é algo muito sério para mim. Envolve vidas inocentes, que sofrerão com a ausência do pai, que já nem para em casa.

- Você vai ficar bem? - Joonie indaga quando paramos em frente de casa.

- Vou. - Sorrio. - Obrigada, eu gostei.

- Eu também gostei. - Seu rosto se aproxima do meu. Viro minha face, deixando que ele beije minha bochecha. - Eu te ligo mais tarde.

- Certo. - Saio do carro.

Pego Yura no colo e ponho a bolsa no ombro. Seguro na mão do pequeno e adentramos a casa, dando de cara com Yoongi e seu irmão. Meus olhos se voltam para o pálido que me olha com desdém. Solto a bolsa da Yura no chão. Kook solta a minha mão e boceja.

- Aonde você estava, hm? - O pálido pergunta se aproximando com as mãos na cintura.

- Fui passear com os nossos filhos. - Sorrio sarcástica, ajeitando Yura em meus braços.

- E quem era aquele cara que estava com você? - Estreito os olhos. Como ele sabe? - Fala!

- Vai com calma, Yoongi. - Jin segura em seu ombro.

- Park Jimin, não é? - Ri jogando a cabeça para trás e voltando. - Até parece que não sabe que a família Park quebrou o contrato com a nossa empresa! - Range os dentes. - O que ele te disse?

- Nada... - Balanço a cabeça confusa. - Eu mal o conheço. - Suspiro.

- Ele te tocou? - Indaga simples.

- O que?! - Pergunto incrédula. - Ficou louco?!

- Kim (S/N)! - Yoongi segura em meu braço me arrancando um grunhido.

- Para! - Jin empurra o irmão para longe. - Não vê que seus filhos estão aqui?

Então é aí que eu percebo. Kook está nos olhando com lágrimas nos olhos. Deixo Yura com Jin e abaixo na altura do menor, enxugando suas lágrimas que insistem em cair. Fecho meus olhos fortemente sentindo uma dor no coração. Não era pra isso acontecer.

- JungKook... Não é nada... - Engulo seco o vendo chorar mais.

- Vocês só brigram. - Sua voz sai fina e baixa. Nego e me levanto pra olhando para meu marido séria.

- Viu o que fez? - Sinto meus olhos arderem.

- Eu não fiz nada! - Yoongi bufa puxando seus fios claros.

- Já chega! - Jin berra, fazendo-nos o olhar. - Eu vou subir com essas crianças e não quero ouvir um piu, escutaram?

Assentimos. Kook funga limpando suas lágrimas, fazendo meu coração quebrar em míseros pedaços. Assim que eles sobem eu me sento no sofá. Abaixo a cabeça apoiando meus cotovelos nas coxas e afundando as mãos me minhas madeixas. Choro baixo praguejando tudo. Droga! Mil vezes droga!

- Você é um idiota. - Digo para o homem que está na minha frente. - Não vê que isso está acabando com a nossa família?

- Não sei. - Sinto o sofá afundar e seus braços rodarem minha cintura, o puxando para si. Descanso a cabeça em sua curvatura, sentindo um afago em meu cabelo. - Eu sou um péssimo pai, marido e homem.

- Yoongi... - Levanto a cabeça o fitando. - Você está bem? Digo, você muda de humor de repente.

- Não vamos falar disso. - Recebo um selar.

- Você sempre muda de assunto. - Choramingo. - Eu queria o meu Yoonie de volta, aquele me faz sorrir e decidiu passar por cima daqueles que não nos aceitavam. Aquele com um sorriso gengival e sensível com as coisas, principalmente comigo.

- Isso nunca vai acontecer. - Ele se levanta, me fazendo o acompanhar com o olhar. - Esse Yoongi morreu.

Meus olhos se enchem de lágrimas e novamente estou chorando. A porta se bate e junto se vai a minha esperança. Retiro minhas sandálias e subo as escadas indo até o quarto do Kook. Respiro fundo me sentando ao lado da sua cama e afagando seus cabelos.

- Me desculpa. - Sorrio fraco e beijo sua testa.

- Cadê o papai? - Pergunta abrindo seus olhos minimamente.

- Saiu. - O pequeno fecha os olhos fortemente. - Certo. - Levanto-me saindo e fechando a porta. - Oi.

- Oi. - Jin sorri e eu abaixo a cabeça. - (S/N) tem algo acontecendo com você?

- Como assim? - Indago com o cenho franzido.

- Eu... Achei isso, lá em baixo. - Ele retira o potinho de remédios do bolsa da calça. Engulo seco e inflo minhas bochechas.

- Vamos conversar no quarto, sim? - Ele assente.

Entramos em meu quarto, que agora está arrumado. Provavelmente foi a diarista quem arrumou. Nos sentamos em estilo borboleta na cama, um de frente para o outro e nos encaramos. Jin é muito esperto e querendo ou não, nunca conseguiria mentir para ele.

- O Yoongi viu? - Olho para o potinho em sua mão.

- Não. Achei melhor falar com você primeiro. - Jinnie sorri e acaricia minha destra. - Você está doente, não é?

- Muito. - Sinto meus olhos arderem. Droga! Não posso chorar, não na frente do Jin! - E-Eu estou com câncer Jin, câncer.

- Eu não acredito. - Seus olhos também se enchem de lágrimas. - (S/A) isso é muito sério. Como você está? Como se sente?

- No meio de uma tempestade. - Respiro fundo sentindo meus músculos doerem. - Jinnie, eu posso te pedir uma coisa?

- Tudo. - Sorri fraco. Ele ficou sentindo, tenho certeza de que Jin está triste.

- Se eu não... Prometa que cuidará dos seus sobrinhos. - Deixo que uma lágrima escape.

- Você não vai morrer, você não pode morrer! - Nega balançando a cabeça e me puxando para um abraço.

- Jinnie-Ah! - Resmungo sentindo minhas costas doerem.

- O que foi? - Ele se separa de mim rapidamente e me olha assustado. - O Yoongi te bateu, de novo?! - Esbraveja um tanto alto.

- Não quero falar sobre isso. - Abaixo a cabeça mordendo o lábio.

- Eu sei que o Yoongi é meu irmão mas, você precisa denunciar isso. - Sinto a cama ficar leve. Levanto a cabeça o vendo me olhar de braços cruzados.

- Eu não posso fazer isso. - Enxugo minhas lágrimas me levantando e tomando o remédio da sua mão.

- Quando vai contar pra ele?

- Não sei. - Dou de ombros abrindo o potinho e tomando um comprimido. - Você não vai contar nada, ouviu SeokJin?

- Não acha que ele merece saber? - Franze o cenho.

- Não agora. - Fecho os olhos. - Eu estou cansada.

- Tome um banho e descanse um pouco, vou ficar e fazer o jantar. - Recebo um abraço leve e um beijo na testa.

- Obrigada. - Sorrio beijando sua bochecha.

- Minha cunhadinha. - Rimos juntos.

(...)

Um mar de sangue. Tudo o que eu vejo parece sem sentido. Uma sensação ruim. Um medo inexplicável. Uma mistura impossível de entender.

Não há vida. Estou morrendo novamente. Não há cor. Sufocada por sentimentos.

Uma outra tempestade se aproxima. E cada vez que ela vem, parece mais bruta e escura. Como facadas, profundas e rápidas. Ele não pode ser isso, não pode simplesmente me destruir assim. Ele não tem esse direito.


Notas Finais


O próximo capítulo vai ser bem kabum!

Não se esqueçam de dizerem o que acharam e o que acham que vai acontecer, sim? >____<

Até Pandicornios ^.^

Sigam-me: @BabyPandicornio

🐼🌈💓


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...