História My friend lover. - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Amor, Bangtanboys, Boyxboy, Kimtaehyung, Minyoongi, Taegi, Yaoi
Visualizações 8
Palavras 3.993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Worse tomorrow than yesterday.


Kim TaeHyung.

E abrir os olhos nunca foi algo que eu relutava fazer ou que precisava pensar sobre para; eu sempre tinha disposição, vontade e acreditava que o amanhã podia ser melhor ou que tudo ficaria bem ou melhor, que quando algo tão ruim igual a situação de ontem me acontecia, eu iria apenas fechar os olhos, voltar a abri-los e perceber que não se passou de um pesadelo, que mais uma vez eu voltava para meus hábitos de criancinha e sonhava com as piores coisas apenas porque eu temia viver em uma vida miserável. Mas eu não era mais uma criancinha e não precisava ter este medo pois agora era a realidade, era a minha realidade, eu realmente vivia uma vida miserável e poderia dizer com todas as letras que isto acontecia antes de pegar JungKook com outro alguém.

Respirava calmamente na vontade de voltar a ter sono apenas para dormir, não queria levantar ou sair dali; não queria ter de ir para a universidade, encarar todos aqueles olhares e, talvez, encontrar JungKook, no momento eu não o queria ver nunca mais.

Eu fui um tolo por reagir daquele jeito diante de seu erro pois eu deveria saber, quer dizer, eu sabia que eu o pegaria em uma situação como aquela, havia boatos de que eu não era seu único e eu tinha conhecimento de que provavelmente um dia comprovaria isto com os meus próprios olhos; porém algum dia alguém já lhe preparou para a queda? Se sim, este alguém já lhe preparou tão bem ao ponto de a queda, de este humilhante tombo se tornasse indolor? Não poderia dizer que as pessoas me prepararam e mesmo que tivessem, nenhuma palavra de conforto ou aviso faria meu coração doer menos, tão pouco, as palavras ou os avisos fariam meu coração remendado continuar deste jeito; JungKook era um hyung previsível mas a consciência, talvez apenas a minha consciência, não era forte o suficiente para proteger meu coração.

O mesmo já era remendado por vários outros motivos e por incrível que poderia parecer, JungKook não estava na lista de motivos principais; um outro alguém bem menos improvável se estabelecia em primeiro lugar em um batalha acirrada contra minhas decisões que sempre eram péssimas e me causavam dor emocional. YoonGi era meu melhor amigo e talvez meu único amigo de verdade, sem contar com Seokjin porém este sempre estava de viagem e nunca presente o suficiente para qualquer intimidade além de possibilitar uma segunda opinião bastante significativa, meu hyung de fios negros, YoonGi, era um ótimo homem e era o único que conseguia me fazer bem e me trazer felicidade e era por este motivo que eu tinha uma outra batalha interna que tentava decidir se eu o amava mais do que deveria, do jeito que eu não deveria ou se era pela atenção que ele me dava; podia justificar este meu espamo apenas porque meu melhor amigo era atencioso, gentil e prensente, por nunca errar comigo e por sempre estar ali para mim e para as minhas crises. Agora eu o observava dormir tranquilo e bonito.

YoonGi era sim um hyung atraente e nenhuma situação mudava isto; ele continuava bonito dormindo, comendo, distraído, bravo, envergonhado, indignado e se manteve ainda bonito quando o seu rosto se contorceu ao ver JungKook com outro alguém. Eu sei que aquele não era o momento para observa-lo daquela maneira mas foi aquilo que me ajudou a não chorar diante de meu namorado ou cometer uma loucura que tinha como objetivo agredir a vadia que estava com ele, pegar a tesoura que eu sabia que tinha na gaveta pois a usara um dia antes para algo aleatório e cortar aquela merda que ele chamava de pau fora; YoonGi foi o meu mantra naquela situação e depois dela, ao me levar para sua casa, me alimentar, não tocar mais no assunto e tocar para mim. Estava decidido, eu iria levantar dali e igual a todos os dias fingir estar bem, mas hoje, eu o faria por meu hyung que ainda dormia.

— Oppa? - O chamei em um tom costumeiro matinal no qual minha voz ficava grave e o observei se virar ainda com os olhos fechados apenas para revelar o motivo de seu resmungo anterior; meu hyung se encontrava duro e prensando contra o tecido de seu moletom preto, engoli em seco e perdi o controle de minha respiração. — O-oppa? - Não retirava os olhos de seu volume e via minha mão sem controle se aproximar de seu membro que pulsava leve.

Aigoo.

— Gi oppa, acorde acorde acorde. - Subi então em cima de seu corpo e encaixei minha entrada sobre seu membro que passou a latejar em uma frequência mais rápida; YoonGi ainda parecia estar dormindo e iniciei movimentos de vai e vem que fazia seu membro se pressionar mais contra minha pequena entrada que piscava para si, é claro que eu fazia aquilo para acorda-lo e o calor que eu sentia se alastrar por todo meu corpo era apenas uma mera consequência; um mera gostosa consequência. — O-oppa. - Suspirei aproveitando da situação e senti, segundos depois, suas mãos agarrarem minha cintura e ajudar com os movimentos que antes eu fazia só.

YoonGi ainda tinha os olhos fechados mas sua expressão excitante e a forma que mordia seu lábio inferior deixava bem amostra que gostava daquilo que eu fazia apenas para o acordar; seus dedos apertavam cada vez mais forte a pele de minha cintura e assim também acelerava os meus movimentos sobre si e sobre seu membro. Gemi e levei minhas duas mãos ao seu abdômen ainda coberto pelo moletom preto que usava na noite passada, e foi neste momento que meu hyung arfou e então abriu os olhos encontrando os meus agitados e mais escuros. Ele tinha a respiração descompensada igual a mim e o olhar indecifrável ao meu ver.

— Usarei mais deste método para fazer você acordar. - Proferi depois de recuperar todos os sentidos de senso e razão que perdi durante aquele ato e lhe beijei a bochecha antes de sair de cima dele para ir para o primeiro andar aparentando total indiferença. — Não podemos nos atrasar.

Desci vestido com o uniforme para as atividades físicas que teriam na minha turma hoje e buscava chá pelas gavetas daquele cômodo conforme YoonGi desceu com suas próprias roupas descoladas e me ajudou com a minha procura; ele retirou um pacote com uma dúzia de chás de uma gaveta que eu não cogitei nem em olhar e depois foi para o fogão fritar algo, provavelmente bacon ou ovos. Obviamente terminava meu preparo de chá antes do hyung terminar suas frituras e precisei esperar pelo mesmo sobre a mesa para comermos juntos, era uma regra entre nós, já que estávamos juntos, digo, na presença um do outro, teríamos de fazer tudo o que podíamos juntos; assistir televisão, comer, dormir ou até matar o tempo juntos, era uma receita de como não nos afastar ou deixar a amizade acabar por tanto tempo de convívio.

— Você tem certeza de que quer ir hoje? - YoonGi perguntou depois de se juntar a mim na mesa e nos servir, ele fez ovos com bacon e bebemos o suco de fruta que o mesmo também fizera porém na noite anterior, este que, me ajudava bastante com a ressaca que sentia. — Digo, se sente bem para ir? - Sua preocupação era notável e comovente, eu o amava demais por isto.

— Não é questão de querer ir ou se sentir bem o suficiente para, Gi oppa. - Proferi em um tom calmo e sincero demais para minha consciência que trabalhava arduamente para não me deixar abater pelo constante pensamento e memória da traição de JungKook. — Eu não vou parar minha vida acadêmica por causa de algo pequeno, - Recebi um olhar sugestivo de meu hyung e revirei os olhos, ele destava sempre que eu fazia pouco caso de meus problemas. — ok, algo significante o suficiente para me deixar triste, mas mesmo desta maneira, com está importância, eu não vou parar com o meu cotidiano por isto. - Observava as reações faciais de YoonGi com cautela e recebi apoio do mesmo nas minhas palavras. — Eu vou e vou ficar bem, prometo.

Sabia que YoonGi hyung não estava completamente com a minha insistência para ir a aula, sim, sentia e sabia que o mesmo me apoiava mas apenas o suficiente para me deixar tranquilo com a minha escolha e não iniciar uma discussão pois no fim ele sabia que eu tinha razão. Era óbvio que eu sofria pelo o ocorrido mas a última e pior decisão que eu poderia tomar era me fechar para o mundo e deixar está dor me consumir; me culpar mais do que eu já me culpava, me sentir mais inferior do que já me sentia e decidir que o restante de minha vida, com um pensamento dramático, seria deitado em uma cama com um estoque de combos do McDonald's, porque sim, se eu fosse esperar a morte que fosse com um ótimo e caro lanche. Enfim, eu não poderia o fazer. Eu precisava reagir e seguir em frente ou pelo menos tentar.

O caminho para o local que obviamente nenhum dos dois queriam mas que precisavam ir foi em um silêncio que uma única vez foi rompido por uma breve conversa sem também muito contexto; YoonGi reclamou que o tempo esfriava e mostrou preocupação comigo informando que de agora em diante eu poderia sem mais quaisquer reclamações de sua parte usar seus casacos quentinhos e que acabavam por quase me cobrir por inteiro. Ao ver de qualquer um esta sua decisão era algo pequeno porém acabou por me deixar mais feliz do que eu esperava; o que me fez sorrir abertamente, comemorar feito uma criancinha quando se é dias das crianças ou quando se ganha um presente surpresa e lhe roubar um selinho que o pegou de surpresa.

Agora, de frente para o portão que nos separaria por mais de quatro horas, YoonGi me observava com o rosto, ao meu ver, novamente indecifrável mas era óbvio que ali tinha preocupação; meu hyung respirava sem emitir som mas me olhava com os olhos mais escuros que o normal e parecia que enquanto umedecia os lábios com a própria lingua tentava buscar palavras para me dizer ou para até demonstrar o que sentia naquele momento, para mostrar sua preocupação.

— Eu vou ficar bem, pare de se preocupar. - Proferi primeiro e o envolvi apertado, também não queria ficar longe dele mas se não fizesse minha escolha de vir e nossa saída de casa seriam em vão.

— Tem certeza? Ainda podemos voltar para casa e - Insistia com os dedos em seus próprios fios com um método que sempre usava para se deixar menos apreensivo, seria até fofo se isto não demonstrasse que ele se sentia desconfortável.

— Eu prometi, não foi? Não tem nada com que se preocupar. - Proferi sem o deixar terminar e o olhando por baixo, e até deste ângulo o meu hyung era bonito. Aish.

— TaeHy? - O ouvi me chamar e vi um sorriso em seus lábios, provavelmente eu estava corado e este pensamento me fez corar ainda mais.

— T-tchau Gi, me encontre aqui para voltarmos para sua casa juntos ok? - Proferi depois de me afastar e não o olhar mais nos olhos, ele apenas assentiu divertido e eu parti apressado e com vergonha.

É, eu fui um idiota pois o dia se passava pior que qualquer de meus milhares pensamentos ou de minhas milhares de suposições; eu sabia que hoje todos saberiam sobre a traição de JungKook, sobre o popular badboy sexy vulgo gay que se mostrou não ser mais tanto gay deste jeito já que foi pego no flagra com uma mulher, eu sabia que todos obviamente se lembrariam de seu atual namorado que não tinham dúvidas de ser gay e com um único amigo, pois sim, todos sabiam de minha amizade com YoonGi pois o mesmo era o único outro hyung que andava comigo pelos corredores. Bem, eu tinha conhecimento de que eu e o meu relacionamento conturbado seria o assunto desta segunda-feira mas não sabia que me sentiria tão desconfortável com os olhares e cochichos que eu ouvia sobre meu respeito e minha situação humilhante; eles me encaravam passar pelo o corredor principal dali e nem tinham a discrepância de me esperar afastar para falar sobre mim; falavam sobre minha reação que foi buscar a saída para fugir, minha presença ali depois do ocorrido ou sobre o jeito que JungKook estava, ouvi dizer que ele aparentava estar abatido. Pelo menos isto.

— Tae hyung? - Ouvi um tom fino me chamar mas decidi não parar porque sabia quem era, era a segunda pessoa que eu não gostaria de ver. — Tae hyung você pode parar? Eu sei que consegui me ouvir e me evitar não vai fazer nada melhorar.

Suspirei ao desacelerar o passo.

— O que você quer, Jimin? - Proferi com o rosto firme e sem olhar para o menor de altura que agora, ao meu ver, tinha uma expressão perfeita para levar uns bons tapas, ele ficaria atraente com a marca de minha mão em suas bochechas gordas.

— JungKook, - Iniciou sem se importar com meu mau humor ou meus suspiros entediados pela sua presença. — você precisa perdoa-lo, precisa aceitar suas desculpas e esquecer isto. - Tinha o tom simplista, o que acabou por me deixar furioso; o que aquela situação era para ele?!

Massageei as têmporas, eram muitos pontos para corrigi-lo e tinha que ter paciência para explicar, para o fazer ao invés de soca-lo até aliviar todo o meu estresse ou o ver perder a consciência.

— Primeiro, - Proferi em um tom baixo porém frio. — eu não preciso fazer nada, não sou obrigado a perdoar a merda que JungKook fez apenas porque você acha conveniente ou não quer ver seu amiguinho sofrer, se é que este se importa. - Ganhava credibilidade e vontade de colocar toda esta merda que rondava minha mente para fora.

— Ele se importa. - Jimin respondeu mesmo sem eu não ter o perguntado nada.

— Segundo, - Continuei o ignorando. — JungKook não me pediu desculpa e a última coisa que quero é vê-lo. - Aparentemente por esta Jimin não esperava já que mudou de expressão e quase pude ver seu cérebro em ação. — E por último, não me venha com isto de colocar culpa na porra da bebida já que nós dois sabemos muito bem que JungKook nunca ficaria bêbado com dois ou três copos, - Recebia o seu olhar de indignação. — é do Jeon JungKook, o badboy popular que estamos falando.

— Qual é TaeHyung, o perdoe logo e para com este monólogo! - Proferiu de volta frustado, ele odiava ouvir falar mal de seu melhor amigo canalha.

— Vai se foder, Jimin. - Proferi por fim e voltava para o meu trajeto conforme senti sua mão segurar a minha com insistência em me fazer ficar e o ouvir.

Seu olhar era frio e ironico, ou seja, completamente diferente de antes que tentava quase em súplica me persuadir; o hyung sorria levemente e depois de ver que meu olhar acompanhava sua mão, me libertou da mesma mas se manteve frente a frente comigo; parecia querer parecer superior e admiti mentalmente que, ao meu ver, ele parecia mesmo. Está sua atitude repentina e de alguém prepotente me lembrava JungKook; estava explicado do porque os dois serem melhores amigos e igual a minha reação com o hyung que eu tinha um relacionamento eu recuei, eu recuei de Jimin.

— Me tira uma dúvida Tae hyung, - O menor de altura iniciou divertido, o que me deixou confuso e um pouco preocupado. — você acha mesmo que outro alguém vai te querer? - Proferiu conforme brincava com seus próprios fios. — Acha mesmo que conseguirá atrair alguém parecido com JungKook novamente? Um “badboy popular sexy” como todos costumam o chamar? - Parou para fazer aspas com os dedos de forma perversa e fria, ele zombava de mim. — Ou acredita que conseguirá conquistar YoonGi oppa? - Neste momento eu me encolhi mais e deixava amostra sentimentos ruins em meu rosto.

O que ele sabia sobre YoonGi hyung? Sobre YoonGi e eu? Sobre minha amizade com ele? Sobre meus sentimentos pelo mesmo? Se nem eu sabia sobre os meus próprios sentimentos para com o mesmo, o que Jimin sabia? E como, como ele sabia?

— E-eu e YoonGi somos apenas amigo e, - Proferi de volta para me justificar e deixar está sua suposição de lado, para deixar claro que era uma mentira.

— Um hyung igual a você conquistar JungKook já foi um milagre e agora achar que vai conquistar meu oppa? - Ria com toda sua arrogância e eu acabava por me sentir insignificante e impotente; eu sei que não o devia levar a sério ou me importar mas eu o fazia porque suas palavras me lembravam as palavras de JungKook e eu simplesmente não conseguia agir diferente. — YoonGi oppa não contou para você que ficamos a festa toda juntos antes de ele ir atrás de você? - Tinha malícia em sua voz e aquilo fez meu estômago revirar com o café da manhã que comi mais cedo, com o café que YoonGi hyung fez. — Ele é ótimo, sabia? Faz coisas que você nem imaginaria que seria capaz de fazer em público ou em poucos minutos.

Aquilo foi demais, foi a gota d'água.

Eu não sabia porque estava ali de frente com Jimin e ouvindo todas aquelas asneiras sobre mim, JungKook, meu relacionamento e sobre YoonGi; não precisava disto pois já estava me sentindo o pior dos lixos e o pior das vadias e agora tinha a completa certeza de que não estava pronto para vir para este lugar, que errei em achar que poderia seguir indiferente a toda está situação já que aqui sempre teria alguém para me lembrar do ato de JungKook, de como eu era inferior e pior, sempre teria alguém para ter a certeza de que eu o perdoaria. E de forma mais humilhante de todo aquele dia, eu segurei minhas lágrimas e sai dali sem saber exatamente para onde ir e com o único pensamento de ir embora.

— Min YoonGi.

— Tudo bem, isto foi um bom argumento para nos ter abandonado na festa ontem. - Hoseok hyung proferiu depois de comer do meu lanche e ouvir todo o acontecimento de TaeHyung com JungKook de ontem de meu ponto de vista.

Todos já sabiam mas não completamente, não inteiramente ao ponto de contar toda a história verdadeira; Hoseok antes soube de uma versão estranha e sem sentido onde TaeHyung estava em um ménage com JungKook e com uma garota e o mesmo apenas fugiu por ser pego naquele ato obsceno ao ver dos outros. A versão que Namjoon escutou não foi tão absurda mas também não era totalmente verdadeira; nesta versão JungKook foi pego por TaeHyung apenas aos beijos com outro hyung que todos achavam e apostavam ser seu melhor amigo Park Jimin. Era horrível, a situação já era ruim e aquelas histórias falsas aumentadas eram ainda piores, foi inevitável pensar em TaeHyung hyung e em como o mesmo estava, se todas essas versões já passaram por si ou se ele encontrou com JungKook.

Olhava para os meus amigos que agora não olhavam para mim e sim para um pouco mais adiante; seus olhares eram surpresos e apreensivos o que rapidamente me vez olhar também apenas para ver um TaeHyung abalado se aproximar.

— TaeHy, o que aconteceu? - Proferi em pergunta depois que o mesmo caminhou para a mesa onde eu estava e seus olhos abatidos encontraram os meus claramente preocupados.

— Podemos ir para casa? - Proferiu de volta em um tom tão baixo que se todos os alunos que estavam na cantina dali não estivesse em silêncio nos observando seria impossível de ouvir. — Hoje mais cedo você estava certo, - Continuou ao parar de olhar para os meus olhos e buscar um outro ponto fixo para manter a atenção. — eu não devia estar aqui, digo, ter achado que era capaz de vir para cá, estudar e fingir que nada aconteceu ou ficar indiferente a isto tudo.

Ele admitia e mostrava que a situação estava pior do que eu imaginava; meu hyung não era de admitir estar errado ou aceitar a derrota e era exatamente o que ele estava fazendo agora, o que significava que algo, melhor, que alguém tocou em seu ponto fraco que consistia em sua baixa autoestima e que o deixara a beira de um colapso.

— D-desculpa Gi, - Proferiu agora com o tom por um fio e com os olhos cheios de lágrimas que pareciam que iriam cair a qualquer instante. — eu apenas quero ir para a casa. Podemos ir para a casa?

Eu queria o envolver apertado e o deixar chorar em mim, eu queria aquecer seu corpo gentilmente e secar suas lágrimas ali mesmo mas sabia que não era conveniente e se meu hyung segurava as lágrimas era porque não queria chorar ali, diante de todos. O apoiaria de todas as maneiras que ele me permitisse o apoiar em minha residência e então no momento em que me preparava para o tirar dali, JungKook surgiu diante de nós e todos os alunos que estavam ali; agora sim a cena estava feita.

— Tae baby, sabia que estaria aqui. - Proferiu afobado, parecia que correu até aqui de qualquer outro lugar. — A gente precisa conversar.

— Não, JungKook, apenas me deixe em paz. - TaeHyung hyung proferiu de volta ainda frágil e se dirigiu para trás de mim, eu detestava o ver deste jeito e odiava Jeon JungKook por ser o motivo; deste modo, segurei a mão de meu hyung e continuei em sua frente agora com um olhar frio para o seu ex namorado babaca a minha frente.

Jeon JungKook desviou seu olhar que mostrava culpa de TaeHyung e olhava para mim com um brilho de raiva que reconhecia pois também o carregava em meu olhar; nós dois nunca nos demos bem pois eu sempre soube que ele não era um bom hyung para TaeHyung e porque o mesmo queria meu hyung apenas para si, queria o privar de ter qualquer amigo para o mesmo continuar apenas ao seu mercê. Ele era um doente abusivo que não merecia TaeHyung e que se dependesse de mim não o teria nunca mais.

— Cai fora, meu assunto não é com você. - JungKook proferiu firme e não me causou nenhum efeito já que eu não o temia.

— Eu não vou sair daqui e você não vai falar com TaeHyung. - Proferi de volta no mesmo tom e forcei o maxilar para não o desferir um soco bem rosto.

O hyung então riu irônico e desviou seu olhar apenas por um momento pois depois o retomou para mim e se aproximou mais; conseguia ver o ódio em seu rosto. Ele então posicionou suas mãos para me empurrar porém eu fui mais rápido e segurei seus braços com força apenas para usar meus pés em suas pernas desprotegidas e o fazer cair com tudo no chão em uma “rasteira”. Todos dali emitiram um som de surpresa e TaeHyung que agora não segurava mais minhas mãos levou as suas para boca assustado com o som do corpo de seu ex de encontro com o chão.

De algum lugar qualquer, Jimin apareceu e se ajoelhou para ajudar seu melhor amigo.

— Isto não vai ficar assim! - JungKook gritou ainda no chão com o rosto vermelho de raiva.

— Isto não vai ficar assim mesmo, seu merda! - Proferi de volta também alto. — Ouse tocar ou magoar TaeHyung novamente que não vai ser só um tombo que vai levar. - Cuspi as palavras e senti TaeHyung hyung segurar minha mão para me afastar de JungKook, para nos tirar ali.

— Gi, por favor vamos. - Proferiu em súplica e então eu entralecei nossos dedos apenas para sair dali sem nem olhar para trás ou me importar com os vários diálogos que se iniciaram. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...