1. Spirit Fanfics >
  2. MY FEELINGS FOR YOU ARE WICKEDS - jikook >
  3. Capítulo 02

História MY FEELINGS FOR YOU ARE WICKEDS - jikook - Capítulo 2


Escrita por: yvessss

Notas do Autor


oi <33
nesse capítulo o jungkook manda tipo um seminude pro jimin que eu nao vou colocar na mídia pq nao to afim de perder minha conta de novo entao quando ele falar da foto é esse seminude ai que eu falei ok ?
entao fiquem com o segundo capítulo :D

Capítulo 2 - Capítulo 02


Fanfic / Fanfiction MY FEELINGS FOR YOU ARE WICKEDS - jikook - Capítulo 2 - Capítulo 02

Park Jimin

A luz do sol batendo no meu rosto me acordou. Precisei de alguns segundos para me acostumar com a claridade do quarto e entender onde eu estava. Com os olhos semicerrados vi um Taehyung só de cueca praticamente jogado em cima de mim na cama. Ele fez de novo!

Fiz uma careta e empurrei ele para o outro lado, mas ele nem se mexeu, então empurrei com mais força, que acabou sendo tanta que ele caiu da cama.

— Aí!

Levantei em um pulo e engatinhei no colchão, me inclinando um pouco para conseguir vê-lo — Você tá bem?

Tentei segurar o riso. Pelo estado dele, era meio óbvio que não.

— Por que tentou me matar? — gemeu de dor, jogado de cara no chão.

Eu ri e me levantei para ir ao banheiro, ignorando os resmungos dele. O tombo nem foi tão feio, ele ia ficar bem.

— Eu já disse pra você parar de dormir na minha cama — falei alto para que ele escutasse — folgado!

— E eu já disse que não gosto de dormir sozinho — respondeu com a voz de sono que se misturou com um bocejo — e sua cama é mais confortável...

— Então arruma um namorado ou uma cama melhor. Todo dia eu acordo e você tá ai! E outra, você não sabe usar roupa pra dormir, não?

— Vai falar que não gosta? — provocou, brincalhão. Achei melhor ignorar a pergunta dele.

Quando eu me olhei no espelho, parecia que um caminhão tinha passado por cima de mim pelo menos umas cinco vezes até eu ficar naquele estado. — Céus!

Me amaldiçoei por ter bebido tanto na noite anterior, agora a ressaca gritava na minha cara. Tentei ajeitar alguns fios do meu cabelo e jogar uma água no rosto, mas eu estava mesmo era precisando de um banho pra tirar aquele cheiro de suor e birita.

Liguei o chuveiro e deixei a água esquentar, enquanto tirava a minha roupa. Me olhei no espelho de novo, agora despido, reparando bem no meu corpo.

— É, não está ruim...

Apoiei as mãos na pia, chegando mais perto do espelho, e notei uma marca forte no meu pescoço, o que imediatamente me fez lembrar da noite anterior.

Sem perceber, eu sorri.

Não é hora de pensar nele, Jimin! Me repreendi, balançando a cabeça, afastando aqueles pensamentos.

Entrei debaixo do chuveiro e senti a água quentinha tocar minha pele. Mas, as memórias do dia anterior ainda insistiam em encher minha cabeça. Eu tinha exagerado um pouco na bebida, isso era óbvio, agora eu pagava com a ressaca física e emocional também.

Assim que terminei de me lavar, enrolei uma toalha na cintura e saí do banheiro. Quando voltei pro meu quarto, Taehyung ainda estava lá, agora deitado na cama, sorrindo para o celular.

— Com quem você tá falando? — perguntei, procurando na minha gaveta uma roupa que fosse confortável.

— Deixa de ser fofoqueiro!

— Olha só quem fala — eu ri, passando a gola da camiseta pela minha cabeça — você é o maior fofoqueiro que eu conheço!

— Não sou fofoqueiro — se defendeu.

Eu terminei de me vestir e usei a toalha pra secar meu cabelo — Então eu não vou te contar sobre o Jungkook.

Assim, eu saí do quarto e fui para cozinha. Taehyung quase caiu da cama de novo quando se levantou pra vir atrás de mim.

— Não! Não! Não! — ele exclamou, correndo pelo corredor — você precisa me contar! Por favor, por favor!

E ele insistiu até que eu dissesse — Tá!

Taehyung puxou uma cadeira para se sentar e apoiou os cotovelos na mesa, segurando o rosto com as mãos — E aí?

— E aí, que eu a gente ficou se pegando no banheiro, mas isso você já sabe.

— Ele beija bem? — perguntou, irradiando ansiedade.

As lembranças do dia anterior voltaram mais uma vez. Sim, o beijo dele era muito bom, daquele jeito que faz você sentir seu corpo inteiro se derreter, mas ele estava me segurando, com aquelas mãos grandes e os braços fortes.

Voltei a olhar pro meu amigo, que foi quem mais me incentivou pra finalmente tomar coragem e ir falar com ele.

Eu sabia que Taehyung ia reclamar se eu não contasse os detalhes. Até porque era ele que aguentava quando eu ficava falando por horas sobre o Jungkook e como cabelo dele parecia cheiroso.

— Beija ou não? — perguntou de novo. Acabei por, finalmente, assentir — E foi só beijo ou mais?

 — Foi só beijo — Taehyung me lançou um olhar de reprovação, aquela não era a resposta que ele queria ouvir, e também não era a resposta que eu queria dar — e ele pegou o meu número.

— Ele pegou seu número? — repetiu o que eu disse — então ele vai mandar mensagem!

— E se ele não mandar? — minha voz saiu tão insegura que chegou a ser ridículo. Eu já tinha pensado sobre isso, na verdade, era uma dúvida que me incomodou a noite inteira. Como uma pulga atrás da orelha.

— Ele vai mandar. Confia. Só não fica pensando muito, pra não acabar ficando todo pilhado.

Comprimi os lábios. Aquilo ia ser um pouco difícil, por mais que eu tentasse, ele não saía da minha cabeça, e agora menos ainda.

— É que eu gosto dele — falei, como uma confissão, mesmo que isso não fosse um segredo pro Taehyung.

— Eu sei, Ji. Mas, pensa, se ele não mandar, uma hora ou outra vocês vão acabar se encontrando na faculdade, e ele vai falar com você. E então, comer essa sua bunda virgem.

Eu comecei a rir — Cala a boca!

— Eu menti por acaso? — fez cara de convencido e riu também.

Taehyung disse que ia tomar um banho e colocar uma roupa. Então, fiquei sozinho na cozinha.

— Tá, Jimin, é só não ficar pensando nisso... ou... grr... nele!

Tinha que me esforçar para obedecer minha própria ordem. Mas, não era tão fácil, acreditem. Fica mais difícil quando é alguém que a gente gosta. Afinal, eu tinha beijado ele, e não pensar nisso era quase uma tortura. Era quase tão ruim quanto não saber se ele ia ou não mandar mensagem.

Taehyung tinha razão, eu ia acabar ficando pilhado.

Pelo menos, era sábado e eu não tinha aula, o que significava que eu tinha o dia todo pra ficar sem fazer nada. Ficar sem fazer nada com o Taehyung, é claro, porque ele sempre estava comigo. Éramos amigos inseparáveis.

Nos conhecemos no meu primeiro dia na faculdade, há alguns meses, porque eu tava precisando de um lugar pra morar e ele tava procurando alguém pra dividir as contas. 

Foi assim que ficamos amigos. Dividir o mesmo apartamento fez com que a gente se aproximasse muito e a amizade foi surgindo, se consolidando cada vez mais. Agora ele sempre pulava na minha cama a noite pra dormir comigo.

Quando ele voltou, finalmente vestido, foi procurar alguma coisa pra comer e depois a gente ficou na sala assistindo televisão, ou tentando pelo menos.

— Não tem nada passando — reclamei, apertando o botão do controle pra passar por todos os canais.

— Então para em um canal!

— Se tivesse algum bom — ele pegou o controle da minha mão — ei!

— Deixa que eu procuro.

Quando eu fui respondê-lo, meu celular vibrou com uma notificação.

— Vai lá ver se é o seu príncipe encantado — brincou, rindo, com os olhos ainda na televisão procurando um canal bom.

Eu rolei os olhos e me levantei pra pegar o celular. A notificação no ecrã quase fez meus olhos saltarem para fora.

— E aí? — Taehyung perguntou, agora me olhando — é ele?

Cobri minha boca com a mão. O número não estava salvo, mas não precisava de muito esforço pra saber quem era, e a mensagem também deixava claro. Ainda mais com aquela foto.

unknown

| ainda estou esperando você terminar o que começou ontem a noite, jimin

 Taehyung levantou do sofá depressa e veio até mim pra ver a mensagem também.

— Eu falei! Eu não te falei? — sorriu vitorioso, batendo palmas no ar e quicando de animação — e ele ainda mandou uma foto? deixa eu ver essa foto!

— Nem pensar — bloqueei o celular e corri de volta pro sofá — o que eu respondo? eu tenho que responder rápido!

— Eu não sei, to nervoso — sentou ao meu lado — não sei, não sei.

— Já sei.

Jimin

jungkook? |

não achei que vc ia mandar msg |

Jungkook <3

| por que acha que peguei seu número?

— Viu! — Taehyung praticamente gritou no meu ouvido.

Continuei digitando. Tsc.

Jimin

entao ta |

aliás, linda foto |

pena eu não estar ai pra ver de perto |

Jungkook <3

| entao vem

| te passo meu endereço

— Ai puta merda — Taehyung disse com o rosto praticamente colado no meu, olhando as mensagens também — ele quer te comer. Que tarado!

— E agora? — perguntei, encarando o celular — eu vou?

Eu devia ter desconfiado daquela sorte toda. Afinal, eu tinha beijado o cara que eu ficava babando há semanas, agora ele tinha me convidado pra ir até a casa dele e, muito provavelmente, a gente não ia ficar apenas conversando. Era muita sorte mesmo.

Continuei encarando o celular, como se ele fosse me dar uma resposta sobre o que fazer. Eu estava pensando como um virgem, os meus dois lados — emocional e racional — me diziam que eu devia dar pro Jungkook a noite inteira, ainda que um pensamento lá no fundo dizia também que eu talvez não estivesse pronto.

— Você que sabe, Ji — Taehyung se ajeitou no sofá — mas você não tava doido pra ficar com ele?

— É!

Então, resolvi escutar a voz da maioria.

— E ainda vai perder a virgindade com um gostoso, não atrás de uma lata de lixo com um muleque do último ano da escola.

— Que nojo — contorci o rosto em uma careta e ri em seguida.

Liguei o celular de novo e comecei a escrever a mensagem. Estava decidido.

Jimin

entao eu vou |

— Ownnn — Taehyung fez aegyo e depois começou a rir — meu filho vai perder a virgindade.

— Se toca — empurrei o ombro dele — eu sou mais velho que você!

— Só alguns meses, tá legal? — fez cara de bravo.

— Tá, e agora? O que eu faço?

— Você precisa ficar bem bonito. E se você quiser eu posso até te dar umas dicas pra não doer tanto.

— Dicas?

— É, porque se deixar, esses idiotas enfiam o pinto de qualquer jeito — disse em tom de alerta, mexendo em alguns fios do meu cabelo — depois não são eles que ficam dois dias sem conseguir sentar direito.

— Achei que você fosse ativo — uni as sobrancelhas.

— Depende do dia e com quem, né — ele riu baixinho — mas, enfim, o importante agora é te deixar bem bonito!

Taehyung passou o resto da tarde ajudando a me arrumar. Eu queria ficar lindo e foi assim que ele me deixou.

Quando a noite chegou, eu já estava pronto. Vestia uma calça jeans clara e uma camiseta cinza com uma jaqueta por cima, pra combinar com o meu ALL Star. O cabelo ficou por conta do Taehyung, que fez uma escova e cortou minha franja, pois já estava grande. Até que não ficou ruim.

— Olha, posso ser cabeleleiro! — sorriu orgulhoso do que ele chamou de obra de arte em cima da minha cabeça.

— Dá pro gasto — ajeitei alguns fios na frente do espelho.

— Ei!

Antes de eu sair, Taehyung me desejou boa sorte e disse alguma coisa sobre usar lubrificante. Peguei o meu celular só pra mandar uma mensagem pro Jungkook avisando que já estava indo. Ele me respondeu com um “ok”.

Ele não morava tão longe, então fui a pé mesmo, mas demorou um pouco mais do que eu imaginei pra chegar. 

Enquanto eu caminhava pelas ruas movimentadas de Seul, minha cabeça não parou de pensar nem um pouquinho.

Será que passei muito perfume? Será que minha roupa está exagerada? Será que ele acha que eu sou um profissional do sexo? E se ele fizer algum comentário ruim sobre o meu corpo?

Eu não era inseguro, pelo menos não tanto como fui há um tempo atrás, mas era inevitável não me sentir assim agora.

O prédio onde ele morava era bem alto e ficava em uma parte movimentada da cidade, próximo a outros prédios comerciais e lojinhas de conveniência. Devia custar uma nota pra morar alí.

Precisei de alguns minutos para tomar coragem e entrar.

Vai, Jimin!

Eu gosto dele e eu quero isso.

Falei com o porteiro e ele ligou pro apartamento do Jungkook — Ele disse que está descendo. Pode esperar aqui.

— Obrigado — agradeci com um sorriso e fui me sentar no sofá.

Deixei o ar escapar pela boca. Eu não sabia se estava tremendo de frio ou nervosismo. Um pouco dos dois, eu acho.

Sempre achei que minha primeira vez seria com alguém que eu gostasse, depois de um cineminha e jantar. Era um pouco clichê, eu sei. Bom, pelo menos ia ser com alguém que eu gostava, mas sem a parte do romantismo.

Jungkook apareceu logo depois, saindo pela escada de incêndio, e veio até mim vestido com uma calça de moletom preta e camiseta de uma banda qualquer, os cabelos molhados partidos pata o lado, e um sorriso. Ele ficava bonito até com roupas simples.

Então, disse — Oi.

Me levantei e fiquei de frente para ele.

— Oi.

Ele apontou com a cabeça para o elevador e eu assenti, sem dizer nada. Quando o elevador chegou, ele deixou eu entrar primeiro e entrou logo em seguida.

Me perguntei se ele conseguia perceber o meu nervosismo, acho que sim já que ele estava olhando para minhas mãos e eu não conseguia deixá-las paradas, então as enfiei no bolso da calça, disfarçando com um sorriso forçado.

Era óbvio que eu estava nervoso, afinal não é todo dia que o cara mais gato da faculdade te chama pra foder na casa dele e aquela ainda era a minha primeira vez.

Ele se aproximou, devagar, enquanto as portas do elevador iam se fechando, mas de repente alguém gritou do lado de fora — segurem o elevador!

Jungkook colocou o pé entre as portas para não se fecharem e elas abriram de novo.

— Ufa! — disse o homem, aliviado, entrando no elevador — obrigado!

Então, finalmente, as portas fecharam e começou a tocar uma daquelas músicas de elevador, que só contribuíram pra me deixar mais ansioso.

Me perguntei mais uma vez se eu estava pronto para aquilo. Eu sabia que queria e também sabia que ele queria. Pensar assim me fez olhar pra ele, que já estava me olhando, eu não desviei aquele contato visual e Jungkook também não.

— Boa noite — ele disse para o homem, olhando pra mim, quando as portas se abriram no andar onde ele morava.

— Boa noite — eu disse também.

Caminhei atrás dele até a porta do apartamento, ainda em silêncio, mas ele logo o quebrou quando disse — Tira o sapato.

— Tá.

Tirei o meu tênis e deixei ao lado da porta junto com o dele, notando uma diferença ridícula entre os tamanhos.

Andei em passos lentos até a sala, enquanto ele trancava a porta, dando uma boa olhada no lugar. Não era um apartamento tão grande, mas também não era tão pequeno quanto o que eu dividia com o Taehyung.

Era tudo bem organizado, até na bagunça, diferente do que eu pensei. Tinham pôsteres colados na parede e várias caixas de jogos em cima da mesa junto com uns livros.

— Gostou? — ele perguntou, atrás de mim, se aproximando.

— É bem legal — me virei de frente pra ele.

— Sabe, eu não achei que você fosse vir — colocou uma mão na minha cintura, acabando com a pouca distância que nos mantinha afastados.

— Pra falar a verdade — segurou meu queixo, olhando pra minha boca, enquanto eu falava — eu também não.

Então ele me beijou. Foi como se todo o nervosismo que eu estava sentindo fosse embora, agora eu só sentia calor. Era só deixar rolar.

As mãos dele eram firmes e ágeis, me tocavam como se já conhecessem os meus pontos mais sensíveis. 

Ele só parou de me beijar para descer com a boca até o meu pescoço, deixando uma mordida forte alí, uma marca.

— Vem aqui — disse, ainda perto, me puxando para o sofá. Ele sentou e eu me sentei no colo dele, com uma perna de cada lado, e então voltou a me beijar.

Não demorou para minha jaqueta parar no chão e a camiseta dele também. Ele tocou minha pele por baixo da blusa, apertando meus mamilos, me fazendo sentir coisas que nunca tinha sentido antes. Era bom.

Arfei, sentindo o toque dele.

Deixei ele tirar a minha blusa, me deitar no sofá e beijar o meu corpo, deixei ele me virar de bruços no sofá, beijar minhas costas, me segurando e falando coisas sujas no meu ouvido.

Mas, quando ele tentou tirar a minha calça, eu não deixei.

— Espera — pedi.

— O que foi? — ele perguntou, confuso.

O que aconteceu? Eu simplesmente travei. Não consegui continuar. Desisti como um virgem medroso. Eu não estava pronto.

— Eu quero ir devagar...

— Tá — ele riu — prometo que vou te foder com carinho.

Então ele tentou tirar minha calça de novo, mas eu não deixei.

— O que foi agora? — perguntou mais uma vez, impaciente.

Eu não sabia como dizer aquilo sem me sentir um idiota. Na verdade, eu me sentia um idiota só por ter ido até lá.

— Jimin?

— Eu sou virgem.

Falei, simplesmente, sentindo a vergonha no meu rosto esquentar as minhas bochechas.

— Virgem?


Notas Finais


essa atualização demorou pra sair porque eu to estudando muito esses dias e as outras provavelmente tb vao demorar mas pofavo nao desistam da fic pq to me esforçando muito pra escrever e eu sou super insegura escrevendo fanfic ://
entao espero que tenham gostado !

comentem pra eu saber o que estão achando <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...