1. Spirit Fanfics >
  2. My hero academia. >
  3. Cut my hair

História My hero academia. - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Quinze anos sem postar capítulo! Mas era importante é eu estava sem motivação por falta de comentários nos meus capítulos... esse promete ser um bem valioso...

Boa leitura... e peguem seus lenços... eu preciso dos meus.

Capítulo 33 - Cut my hair


Fanfic / Fanfiction My hero academia. - Capítulo 33 - Cut my hair

Eu me lembro do hospital... 

De como as vozes abafadas soavam preocupados enquanto me guiavam pelo corredor através da maçã, as luzes do teto branco vibravam brilhantes machucando meus olhos enquanto eu não conseguia me focar em nenhum ponto... queria ir pra casa e dizer que tudo oque aconteceu foi um sonho ou pesadelo, minha cintura ainda ardia com a pele queimada que precisou ser retirada por um dos médicos... 

Eles colocaram uma máscara em meu rosto e tudo ficou enevoado, sem sonhos, sem memórias, somente uma escuridão ao meu redor enquanto eu estava completamente presa, em uma caixa, claustrofóbica... eu chorei agarrando meus joelhos, eu não poderia parar e continuei chorando até os sons de vidro quebrado voltarem a me agonizar, quanto tempo eu iria aguentar antes de ser pega por aquele vilão?! Nem mesmo meus maiores pesadelos guiavam meu coração para o desespero quanto aquelas mãos paradas sobre o vidro... me torturando... chamando meu nome e começando uma série de batidas contra aquela peça transparente...

Foi quando meus olhos encararam o teto de meu quarto... como se fosse o maior peso eu consegui colocar meu corpo sentado, meu braço enfaixado e erguido por um mecanismo, com meu braço bom eu abri a cortina olhando a rua e a paisagem lá fora... foi quando a porta se abriu...

-Izuka!! 

Mas eu não consegui me mexer enquanto minha mãe se aproximava puxando uma cadeira para me abraçar...  e foi assim por muito tempo, até mesmo perdi a conta enquanto médicos iam e vinham naquela sala branca... mas uma coisa gritava em meus pensamentos.

VOCÊ NÃO É BOA O SUFICIENTE!

VOCÊ É UMA DESGRAÇA!

Heroína? Não me faça rir... 

E quando me mudaram de quarto eu continuava deitada encarando o teto, meu corpo não me obedecia mais... eu suspirei... e a porta fez seu típico barulho para mostrar que alguém veio me ver, mas meu rosto não encarou para ver apesar de minha curiosidade... mas pra que sequer me visitar? Não seria melhor usar o seu tempo pra outras coisas? 

-Midoriya Izuka... temos que conversar sobre seu braço... 

A voz carregava uma série de preocupação e técnica, seu timbre doce e envelhecido me envolveu transmitindo a tranquilidade que por um momento... limpou meus pensamentos intrusivos...

-Nos fomos capazes de reconstruir os ossos quebrados através de uma cirurgia, assim nos conseguimos garantir que você voltará a ter o máximo de movimento possível nos dedos e no seu pulso... mas... é importante dizer que mesmo que tenhamos colocado suportes de titânio em ossos que não puderam ser recuperados... você não deve exceder o limite de sua auto cura, qualquer individualidade tem limite, então é importante que você não use nunca mais seus braços em luta... eu sinto muito, mas você deve começar a encontrar seus limites. Você não é imortal. E eu não irei mais curar seus ferimentos... 

Sua voz foi ficando cada vez mais distante enquanto explicava, como se ela estivesse falando abafado a meus ouvidos. 

Eu finalmente notei, não sou imortal, e ele poderia ter me matado mas não fez, ele queria me ver vivendo com essa história e esse peso, que afunda meu peito roubando meu ar, eu nem me lembro do tempo passando enquanto eu me perdia nas palavras dele. Eu estive me jogando em cada situação, quebrando incontáveis ossos e dizendo:

Vai ficar tudo bem, eu vou me curar.

Mas até quando? Agora eu olhava o gesso e apoios de metal segurando meu braço no ar, eu não conseguia sentir nenhum nervo nele, como uma sensação fantasma, eu estava vendo ele ali, mas nenhum impulso das sinapses iria mover aqueles ossos...

Uraraka Ochaco...

Eu estava realmente aliviada quando assisti a entrevista de nosso sensei avisando sobre o estados dos alunos sequestrados, óbvio que depois da batalha emocionante de all Might, midoriya colapsou nos braços de Katsuki para ser levada ao hospital... 

E eu caminháva segurando o vaso de flores que momo me ajudou a comprar.

Fazia uma semana desde que aconteceu tudo... e nossas aulas voltaram, mas como midoriya tinha sido levada para a UTI não tivemos autorização para visitar, somente inko podia entrar lá... mas eu não me importava de matar aquela aula de aizawa para visitar a deku no hospital.

Ela tinha sido movida recentemente para o quarto e agora estávamos entrando naquele Hall branco com a recepcionista, momo conversou com ela e logo nos foi colocado um adesivo de visitantes... eu observei ao redor o corredor limpo com o típico cheiro de hospital, e lembrei que midoriya me disse uma vez, que esse gás que o hospital usa serve para exterminar bactérias exteriores... ah ela era uma ótima aprendiz de enfermeira.

-Uraraka-chan oque está pensando? 

-Ah yaoyorozu... estou pensando... nas coisas que ela me contou, ela sempre ficava animada contando sobre as coisas que aprendeu. 

A morena colocou sua mão sobre a boca com um risinho, ela me olhou concordando com o olhar... ainda está fresco na minha memória quando dei a idéia de vir visitar midoriya, todos quiseram matar a aula para vir, mas no final quem se prontificou a trazer as mensagens fora momo... todos escreveram cartinhas para que Deku-chan pudesse ler. Alguns deram um jeito de comprar presentes ou pedir a momo que criasse, oque resultou em alguns ursinhos e uma figura de ação do all Might, e também um coelhinho verde.

E momo estava carregando orgulhosamente uma mochila cheia dessas coisas, sinto que isso ajudaria e deixaria aquela garota doce feliz. Atravessamos e viramos no fim do corredor chegando na área da cantina, algumas pessoas comiam e conversavam, algumas até mesmo eram pacientes... Aquele lugar estava ao ar livre, e era perfeito para ajudar na reabilitação, midoriya iria adorar brincar no balanço...

E foi quando observei uma moça baixinha e cheinha tomando um gole de água de uma garrafinha, ela olhou em minha direção e eu a reconheci enquanto andávamos em sua direção.

-Inko-San é um prazer rever você. 

-Oh Uraraka-chan... e momo-chan... vocês vieram visitar? Acho que isso irá ajudar ela a se comunicar... 

Ela disse após me dar um abraço e fazer o mesmo com a morena, nos concordamos respondendo a pergunta. Os olhos de Inko-San estavam fundos e vermelhos, como se tivesse chorando durante os últimos momentos, continuamos caminhando e seguindo para o número do quarto de midoriya... 

-comunicar? 

-Ah momo-chan... o médico responsável por ela, Hibiki-San, disse que ela passou por um choque muito grande e ainda está traumatizada... e desde que ela se mudou para um quarto após a cirurgia do braço, ela não conversou com ninguém... mal quis comer também... espero que com vocês aqui ela possa melhorar...

E quando chegamos próximo ao quarto de midoriya eu observei um certo loiro que estava no banco do lado de fora do quarto. Katsuki Bakugou estava com sua típica carranca enquanto enviava algo para alguém, quando nos aproximamos observei inko entregar outra garrafa para ele... foi quando notei o adesivo... em seu peito naquela camiseta preta estava o adesivo de acompanhante, assim como no peito de inko.

-Ta olhando oque cara de bolacha? 

-.... nada. Por isso você não veio nessa semana de aulas... 

-Se foder! Isso não é da sua conta, vai cuidar da sua vida cara de panqueca.

Ele continuava com sua atitude rude, antes que eu pudesse retrucar momo me puxou para entrar naquele quarto. 

A luz do sol era agradável mesmo sendo barrada pelas cortinas que balançavam com a brisa, ali tinha uma televisão ligada passando um episódio de qualquer desenho, uma cadeira de descanso e um grande armário, a cama de midoriya estava próxima a janela enquanto ela estava sentada encarando a paisagem pela fresta aberta da cortina... Seu braço segurado no ar por um suporte metálico que estava envolvendo um gesso pesado e com uma bolsa de sangue fluindo diretamente nele. Tinha uma máquina que apitava mostrando os batimentos cardíacos dela enquanto lentamente seu peito se erguia e abaixava. 

-Izuka-chan nos viemos visitar e quero que veja todas as coisas que trouxemos pra você ver!

-Deku-chan! Você me viu? Eu bolei um plano pensando no que você faria, funcionou e eu te salvei, você viu?

Momo puxou a cadeira para próxima da cama para que pudesse apoiar as coisas enquanto se sentava com cuidado, fazendo companhia a esverdeada. Ela colocou uma mecha atrás de sua orelha e pegou uma das cartas a abrindo. 

-Essa é do Aoyama, "querida mon amour, só quero que saiba que eu tive medo, mas quando Katsuki estava sendo levado eu atirei meu laser para tentar ajudar, eu quero me tornar um herói como você, e prometo dar o meu melhor! Você é minha inspiração minha amiga, espero que melhore e volte a ser essa luz brilhante na 1-A estarei mandando um colar de pérolas pra você também. Fique sempre linda e principalmente brilhante!" 

Momo interpretou a carta enquanto esperava alguma reação dela, e eu me aproximei para observar melhor aquela cena, eu estava sem palavras.... elas não vinham, não importa o que eu pensasse... quando eu ia dizer, desapareciam.

-Todoroki-kun te mandou um monte de rosas dentro da bolsa, ele disse que viria pessoalmente se pudesse, pediu pra te mandar um beijo haha. Ele gosta muito de você... 

Mas ela não deu atenção, continuou olhando a paisagem e respirando devagar enquanto momo mordia seu lábio inferior procurando algo para mostrar pra ela.

-TSUYU! Tsuyu mandou um sapinho de pelúcia, disse que você gosta de pelúcias... e Tokoyami deu um balde de pipoca de pelúcia! Não é engraçado? Mina mandou um livro pra você passar o tempo, e hagakure-chan um estojo cheio de lápis de cores pra você desenhar. Kyouka mandou um fone com orelhas de gatinho e eu um laço pra você colocar no seu cabelo... uh. Kirishima mandou um quadro com uma foto dele com você e o kaminari mandou o prego pra você pendurar o quadro já que ele também tá na foto. Sero mandou um globo de neve do all Might e... 

Ela continuou nomeando os presentes de cada amigo e colega de turma, minhas lágrimas já estavam pingando sobre o chão quando coloquei a mão sobre seu ombro para que parasse, seu rosto preucupado e ansioso me olhou e eu neguei para que ela parasse... não estava nos levando a lugar algum... 

-Tem que existir alguma coisa Uraraka-chan! Temos que ajudar esqueceu o que a mãe dela disse? Precisa existir algo que possamos fazer! 

-Momo-chan para, não estamos fazendo nada mais que mandar um monte de informações que ela não quer receber... 

Eu suspirei e momo me abraçou como se fosse um dia de luto, e naquele momento eu percebi que a garota feliz que sempre me animou e me salvou a todo o tempo... tinha desaparecido. 

-Oque você quer... midoriya oque nos podemos te entregar pra você voltar pra gente? 

Eu disse não esperando nenhuma resposta...

-uma...tesoura.

Ela murmurou e eu e momo nos encaramos, ela ainda tinha o olhar fixo no horizonte nos deixando sem palavras, momo engoliu em seco me trazendo até o canto da sala... 

-...isso é bom ou ruim? Ela respondeu mas... não quero que ela pratique auto mutilação.

-momo midoriya nunca faria algo assim, mas... ela não é mais quem eu conhecia... tenta uma sem ponta? 

E retirando a tesoura de seu ombro ela caminhou com a arma sem corte, quando colocou sua mão próxima de midoriya o olhar dela se voltou até nos duas. 

-uma tesoura.

Ela bateu contra a mão de momo jogando o objeto inofensivo para longe, o fazendo deslizar até a parede contrária, essa ação assustou tanto a mim quanto yaoyorozu, o olhar dela agora era seguido de lágrimas que escorriam molhando o lençol. 

-Mas Deku-chan não podemos te dar-

-Porque você precisa de uma tesoura? Podemos te dar outra coisa...

-corte o meu cabelo... 

Mas seus cabelos eram lindos, longos e cheios, cortar era... 

-não podemos-

-SAIAM! 

Ela abruptamente olhou para baixo e fechou os olhos, eu puxei momo para fora o mais rápido possível enquanto me recuperava do susto. 

-que merda? Ela gritou... isso... oque você fez cara de bolacha? 

Katsuki disse mas eu não tinha tempo para aquelas distrações, abracei momo que lentamente se recuperou, e em sua mão ela carregava uma longa tesoura de metal, ela olhou em direção a porta mas abaixou e deixou a tesoura sobre o banco.

-Uraraka eu estou indo em bora... até amanhã na aula, o mesmo pra você Bakugou...

E preucupada ela saiu caminhando e sumiu no corredor antes que eu pudesse convencer ela do contrário, quando me virei observei Katsuki equilibrando a tesoura na ponta de seu dedo enquanto tinha um olhar curioso mas sempre agressivo.

-porque caralho vocês trouxeram uma tesoura até um quarto de hospital? 

-Porque você liga? E não me respondeu porque faltou essa semana? Estamos tendo aulas e a Deku-chan é a única dispensada por conta de tudo isso. 

Eu disse abrindo os braços e mostrando onde estávamos, num corredor de hospital enquanto um indivíduo estável chorava no quarto que eu tinha acabado de deixar, ele riu da minha cara e colocou a tesoura no bolso enquanto se levantava colocando as mãos nos bolsos. 

-Eu não tenho que te responder nada, porque você tá aqui de qualquer forma? Não é como se você fosse nada além de uma extra. 

Ele começou a andar para longe seguindo o corredor, eu passei a seguir aquele imbecil irritado para que ele não me deixasse falando sozinha, e quando percebi estávamos em algo que era um jardim cheio de flores e verde... Ele continuou me ignorando, chegou próximo a um lixo e tirou a tesoura do bolso.

-Eu estou aqui porque amo ela! 

Foi aí que ele parou e me encarou, evitando de jogar ela no lixo... 

-oque você quer dizer?!

-Isso oque você ouviu! Eu a amo! Mais que amigas! É por isso que estou aqui! Mas porque você está?! Tudo oque você faz é gritar e insultar minha melhor amiga! Você vem quando convém e quando precisa de cura, e depois disso esquece dela e nem mesmo agradece quando ela decide que vai correr atrás de você! Porque ela corre atrás de você?! SEU IMBECIL SEM CORAÇÃO! 

Eu admiti alto e claro como me sinto, mas pra pessoa errada sobre outra pessoa? Que confuso... mas minha fúria era maior que minha racionalidade, eu estava brincando com o fogo do garoto mais explosivo da escola inteira.

-ACHA QUE EU NÃO SEI?! 

Ele gritou soltando a tesoura e colocando a mão na própria testa, por aquela reação eu não esperava, oque eu esperava era ele rir de mim dizendo que eu estava errada sobre pensar assim, sobre amar alguém assim... 

-Puta merda uraraka... você é irritante pra caralho sabia?! 

-Porque você tá aqui Katsuki?! 

-PORQUE EU AMO AQUELA GAROTA! PUTA QUE ME PARIU! EU PRECISO GRITAR PRA ENTENDER?! Eu sou um lixo! Eu devia ser o melhor! Mas não consigo entender porque meus sentimentos a empurram pra longe! Tá feliz?! Eu admiti! 

Ele disse colocando a mão sobre a camiseta preta bem na área de seu coação, aquilo explicava tudo, e eu sabia como ele se sentia, eu jamais conseguiria que ela me olhasse da mesma maneira que ela olhava pra ele.. como ela admirava o herói que ele iria se tornar, sua individualidade, seu desempenho, mesmo quando... Ele a maltratava, talvez ela visse alguma coisa boa naquele ser humano apodrecido... 

-Então... conta pra ela a história, diga a verdade mais honesta que você tiver, trate ela melhor tenha certeza disso. Não seja aquilo que ela quer, seja oque ela precisa. E se ela dizer que te ama... resposta eu te amo também. 

Eu segurei meu braço, e ele não desviou o olhar de mim, eu dizia... oque eu queria que dissessem pra mim... mas oque eu poderia fazer era ver ela feliz, e se ela ficava feliz assim. E ele me ouviu em silêncio.

-de pra ela uma razão, razão pra amar aquilo que você faz. Ela vai te contar segredos, e você vai se abrir e contar pra ela também. Ela vai te contar sobre seus sonhos e você vai ouvir... mesmo quando ela murmurar... e se ela disser que te ama...

Eu caminhei até ele e segurei sua gola, a gravidade de seu corpo se desfez enquanto eu erguia aquele idiota no ar, podia dar um soco no rosto dele naquele momento mas me contentei em apenas segurar ele no lugar.

-Mas você não vai fugir quando se cansar! Porque isso vai deslizar e começar um incêndio que ninguém vai conseguir apagar então se apressa o seu tempo vai acabar! Mas não é pra fugir antes de dizer... que você ama ela. Seu Imbecil! 

Eu o soltei e uni minhas mãos o liberando de minha individualidade, seus pés tocaram o chão e eu já não aguentava mais segurar minhas lágrimas, eu coloquei a mão sobre a boca, aquilo era a sensação de desistir? Machucava muito mas..

-quando ela disser que precisa de você, você responde que precisa dela. Fale alto e claro, enquanto o seu coração ainda é apaixonado por ela. Diga que ela é linda, e fale sempre a verdade porque é isso que ela merece ouvir. Diga sempre que a ama seu bastardo, porque ela é a melhor coisa que esse mundo já teve! Ela vai ir tão longe que talvez nem mesmo você consiga acompanhar aquele espírito! Mas você a ama não ama?! Então... então diga! DIGA! E não fuja! Porque se você fugir, você vai perder a melhor coisa que... ela é a mais fofa e mais forte garota que eu conheço, ela me mostrou o que eu posso fazer é oque eu posso superar. Você não é o único que ama ela! Mas é o mais idiota. Se eu fosse você eu abraçaria ela todos os malditos dias e diria o quanto amo ela só pra ver a cara envergonhada que ela faz, eu a beijaria como se fosse o último beijo! E escutaria ela murmurando durante horas porque ela fica extremamente linda quando está perdida em pensamentos... então... diga o quanto você a ama... se não... vai ser tarde e... você sabe oque acontece..

E eu o deixei naquele jardim sozinho, ele não disse nada, só me ouviu, nunca pensei que aquele garoto iria escutar alguém gritando com ele sem revidar... eu toquei uma última vez na parede fechando meus olhos... quem sabe um dia eu supero meu coração batendo por ela? 

Midoriya Izuka... 

Eu queria me ver livre dessas memórias, queria apagar tudo oque aconteceu, queria sair daquela cama e correr, mas minha cintura enfaixada estava ardendo e doendo cada vez mais... foi quando a porta se abriu e me deu um susto, uraraka e momo voltaram? Mas meu pescoço não se mecheu e eu fiquei parada olhando para baixo e escutando os passos raivosos se aproximando de mim... 

-corte o meu cabelo... por favor... 

Foi quando eu senti uma mão, segurar gentilmente mexas de meu cabelo, eu ergui o rosto sentindo pequenos arrepios com aquele toque gentil, mas quando movi meu rosto eu observei aqueles olhos vermelhos me encarando, Katsuki estava ali com uma tesoura em sua mão direita, com a outra ele encarava meus cabelos respirando profundamente... enquanto eu ouvia o aparelho apitar com as batidas de meu coração, oque eu...?

-Você quer isso porque vai apagar as memórias daquele dia?! Daquele merda segurando e fazendo aquelas porras com você?! É pra isso?! 

-kac....

-Eu sinto muito deku! Nada que você fizer vai apagar a dor daquele dia! Então use esse impulso que quer te jogar pro chão como combustível pra você se levantar de novo e virar aquilo que você quer ser! 

E derrepente... a mão dele se afastou segurando boa parte do me cabelo, ele deixou aqueles fios verdes se espalharem pelo chão enquanto me encarava com as íris brilhantes e em chamas, mas quando ele encarou as minhas seus olhos brilharam por algum momento com algo diferente...

-Use a dor pra levantar deku de merda! Você é uma heroína ou não?! Heróis nunca perdem então... porque você admitiu derrota? Huh? Você combina com o cabelo curto também deku de merda. 

E ele me deixou jogando a tesoura no lixo antes de fechar a porta atrás de si, eu movi minha mão livre tocando sobre minha testa e deslizando minha mão através do meu cabelo, quando ela finalmente solto dele próximo a meu pescoço... eu senti as lágrimas caindo enquanto eu sorria passando diversas vezes a mão ali vendo que agora ninguém iria mais me segurar para trás... e meu coração bateu tão forte enquanto minhas bochechas esquentavam, eu agora o vi não como um idiota a ser salvo ou ser contido mas como um igual... Ele me viu como um igual... 

-Izuka? 

-mamãe? 

E eu observei a moça colocar a mão sobre a boca olhando para o chão e depois para mim, ela veio correndo com as mãos sobre sua boca. Mas as retirou No mesmo Momento para me envolver num abraço, e todas as lágrimas que eu estava segurando rolaram pelos ombros de minha mãe que me agarrava chorando comigo... eu respirei fundo enquanto ela passava a mão em minhas bochechas e deixando tantos beijos que tenho certeza que fiquei com marcas avermelhadas. 

-você... voltou pra mamãe, eu pensei que tinha te perdido... mas você voltou! 

-Eu nunca ia te deixar mamãe... e eu sempre volto esqueceu? 

-seus cabelos Izuka, oque aconteceu? 

Eu olhei em direção ao chão observando os fios espalhados que decoravam o chão branco daquele quarto, tinham um brilho estranho... mas dirigi meus olhos a porta, quem sabe eu estava esperando ele entrar de novo... 

-mudanças mãe... mudanças boas...

E o tempo que fiquei lá naquele quarto eu percebi tantas coisas diferentes, tantas cartas e bichinhos de pelúcia, e rosas... lindas rosas, certeza que foi o todoroki... haha. E recebi algumas visitas, como de aizawa que disse que eu tinha influenciado uma de suas melhores alunas para matar aula, present Mic estava com ele e quase gritou de alegria quando me viu ali bem... shinsou me visitou algumas vezes... e antes que eu percebesse já estava boa para andar e retirar os suportes metálicos e o gesso, mas ainda enfaixado eu carregava aquelas cicatrizes em meu braço, um lembrete de tudo oque aconteceu comigo. 

Então voltei pra casa, e dormi tão bem rodeada de presentes dos meus amigos... e após alguns dias, minha mãe acabou confiando em mim para ficar sozinha enquanto ela iria assinar alguns papéis na delegacia... aparentemente estavam oferecendo a antiga posição dela de volta, e ela estava considerando... eu fiquei feliz mesmo que ele ainda... esqueça isso Izuka. Foi quando a campainha tocou, eu me levantei rapidamente e enfim abri a porta da frente...

-Vocês!!!

-NOS SOMOS AS WILD WILD PUSSYCATS!!! E um filhote!

Pixie Bob e mandalay vestidas com roupas casuais me cumprimentaram com suas típicas poses mas antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, eu vi kouta correndo para agarrar e abraçar minha Cintura.

-Izuka!!! 

-kouta! 

Eu me abaixei para encarar aquele garoto rabugento, ele estava tentando disfarçar sua alegria em me ver mas quando me ajoelhei ele abraçou meu pescoço e eu senti aquele carinho. Observei mandalay rindo e kouta bruscamente se afastou arrumando seu boné com aqueles típicos chifres, eu me levantei e mandalay veio a meu encontro, eu as convidei para entrar e logo as duas estavam sentadas sobre meu sofá enquanto kouta de braços cruzados ficava sobre uma cadeira do lado da poltrona em que me sentei.

-você tem um lugar bem legal, onde está sua mãe? 

A loira disse enquanto olhava ao redor.

-foi resolver algumas coisas, eu ainda tenho esse fim de semana antes de voltar pra escola...

-Bom vamos direto ao assunto. 

Mandalay se levantou assim como pixie, logo as duas ajoelharam e encostaram suas testas contra o Chão. 

-Você tem o nosso profundo agradecimento por ter arriscado sua vida para defender o kouta! Como profissionais ficamos envergonhadas com nossa própria capacidade, aceite esse pedido de desculpas por ter deixado você em perigo! OBRIGADA! 

Eu bruscamente segurei o ombro de mandalay para que ela se levantasse, ela não tinha que pedir desculpas algumas sobre minhas decisões, e eu estava tão envergonhada e nervosa que nem ao menos percebi oque estava fazendo antes de fazer.

-não! Nao me devem desculpas! Eu fiz oque fiz porque queria proteger... o kouta então não é culpa de vocês ok? 

Pixie se levantou e caminhou até mim me abraçando mais uma vez, ela deu um beijo em minha testa e ajudou mandalay a se arrumar no sofá.

-kouta nos contou como você se arriscou para manter ele seguro, e como a individualidade dele se manifestou pra te ajudar... você teve um grande impacto. Adorei seu novo estilo, cabelos curtos combinam com você.

Envergonhada eu cocei minha nuca sentindo meu rosto avermelhar.

-N-não precisa agradecer e sério nem é tão diferente assim! Hahaha!

Uma conversa animada se seguiu pelo oque pareceu alguns minutos, e elas estavam rindo muito enquanto kouta se mantinha em silêncio, como se não pertencesse na conversa, quase como se quisesse que elas parassem com as risadas agudas. Foi uma um telefone tocou, e pixie atendeu e ficou uns momentos ouvindo antes de se levantar e se comunicar pelo olhar com mandalay. 


-Sinto muito midoriya, nos temos uma missão e temos que levar o kouta, foi bom ver que você melhorou, tenha juízo.

Kouta deu de ombros colocando as mãos nos bolsos da bermuda que vestia, ele não estava interessado em ir e então eu me levantei.

-porque não deixa o kouta comigo? Eu posso cuidar dele e depois vocês podem buscar, eu adoraria ter uma companhia por aqui!

-Posso Tia?!

E como se sua expressão mudasse completamente ele juntou suas mãos pedindo com sua cabeça abaixada, mandalay deu um risinho e concordou, mas ela não teve muito tempo de dizer qualquer coisa, afinal era uma emergência e logo as duas gatas pularam no carro e saíram dirigindo. E kouta foi deixado para trás comigo, ele entrou logo enquanto eu acenava para o veículo em movimento. E quando fechei a porta ele tinha um sorriso tão grande que contagiou o meu dia.

-ué? Cadê o garoto ranzinza que me deu um soco?

-Desapareceu lá, desculpa socar o seu peito, naquele dia eu Tava muito irritado. E gostei do seu cabelo curto, você parece bem mais fofa agora.

Eu me abaixei ficando no mesmo nível que o dele, retirei seu boné observando aqueles cabelos negros e rebeldes, ele olhou envergonhado pro chão enquanto pedia desculpas pelo soco gratuito. Eu bagunçei ainda mais seus cabelos oque o deixou irritado, eu coloquei seu boné em cima da mesa.

-Não sei você mas acho que eu adoraria fazer uma guerra de almofadas. Quer?

-onde você estava na minha vida toda?!

E eu pulei sobre o sofá deixando o garoto para trás, ele não demorou para me seguir enquanto  eu pulava para agarrar uma almofada, quando ele finalmente segurou a dele eu bati em seu peito o derrubando sobre o sofá, mas ele não se deu por vencido e começou a jogar aquelas em mim, e eu agindo como se tivesse levado tiros cai imóvel no chão.

-Vitória time Izumi!!!!

-bleeee! Sangue sangue sangue!!

Ele desceu do sofá e me encarou enquanto eu usava minha melhor atuação de desmaio, e após algum tempo ele ficou desesperado, começou a me chacoalhar e quando ele menos esperava eu dei um ataque de cosquinha nele, e ele riu enquanto tentava fugir.

-Desista!!!

-HAHAHAHA PARA!!! NUNCA!! HAHAHAHA!

Mas foi quando a campainha tocou novamente, eu soltei aquele garoto que se afastou ao máximo para ir longe enquanto recuperava seu fôlego, mesmo assim ele parecia um pouco desapontado que eu tinha interrompido a brincadeira para atender a porta, a abri encarando todoroki.

Ele estava vestido com uma simples camiseta branca e tinha uma vasilha em sua mão, quando ele me encarou eu não tive tempo de dizer Oi, ele equilibrou o pote em um dos braços e me puxou para um abraço com o outro, e eu envolvi minhas mãos ao redor de sua cintura sentindo aquele calor seguido de frescor.

-Eu estive me preocupando com você desde quando efetuamos o resgate, mas fico feliz que tenha voltado segura do hospital. E... Seu cabelo está bem... agradável.

-bom te ver Shouto-kun... e obrigada.

Eu o soltei e assim ele pode entrar e colocar sua vasilha sobre a pedra da cozinha, mas ele parou quando encarou o garoto de seis anos sentado no sofá.

-esse garoto não era aquele do acampamento? Ele é seu irmão?

-Sim do acampamento e não pra ser meu irmão, kouta diga oi para o todoroki.

Ele ficou em silêncio encarando todoroki que se virou completamente para encarar o garoto, kouta se levantou e caminhou até ficar na frente de todoroki que permaneceu em silêncio com sua típica calmaria observando. Mas kouta deu um chute tão forte na canela dele que conseguiu desequilibrar o rapaz, eu fiquei sem reação enquanto todoroki se apoiava na mesa aguentando a dor.

-Kouta!

Ele colocou as mãos nos bolsos e voltou para o sofá.

-tudo bem midoriya... tá tudo bem. Ele só não gosta de mim, e isso está tudo bem, ele tem direito de gostar de quem ele quiser... não repreenda ele... aí.

E eu soltei um suspiro enquanto ouvia kouta mudar os canais da televisão, me sentei e todoroki sentou-se ao meu lado na mesa com seu típico rosto calmo, quase como se nada tivesse acontecido.

-fico feliz que esteja bem, eu tomei liberdade de copiar algumas anotações para você, te entregarei quando você volta a escola. E minha irmã me ajudou a fazer um pudim de chocolate pra você, ela deseja melhoras.

-Chocolate?! Ah Todoroki-kun obrigada.

Ele me contou sobre oque estava acontecendo com seu pai, mesmo que ele mostrasse que aos poucos seu velho apresentava melhoras o mesmo continuava com o pé atrás para com as atitudes de seu pai... e antes que eu percebesse ele já estava se despedindo para voltar para sua casa, e quando eu fechei a porta de casa eu respirei fundo... parando pra pensar... Era melhor continuar afastando esses pensamentos, eu voltei para a sala me sentando perto de kouta.

-oque foi aquilo?

-Ele me irrita! Com aquela aura de nada me incomoda, quis bater nele.

Eu sorri e continuei assistindo desenhos com ele.

Recebi visitas de Iida e uraraka, mina e hagakure vieram me trazendo um urso como se ele fosse um corpo morto, as duas se apaixonaram pelo kouta que mesmo envergonhado aceitou o carinho delas. Mirio-senpai e tamaki-senpai vieram me visitar também, eles ficaram por um bom tempo e por mais que tamaki ficasse longe de kouta mirio não demorou muito pra pegar amizade com ele. E dei almoço para eles, e após o término de suas visitas eu fui até a cozinha para lavar a louça...

 E logo quando mandalay e pixie voltaram minha mãe já estava em casa, tinha sido um dia bem agitado e me despedi do garoto indo direto para meu quarto pensando em tudo aquilo... eu me deitei encarando a tela enquanto assistia algum vídeo... acabei adormecendo...

Acordei com o vibrar mostrando uma mensagem sobre a tela bloqueada, eu me levantei num súbito pulo que quase cai como minha pressão, eu vesti o primeiro casaco que vi pela frente enquanto descia as escadas tentando não me atrapalhar e derrubar meu celular. Passei pela cozinha onde minha mãe observava algumas panelas, eu me apressei para ir até a porta calçar meus sapatos.

-Onde você vai mocinha?! O jantar tá quase pronto!

-Até mais tarde mãe!!

Eu bati a porta atrás de mim me atrapalhando para pegar a minha bicicleta, montei sobre ela e pedalei como se fosse a última vez que ia usar aquilo, e antes que eu percebesse o One for all fluiu pela minhas pernas me fazendo voar pela estrada de piche, e mesmo que não tivesse nenhum carro eu ainda tinha medo de derrepente ser presa por minha velocidade absurda. E enfim cheguei a praia. Desci da bicicleta a jogando pro lado enquanto descia a escada... foi quando eu o vi.

Em sua forma original ele tinha o braço sustentado por um suporte enquanto o próprio braço estava engessado como o meu a alguns dias, seu braço livre também possuía bandagens que aparentavam estar um pouco sujas, tinha bandagens em seu rosto e seus olhos fixos no mar que ia e vinha, como se fosse um senhor pacífico observando a paisagem pela primeira vez, ele se virou com aqueles olhos profundos me encarando.

-finalmente você chegou.

-All Might!!!

Eu corri em sua direção enquanto ele andava rapidamente na minha.

-Você demorou bastante! Texas...

-All Might!

Foi quando ele passou seu braço livre pelo meu pescoço fazendo meu rosto se chocar contra seu peito.

-HUUUG!!!
(Autora: pra quem não sabe significa abraço.)

Eu fiquei em silêncio sentindo aquele abraço, ele me soltou e me encarou.

-Eu sei midoriya shoujo... sobre seu pai, e sobre tudo... sobre tudo que você passou...

Eu encarei a areia já sentindo as lágrimas chegarem, ele iria me deixar por conta disso, foi oque ele disse, todos iriam me abandonar... foi quando senti um peteleco no topo da minha testa, eu ergui meu rosto para observar seu sorriso gentil...

-A verdade é que eu irei me aposentar, meu corpo está num estado que nem consigo manter minha forma musculosa por muito tempo... Minha última chama do One for all desapareceu, e eu não sei nada sobre ensinar, afinal com a minha tutela você corre diretamente pra confusão machucando seu corpo sem pensar... e é por isso que ver você aqui, bem e sorrindo apesar das recentes situações... me faz ter orgulho de você. Jovem Izuka.

Ele colocou sua mão sobre meus cabelos num afago carinhoso e paterno.

-É por isso que a partir de hoje eu quero me dedicar para ver a heroína que você quer se tornar... eu irei tomar conta de você, e farei o meu melhor apesar da minha condição... eu não acredito que uma coisa tão boa saiu daquele bastardo, por favor... se você deixar... eu quero ser o pai que ele não foi. Vamos fazer nosso melhor?

-All Might!!!

E ele me abraçou com seu braço livre, eu não hesitei em abraçar mesmo com cuidado para não prolongar seus ferimentos, e eu chorei... a dor fraca e prolongada em minhas bochechas me contava com cada palpitação que era o fim da era do all Might... e Deus como me senti culpada...

E eu voltei para casa naquela noite... jantei sem conversar muito com minha mãe graças a todas aquelas marcas que perseguiam minhas memórias, e mesmo assumindo um novo compromisso comigo mesma eu não conseguia esquecer e isso me tirava a fome...

No dia seguinte eu assisti o jornal, all Might assumiu sua verdadeira identidade para o mundo e várias informações sobre heróis foram compartilhadas. E mesmo que minha mãe tenha lido a carta da yuuei avisando sobre uma possível visita de nossos professores... ela não estava preparada. 


Midoriya inko...

Eu já esperava que esse confronto acontecesse... mas mesmo sabendo como eu o veria isso não fazia doer menos, eu me sentia traída, era um segredo que ele escondeu de mim e teve tantas oportunidades para me contar e decidiu omitir tal informação... então eu olhava o loiro que conquistou meu amor parado ali na porta, Izuka estava ao meu lado engolindo em seco enquanto eu respirava tranquilamente... manter a calma sobre aquela situação seria o melhor então ele entrou... Ele nao era um estranho apesar de tudo, era o dono do meu coração e me doía cada passo que ele dava com aqueles machucados para dentro de casa.

Me sentei e ele a minha frente na mesa, ele estava tentando disfarçar sua vergonha sobre estar ali.

-Então... all Might oque você quer?

-acredito que você já foi avisada previamente sobre os alojamentos da yuuei, é sobre nosso plano de realocar os estudantes...

-Sou contra. Pensei sobre isso, a individualidade dela nunca mostrou tal poder até recentemente, e ela nunca deixou de admirar você mesmo nos nossos momentos mais difíceis. E ela conseguiu entrar na yuuei, mas mesmo assim parece que a cada dia ela voltava mais machucada, você sabe sobre o estado de Izuka? Se ela machucar seu braço mais uma vez não terá retorno... quanto a batalha. Eu estava te assistindo toshi... você parou pra pensar como eu ficaria quando descobrisse sobre isso? Eu estava agradecida pelo heroísmo de all Might, mas derrepente o homem que me fez feliz por muito tempo apareceu no campo de batalha para sair completamente ferido... acha que perder você me faria bem?!

Eu respirei fundo tentando me acalmar, não poderia mostrar minha raiva e inquietação... não era o momento pra isso.

-Me pergunto, se Izuka não tivesse se tornado uma heroína... se ela tivesse ficado com sua simples individualidade de cura admirando heróis de longe, ela estaria mais feliz? Não consigo parar de pensar nisso.

-Mãe!

-Izuka! Eu disse que estaria te assistindo e torcendo por você o caminho todo até o seu sucesso! Mas eu nunca disse que eu me preocuparia menos, você é minha filha, meu maior amor. E dado ao atual estado da yuuei... eu não consigo confiar minha filha a você toshinori! Não importa se você é o maior herói do mundo, enquanto vilões estiverem atacando a yuuei minha filha estará em constante perigo! Ela foi sequestrada por conta da baixa segurança, e não vou deixar ela voltar pra uma escola dessas....

Eu passei a mão sobre minha bochecha secando minhas lágrimas, escondendo ou talvez demonstrando minha força... eu não sei ao certo, mas olhar para o rosto do homem que roubou meu coração tornava aquela situação mais difícil. E midoriya gritou protestando, mas mesmo assim eu manteria minha postura firme... ela gritou como se eu estivesse arrancando o sonho dela, mas quem era eu para impedir? Ela poderia seguir seu curso em outra escola, uma que não apresentasse nenhuma ameaça.

-Mãe você! Mãe... eu fui uma heroína.. eu salvei a vida de alguém, um garotinho que agora vai viver pra ver um futuro! Então... esta tudo bem mãe... pode ser em outra escola. Vou me tornar uma heroína de qualquer jeito mesmo!

Me levantei encarando ela enquanto segurava contra seu peito um pedaço de papel com desenhos, e antes que eu percebesse a versão musculosa de all Might estava na minha sala de estar caminhando até ficar de frente para mim... Ele se ajoelhou e colocou sua cabeça contra o Chão, e eu não acreditei no que ele estava fazendo...

-Eu creio que Izuka seja a sucessora perfeita para seguir com o meu legado, o próximo símbolo da paz. Inko, midoriya tem um grande futuro pela frente, e eu quero estar lá pra ver... como antigo símbolo da paz, esse é meu pedido de desculpas, peço perdão por esconder isso de você, peço perdão por tirar vantagem da admiração dela e por negligenciar sua educação como heroína... peço perdão porque eu te amo! E como professor da yuuei esse é meu apelo, sim meu caminho tem pegadas e manchas de sangue, mas é exatamente por isso que não deixarei que ela ande pelo mesmo caminho... quero estar ao lado dela. Andando com ela. Como as coisas Estão atualmente a yuuei não é segura, mas por favor inko me deixe criar a Izuka com tudo oque tenho!!! Irei estar lá por ela! Me deixe fazer parte da vida dela! 


E meu corpo deslizou até que ficássemos no mesmo nível, naquela sala não tinha um herói e uma civil, nem mesmo uma mãe e um professor... naquela sala existia dois indivíduos compartilhando um amor em comum, estávamos no mesmo nível, iguais, ele não era superior a mim ou o contrário... eu chorei agarrando o chão para encarar aquele homem musculoso, que num piscar de olhos voltou a forma que eu amei e amo...

-não é que eu odeie a yuuei... você é a razão de Izuka ter chegado tão longe, você manteve ela feliz... e me deixou feliz... se você me prometer que irá viver para ver o futuro da minha filha... eu não ficarei no seu caminho.

-não posso prometer isso inko. Sem um detalhe muito importante...

Foi quando ele se levantou me encarando nos olhos enquanto procurava algo naquele paletó ajeitado ao redor de seus ombros, ele retirou um pequeno anel de dentro e colocou entre a gente... o local ficou em silêncio enquanto observava ele, era como se nada mais estivesse ali além de nos dois... Meu coração errou o compasso de uma batida enquanto eu lentamente erguia a mão até minha boca.

-não posso prometer isso a menos que você esteja junto comigo mesmo depois que midoriya chegar em seu futuro... inko eu te amo. Você foi a melhor heroína da minha vida, seu brilho e seu sorriso guiaram meu coração até aqui e até esse momento... eu escondi esse segredo para proteção, já que se meus inimigos a descobrissem eu não conseguiria lidar com eles te machucando... mas me arrependi no momento que vi seus olhos quando me encarou na porta... inko não sei se consigo viver mais sem você do meu lado, você é mais forte que eu... e é por isso que quero ter você do meu lado... inko eu nunca fiz isso na vida, fiz certo? Você quer passar o resto da sua vida do meu lado?

Ele deu um sorriso envergonhado enquanto fechava os olhos se preparando para minha resposta, mas como eu iria negar... sim meu coração estava muito machucado, mas ele tinha a determinação de me mostrar oque era saudável para viver uma alegria... e eu chorei tentando secar as lágrimas de meus olhos enquanto olhava aquele pequeno anel com uma pedra brilhante, como o futuro seria diferente que meu antigo amor? Ele também era doce... e se tudo desse errado? E se ele me abandonasse como o outro fez? E se eu não fosse feliz? Mas a vida não é feitas de " e Se"s... é feita de riscos, e heróis correm esses riscos todos os dias... então.

-Eu aceito toshi!

-ISSO AÍ! MEU DEUS! ESSE É O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA!

Ouvi midoriya gritando ela ela corria de um lado a outro na sala, o All Might passou o anel pelo meu dedo agradecendo em silêncio ter conseguido o tamanho certo, e eu estava extasiada com tudo aquilo...

-Izuka, você irá prosseguir no seu caminho e irá morar na yuuei, você entende oque significa?

-Sim mãe! Eu não vou mais te preucupar.

Mas eu não acreditei nas palavras dela, não com aquela cara de choro, na verdade eu não queria deixar ela ir, mas antes que eu percebesse ela cresceu para superar a sombra do herói que mais admirava, então me surpreendeu all Might decidir tais coisas, parecia loucura mas ele era oque eu mais precisava... além de um pai... um homem verdadeiro... e que notasse que não havia diferenças entre nós dois... e eu o beijei, como se fosse meu primeiro beijo, uma sensação calorosa e gentil... Era minha mais nova chance de ser feliz, e eu aproveitaria até que ela desaparecesse... mas era um novo capítulo. Para minha história e para a história dela...

-como eu vou viver com dois heróis na minha vida agora? Aí meu coração que aguente...


Notas Finais


MEU DEUS!!! AHHHHHH!!! ALL MIGHT!!! INKO!!! MIDORIYA!!! URARAKA E MOMO!!! KATSUKI!!! ATÉ MESMO O KOUTA! SOCORRO ESSE CAPÍTULO TEVE MUITA COISA...

Cortei bastante coisa também, mas essas cenas estarão em outros capítulos por conta do espaço, eu Tava muito irritada ultimamente e é estressada.

Gente bora alcançar 40 comentários! E sejam criativos porque o mais criativo vai ser postado no próximo capítulo como uma homenagem!

Meu Deus qual foi sua parte favorita do capítulo? Eu amei as falas da uraraka. E o pedido do all Might... comentem oque acharam da atitude do kacchan... você esperava?

Bom boa noite amores e até daqui 15 anos pro próximo!

Vão além! Plus ultra!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...