História My Favorite Playboy - Imagine JungKook +18 - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Jong-in (Kai), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lu Han (Luhan), Min Yoongi (Suga), Park Chan-yeol (Chanyeol), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Drama, Hot, Jungkook, Traição
Visualizações 59
Palavras 1.113
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


🌷 ~~ Oh, férias, como eu senti saudades! 😂

Capítulo 32 - "Quinta-feira, no final da tarde..."


Sook: Omma, por que me tirou do papai?... -- Me surpreendi com tais palavras de Sook, então ela ouviu a conversa entre Jimin e eu...

-- Sook, meu bem... --- Me sentei ao seu lado na cama --- Não lhe tirei--- Ela me interrompe.

Sook: Não, mamãe. A senhora me tirou dele e me contou mentiras dizendo que ele estava longe, estava em viagem, que não tinha dia e nem hora para chegar. Quer que eu acredite em tais palavras depois dessas mentiras!? --- A menor parecia querer gritar e chorar em algum momento, eu apenas tentava permanecer firme. Eu fiz tudo pelo bem dela, queria evitar contar a verdade, para evitar revolta e sofrimento...

Tentei me aproximar da garotinha em minha frente, que me encarava com seus olhos marejados e com uma certa fúria no olhar. Ela estava com ódio, de mim!? 

-- Sook, o seu pai não é quem você pensa que é. Teu pai é um idiota, ele que não veio atrás de você, ele ficou com a mulher que, provavelmente, é a mulher dele atualmente. Seu pai fez a mamãe sofrer tanto, e eu só tentei fazer o melhor por nós! 

Ouvi alguns passos atrás de mim, e ao olhar, percebi que Jimin olhava tudo de forma curiosa e assustada.

Sook: Chega, mamãe! Isso é mais uma mentira, mais uma farsa, como sempre, suas histórias é o papai malvado e a mamãe a coitada!

-- N-Não, não é...

Sook: Tio Jimin, por favor, me deixe dormir em seu quarto? 

O homem de estatura não muito alta, me olhou, suspirou e fez sinal de sim com a cabeça. Ele a pegou no colo e a tirou dali...

Droga, mil vezes droga! Não era para ser assim, então agora a vilã, sou eu!? Agora minha própria filha tem raiva de mim e acha que estou mentindo sobre tudo o que aconteceu. 

Foi Lisa, ela foi a culpada. Ela deve ter colocado várias coisas na cabeça de Sook, sobre mim. Lisa sempre soube que eu era a mãe de Sook e nunca, jamais, aceitou o meu relacionamento com JungKook. Eles devem estar juntos nessa, eu tenho absoluta certeza.

Sai de meus pensamentos, com meu celular tocando. Fui até ele e o peguei para poder atender. Estranhei ao ver que era um número desconhecido. Desliguei e fui até a porta para fechá-la. 

Jimin: Boa noite, _____. --- Ele disse calmo, enquanto passava para ir em direção ao seu quarto, deduzo eu. Ele sorri minimamente e acena.

-- Boa noite, Jimin... --- Retribui o sorriso, enquanto fecho a porta. Fui até o banheiro do quarto e tomei um banho rápido, depois fui até a bolsa e me vestir com um pijama que tinha trago.

Enquanto penteava meus cabelos, o celular voltou a tocar e estava escrito "Desconhecido". Respirei fundo e quando ia desligar, chegou uma mensagem falando para mim atender, apertei no ecrã o lado verde e atendi.

       ~Ligação, on~                

-- Alô? --- Esperei para ver se a pessoa do outro lado da linha falasse. A ligação parecia muda, até escutar o som de faça sendo afiada, arregalei os olhos e engoli em seco. --- Olha, se for trote, eu irei denunciar. Agora se não se importa, irei dormir, então pare de ligar, obrigada!

Afastei o celular da orelha e quando fui desligar, ouvi uma voz familiar sair do auto- falante, dizendo meu nome.

Aproximei novamente meu celular à minha orelha, e suspirei para manter a paciência, afinal, eu queria saber quem era.

Desconhecido: Você continua uma garota muito sexy e perfeita, _____. --- Essa voz...

-- Jeon, você não cansa de seus joguinhos? Chega. --- Falei sentando na ponta da cama. 

Jungkook: Somente eu digo, quando acaba ou não, _____. Como vai, hein? Faz tanto tempo... --- Pude sentir seu deboche em sua voz.

-- Acho incrível como você consegue ser cínico, JungKook. Você deve estar bem acabado, né? Andou matando tantas pessoas inocentes, cometendo tantos crimes e de repente veio atrás de mim? Me diz, você anda me perseguindo a quanto tempo? 

Jungkook: Não lhe interessa, e meus assuntos também não. Como está a minha filha?

-- Passou tanto tempo sem dar um telefonema para ela, eu criei mentiras sobre você, foi preciso. Como eu ia explicar que o próprio pai é um babaca, traiu sua mãe antes do casamento e não quis procurá-lá depois? Não pude. 

Jungkook: Eu tentei! Mas você desligava todas as ligações... --- Senti sarcasmo --- Sua voz é de tristeza, ela descobriu a verdade? 

-- Como você?.... --- Olhei em volta. ---Pare com a porcaria dos jogos, eu cansei. Vá embora de uma vez por todas...

Jungkook: O que eu disse? Apenas eu digo quando acaba ou não. Até lá, você aguenta.

-- O que você quer, seu cretino!? --- Me exaltei.

Jungkook: Shiii, para que se exaltar, gatinha. Uma advogada precisa ser calma... --- Riu. --- Você quem ficou com o caso do seu ex-namorado? É o destino.

-- Destino para lhe colocar atrás das grades, senhor Jeon. --- Sorri vitoriosa e escutei algo cair do outro lado da linha, ele estava com raiva e deve ter jogado algo no chão. --- Abra o seu joguinho, então. O que você quer de nós? 

Jungkook: Tantas coisas, que tal ver a Sook, hum? --- Uma cadera foi arrastada e finalmente, consegui ouvir algo ecoar do outro lado, como se fosse um grito só que abafado. 

-- Jamais. Sook não pode te ver e querer lhe ver mais vezes depois, ela sabe que você pode sumir a qualquer momento. 

Jungkook: --- Suspirou --- Vamos começar devagar? Primeiro, me encontro com você e depois...Verei Sook. É isto ou, você irá conhecer o lado que jamais imaginou conhecer de mim, cara ______.

Estava trêmula, eu não podia me encontrar com ele, não posso me encontrar sozinha com um criminoso feito, Jeon. Ainda mais, quando praticamente o batalhão está atrás dele, irão achar que sou cúmplice, mas ao mesmo tempo não quero conhecer de fato, o tal lado de Jungkook. 

Se bem, que, isso me abriria muitas portas. Jungkook poderá se abrir comigo e descobrirei mais coisas que o levará a prisão, Sook poderá perceber que eu não menti...Mas, a parte negativa, é ver os dois se aproximarem. Merda!

Jungkook: E então? Como vai ser? --- Ouvi alguém gritar, e afastei meu celular da orelha, ele estava torturando alguém por minha causa? Ele é um Serial Killer!? --- Ande logo com a resposta, eu preciso terminar algo que comecei! --- Seu timbre agora era rouco e nervoso.

Suspirei.

-- Tudo bem, Jungkook. Diga quando e onde...

Jungkook: Quinta-feira, no final da tarde em frente ao Cassino. Não se atrase e não leve ninguém.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...